15/07/2018

Carta a D. por André Gorz.

| Arquivado em: RESENHAS.


Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.



ISBN: 9788535930979
Editora: Companhia das Letras
Ano de Lançamento: 2018
Número de páginas: 112
Classificação: Bom
Sinopse: Uma das declarações de amor mais conhecidas e emocionantes de nosso tempo, este livro é também uma afirmação comovente de companheirismo entre duas pessoas apaixonadas. "Você está para fazer 82 anos. Encolheu seis centímetros, não pesa mais do que 45 quilos e continua bela, graciosa e desejável. Já faz 58 anos que vivemos juntos, e eu amo você mais do que nunca." Assim André Gorz inicia sua carta de amor a Dorine, mulher ao lado de quem ele passou a vida e que há alguns anos sofria de uma doença degenerativa incurável. Como um dos principais filósofos do pós-guerra francês, Gorz escreveu inúmeros livros influentes, mas nenhuma de suas obras será tão amplamente lida e lembrada quanto esta carta simples e bela, em que ele rememora tanto a história de companheirismo, amor e militância do casal como a trajetória intelectual que percorreram juntos. Um ano após a publicação de Carta a D., um bilhete encontrado na casa onde moravam fez as vezes de pós-escrito à narrativa: André e Dorine tiraram a própria vida juntos, numa renúncia comovente a viver sozinhos.

Particularmente eu gosto bastante de biografias. Gosto de conhecer as histórias de outras pessoas e de aprender um pouco com elas, seja através de suas alegrias ou tristezas. Por esse motivo quando recebi a Carta a D. de André Gorz, pseudônimo do filósofo austro-francês Gérard Horst, fiquei encantada com a premissa da obra. Afinal, nada mais delicado e poético do que uma carta de amor. Porém, logo na primeira página percebi que antes de ser de fato uma declaração de amor, a Carta a D. era um pedido de desculpas de um homem que só pareceu se dar conta do que sentia por sua esposa ao final da vida de ambos.

Não gosto do rótulo que normalmente os intelectuais carregam, o de ser pessoas introspectivas e excêntricas, mas no caso de Gorz essa me parece ser uma definição bem fiel a sua personalidade mostrada nas páginas deste livro. Segundo Gorz nos conta, era comum que se passasse dias sem que falasse uma única palavra perdido em seu mundo escrevendo obras que anos mais tarde o tornaram um grande pensador reconhecido internacionalmente.

André e Dorine se conheceram ao final da Segunda Guerra Mundial e mesmo como todas as diferenças aparentes formam um casal unido tanto pelo amor como por seus ideais políticos um tanto quanto esquerdistas, por assim dizer. A visão que Gorz apresenta do amor aqui me pareceu em diversos momentos fria e racionalizada demais, o que com o tempo transformou o que era para ser um declaração de afeto e amor em um mar de justificativas evasivas e até mesmo um pouco “hipócritas”.

Além disso, fiquei com a sensação que a todo momento Gorz se esforça para convencer não somente a si mesmo, mas qualquer um que venha a ler sua obra que seus sentimentos e sua relação com Dorine está acima do que consideramos um relacionamento “normal” que muitas vezes seus argumentos acabam por contradizê-lo. Outro ponto é que não acabe a mim ou ao qualquer outro leitor julgar a forma como Gorz e Dorine mantinham a sua relação. É perceptível que da forma deles, eles se amavam e tiveram um relacionamento cheio de altos e baixos, mas acima de tudo do que para eles era amor, respeito e companheirismo.

“Eu lhe escrevo para entender o que vivi, que vivemos juntos.”

A Carta a D. é uma leitura fluida, mas que decepciona um pouco quem espera encontrar em suas páginas um relato mais romântico. Embora André Gorz consiga passar a mensagem que tinha em mente se desculpando com Dorine por não ter mostrado ao mundo o quanto ela era importante em sua vida durante os anos de casamento, faltou ao filósofo, ao menos em meu ponto de vista ter encontrado uma forma mais terna e até mesmo simplista de dizer, - eu te amo.

Comentários via Facebook

15 comentários:

  1. Oi Ane, tudo bem?
    Comecei a ler o post achando que seria um texto comovente, mas parece que não é isso que o leitor encontra. Como não curto biografias e nem conheço o escritor, esse título eu vou acabar passando mesmo.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  2. Oii Ane!
    Que interessante essa escolha de livro. Gostei muito da sua resenha, nos faz pensar sobre a forma que cada um ama. As formas de se relacionar variam muito de acordo com cada pessoa e, como retrata essa história, não são sempre convencionais e cheias de atos e demonstrações de amor como estamos acostumados. Mas nem por isso deixam de possuir amor.
    Boa semana!
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Gostei da resenha Ane. São poucas as biografias que me chamam a atenção, entretanto, perceber que o autor não soube dizer que amava abertamente - tanto no livro quanto no convívio do dia a dia - me desanimou a conhecer a obra. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  4. Gosto muito de biografias, acredita ? É tão bom conhecer as experiências vividas por outro alguém, que talvez a gente não passe ou se passar talvez não agiremos como aquela pessoa. É conseguir ver o mundo com os olhos de outro alguém por um instante.

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  5. Ane, é um livro que me despertou curiosidade, intrigante e uma forma bem unica, creio que gostaria de elr até mesmo para confirmar a sensação que senti ao ler a sinopse!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Ane! Eu leio poucas biografias, mas essa não me cativou o bastante para conferir. Esta falta de ternura do autor me afasta. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  7. Oi, Ane!
    Pela sinopse do livro eu já tiro que não iria gostar muito desse livro :(
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  8. Oi Ane,
    Eu vi umas fotos pelo insta e achei a edição tão fofa, lembrando envelope e tals.
    Uma pena que que te decepcionou um pouco. Esse livro meio que me lembrou um outro que eles lançaram ano passado. Minha prima leu e só foi bom, também.

    bjs
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  9. Olá, Ane!

    Achei seu texto muito bonito. Digo isso na questão da sinceridade. Quando soube do lançamento desse livro quis ler, pois amo livros com cartas. A maioria das resenhas que leio sobre a obra é enaltecendo e falando da beleza das cartas, mas vocÊ me trouxe uma perspectiva diferente e muito válida.

    Gostei muito!

    Bjão,
    Diego França | Blog Vida & Letras
    www.vidaeletras.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi Ane
    Eu não conhecia a obra e agora até fiquei interessada, mesmo não curtindo muito biografias fiquei com vontade de ler.

    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Oi, Ane

    Eu era uma das pessoas que esperava encontrar um texto mais romântico e me surpreendi ao encontrar ao até politizado. Mas acabei curtindo bastante, pois achei que na verdade foi muito mais uma carta para ele mesmo do que para a própria esposa, como se ele tivesse se desculpando consigo mesmo. Até escrevi isso no rascunho da resenha que não sei se vou publicar... hahaha

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  12. Olá, Ane.
    A sua é a terceira resenha que leio desse livro e a primeira que vejo falar que ele não é tão romântico assim. Pelas outras resenhas eu tinha entendido o contrário. Agora já não sei se quero tanto ler ele hehe. Por isso que é bom ler várias opiniões diferentes de um mesmo livro.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  13. Bom dia,

    Essa é a primeira resenha que leio desse livro, achei no mínimo interessante, acho que leria sim....bjs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Oi, Ane!

    Não sei se eu apreciaria a leitura pela forma como é narrada, mas a mensagem transmitida através das cartas parece mesmo ser bem bonita e tocante

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Oi Ane,
    Eu esperaria algo mais romântico com certeza! :(
    Uma pena, mas vejo tantos elogios a obra que fico curiosa mesmo assim.
    Só acho que a capa podia ser mais atrativa, rs.
    Beeeeijos
    https://estante-da-ale.blogspot.com

    ResponderExcluir

Instagram

© 2010 - 2018 My Dear Library • Livros, divagações e outras histórias. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in