Mostrando postagens com marcador divagando. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador divagando. Mostrar todas as postagens
27/01/2019

100% presente

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
Quando eu tenha quinze anos ouvi que, o ser humano passa: quarenta e cinco por cento do tempo relembrando o passado, quarenta e cinco por cento planejando o futuro e apenas dez por cento vivendo o momento presente. Na época isso me assustou, afinal sempre tive a visão que a vida é curta e que devemos aproveitar ao máximo o momento presente. Pois, como o próprio termo diz, ele é um presente de Deus e o Universo para nós.

Anos mais tarde ouvi que: depressão é excesso de passado e ansiedade é excesso de futuro. Foi então que percebi que ignorei o aviso sutil que a vida e o Universo tinham me dado aos meus quinze anos. Me tornei uma pessoa que pensava demais no passado e planejava demais o futuro, quando tudo o que eu precisava fazer era e é focar no aqui e agora, - no presente.

Percebi que não adiantava ficar me culpando ou culpando os outros por decisões tomadas em uma época, que não tínhamos maturidade para entender o quanto aquilo deixaria marcas profundas em nós. Até por que agimos acreditando que estávamos fazendo o melhor pelo outro e por nós mesmos.

Além disso, vi que não tinha construir um futuro feliz e pleno se os meus alicerces eram fundamentados na areia movediça do passado. E me dar conta que eu tinha me tornado uma pessoa que nunca quis ser foi como levar um tapa na cara e ao mesmo tempo que necessário. Pois, a verdade é que no fundo sempre soube que aquilo que me limitava e fazia mal era eu mesma.

É engraçado como muitas vezes o nosso maior obstáculo é justamente o nosso próprio pensamento. E quando me dei conta disso, vi que acabei me tornando aquilo que na minha adolescência eu mais temia, - uma pessoa presa entre o passado e o futuro. Esquecendo de viver o momento, de estar de fato presente em minha própria vida.

Não nego que às vezes me pego pensando em como minha vida estaria se eu tivesse tomado outras decisões e tomado outros caminhos. E claro como todo ser humano tenho meus planos e objetivos para o futuro.  A diferença é que aprendi a ver no presente o lado positivo de todas as situações, mesmo aquelas que a princípio me deixam triste.

Aprendi que não há nada de errado em olhar com resignação e nostalgia o seu passado. Como não há nada de errado olhar com fé e esperança o futuro. Desde que tenhamos em mente que precisamos estar cem por cento presentes em todos os momentos da nossa vida. Afinal o que importa é o agora e todo momento é o Momento Certo para você ser feliz.

26/12/2018

05 coisas que aprendi em 2018

| Arquivado em: DIVAGANDO.

Olhando em retrocesso posso respirar aliviada e dizer com toda certeza que 2018 foi um ano de desafios é verdade, mas sem sombra de dúvidas foi um ano de muita aprendizagem. Acho que finalmente concluí meu retorno de Saturno e apesar de precisar melhorar em muitos aspectos, afinal a nossa evolução como ser humano é contínua, sinto que aos poucos estou me tornando a pessoa que quero ser.

Alguém mais segura de si mesma e que até nos dias mais complicados encontra um motivo para sorrir e agradecer. Alguém que aceitou o vitiligo e não tem mais vergonha de suas manchas e principalmente que percebeu que a única pessoa responsável pela sua felicidade é ela mesma.

imagem: Shutterstock
Por isso no post de hoje, quero compartilhar como vocês as cinco coisas mais importantes que aprendi em 2018.

05 Nada é mais importante do que a sua saúde emocional:

Essa frase praticamente se transformou no meu mantra em 2018, porque nada, absolutamente nada é mais importante do que paz de espírito. Nenhum trabalho ou relacionamento é bom quando te submete a situações que te deixam emocionalmente exausto, triste e com crises de ansiedade.

Nada é mais importante do que a sua saúde emocional, por isso não tenham medo de jogar tudo para o alto. No começo pode até ser assustador, mas com o tempo a paz que toma conta do seu coração e a melhora significativa que você tem na sua qualidade de vida faz com que a decisão valha a pena.

Não se esqueça jamais disso: Nada é mais importante do que a sua saúde emocional.

04 Desapegue-se.

Por mais difícil que seja muitas vezes precisamos deixar pessoas partirem de nossas vidas. Nem sempre aquela amizade que tanto valorizamos agora será para vida toda, pois algumas pessoas são colocadas em nossas caminhos por um tempo determinado para nos ensinar e aprender algo conosco.

Não force a sua presença na vida de quem não quer mais fazer parte da sua. Desapegue-se! O mundo está cheio de pessoas buscando novas amizades.

03 Aceite as mudanças.

Mudança por menor que seja é sempre algo complicado, porque mexe com a nossa zona de conforto. 2018 foi um ano de grandes mudanças em minha vida, tanto pessoal como profissionalmente. Eu ainda estou me adaptando a essas mudanças, especialmente porque algumas foram bem dolorosas. Mas agora depois que a tempestade passou, consigo ver o quanto eu precisava dessas mudanças para amadurecer e me tornar um ser humano melhor.

02 Agradeça sempre.

Vou confessar que por um longo tempo eu não entendia e não “confiava” muito nas pessoas que falam gratidão. Porém, depois que ouvi a frase: “Reclamar é clamar duas vezes ao Universo.”, uma chavinha girou em minha mente, porque sim, - eu era uma pessoa que reclamava demais.

E foi incrível perceber como uma “simples” mudança de postura deixou a minha vida mais leve. Claro que tem dias que fico chateada com algumas coisas e acabo dando aquela “reclamadinha“, só que logo me lembro que reclamar não vai fazer com que as coisas melhorem, e sim pelo contrário, só vai amplificar os meus sentimentos negativos em relação aquela situação.

A verdade é que o Universo nos devolve exatamente aquilo que nós damos para ele, então quanto mais grato somos pela vida que temos e pelas bênçãos que recebemos, mais o Universo vai devolver coisas boas para nós.

01 Se perdoe.

Essa foi sem dúvida a maior e mais dolorosa lição que aprendi em 2018. Sempre me cobrei demais. Em algum momento entre o final da infância e o começo da adolescência, eu coloquei em minha cabeça que tinha que ser o retrato da perfeição. Por isso toda vez que eu errava ou achava que tinha decepcionado alguém, eu me culpava tanto, mas tanto que com o passar dos anos isso gerou acúmulo de mágoas e ressentimentos enorme em meu coração.

Então aprendi a pedir perdão não só para os outros, mas para mim mesma. Olhei com carinho a Ariane de vinte um anos atrás e a perdoei porque foi a imperfeição dela que me transformou na pessoa forte que sou hoje.

Me perdoei e parei de ficar me perguntando como teria sido a minha vida se em um determinado momento eu tivesse ido pela esquerda e não pela direita. Me perdoei porque finalmente entendi que ficar remoendo o passado e me culpando não vai fazer com que as coisas sejam diferentes, e às vezes por mais difícil que o caminho escolhido tenha sido o outro podia ter sido pior.

Me perdoei por que o excesso de mágoa estava pesando demais na minha bagagem e quero ser leve para realizar meus sonhos e ser uma pessoa melhor a cada dia. Me perdoei por que finalmente entendi que não importa o caos do lado de fora no mundo, eu só posso resolver o caos que vive dentro de mim.

Sou a única responsável pela minha felicidade.

E vocês, quais foram as lições que 2018 vai deixar?

Até o próximo post!

22/11/2018

Interpretações do Amor

| Arquivado em: DIVAGANDO.


imagem: Shutterstock
Me pergunto até quando vou continuar esperando que você responda a minha mensagem. Aquela que te enviei perguntando uma bobeira só para puxar assunto, mas que quando a sua resposta chega me deixa com um sorriso idiota na cara.

Me pergunto até quando vou continuar segurando o vazio ao invés de suas mãos e me sentindo uma estranha e sem lar, pois o único lugar seguro para eu morar é no seu abraço.

Uma vez você interpretou errado as minhas palavras e agora eu me pergunto, se sou eu que entendi tudo errado quando você disse que me ama.

Porque se você me ama, deveria ser mais fácil passarmos por cima de nossos erros e enganos e tentar acertar. Ou será que segundas chances só existem nos romances que leio e para outras pessoas?

Sei que deixei meu medo falar mais alto e fiz de tudo para te afastar de mim. A ironia amarga dessa história é que quando percebi que era você que me dava forças para tentar ser a cada dia uma pessoa melhor, eu te perdi.

E de verdade não sei porque ainda tento fazer você enxergar que mesmo com todos os meus erros e cicatrizes, tudo o que há de bonito e feio em mim agora expostos, que sou a pessoa certa para você.

Interprete minhas poucas palavras e tudo aquilo que eu digo em silêncio, que o meu amor ansioso e inseguro é tudo o que tenho para te dar. Espero que você não se importe como um relacionamento a três: você, eu e minha ansiedade.

Talvez você à culpe por não estarmos juntos hoje, mas a culpa não é dela, acredite. É minha que tentei ignorar a presença dela em minha vida quando na verdade esse tempo todo ela fez parte de mim.

Entenda meus sentimentos como eles são: um furacão fora de controle, mas que no centro de toda a sua confusão a única coisa que está no lugar é o amor que sinto por você. Porque quando fecho os olhos com medo do escuro é você e seu amor que vejo e sinto me protegendo.

Será que agora você vai interpretar as minhas palavras da forma correta ou eu vou continuar entendo tudo errado?

Não sei...
Só quero segurar em sua mão, morar no seu abraço e que você saiba que também que te amo.

texto escrito por: Ariane Gisele Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

05/11/2018

Me afogando

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock

Sinto que estou me afogando em um mar de palavras não ditas.
Sinto que estou sendo puxada pela correnteza de sonhos que deixei morrer.
Me pergunto em qual momento deixei de lutar pelo o que eu acreditava.
Quando permiti que a opinião do outros fosse mais importante que a minha fé.

...

Isso me desperta e emerjo às cegas das águas de minha tristeza e volto a respirar.
As estrelas acima de mim são tão lindas.


texto escrito por: Ariane Gisele Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

05/09/2018

Deixando a vida fluir

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
Fiquei alguns minutos olhando para essa folha em branco sem saber o que escrever, ou por onde começar. Troquei as músicas da minha playlist várias vezes, até voltar a ouvir a primeiro música.

Isso me fez pensar em quantas vezes acreditamos que o melhor para nós está longe e distante, quando da verdade tudo o que precisamos para ser feliz está do nosso lado. Há um passo de distância.

Gostamos de buscar o inalcançável, o incrível porque parece que o que temos nunca é o suficiente ou bom o bastante. Nos enganamos com a crença que o amanhã será melhor, porque encaramos o hoje como mais um dia qualquer. Só que esse hoje é o amanhã que tanto desejamos ontem.

O que nos passa quase sempre despercebidos é que a surpresa surge quando não esperamos. E por sempre esperar algo especial, não notamos as pequenas surpresas que cada dia nos reserva. Não notamos o quanto tudo a nossa volta e nós mesmo somos breves, únicos e belos. O problema é que pensamos e esperamos demais de tudo e de todos e nos esquecemos de viver.

Quando parei de procurar as palavras certas os meus sentimentos fluíram. Simples como a vida flui. 

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

26/08/2018

A vida começa a mudar quando a gente muda

| Arquivado em: DIVAGANDO.

Sei que o título do post parece clichê, mas por incrível que parece venho descobrindo o quanto essa frase é verdadeira: A vida só começa a mudar quando a gente muda. E não estou falando das mudanças visíveis, daquelas que amigos, familiares e o mundo percebem. Mas sim daquelas sutis que acontecem internamente em nosso coração, em nossa alma.

imagem: Shutterstock
Desde 2015 a minha vida vem passando por altos e baixos. Sempre brinco que o famoso retorno de Saturno foi “cruel” comigo, porém é inegável o quanto os tombos que levei nos últimos anos me ajudaram a crescer e principalmente enxergar o que eu precisava mudar em minha vida e nas minhas formas de pensar e agir.

Às vezes a gente sabe que algo não está legal em nossa vida, porém por medo e até mesmo por comodidade não temos coragem de arriscar para mudar a situação. Ficamos no ciclo vicioso do “e se” e sem perceber acabamos por responsabilizar as outras pessoas por nosso sofrimento. Quando na verdade somos nós que precisamos dar o primeiro passo.

O problema não é se arrepender das escolhas que em algum momento da vida fizemos. O problema é não conseguir ver que essas escolhas não foram somente erros e sim uma oportunidade que Deus e o Universo nos deram de aprender, de evoluir como pessoas. Porque infelizmente, nós seres humanos só aprendemos através da dor. Se fosse para colocar em uma balança todas as decisões e escolhas que fiz em minha vida nos últimos anos, sei que o lado das escolhas “erradas” vai pesar um pouco mais.  Porém, sei que se eu não tivesse “falhado” no passado não estaria onde estou hoje. Afinal, foram essas falhas que me deram coragem para mudar.

Que me deram coragem para encarar meu vitiligo não somente como uma falha do meu sistema imunológico que afeta a minha aparência, mas sim como um indicativo que algo no meu emocional não vai bem.  Porque quanto mais bem e tranquila eu me sinto, manchas novas não surgem e as que tenho respondem melhor ao tratamento.

Coragem para admitir a mim mesma que eu precisava de ajuda para controlar a minha ansiedade e cortar os laços negativos com o passado. Não adiantava de nada eu ficar me arrependendo da faculdade que fiz e das oportunidades que perdi, mas continuar no meu sofá sem fazer nada para mudar o meu descontentamento com a vida e a minha desilusão com a profissão que escolhi. Com isso eu só estava me tornando uma pessoa chata, reclamona e que nem eu mesma gostava de ter por perto.

Só que mudar não é fácil, especialmente quando algumas coisas já estão tão arraigadas na gente. São coisas que de tanto ouvirmos dos outros passamos a acreditar e essas crenças com o passar do tempo acabam nos limitando e nos impedindo de ir atrás de nossos sonhos. E está sendo muito, mais muito difícil eliminar essas crenças de mim. Pois sempre fui o tipo de pessoa que necessitava da aprovação dos outros. Que fazia o que era melhor para outros, mesmo quando o melhor para os outros me deixava infeliz.

Tinha medo de expor minhas ideias, de demonstrar meus sentimentos e até mesmo cantar que sempre foi algo que amei, de tão preocupada que eu ficava com a opinião dos outros. E durante esses três anos de altos e baixos percebi o quanto esse medo de sufocava e como eu estava sendo responsável pela minha infelicidade. Foi então que prometi a mim mesma que ai me permitir a ser feliz.

A vida começa a mudar quando a gente muda. Quando a gente passa a deixar as coisas fluírem sem ter medo do que vai encontrar lá na frente, pois você acredita que vai ser o melhor. É fazer uma faxina geral em nosso interior eliminando tudo o que não agrega mais em nossa vida. É conseguir perdoar quem nos feriu e perdoar a nós mesmo. É dar o primeiro passo deixando o comodismo para lutar pelos nossos sonhos.

Mudar não é fácil e sei que esse será um processo longo, pois volta e meia aquela vozinha negativa surge, dizendo que sou uma boba e que devia desistir de estudar música e que as pessoas dão risada de mim pelas costas. Sei, que vai ter dias que vou querer me isolar ou que vou me sentir solitária mesmo quando estiver com meus amigos, porque essa mesma voz vai sussurrar que ninguém gosta de mim e que sou um peso na vida das pessoas. Sei que haverá dias que a ansiedade vai levar a melhor sobre mim e eu vou ficar com medo de sair na rua.

Mas, eu sei que sou forte para enfrentar esses dias sombrios e calar essa voz. Dei o primeiro passo para mudar cada setor em minha vida que me causava tristeza, frustração e infelicidade. Depois de anos me permitir a sonhar e acreditar em mim mesma. E só esse pequeno passo já deixou muita coisa mais leve, simples e bonita.

Nunca é tarde para recomeçar e mudar a direção de nossa vida. Não tenha medo de mudanças, por mais assustadoras que a princípio o novo possa parecer, as mudanças sempre vêm para o nosso bem. Para a nova evolução pessoal. 

A vida começa a mudar quando a gente muda. E só somos verdadeiramente felizes, quando permitimos que a felicidade faça parte de nossa vida.

27/06/2018

Velha amiga

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
A chuva cai sobre mim, mas eu continuo andando sem me importar com o frio.
Suas gotas se misturam com a minhas lágrimas, mas eu continuo andando.

Abro meus braços e a recebo como uma velha amiga. E pelo que ela leve toda a tristeza de minha alma. Quero caminhar sem o peso de tantas as escolhas erradas que fiz no passado, ou as frustrações do futuro que um dia eu imaginei viver.

Quero levar apenas o presente comigo, aqueles pequenos segundos e momentos de simplicidade e beleza. E sem expectativas admirar o pôr do sol e ver a primeira estrela surgir no céu.

Me encantar com o brilho da lua, dançar com o vento a melodia das ondas do mar. Compartilhar com o Universo meus sonhos sem medo que eles pareçam bobos. Sentir minha alma tão leve que não tenho mais medo de abrir minhas asas e voar.

texto escrito por: Ariane Gisele Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

07/06/2018

Meus Erros...

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
Erro quando tento não errar e quando tento consertar meus erros.
Erro quando digo que te quero longe, mesmo querendo você perto de mim.
Erro quando falo que não sinto nada, quando a verdade é que sinto tudo.

Quero que você segure minha mão e diga que não preciso ser perfeita.
Que me abrace forte e fale que tudo vai ficar bem entre nós.

Entre nós ...

Erro quando digo, deixa para lá e finjo que não me importo. Quando na realidade o seu silêncio me entristece e assusta.
Erro quando machuco seus sentimentos para proteger os meus.

Não esqueça que nas entrelinhas de cada erro, você é o motivo do meu sorriso bobo todos os dias.

Todos os dias ...

Provavelmente vou continuar errando em tudo que se relacione a gente.
E sei que posso não ser a pessoa certa para você, mas sigo errando disposta a tentar ser.

Quero que você segure minha mão e diga que não preciso ser perfeita.
Que me abrace forte e fale que tudo vai ficar bem entre nós.

texto escrito por: Ariane Gisele Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

06/05/2018

A Chave

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: silvermoonswan | Tumblr
Agora seus passos são suaves como o vento e seu olhar contém o brilho das estrelas. Não é mais aquela menina com medo do escuro e das paredes que a sufocavam.

Seu semblante é sereno. E mesmo que caminhe sem destino, sabe que está da direção certa, pois segura firmemente em suas mãos a chave para sua felicidade.
Seu guia é o coração.

Uma parte de si continua sendo aquela menina que se sentia sozinha da multidão. As vozes altas calavam a sua e debochavam dos seus sonhos.

Ela escondia as lágrimas por de trás do sorriso, até que percebeu que a chave para sua felicidade sempre esteve ali, - em suas mãos.

Venceu seus fantasmas e sua voz mesmo inseguro e baixa, pode finalmente ser ouvida. Ela caminha em frente seguindo o seu coração. E por onde passa diz à todos, que eles podem ser livres também.

A chave sempre está em nossas mãos.

texto escrito por: Ariane Gisele Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

19/03/2018

Distância

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock

Há uma longa distância entre nós. Quilômetros nos separando e muitas coisas que no passado em que a vida era florida e cheia de possibilidades, não foram ditas. Palavras que se perderam no tempo, mas que muitas vezes no silêncio da noite, ou nos meus sonhos são sussurradas.

Não podemos apertar o reset e começar tudo de novo. E mesmo que isso fosse possível, íamos em algum momento de nossa história acabar errando. Ou melhor dizendo, tomando outro caminho.

Dizem que até as pedras um dia se encontram e me pergunto se um dia vamos nos reencontrar.  Se você ainda vai gostar de mim como antes e se nossas conversas serão fluídas, ou se aquele silêncio constrangedor vai surgir entre nós. Me pergunto o que mais mudou fora a nossa aparência física ao longo desses anos. Eu sinto que não sou a mesma garota que você conheceu naquele show de rock há tanto tempo.

Não fui eu que quis mudar, sabe? A vida acabou me forçando a amadurecer da forma mais difícil. Sinto saudades daquela ingenuidade juvenil. Aquela que acreditava que o futuro era algo distante e tinha todo o tempo do mundo. Não sei como você se sente em relação a isso, em relação ao que não vivemos e aquilo que podemos viver.

A vida e a geografia nos colocaram em pontos distantes do mapa. Uma distância que ambos acham difícil transpor. Às vezes, acho que desistimos por medo. Medo de não corresponder às expectativas do outro e de nós mesmos. Pois sabemos como dói a decepção e aquele nosso lado egoísta e muito consciente não quer passar por isso outra vez.

Talvez a distância que acreditamos existir entre nós é na verdade uma autodefesa que criamos para não machucar nosso coração novamente. Se estamos certos ou errados, ou se éramos ou somos a pessoa certa um para o outro só o tempo dirá. Precisaríamos ao mesmo tentar diminuir a distância? Provavelmente.

Mas algumas perguntas passam uma vida toda sem respostas ...

26/02/2018

Conversas de final de tarde

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
A minha intenção era escrever sobre alguma série ou filme legal que vi nos últimos tempos. Mas, sabe quando não surge aquela inspiração? Pois bem, foi exatamente isso o que aconteceu com essa blogueira que vos escreve. Só que ao mesmo tempo em que não conseguia desenvolver o post que a princípio tinha em mente, senti a necessidade de vir aqui conversar um pouco com vocês. Sim, só bater papo, jogar um pouco de conversa fora.

Vivemos praticamente todas as nossas horas do dia conectados, mas pouco conversamos entre nós mesmos. Quando digo conversar não estou falando de troca de mensagens através de um aplicativo ou rede social, - estou falando de olho no olho de estar perto de quem nos faz bem e amamos. Compartilhamos fotos dos momentos felizes e esquecemos do mais importante, de viver o momento.

Nada me dá mais paz de espírito do que chegar em casa e jantar com a minha mãe, enquanto contamos uma para outra como foi o dia. Ou mesmo quando estamos assistindo algo juntas, dividindo o mesmo sofá pequeno e apertado para duas pessoas. Esses momentos por mais rotineiros que sejam, são o meu porto seguro em meio ao stress do meu trabalho e minhas crises de ansiedade. E para tudo ficar perfeito temos o nosso potinho de amor, o Hércules que sabe exatamente quando eu estou triste ou chateada com alguma coisa e do seu jeito canino fofo, sem expressar nenhuma palavra me diz que vai ficar tudo bem.

Adoro sair com as minhas amigas (Joy, Ju e Tha) e fazer o que carinhosamente chamamos de piquenique na praça de alimentação do Shopping. Aguardo ansiosamente pelos nossos encontros mensais, as nossas conversas que começam com um assunto e terminam em outro completamente diferente. Amo as risadas altas e as recordações que criamos em cada um desses encontro. Nunca vou esquecer do dia que recebi a notícia que o Arthur está chegando em nossas vidas, e como a partir daquele dia estou me esforçando ainda mais para ser uma pessoa melhor, para ser uma tia presente em todos os momentos da vida dele.

E nada me mostrou mais a verdade do ditado: “Amigos são a família que escolhemos para a gente.”, do que a minha gêmula (Fran). Entre cafés aos finais de tarde e conversas que deixam a alma leve, ela é aquela pessoa que acredita mais em mim e nos meus sonhos do que eu mesma.

Depois de anos, finalmente descobri o significado de ter melhores amigas.  E enquanto converso com vocês, leitores do blog, compartilhando uma parte de mim e falando sobre essas pessoas tão especiais da minha vida, penso em quando sou grata a Deus e ao Universo por telas por perto. Pertinho mesmo, para aquelas deliciosas conversas de finais de tarde, e principalmente no lugar mais seguro onde as pessoas que são importante e que se importam merecem estar, - no coração.

22/02/2018

As Notas da Vida

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Depositphotos

Ideias não são fixas. Elas se transformam e muitas vezes se perdem nos rascunhos que compõem o nosso passado. O presente é um nota inicial, a clave de sol em que todos os nossos sonhos, desejos e planos precisam seguir em meio tom para alcançar a nota mais alta e límpida no futuro.

Talvez por isso, que na vida nada seja de fato permanente, seu ritmo muda. Oras claro e harmonioso e em outros momentos desafinado e destoante. Uma bagunça de estilos e cores que nos deixa muitas vezes confusos e perdidos no meio da dança. Sem saber quais são os próximos passos.

Do nada a melodia que é calma se torna pesada, ou a tristeza que outrora nos embalava ganha um tom de beleza, um raio de felicidade. Por isso, que as ideias não podem ser fixas. Afinal nossos sentimentos, - mesmo para aqueles que se orgulham de seus corações frios, são mutáveis pois dentro de cada um de nós queima a chama e o desejo de ser feliz. O de encontrar o momento, a pessoa e a nota perfeita.

Mesmo desafinando ou errando o tom. Mesmo trocando o ritmo e riscando os trechos da letra. Nada disso importa, pois a nossa canção é única. Assim como os nossos dias. Só precisamos ouvir com mais atenção a beleza nas notas passageiras da vida.

10/01/2018

Estou me acostumando a esquecer ...

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
Estou me acostumando a esquecer...

Essa é a frase que venho repetindo todas as manhãs quando acordo e todas as noites antes de dormir; Estou me acostumando a esquecer.

A cada dia vou guardando dentro das caixas das coisas para serem esquecidas, o nós que nem sequer chegou a existir realmente. A situação é um clichê tão bobo, que seria trágico se não fosse cômico, ou cômico se não fosse trágico. De um lado alguém que cansou de esperar por uma chance. Do outro alguém que só percebeu a chance que tinha quando perdeu. Mas que diferença faz? É somente mais um capítulo dramático nesse drama todo em que às vezes transformamos a vida.

Estou me acostumando a esquecer...

E todos os dias vou tentado esquecer as longas conversas  que não vamos ter. Os passeios de mãos dadas, os abraços, os beijos e a cumplicidade que teríamos. Todos os momentos, planos e sonhos. Aos poucos eu estou me acostumando a esquecer tudo isso. Esquecer dos momentos que não vamos mais viver juntos.

Talvez no futuro quando por um acaso eu revirar essas caixas, as lembranças do que não vivemos não me doa mais. Talvez eu até consiga sorrir e entender do porque nossa história parou tão abruptamente, quando a melhor parte estava para começar.

Talvez eu nos perdoe pela imensa sucessão de encontros e desencontros, dos nossos pequenos erros e medos, mas principalmente de desistir tão facilmente de nós. Talvez de tanto repetir que não me importo e que já esqueci, isso se torne uma verdade de fato. Uma amarga verdade, mas ainda sim uma verdade. E apelando para o pior dos clichês, posso dizer que o nosso fim prematuro é um novo começo. Porém, cada um vai escrever um capítulo diferente da história a partir de agora. Uma história separada de muitas maneiras e a mesma história de muitas formas.

Estou nos guardando na caixa de coisas para serem esquecidas. E por mais que em alguns dias ao fazer isso uma lágrima caia, continuo repetindo, - Estou me acostumando a esquecer...

29/12/2017

Me permitir ser Feliz

| Arquivado em: DIVAGANDO.


imagem: Shutterstock
Estou me libertando de metas de final de ano. Não quero mais conviver com aquele sentimento amargo de frustração de olhar para trás e ver que não cumpri metade do que planejei. A verdade é que estou começando achar que esse é o grande problema do mundo. Planejamos tanto, colocamos tantas expectativas sobre nossos ombros e nos ombros de quem amamos, que quando as coisas não saem como gostaríamos a frustração e os pensamentos negativos preenchem a nossa mente e o nosso coração.

Deixamos tantas páginas em branco em nossas vidas, justamente por que ficamos em um limbo presos entre o passado das coisas que não deram certo e o futuro em que as coisas darão.  Passamos dias, meses ou até mesmo anos correndo atrás de um objetivo para muitas vezes, quando finalmente conseguimos o que tanto queríamos nós o descartamos, - jogamos fora por que  no agora ele não serve mais.

Estamos sempre buscando algo grandioso quando se pararmos um único segundo para olhar em volta, vamos perceber que temos tudo o que precisamos para ser feliz do nosso lado. Que todo dia é um pequeno ano novo, em que a principal mudança tem que partir de você. É um começo e recomeço constante em que muitas vezes não vamos ter nada ou ninguém em que nos apegar e, mesmo assim vamos precisar seguir em frente.

Em 2018 não quero ter metas preestabelecidas em uma agenda para cumprir. Vou me permitir errar sem ficar me punindo por meus erros. Vou cuidar de mim e da minha saúde tanto física como mental e espiritual. E principalmente vou dar voz aos meus sentimentos, dizer as pessoas que amo o quanto elas são importantes em minha vida e como sou grata por elas permitirem que eu faça parte de suas vidas.

Vou viver cada momento como se ele fosse único, por que cada momento é único. Vou rir com meus amigos e rir sozinha, e ao invés de ignorar o que me incomoda e chateia vou chorar sempre que for preciso para deixar minha alma mais leve. Vou amar e compartilhar o amor e agradecer por tudo que tenho ao amanhecer e entardecer.

Vou pura e simplesmente me permitir a ser Feliz.

Nos vemos em 2018 e Feliz Ano Novo ()!

29/10/2017

O começo do recomeço ...

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock

Deixo frases soltas na areia, mesmo sabendo que logo o vento e as ondas vão apagá-las.
Fecho os olhos e recebo a chuva de braços abertos, as suas gotas frias se misturam com as lágrimas quentes que eu nem senti cair.

Páginas completas que não escrevi,
Figuras coloridas que perderão a cor,
Pedaços fragmentados de sonhos.

Pequenos fragmentos de sonhos.

Olho fotos antigas que não reconheço.
O reflexo no espelho revela várias histórias inacabadas à espera de um final feliz.
Um caos colorido que perdeu sua cor, se tornando frio e cinzento com um dia de inverno.

Meus pés correm sem sair do lugar,
Tropeço em obstáculos que criei,
Pedaços fragmentados do medo.

Pequenos fragmentos do medo.

Mas aprendi a enfrentar meus medos.
Ao final de cada história inacabada ganho um presente.
Uma nova página em branco.
Um novo quadro para preencher de cor.
Um começo, para um novo começo do recomeço.

Deixo frases soltas na areia,
Sou um caos de cores e tons de cinza.
Como histórias inacabadas que sempre começam a partir de um novo começo do recomeço.

Novo começo.
Recomeço...


texto escrito por: Ariane Gisele Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

28/08/2017

Nossos parágrafos, vírgulas e pontos finais...

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
Há aquele velho ditado que diz que tudo na vida tem começo, meio e fim. E olhando para nós dois agora percebo que estamos próximos do fim. Não que o problema seja você ou eu. A verdade é que nos tornamos algum tipo de clichê barato.

Sei que pode parecer piegas dizer isso, mas aquilo que um dia nos uniu não é mais forte o bastante para nos manter juntos. Além disso, há tempos venho me sentindo só mesmo quando estou com você. Sinto como se fosse só minha à responsabilidade de manter as coisas em pé, de ser o alicerce dessa relação.

Não sei dizer qual foi o momento exato que tudo mudou entre nós. Só sei que quanto mais me distancio, mas percebo o quando já estávamos distantes.

Distantes um do outro e de nós mesmos.
Distantes do que um dia fomos um para o outro.
Distante do que era e é importante.
Distante daquilo que queremos.

Nossas longas conversas não existem mais e antes que todo amor que existiu entre nós seja sufocado pela amargura é melhor colocar um ponto final na história.

Essa é o última frase de nossa história e a primeira de nossas novas histórias. Histórias escritas em folhas separadas com canetas de cores diferentes. Histórias tão distantes e ao mesmo tempo tão próximas quanto o ponto final e o começo de uma frase  são, para que nossos parágrafos e vírgulas se misturem e se completarem uma vez mais.


texto escrito por: Ariane Gisele Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

22/06/2017

Começar tudo de novo

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
Olho para as palavras soltas esperando alguma delas ganhar sentido e explicar o que estou sentindo.

A minha volta há folhas pelo chão e uma mancha de tinta suja minha mão. E nesse pequeno caos que criei tento encontrar alguma resposta, para todas as perguntas erradas que fiz. Agarro uma única folha e saio correndo pela noite fria.

Corro sem perceber por qual direção meus pés me guiam...

Paro quando não consigo mais respirar e olho para o céu limpo só com a luz de algumas poucas estrelas. Aperto com mais força a folha em minha mão e percebo as lágrimas que silenciosamente caem.

É quando as palavras soltas começam a fazer sentido. Elas são fragmentos de esperança e fé perdidos. Traços de um desenho incompleto, da canção inacabada ... de um sonho deixado para trás.

Para trás ...

As palavras me confundiam por que elas não foram feitas para serem entendidas, eu precisava senti-las.

Volto correndo para o caos do qual eu tentei fugir e reencontro com minha esperança, minha fé e meus sonhos. O lugar que tudo era escuridão agora irradia luz. A luz por que estou de volta e não desisti.

Pego uma folha em branco e uma caneta azul e começo a escrever, a desenhar e a sonhar tudo de novo. De novo...

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

21/05/2017

My Dear Library | Ano 07

| Arquivado em: DIVAGANDO.

Olá pessoas, tudo bem com vocês?

Esse é o post de número 711 e há exatos sete anos nascia o My Dear Library. Jamais imaginei que o blog chegaria aonde chegou, e confesso que às vezes eu mesma não acredito que depois de todo esse tempo ainda estou aqui, escrevendo sobre livros e compartilhando um pouquinho do meu mundo com vocês. 
imagem: Shutterstock
O My Dear Library me trouxe muitas conquistas e realizações. Foi através do blog que conhecia as minhas melhores amigas da vida e que fiz amizades lindas na blogosfera. Porém, não nego que já pensei em parar de blogar inúmeras vezes, principalmente quando me dou conta que muitas pessoas que começaram comigo, migraram para o YouTube, Instagram ou simplesmente ficaram no meio do caminho.

Sim, nesses sete anos muita coisa mudou e apesar de não viver de blog, esse meu espacinho se tornou uma parte importante da minha vida. Sou muito grata a cada um de vocês, por não me deixarem desistir dele. Mesmo quando eu estou cansada ou chateada com a alguma coisa, o fato de me sentar em frente ao notebook e escrever algo para vocês sempre aquece meu coração .

Obrigada por não me abandonarem quando eu fico meio ausente do blog ou nas redes sociais e especialmente por todo o carinho que recebo de cada um seja aqui nessa nossa blogosfera ou quando nos encontramos pessoalmente().
imagem: Tumblr.
A coluna #naplaylist anda meio sumida do blog nos últimos meses, até por que estou buscando trazer mais textos meus, que é algo que tenho percebido que vocês gostam bastante quando posto aqui no My Dear Library. Mas para comemorar  os sete anos do blog em grande estilo criei uma playlist especial lá no Spotify, e compartilho ela agora com vocês. Dá play ai ;)

#naplaylist

Muito, muito, mais muito obrigada por esses sete anos lindos que vocês me deram de presente. Direta ou indiretamente vocês foram responsáveis por muitos sorrisos e de certa forma por me manter em pé alguns dias.  Muito obrigada de coração ().

Até o próximo post!

05/05/2017

Tudo tem seu tempo

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
Quando eu tinha quinze anos li um texto interessante que dizia que as pessoas passavam 45% do tempo lamentando o passado e 45% do tempo planejando o futuro. O que fazendo uma conta rápida me revelou que, apenas 10% de todo o nosso tempo na Terra era gasto vivendo o presente. Lembro que na época achei isso um absurdo, afinal como podíamos desperdiçar tanto tempo entre o passado e o futuro e nos esquecer do mais importante, - viver o agora.

E como a minha mania de divagar é antiga, escrevi um longo texto sobre isso na minha agenda. A Ariane idealista de dezessete anos atrás queria ser uma pessoa diferente dessas que vivem na corda bamba entre os ecos do passado e os planos para o futuro. E com toda certeza, hoje nesse momento, sei ela ficaria um pouco decepcionada consigo mesma (...).

Posso culpar o tempo? Afinal foi ele que me permitiu ter tempo livre para pensar em todos, os “e se e serás” de minha vida. Tipo: Será que se eu tivesse falado para  meus pais o bullying que sofria no colégio, hoje seria uma adulta sem tantos complexos e medos? E se eu tivesse ouvido meus pais e escolhido outra carreira, seria uma profissional mais feliz e bem sucedida? Ou, como será que a minha vida estaria hoje, se eu tivesse dito sim ao invés de não as oportunidades que tive de mudar as coisas?

Gosto de pensar na teoria do multiversos e imaginar que para cada uma dessas perguntas que às vezes me atormenta quando vou dormir, que em algum Universo paralelo eu tomei uma decisão diferente e menos idiota. Admita, essa é uma ideia realmente reconfortante.

O problema é que ao ficar relembrando e lamentando cada coisa que deu errado em minha vida, entro naquele loop automático de como planejar  um "futuro feliz" em que não vou errar. E sim, não nego gosto de ter as coisas planejadas, aquela maravilhosa sensação de estabilidade. Afinal de contas eu sou taurina, e taurinos são conhecidos universalmente por serem pessoas práticas, estáveis e resistentes às mudanças.

Talvez eu deva culpar meu signo ao invés do tempo. Mas então me lembro de que como estudante de astrologia (me julguem) sou muito mais que Sol em Touro na casa 10, e que o fato da minha lua está em Sagitário na casa 06 com Urano retrógrado faz de mim uma confusão de sentimentos e emoções ambulantes. Mas estou divagando (...), o fato é que desde 2015 estou precisando me adaptar às mudanças bruscas de planos. Há coisas que tinham tudo para dar e estavam dando certo e do nada andaram pra trás.

E vou culpar quem? Deus, o Universo, o destino, o carma, o Temer? Já passei por essa fase, aqueles dias sombrios que levantar da cama era difícil, comer era difícil, respirar, viver (...). Acredito que todo mundo que já chegou ao fundo do poço, sabe como é a sensação de achar que não tem mais força para seguir em frente. De se olhar no espelho e só ver os erros do passado e tudo aquilo que não conseguiu realizar.

Quando lembro desses meus dias sombrios, penso no quando decepcionei o meu eu de quinze anos, pois enquanto ficava com um pé na melancolia do passado e outro na ilusão do futuro perfeito, esqueci da única coisa que ela me pediu, - viver o presente de forma plena.

As coisas na minha vida ainda estão de ponta cabeça, mas hoje ao contrário de um ano atrás não estou mais tão preocupada com o dia de amanhã. Adotei o mantra “Um dia de Cada Vez”, e sei que parece blá,blá,blá de grupo de autoajuda, mas uma das coisas mais importantes que aprendi é que tudo tem seu tempo. Anote isso na sua agenda, por que essa é uma das verdades absolutas da vida, - Tudo tem seu tempo.

Tempo para ficar triste e juntar os pedaços. Tempo para planejar as coisas em curto prazo. Tempo para se ajustar as mudanças que a vida nos impõe. Só que independente do tempo que você está o passando lembre-se que tudo é passageiro. Do mesmo modo que a felicidade não é eterna a sua dor também não vai durar para sempre. Que aquilo que separa o passado, presente e o futuro é um milésimo de segundo, e por incrível que pareça em nossa vida isso faz uma diferença enorme com passar dos anos. 

Aproveite mais o presente e deixei as coisas que te machucaram lá trás onde é o lugar delas. Por que certas ou erradas são as suas escolhas que fazem de você quem você é hoje, e foram elas te trouxeram até aqui. Já o futuro é um Universo cheio de possibilidades, só precisamos saber enxerga-las para não perder as pequenas oportunidades, os grandes presentes quando eles surgem.

23/03/2017

Perfeita Harmonia

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock

Vejamos só como essa vida é confusa ...
Perdemos tempo procurando respostas bobas, para nossas perguntas tolas.
Por que correr se o tempo anda devagar?
Por que choramos de felicidade e às vezes sorrimos quando estamos tristes?

Quem tem coragem de dançar com o vento?
Ou de receber uma tempestade de braços abertos?
Quem realmente vive intensamente, sem se preocupar com perguntas e respostas.

Quem ...
Quem pode dizer que sua vida não é confusa?

Ninguém é feliz o tempo todo, mas não há infelicidade que dure para sempre.
Na verdade, nem sempre percebemos como a vida, é uma bela sinfonia que toca em perfeita harmonia.
Somos nós que muitas vezes estamos fora do ritmo.

texto escrito por: Ariane Gisele Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

Instagram

© 2010 - 2021 Ariane Gisele Reis | My Dear Library • Divagações, Livros e Música. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in