Mostrando postagens com marcador pessoal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pessoal. Mostrar todas as postagens
10/09/2017

So Sorry...

| Arquivado em: OUTROS.


Oie pessoas, como foram de final de semana?

Sei que ando um pouco ausente aqui do blog e das redes sociais do blog em geral. Mas, a “vida adulta” anda cobrando uma atenção maior de minha parte, e por mais organizada que essa blogueira que vos escreve seja, as coisas não andam saindo como ela gostaria.
imagem: Shutterstock
Meu ritmo de leitura anda péssimo, ao ponto de só ter lido dois livros em agosto. E confesso que nos últimos tempos uma série de fatores que contribuíram para que eu ficasse meio desanimada com algumas coisas, incluindo o blog. Acho que todo mundo passa por essa fase de reflexão e de introspecção sem saber se continua ou para (...).

O lado bom é que estar meio "distante", me  fez ver que está na hora de mudar algumas coisas, em especial  e principalmente se eu quiser tocar em frente meus projetos pessoais.

Peço desculpas a todos vocês que me acompanham há tanto tempo. Prometo tentar não ficar tão ausente do blog como fiquei recentemente. Amo esse meu cantinho aqui e realmente me sinto mal quando não consigo conciliar a minha vida off como a online.

Obrigada por  não me abandonarem ()

Beijos.

28/08/2017

Nossos parágrafos, vírgulas e pontos finais...

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
Há aquele velho ditado que diz que tudo na vida tem começo, meio e fim. E olhando para nós dois agora percebo que estamos próximos do fim. Não que o problema seja você ou eu. A verdade é que nos tornamos algum tipo de clichê barato.

Sei que pode parecer piegas dizer isso, mas aquilo que um dia nos uniu não é mais forte o bastante para nos manter juntos. Além disso, há tempos venho me sentindo só mesmo quando estou com você. Sinto como se fosse só minha à responsabilidade de manter as coisas em pé, de ser o alicerce dessa relação.

Não sei dizer qual foi o momento exato que tudo mudou entre nós. Só sei que quanto mais me distancio, mas percebo o quando já estávamos distantes.

Distantes um do outro e de nós mesmos.
Distantes do que um dia fomos um para o outro.
Distante do que era e é importante.
Distante daquilo que queremos.

Nossas longas conversas não existem mais e antes que todo amor que existiu entre nós seja sufocado pela amargura é melhor colocar um ponto final na história.

Essa é o última frase de nossa história e a primeira de nossas novas histórias. Histórias escritas em folhas separadas com canetas de cores diferentes. Histórias tão distantes e ao mesmo tempo tão próximas quanto o ponto final e o começo de uma frase  são, para que nossos parágrafos e vírgulas se misturem e se completarem uma vez mais.


texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

03/08/2017

Um lado triste e feio do Mundo Literário

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Tudo começou com uma mensagem que recebi no Instagram. Uma menina me perguntou se eu dava livros. Respondi a ela que tenho o hábito de doar os livros que li e não gostei ou os que recebo, mas não tenho o interesse de ler para uma biblioteca comunitária aqui de Sorocaba. Até por que não vejo e nunca vi necessidade de ocupar espaço da minha estante com livros que não não tenho interesse em ler ou de reler.

imagem: Shutterstock
A menina me agradeceu e por mim a história tinha acabo ali. Porém, dias depois em um grupo literário que participo alguém publicou um print. A mesma menina entrou em contato com outra pessoa, e foi justamente à resposta que essa colega de grupo deu que me fez começar a repensar o blog e a imagem que passo para quem me segue.

Primeiro que achei errado expor a menina para o grupo, mas o que realmente me incomodou foi à resposta; “Não eu não dou livros, eu os coleciono”. Tipo quem coleciona conhecimento e histórias? Esses foram feitos para ser compartilhados, ainda mais em um país como o nosso em que o acesso à cultura é tão difícil.  Quem assistiu essa reportagem do Fantástico sabe como a grande maioria das pessoas em nosso país não tem acesso à leitura, por que os livros infelizmente ainda são muito caros. 

A verdade é que depois disso comecei a me questionar se eu e outros blogueiros literários realmente incentivamos a leitura, ou incentivamos o consumismo. O desejo de ter livros só para postar fotos bonitinhas no Instagram e conquistar números. Por que essa mesma pessoa que tem o Instagram Literário com um número considerável de seguidores, já confessou em uma conversa que não lê resenhas. Ou seja, ela publica resenhas em seu Instagram, mas não lê a resenha que os outros publicam. Isso sem falar àquelas pessoas que nem livros que recebem de parceira leem, só que a foto está lá bonitinha (...).

Sempre achei um desperdício de dinheiro quem compra todas as edições do mesmo livro. Exemplo, todas as edições já lançadas de Harry Potter. Gente para que? A história é a mesma. Se você quer uma edição mais recente sem problemas, mas por que não doar a sua antiga?

Nunca ostentei a quantidade de livros que tenho na estante. Nunca me senti uma pessoa “melhor” por ter um blog literário. O meu objetivo quando comecei o blog era compartilhar o meu amor pela leitura e nada me deixa mais feliz, quando recebo um e-mail em que a pessoa me diz que leu e amou um livro que indiquei no blog.

Nunca me importei com números ou em me tornar uma blogueira famosa. Só quero que mais e mais pessoas se apaixonem pelos mundos maravilhosos que a literatura pode nos levar. E se até hoje não desisti do My Dear Library é por que ainda tenho esse desejo. Porém fico arrasada quando vejo pessoas sendo tão mesquinhas e egocêntricas. Você ser famoso na internet não significa absolutamente nada, se no dia a dia você não é capaz de fazer a diferença na vida das pessoas que te rodeiam. 

Estamos vivendo em uma sociedade cada vez mais egoísta em que status e números se tornaram mais importantes do que o amor e a compaixão pelo próximo e isso me deixa profundamente entristecida. Me perdoem pelo textão. Acreditem que relutei muito em publica-lo no blog, mas se eu não puder desabafar aqui, no me cantinho especial, onde mais faria isso?

Fica meu apelo e meu questionamento aos meus amigos blogueiros literários. Estamos realmente incentivando a leitura ou apenas contribuindo para o consumismo? E principalmente, não colecione livros, histórias foram feitas para serem vividas e compartilhadas ().

22/06/2017

Começar tudo de novo

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
Olho para as palavras soltas esperando alguma delas ganhar sentido e explicar o que estou sentindo.

A minha volta há folhas pelo chão e uma mancha de tinta suja minha mão. E nesse pequeno caos que criei tento encontrar alguma resposta, para todas as perguntas erradas que fiz. Agarro uma única folha e saio correndo pela noite fria.

Corro sem perceber por qual direção meus pés me guiam...

Paro quando não consigo mais respirar e olho para o céu limpo só com a luz de algumas poucas estrelas. Aperto com mais força a folha em minha mão e percebo as lágrimas que silenciosamente caem.

É quando as palavras soltas começam a fazer sentido. Elas são fragmentos de esperança e fé perdidos. Traços de um desenho incompleto, da canção inacabada ... de um sonho deixado para trás.

Para trás ...

As palavras me confundiam por que elas não foram feitas para serem entendidas, eu precisava senti-las.

Volto correndo para o caos do qual eu tentei fugir e reencontro com minha esperança, minha fé e meus sonhos. O lugar que tudo era escuridão agora irradia luz. A luz por que estou de volta e não desisti.

Pego uma folha em branco e uma caneta azul e começo a escrever, a desenhar e a sonhar tudo de novo. De novo...

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

21/05/2017

My Dear Library | Ano 07

| Arquivado em: DIVAGANDO.

Olá pessoas, tudo bem com vocês?

Esse é o post de número 711 e há exatos sete anos nascia o My Dear Library. Jamais imaginei que o blog chegaria aonde chegou, e confesso que às vezes eu mesma não acredito que depois de todo esse tempo ainda estou aqui, escrevendo sobre livros e compartilhando um pouquinho do meu mundo com vocês. 
imagem: Shutterstock
O My Dear Library me trouxe muitas conquistas e realizações. Foi através do blog que conhecia as minhas melhores amigas da vida e que fiz amizades lindas na blogosfera. Porém, não nego que já pensei em parar de blogar inúmeras vezes, principalmente quando me dou conta que muitas pessoas que começaram comigo, migraram para o YouTube, Instagram ou simplesmente ficaram no meio do caminho.

Sim, nesses sete anos muita coisa mudou e apesar de não viver de blog, esse meu espacinho se tornou uma parte importante da minha vida. Sou muito grata a cada um de vocês, por não me deixarem desistir dele. Mesmo quando eu estou cansada ou chateada com a alguma coisa, o fato de me sentar em frente ao notebook e escrever algo para vocês sempre aquece meu coração .

Obrigada por não me abandonarem quando eu fico meio ausente do blog ou nas redes sociais e especialmente por todo o carinho que recebo de cada um seja aqui nessa nossa blogosfera ou quando nos encontramos pessoalmente().
imagem: Tumblr.
A coluna #naplaylist anda meio sumida do blog nos últimos meses, até por que estou buscando trazer mais textos meus, que é algo que tenho percebido que vocês gostam bastante quando posto aqui no My Dear Library. Mas para comemorar  os sete anos do blog em grande estilo criei uma playlist especial lá no Spotify, e compartilho ela agora com vocês. Dá play ai ;)

#naplaylist

Muito, muito, mais muito obrigada por esses sete anos lindos que vocês me deram de presente. Direta ou indiretamente vocês foram responsáveis por muitos sorrisos e de certa forma por me manter em pé alguns dias.  Muito obrigada de coração ().

Até o próximo post!

05/05/2017

Tudo tem seu tempo

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
Quando eu tinha quinze anos li um texto interessante que dizia que as pessoas passavam 45% do tempo lamentando o passado e 45% do tempo planejando o futuro. O que fazendo uma conta rápida me revelou que, apenas 10% de todo o nosso tempo na Terra era gasto vivendo o presente. Lembro que na época achei isso um absurdo, afinal como podíamos desperdiçar tanto tempo entre o passado e o futuro e nos esquecer do mais importante, - viver o agora.

E como a minha mania de divagar é antiga, escrevi um longo texto sobre isso na minha agenda. A Ariane idealista de dezessete anos atrás queria ser uma pessoa diferente dessas que vivem na corda bamba entre os ecos do passado e os planos para o futuro. E com toda certeza, hoje nesse momento, sei ela ficaria um pouco decepcionada consigo mesma (...).

Posso culpar o tempo? Afinal foi ele que me permitiu ter tempo livre para pensar em todos, os “e se e serás” de minha vida. Tipo: Será que se eu tivesse falado para  meus pais o bullying que sofria no colégio, hoje seria uma adulta sem tantos complexos e medos? E se eu tivesse ouvido meus pais e escolhido outra carreira, seria uma profissional mais feliz e bem sucedida? Ou, como será que a minha vida estaria hoje, se eu tivesse dito sim ao invés de não as oportunidades que tive de mudar as coisas?

Gosto de pensar na teoria do multiversos e imaginar que para cada uma dessas perguntas que às vezes me atormenta quando vou dormir, que em algum Universo paralelo eu tomei uma decisão diferente e menos idiota. Admita, essa é uma ideia realmente reconfortante.

O problema é que ao ficar relembrando e lamentando cada coisa que deu errado em minha vida, entro naquele loop automático de como planejar  um "futuro feliz" em que não vou errar. E sim, não nego gosto de ter as coisas planejadas, aquela maravilhosa sensação de estabilidade. Afinal de contas eu sou taurina, e taurinos são conhecidos universalmente por serem pessoas práticas, estáveis e resistentes às mudanças.

Talvez eu deva culpar meu signo ao invés do tempo. Mas então me lembro de que como estudante de astrologia (me julguem) sou muito mais que Sol em Touro na casa 10, e que o fato da minha lua está em Sagitário na casa 06 com Urano retrógrado faz de mim uma confusão de sentimentos e emoções ambulantes. Mas estou divagando (...), o fato é que desde 2015 estou precisando me adaptar às mudanças bruscas de planos. Há coisas que tinham tudo para dar e estavam dando certo e do nada andaram pra trás.

E vou culpar quem? Deus, o Universo, o destino, o carma, o Temer? Já passei por essa fase, aqueles dias sombrios que levantar da cama era difícil, comer era difícil, respirar, viver (...). Acredito que todo mundo que já chegou ao fundo do poço, sabe como é a sensação de achar que não tem mais força para seguir em frente. De se olhar no espelho e só ver os erros do passado e tudo aquilo que não conseguiu realizar.

Quando lembro desses meus dias sombrios, penso no quando decepcionei o meu eu de quinze anos, pois enquanto ficava com um pé na melancolia do passado e outro na ilusão do futuro perfeito, esqueci da única coisa que ela me pediu, - viver o presente de forma plena.

As coisas na minha vida ainda estão de ponta cabeça, mas hoje ao contrário de um ano atrás não estou mais tão preocupada com o dia de amanhã. Adotei o mantra “Um dia de Cada Vez”, e sei que parece blá,blá,blá de grupo de autoajuda, mas uma das coisas mais importantes que aprendi é que tudo tem seu tempo. Anote isso na sua agenda, por que essa é uma das verdades absolutas da vida, - Tudo tem seu tempo.

Tempo para ficar triste e juntar os pedaços. Tempo para planejar as coisas em curto prazo. Tempo para se ajustar as mudanças que a vida nos impõe. Só que independente do tempo que você está o passando lembre-se que tudo é passageiro. Do mesmo modo que a felicidade não é eterna a sua dor também não vai durar para sempre. Que aquilo que separa o passado, presente e o futuro é um milésimo de segundo, e por incrível que pareça em nossa vida isso faz uma diferença enorme com passar dos anos. 

Aproveite mais o presente e deixei as coisas que te machucaram lá trás onde é o lugar delas. Por que certas ou erradas são as suas escolhas que fazem de você quem você é hoje, e foram elas te trouxeram até aqui. Já o futuro é um Universo cheio de possibilidades, só precisamos saber enxerga-las para não perder as pequenas oportunidades, os grandes presentes quando eles surgem.

23/03/2017

Perfeita Harmonia

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock

Vejamos só como essa vida é confusa ...
Perdemos tempo procurando respostas bobas, para nossas perguntas tolas.
Por que correr se o tempo anda devagar?
Por que choramos de felicidade e às vezes sorrimos quando estamos tristes?

Quem tem coragem de dançar com o vento?
Ou de receber uma tempestade de braços abertos?
Quem realmente vive intensamente, sem se preocupar com perguntas e respostas.

Quem ...
Quem pode dizer que sua vida não é confusa?

Ninguém é feliz o tempo todo, mas não há infelicidade que dure para sempre.
Na verdade, nem sempre percebemos como a vida, é uma bela sinfonia que toca em perfeita harmonia.
Somos nós que muitas vezes estamos fora do ritmo.

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

23/02/2017

Minha Estrela

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
Perdi a noção do tempo deixando meus passos me guiarem em direção a qualquer lugar, ou talvez para lugar nenhum. Meus pensamentos se vão com a última luz do dia.

Caminho sem destino e sem olhar para trás deixando apenas pegadas na areia. É quando percebo o brilho solitário de uma estrela.

Tão solitária como eu.

Sentada na areia observo as ondas do mar, um o vento frio toca o meu rosto me lembrando de que preciso continuar em frente. Levanto e sigo meu caminho, algumas lágrimas teimosas insistem em cair. Agora não me sinto tão sozinha, a estrela brilha iluminando meu caminho.

Iluminando meu caminho.

Mas ao olhar para o céu vejo que não é apenas uma estrela que brilha para me guiar e sim o Universo inteiro.

Fecho mais o casaco para afastar o frio, um sorriso surgir em meu rosto. Pois sei que enquanto tiver a Minha Estrela nunca estarei sozinha. Só preciso ter fé e acreditar.

Que a estrela em mim vai sempre brilhar.

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

11/01/2017

O Agora

| Arquivado em: DIVAGANDO.
imagem: Shutterstock
Vivemos uma ilusão constante que teremos o amanhã ...

Deixamos tudo o que podemos fazer para depois, evitamos até dizer realmente como e o que sentimos. Mas esse amanhã que tanto esperamos pode ser tarde demais, para as palavras que precisam ser ditas. E elas acabam sendo carregadas pelo tempo que perdemos.

As lágrimas que não permitimos cair,
Os sorrisos que guardamos,
Os beijos e abraços que não damos.

A certeza que sempre vamos ter tempo enquanto ele simplesmente passa por nós.
Não enxergamos que tudo o temos é o agora, uma frágil ponte que nos separa.

Do passado e de tudo que deixamos para depois.
Do futuro e da felicidade que acreditamos que só o amanhã nos reserva.

A vida é breve como um sopro.
Um momento, um segundo pode mudar tudo.
O amanhã pode ser tarde demais para se permitir a amar, para perdoar e aproveitar esse presente.

Ele é tudo o que temos.
Viva o agora!
Intensamente ...

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

13/12/2016

Te Deixar Partir

| Arquivado em: DIVAGANDO.


imagem: Fotolia
Algumas  pessoas entram em nossas vidas para ficar. Outras ficam por pouco tempo, e há aquelas que só passam por ela. E nesse momento estou tentando descobri que tipo de pessoa você é na minha vida.

Entenda que sou do tipo difícil de me apegar, por isso a partir do momento que abri as portas da minha vida e convidei você para fazer parte dela foi por que você era importante. Não, - você continua sendo importante e especial. Mas vamos ser francos, algo entre nós mudou. Minha intenção não é transformar essa conversa em uma briga regada a acusações. Relacionamentos acabam. Pessoas se distanciam e é só isso (...).

Talvez eu tenha andado distante demais para perceber como você estava se sentindo. Talvez você viu minha ausência como falta de amor, e eu o seu silêncio como falta de cuidado. E quando você parou de responder minhas mensagens já era tarde demais para nós dois. Por isso tenho que te deixar partir.

Percebi que aquilo que um dia nos uniu, não é forte o suficiente para manter a ligação hoje. Mas quero que você saiba que todos os momentos que tivemos juntos, as risadas, as lágrimas, - as longas conversas. Tudo foi especial e importante em minha vida. Só que sinto que preciso te deixar partir. Precisamos seguir em frente (...). E embora os nossos caminhos sigam separados, estou deixando as portas do meu coração sempre abertas para você.

Não pense que esse é um adeus definitivo. Espero que no futuro possamos se não caminhar juntos novamente, possamos estar ao menos lado a lado.  Um dia vamos nos reencontrar, para um novo começo. Mas nesse momento tenho que te deixar partir.

Vou te amar por toda a minha vida e espero que quando voltarmos a nos encontrar sejamos pessoas melhores que somos hoje.

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

26/09/2016

Por isso estou escrevendo para você

| Arquivado em: DIVAGANDO.
imagem: Ariane Reis.
Me decepcionei com a nossa amizade, e isso é tudo o que sinto nesse no momento. Por isso estou escrevendo para você, para dizer que a culpa não é sua, ela é minha. Totalmente minha, por mais uma vez esperar que alguém tenha as mesmas atitudes que eu teria. A mesma consideração, essa tal coisa chamada empatia que tanto se fala, mas que pouco se vê por ai.

Sei que ando afasta e distante.  Sei também que não sou uma pessoa fácil de lidar e que assim como você, como todo mundo, tenho os meus dias bons e ruins. Nos últimos tempos foram mais dias ruins e sim, você não notou. Aliás, o que mais me magoou em nossa relação foi perceber que ela é uma via de mão única. Que enquanto nos seus piores momentos você sempre pode contar comigo, quando eu estava no fundo do poço você não percebeu, o quanto eu precisava da sua ajuda.

Você que dizia me amar, que dizia se importar comigo nunca percebeu que por traz do meu sorriso tinha uma lágrima escondida. Não percebeu que minha ausência era mais do que uma mera falta de tempo.  Na verdade o que eu mais tinha era tempo, e às vezes ter tempo demais para pensar é perigoso.

Você vai se defender dizendo que eu poderia ter ligado, pedido ajuda e que fui eu que me isolei. Mas tive vergonha. Vergonha de você me julgar. Medo de você achar que estava me fazendo de vitima. Afinal, para você e todo mundo minha vida é perfeita e não tenho motivos para ficar triste e muito menos para querer morrer. Mas eu fico triste com uma frequência que deixaria qualquer um impressionado.

É incrível a capacidade que temos de julgar os outros por aquilo que se publica nas redes sociais, não é mesmo? É incrível o quanto nos deixamos enganar por personagens que nós mesmos criamos, - aquela foto linda. Uma dica: Eu compartilho apenas o melhor da minha vida, os dias menos sombrios.  Pensei que você soubesse disso, e me enganei. Agora vejo você compartilhar coisas sobre o Setembro Amarelo, quando o meu Janeiro, Fevereiro, Março, Abril, Maio, Junho, Julho, Agosto (...), foram totalmente sem cor. Vejo você se preocupar com o fim do relacionamento de uma celebridade quando eu cheguei perto do fim várias vezes ao seu lado...

Peço desculpas antecipadamente, por cancelar algum compromisso que tínhamos. Embora eu agora esteja bem, ainda tenho meus dias ruins. Dias em que estou com medo de sair de casa, dias que fico esperando o pior acontecer. Dias em que a única coisa que me parece segura é dormir. Espero que nunca se sinta assim, invisível para aqueles que você ama como eu me senti para você.

Acho que no final das contas fiz certo em não te pedir ajuda, implicitamente.  Pois é você não entendeu meus sinais.  Mas hoje percebo que você também não entenderia o caos que se passava e às vezes se passa em minha mente. Posso ver você comentando com os outros que só estou querendo chamar a atenção, fazendo pirraça que tudo não passa de frescura da minha parte.

Desculpa se meus problemas são um incomodo para você. De verdade nunca quis que meus medos e paranoias atrapalhassem a nossa relação. Só pensei que pelo tempo que nossa amizade existe, você tivesse percebido o quanto eu finjo bem. Que quando eu digo tudo bem, esse bem às vezes quer dizer, - me ajude estou desmoronando.

Por isso estou escrevendo para você. Para dizer que sinto muito por tudo, para dizer que a culpa não é sua, ela é minha...

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.


* Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, com o objetivo direto de alertar a população a respeito da realidade do suicídio no Brasil e no mundo e suas formas de prevenção. Ocorre no mês de setembro, desde 2014, por meio de identificação de locais públicos e particulares com a cor amarela e ampla divulgação de informações.

ps: Essa blogueira aqui está com o E-mail, Twitter, Facebook e Instagram abertos para quem quiser conversar e receber abraços quentinhos. Você não está sozinho ().

06/05/2016

Não é tempo que está passando rápido demais

| Arquivado em:

The Magic of Time by Julie de Waroquier
Não é o tempo que está passando rápido demais,
Mas sim somos nós que passamos cada vez mais apressados pela vida.
Que simplesmente estamos nos esquecendo de prestar mais atenção,
Em pequenos detalhes que podem fazer toda diferença em nossos dias.

Que nos acostumamos, a criar muros que nos protegem no lugar de pontes que nos unem...

Quando foi que permitimos perder nossa fé e a esperança em dias melhores?
Ou quando passamos a acreditar que não vale a pena sonhar?
Essa sombra, essa escuridão que estamos carregando em nosso coração é o que nos impede de derrubar os muros.

Que nos aprisionam dentro dessas redomas de vidro cheias de tristeza e desilusões.
Que estão matando aos poucos nossa fé, nossa esperança
e levando junto os nossos sonhos...

Pare um segundo,  respire fundo e permita que a vida te abrace,
Deixe toda essa pressa ir embora junto com os cacos da sua redoma.
Estenda a mão para vida, recupere sua fé e esperança perdidas e faça delas a ponte para seus sonhos.

Não corra contra o tempo, mas caminhe ao seu lado  e faça dele um amigo.
Que te ajuda curar as feridas e enxuga suas lágrimas.
Que todos os dias te convida a prestar atenção nos detalhes, no presente que é estar Vivo.
texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

16/11/2015

Palavras

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Tumblr.

Às vezes as palavras me fogem...
deixando mais do que apenas o vazio de uma página em branco.
Elas deixam pensamentos inacabados e planos incompletos.
Uma terrível sensação que estou perdida em uma escuridão sem fim.
... a sensação que estou tão incompleta como as frases que não termino.

Às vezes as palavras surgem tão rápidas e fortes como uma tempestade de verão.
Elas trazem confusão, medo, revolta.
...são vozes,
Minhas várias vozes que parecem renascer de algum lugar.

Minhas palavras querem desafiar o certo, querem discutir o incerto e navegar...
pelas águas tranquilas de poemas e contos de amor.
Elas querem dançar com o vento e criar pontes que me levem até as estrelas.
...e quem sabe assim, devolver um pouco a beleza e leveza ao mundo.

Elas constroem novos mundos,
Elas realizam sonhos,
Elas têm o poder de complicar e simplificar tudo.

Palavras, apenas palavras...

Às vezes me fogem,
Às vezes me arrebatam,
Às vezes me confundem,
Às vezes me despertam.

E mesmo perdida em meu vazio
Sozinha em meus muitos Universos paralelos e particulares.
Tudo o que me resta são elas...
...por que sou feita delas e elas fazem parte de mim.

Palavras, apenas palavras...
texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

09/08/2015

O Tempo

| Arquivado em: Divagando.
imagem: Tumblr.
O Tempo me ensinou a deixar as coisas fluírem, a não criar expectativas e nem me preocupar com coisas que não vou conseguir mudar. Ensinou-me que cada pessoa é um enigma, e que para cada resposta certa que eu encontrar, haverá dez erradas. Que é por isso que na vida coisas e pessoas vem e vão. Por que nada é definitivo, - para sempre.

O Tempo me ensinou a ser mais tolerante, ou a ser mais indiferente? Talvez um pouco das duas coisas, ou nenhuma ou nem outra. Só sei que não me importa com tudo mais. Importo-me com o que realmente faz diferença na minha vida, e o resto deixo passar...

O Tempo me ensinou que precisamos viver tudo de forma intensa e plena. São nos momentos de tristeza que aprendemos a ser mais fortes, e nos de felicidade que percebemos o quanto tudo dura tão pouco. Mesmo que esse pouco signifique muito.

O Tempo me mostrou que não preciso carregar o peso do mundo nas costas. Ao contrário, tenho que deixar com que o mundo me carregue. Pois as melhores coisas acontecem quando você não está esperando. Que para me surpreender é preciso estar leve, e para estar leve é preciso deixar: coisas, hábitos, pensamentos, sentimentos e pessoas que não cabem mais. Que não cabem mais em meus sonhos, nos meus objetivos e que não podem mais por algum motivo continuar o caminho comigo.

O Tempo me ensinou a olhar para o nada e vê-lo como uma tela em branco, pronta para receber meus desenhos. E a olhar para uma tela preenchida sem me atentar aos seus defeitos, e sim a toda a beleza que ela contém. Não sei ao certo se tudo que tinha que aprender eu aprendi.

Às vezes sinto que cada amanhecer é um novo aprendizado, um novo exercício de paciência. Respira fundo e conta até dez e sai da cama. 

Sai para o dia, sai para vida. Sai para lutar pelo o que é importante, para sonhar um sono novo. Para chorar e rir intensamente. Para abrir ou fechar portas, e me sentir presa pular a janela e sair ...

Sair para viver!

Para sentir o vento bater na cara, a chuva molhada ou o calor do sol. Sair sem pressa e se maravilhar com o que encontrar no caminho. Não esperar nada, mas receber de bom grado tudo o que a vida pode dar. Por que essa é a maior lição que o tempo nos ensina ...

Que a vida não espera. Ela corre a cada segundo mais rápida, mais leve, mais bela e fluida. Somos nós que ficamos presos no mesmo lugar.

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

06/07/2015

Saudades...

| Arquivado em: Divagando.


imagem: Tumblr.
Há dias que me bate um saudosismo... uma saudade absurda de tudo aquilo que vivi. Apego-me em cada momento, em cada lembrança e revivo tudo de novo em meus pensamentos. Todas as risadas que marcaram épocas extraordinárias, e as lágrimas que me ensinaram que coisas ruins acontecem com todo mundo. Foram essas mesmas lágrimas que me ensinaram a ser mais forte.

Sinto saudades do tempo em que tudo era mais leve e andava mais devagar. Das pessoas que por mim passaram, e principalmente daquelas que eu sei que nunca mais vão voltar. Tenho saudades dos minutos perdidos e da ingenuidade de achar que o tempo não cobraria por eles. Às vezes no meio de tudo isso eu paro e me pergunto; Como seria se eu tivesse feito outras escolhas, ido por outros caminhos.

Não que eu seja do tipo de gente que remexe no passado por arrependimento. Mas às vezes olhar para o passado nos ajuda a perceber no que não acertamos. Afinal, errar a gente erra sempre, todos os dias. O problema é descobrir como fazer o certo. Se é que certo ou errado realmente existem.

Sinto saudades do meu tempo de escola. Da faculdade e dos dias chuvosos com livros que nem me recordo direito a história. Tenho saudades da época do riso fácil e dos momentos roubados entre canções e poemas. Saudades de esperar por datas que hoje vem e se vão rápido demais. Saudades de ler no escuro, assistir desenho animado, brincar de boneca e de imaginar como seria o futuro distante.

Eu acolho cada uma dessas sensações, cada segundo, minuto, hora e vivo... 

Guardo todos eles no meu coração. Bons ou não por que cada um faz parte do que fui, sou e serei. Sinto saudades até de coisas que ainda não vivi. Por que cada vez que sonhamos ou desejamos muito algo ou alguma coisa, uma parte de nós viveu aquele momento.

Momentos, lembranças e saudades... nossa vida resumida em poucas palavras. Carregadas de tristezas e felicidades, mas que justamente por isso vale a pena.

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

25/06/2015

E se surpreender ...

| Arquivado em: Divagando.

imagem: Tumblr.
Por que será que continuo criando listas que nunca vou cumprir?
Todo o começo de ano é igual com metas e planos anotados em um papel bonito,
Para logo serem esquecidos...

Tudo pode mudar a qualquer momento,
E o que era importante passa a não ser mais
E listas de planos não são um mapa seguro para o futuro
Às vezes temos que caminhar as cegas.

E se surpreender...

Talvez a essa altura do caminho, fosse mais simples escolher entre a direita e esquerda,
Focar no que é preciso e não se deixar levar por sonhos ou divagações
Mas, as amarras que insistem em manter meus pés no chão estão apertadas demais.

É hora de me libertar...

Do que é ridiculamente fácil e seguro,
E correr em direção ao meu próprio destino.

E se surpreender...

As únicas metas que vou cumprir são,
Seguir meus sonhos
Nunca deixar de acreditar
Viver cada dia novo como se ele fosse meu maior presente
Correr cada vez mais rápido na direção que meu coração guiar.

De braços abertos para felicidade,
Livre como um pássaro
Sem amarras que me mantenha presa ao chão,
Nem listas de coisas que não vou cumprir.


Viver é surpreendente...

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

06/05/2015

#naplaylist – 3.0

| Arquivado em: Música.

Olá leitores!

Tudo bem com vocês?
Bem...para quem  ainda não sabe, hoje essa que vos escreve está de aniversário.
imagem: Tumblr.
É gente os 3.0 chegaram e eu não podia deixar de vir comemorar ele com vocês. Afinal mesmo de longe, vocês também fazem parte da minha vida .

E nada melhor do que uma boa e velha seleção musical para animar uma festinha =D. Para esse #naplaylist especial criei uma espécie de trilha sonora dos últimos quinze anos de minha vida.  Não foi nada fácil criar essa playlist (...). Alterei as músicas inúmeras vezes até chegar a uma lista que conseguisse transmitir ao máximo todas as mudanças pelas quais a minha vida e eu passamos.

Já aviso que essa playlist tem um pouco de tudo. De POP dos anos 90, a heavy metal e KPOP =D Por isso apertem o play e venham comemorar meu aniversário comigo .


#naplaylist.




Muito obrigada a todos vocês que me acompanham aqui no blog. Vocês não imaginam o quanto todos vocês são importantes na minha vida.

Obrigada !

04/05/2015

Simplicidade

| Arquivado em: Divagando.

imagem: Tumblr.
Tenho paixão pela Simplicidade...

Pelo sabor do café com leite de manhã,
Pelo vento das tardes de outono e o amanhecer tímido dos dias de inverno,
A sensação de um trabalho bem feito e o aconchego de chegar em casa depois de um dia cansativo.

Gosto de conversas jogadas foras e risadas descompromissadas,
De dormir sem me preocupar com o despertador,
Gosto de observar o céu noturno e conversas com as estrelas.

De apreciar o silêncio e uma boa música com a mesma intensidade.
E passar longos minutos olhando para nada ...
Refletindo como em um único minuto tudo pode mudar.

Tenho paixão pela Simplicidade...

Dos romances que surgem com uma troca de olhar,
Da tristeza que se vai quando uma lágrima caí,
E da esperança que renasce quando surge o sorriso.

Do tempo que passa e que deixamos passar.
Dos momentos que vem e vão ...
Das lembranças que ficam.

Se pudesse fazer um único pedido,
Pediria mais leveza para vida,
Mais sorrisos e momentos mágicos ...
Pediria mais Simplicidade.

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

21/04/2015

Sobre datas, leitores perguntam e divagações...

| Arquivado em: Café Literário.

Acredito que depois de certo tempo acabamos por deixar de dar tanta importância a algumas datas "pessoais". O tempo passa tão rápido que todas elas se confundem na correria do dia a dia dando a impressão que comemora-las já não tem mais a mesma “magia” que tinha quando éramos crianças.
imagem: Tumblr
Em maio, mas propriamente dizendo no dia seis é meu aniversário. Sempre pensei que os trinta anos iam demorar para chegar, e que quando ele chegasse teria toda a minha vida definida.  E antes que vocês pensem que essa que vos escreve está passando por uma “crise de idade”, posso garantir a todos que desde o ano passado venho me preparando para os trinta. Desde o ano passado fui colocando na balança tudo que perdi e conquistei, tudo o que sou e um dia fui, tudo que ainda quero ser e ter.

E durante essa minha longa reflexão conclui que sim, que os anos passaram rápido demais. Que desperdicei tempo demais, mas que no geral tenho que agradecer pelo fato de tanta coisa ter dado errada na minha vida. Por que eu não teria os ideais, os sonhos, a maturidade e as esperanças que tenho hoje se não fossem os tropeços que levei na vida. E tudo bem se deixei de gostar um pouco dos meus aniversários depois que meu pai faleceu. Por que sei que onde quer que o seu Luiz esteja, ele sempre vai estar do meu lado nessa “nova fase” da minha vida. Afinal agora vou ser considerada “oficialmente” adulta (?), mesmo que em meu coração eu seja uma eterna criança.

imagem: Tumblr
Maio também é o mês que o My Dear Library faz cinco anos.  E quando penso que tudo isso começou como uma forma de lidar com a minha depressão, e se tornou algo tão especial em minha vida. Quase nem acredito que já se passou tanto tempo assim.  Por esse motivo quero convidar a vocês leitores, para participarem das comemorações dos cinco anos do blog. “Como assim Ane?”.

Bem, de todas as TAGs que circulam ai pela blogosfera sempre estou sendo indicada para a, Conhecendo a Blogueira. Por esse motivo ao invés de volta e meia postar a TAG no blog, pensei que seria mais interessante abrir o espaço para vocês fazerem as suas perguntas, a essa blogueira aqui. Por isso deixem todas as suas perguntas aqui nos comentários do post, que no dia 21 de maio, dia do aniversário do blog vou fazer um post super especial respondendo a todas elas. Vale perguntar sobre o blog e até mesmo sobre a minha vida pessoal, mas claro não vamos ultrapassar os limites da curiosidade, heim =D.

Mesmo, que as datas estejam vindo e indo com uma rapidez assustadora e que algumas tenham “perdido” um pouco de seu encanto. Elas sempre deixam uma lembrança especial. Nem sempre alegre é verdade, porém elas são nossos registros históricos.  É através delas que contamos a nossa jornada, afinal quem nunca começou uma conversa com a celebre frase, - “lembra daquele dia?”.

26/03/2015

De tudo que vivi, quero apenas ...

| Arquivado em: Divagando.

imagem: Tumblr.
Das flores de meu jardim,
Quero a beleza suave que me recorde dos finais de tarde de minha infância.
Das músicas antigas que de tão recentes ainda conheço as letras de cor,
Quero um abraço saudoso da nostalgia.
Dos livros mais antigos de minha coleção,
Quero a importância dos fatos, pois são com eles que construí a minha história.

Das minhas fotos marcadas pelo tempo,
Quero as lembranças de uma época em que tudo era mais simples.
Dos sonhos rosados com algodão doce.
Dos desenhos, séries e filmes que vi,
Quero a inspiração, pois ainda não desisti de ser uma super heroína e princesa.

De todas as minhas recordações,
Quero que elas se transformem em pontes sólidas que liguem o meu,
ontem, hoje e amanhã.

Por que sempre estou cultivando novas flores,
Ouvindo novas músicas,
Lendo novos livros,
Registrando novos momentos,
Vivendo uma nova aventura,
Escrevendo um novo começo...

Por que todas as noites eu ainda tenho sonhos fofos e rosados,
como algodão doce.

texto escrito por: Ariane Reis.  ©  Todos os Direitos Reservados.

Instagram

© 2010 - 2020 Ariane Reis | My Dear Library • Livros, divagações e outras histórias. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in