Persépolis por Marjane Satrapi.

18/05/2015

| Arquivado em: Resenhas.

Este livro foi enviado como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788535911626
Editora: Companhia das Letras
Ano de Lançamento: 2007
Número de páginas: 352
Classificação:
Onde Comprar: Submarino.
Sinopse: Marjane Satrapi tinha apenas dez anos quando se viu obrigada a usar o véu islâmico, numa sala de aula só de meninas. Nascida numa família moderna e politizada, em 1979 ela assistiu ao início da revolução que lançou o Irã nas trevas do regime xiita - apenas mais um capítulo nos muitos séculos de opressão do povo persa. Vinte e cinco anos depois, com os olhos da menina que foi e a consciência política à flor da pele da adulta em que se transformou, Marjane emocionou leitores de todo o mundo com essa autobiografia em quadrinhos, que só na França vendeu mais de 400 mil exemplares. Em Persépolis, o pop encontra o épico, o oriente toca o ocidente, o humor se infiltra no drama - e o Irã parece muito mais próximo do que poderíamos suspeitar.

Q
uem acompanha o blog há mais tempo sabe que sou apaixonada por História. Por esse motivo livros que mesclam uma narrativa envolvente com fatos históricos (reais) sempre despertam a minha curiosidade.  Agora imaginem um livro que além de tudo isso é todo em quadrinhos! Acho que já deu para perceber que Persépolis foi praticamente amor à primeira vista ().
Marjane Satrapi teve uma criação moderna e politizada, mas em 1979 quanto tinha apenas dez anos viu seu país, o Irã passar por uma mudança radical. Meninas e meninos foram separados no colégio, o uso do véu se tornou obrigatório e os conflitos cada vez mais frequentes. Conforme ela foi crescendo seus pais perceberam que ao permanecer no Irã, Marjane estava colocando a  liberdade e a sua vida em risco, e por esse motivo decidiram que era hora dela deixar o país.
Marjane com catorze anos parte para Viena (Áustria), onde passa os anos conturbados e de certa forma mais libertadores de sua vida. Longe da família ela teve que aprender a lidar com o preconceito ao tentar encontrar o seu lugar no mundo. Entre amizades que sugiram e paixões que de tão eternas foram passageiras, Marjane descobri que uma velha máxima realmente é verdadeira a que, - "lar é onde está o nosso coração".
Com uma narrativa leve, Persépolis nos faz enxergar o Irã e a sua cultura com outros olhos e por uma perspectiva bem diferente daquela que nos é apresentada na mídia. Marjane Satrapi é uma daquelas pessoas incríveis, que nos conquista logo nas primeiras páginas. Ela possui uma personalidade forte e soube lidar, nem sempre da melhor forma possível é verdade, com os altos e baixos da vida, nunca desistindo de si mesma. Ouso até dizer que a história de Marjane é inspiradora, pois nos mostra a importância de não abrir mão dos nossos sonhos e ideais. Mesmo quando alguns sonhos são do tipo estranho, como o der ser profeta.
O livro possui um traço “simplista”, mas acredito que é justamente isso que o torna especial. Fica claro que a preocupação da autora aqui não era tanto com a “beleza estética” da obra, mas sim com a história que de tão rica em detalhes simples consegue fazer com que o leitor crie um vinculo com a Marjane. Você torce, ri, chora, briga por ela e com ela da mesma forma que você faz com uma grande amiga. E cá entre nós são poucos livros que atualmente conseguem criar esse tipo de conexão.

Li Persépolis em apenas um dia, porém fiquei tão encantada com ele, que vez ou outra me vejo relendo alguns trechos da história. É ou não muito amor por um livro só ()?

“Quando temos medo, perdemos o senso de análise e de reflexão. O terror nos paralisa. Aliás, o medo sempre foi o motor da repressão em todas as ditaduras.”

Persépolis é aquele tipo de livro que nos faz refletir, sobre nossos "pré-conceitos", escolhas  e  principalmente até que ponto estamos disposto a ir, para lutar por aquilo que acreditamos. E tudo isso com muita leveza e com um toque de ironia, que fazem dele uma história que ficará por muito tempo presente em nossa mente e coração. Recomendo!

•  Curiosidade.
Persépolis foi adaptado para as telas em 2007 e foi escrito e dirigido por Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud.  Atualmente Marjane Satrapi atualmente em Paris, onde trabalha como ilustradora e autora de livros infantis.

Comentários via Facebook

17 comentários:

  1. Oláá´!

    Eu não li esse livro ainda, mas eu já vi uma resenha e quis muito ler porque acho quadrinhos maravilhosos e justamente por ser um ponto de vista diferente do que estamos acostumados e achei legal a forma leve e ironica como é narrado.

    Gostei da resenha e das fotos!


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
  2. nada melhor que conhecer da história tendo por base quem a viveu, né Ane? não conhecia, mas fiquei super a fim de ler!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. AH, faz um bom tempo que quero ler esse quadrinho, parece ser muito bom mesmo. Ótima resenha, só me fez ficar mais curioso ainda.

    http://criativosounao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi querida, tudo bem?
    Sou louca para ler esse livro, eu preciso dele com urgencia iausiau
    Seu blog é muito lindo, meus parabéns!
    Beijos.
    http://www.garotadolivro.com/

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente não me interessei muito pelo livro. Mesmo você falando super bem dele hehe. Até já conhecia ele de um outro blog. Até fala sobre assuntos que me interessam, mas não gosto muito de quadrinhos.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  6. Oi Ane!
    Como eu comentei anteriormente, eu não gostei tanto da Marjane em si, mas a sua história é realmente incrível. Dá pra aprender muito e mudar vários conceitos errados que nós, como ocidentais, temos. E os pais dela são maravilhosos. <3
    Gostei da resenha e das fotos, ficou ótimo o post!
    Beijos,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
  7. Oi!!
    Só li quadrinhos uma vez.
    Acho uma experiência diferente.. Mas acho que ainda gosto mais dos livros hahaha
    Mas a estória parece bem legal!!

    Beijo

    O Outro Lado da Raposa

    ResponderExcluir
  8. Oi Ane, tudo bom?
    Eu sou doida para comprar esse livro. Já assisti a animação Persépolis e sou encantada pela história de vida da Marjane. Ela passou por muitas coisas e como você disse, tem um toque de ironia em sua narrativa. É uma boa oportunidade para conhecer uma cultura tão diferente da nossa.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi, Ane!
    Assim você me mata de curiosidade e desperta mais ainda minha vontade de ler HQ.
    Não tenho esse costume, mas estou pensando em começar a lê-los.
    Já li outra resenha de Persépolis e a sua só reforçou a ida dele para minha lista de desejados.
    Beijos

    Construindo Estante || Curta a fan page
    Sorteio de caneca personalizada de A Culpa é das Estrelas. Participe!

    ResponderExcluir
  10. Olá Ane,
    Eu adoro HQs e já tinha visto Persépolis em uma livraria em que trabalhei, mas nunca parei para dar uma olhada parar ver do que se tratava e agora estou arrependida :O pois achei muito interessante.
    Pode ter certeza que vou colocar na minha lista de HQs.
    Bjs e até mais!
    http://diarioelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi Ane,
    Eu assisti a animação de Persepolis para treinar o francês e gostei bastante. Não conhecemos mto a cultura dos países do oriente médio e o filme tbm faz refletir sobre os pré-conceitos.
    Até pensei em ler o livro, mas nao curto mto HQs, então fiquei meio receoso.
    Abraço,
    Alê
    www.alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Oi, Ane!
    Eu não assisti a animação, mas li o livro e curti muito. Inclusive, foi após ler esse livro, que meu interesse pelo Feminismo ganhou vida. É realmente uma obra encantadora e que merece ser lida por todos.
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Já tinha ouvido falar nesse livro, na originalidade e na capacidade que a história tem de prender o leitor. Não sou muito fã de HQ mas acho que pra conferir essa obra vale a pena!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova no blog de "Elevador 16", vem conferir!

    ResponderExcluir
  14. Oi Ane! É tão bom quando terminamos um livro com a certeza de que iremos reler em breve, isso prova o quanto a história nos marcou e impressionou. Eu não sabia da animação, mas o livro eu já havia visto, que bacana trazer uma mensagem tão complexa, mas de maneira mais leve e inteligente, eu adorei.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  15. Gostei da resenha Ane. A temática do livro é bem interessante e curiosa. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  16. Não conhecia esse livro. Não sou muito de ler livros em quadrinhos, mas pela história, acho que embarcaria sim. :) Gosto dessas leituras que fazem com que a gente reveja nossos conceitos e mude a nossa opinião sobre tal país, culturas, pessoas. ;-) E concordo muito: lar é onde nosso coração está. Sem dúvida!!

    Beijos,
    Carol
    www.pequenajornalista.com.br

    ResponderExcluir
  17. Oi, linda =D

    Amo quadrinhos e este livro está entre os meus desejados!
    Gostei muito de ver a resenha dele aqui e saber mais sobre ele ;)

    Beijos,
    Livy
    nomundodoslivros.com

    ResponderExcluir

My Dear Library • Todos os Direitos Reservados • Copyright © 2010 - 2017 • Powered by Blogger • Design por Ariane Reis • Desenvolvimento por