17/02/2019

O Dueto Sombrio por Victoria Schwab.

| Arquivado em: RESENHAS.







ISBN: 9788555340666
Editora: Seguinte
Ano de Lançamento: 2018
Número de páginas: 448
Classificação: Bom.
Sinopse:  Monstros da Violência – Livro 02.
Na sequência final de A Melodia Feroz, Kate Harker precisa voltar para Veracidade e se unir ao sunai August Flynn para enfrentar um ser que se alimenta do caos.  Kate Harker não tem medo do escuro. Ela é uma caçadora de monstros — e muito boa nisso. August Flynn é um monstro que tinha medo de nunca se tornar humano, mas agora sabe que não pode escapar do seu destino. Como um sunai, ele tem uma missão — e vai cumprir seu papel, não importam as consequências. Quase seis meses depois de Kate e August se conhecerem, a guerra entre monstros e humanos continua — e os monstros estão ganhando. Em Veracidade, August transformou-se no líder que nunca quis ser; em Prosperidade, Kate se tornou uma assassina de monstros implacável. Quando uma nova criatura surge — uma que força suas vítimas a cometer atos violentos —, Kate precisa voltar para sua antiga casa, e lá encontra um cenário pior do que esperava. Agora, ela vai ter de encarar um monstro que acreditava estar morto, um garoto que costumava conhecer muito bem, e o demônio que vive dentro de si mesma.

Com uma distopia original cheia de ação e excelentes reviravoltas, A Melodia Feroz da autora, Victoria Schwab me surpreendeu tanto, que acabou sendo uma das minhas melhores leitura de 2017. Por esse motivo, acredito que não preciso dizer o quanto essa blogueira que vos escreve, estava com as expectativas bem altas em relação ao último livro da duologia Monstros da Violência, O Dueto Sombrio. Porém, como vocês vão perceber ao longo da resenha, essa foi uma leitura um pouco “complicada”.

Essa resenha pode conter spoilers do livro anterior, então se você não quiser correr o risco pode pular três parágrafos.

Seis meses se passaram desde que Kate Harker fugiu de Veracidade e de seus monstros. Porém, aparece que onde quer que a garota vá, os monstros a seguem. Quando os monstros começam a surgir em Prosperidade, ela sabe que é a única capaz de combatê-los e por isso decide caçá-los. Porém, por mais que Kate tente seguir em frente os fantasmas de seu passado estão sempre à espreita, nas sombras de sua própria consciência.

Já em Veracidade, os monstros controlam o lado norte da cidade e os habitantes que antes viviam no luxo e pagavam pela proteção de Collum Harker, se vêm obrigados a migrar para o lado sul da cidade para sobreviver. Do lado sul está August Flynn, o monstro sunai que sempre desejou ser humano, que perdeu uma parte de si mesmo e precisou assumir o lugar que antes era do seu irmão Leo como comandante da FTF. Assim como Kate, ele se tornou um caçador, mais não de monstros e sim de almas pecadoras.

Quando um novo monstro que se alimenta da própria violência surgi, Kate sabe está na hora de voltar para casa, para Veracidade. Porém a garota não fazia ideia do caos estava a sua espera. O lado norte está dominado por monstros comandados por um velho inimigo que ela acreditava estar morto e por um monstro que ela mesma criou. Do lado sul, Kate é vista como inimiga e mesmo que August seu velho amigo ainda confie nela, algo entre eles também parece ter se quebrado.  A batalha final se aproxima, e Kate e August se unem novamente para derrotar os monstros já conhecidos e a nova ameaça. Mas, até quando Kate será capaz de conter o monstro que ela está se tornando?

Essa é a minha quarta tentativa de escrever a resenha de O Dueto Sombrio, tamanho é o meu conflito de sentimentos em relação ao que eu encontrei aqui. Sinceramente quanto mais eu penso no rumo que a Victoria Schwab deu para história, mas chego à conclusão que teria sido melhor a autora ter parado em A Melodia Feroz, já que de certo modo ela tinha dado um desfecho mais conclusivo no livro anterior. Que fique claro que não estou dizendo que O Dueto Sombrio é um livro ruim. Eu gostei em partes da história, porém não nego que esperava algo mais consistente e principalmente uma resolução mais completa do mundo que a autora criou.  Porém, isso não aconteceu, tanto que quando eu terminei o livro fiquei: “Tá, então só é isso?”.

Um dos momentos mais esperados por mim, era o reencontro da Kate e do August, especialmente porque eu estava bem curiosa para ver como seria a dinâmica entre eles depois das escolhas que tiveram que fazer no passado para sobreviver. A Kate começa a história aparentando estar bem mais madura e mais consciente dos seus atos, algo que até metade do livro estava me agradando bastante. Mas, depois de um ponto em diante, ela volta a agir de modo impulsivo e até mesmo arrogante o que em minha opinião desconstrói completamente qualquer evolução que a personagem vinha tendo desde o livro anterior.

Já o August mesmo que há princípio eu tenha sentido uma certa “antipatia” por ele, conseguiu me conquistar por ser um personagem complexo e cheio de peculiaridades que o tornam um protagonista mais interessante do que a Kate. Aqui é visível que ele não está confortável em sua nova posição como comandante da FTF e que ele ainda sofre muito pelos os acontecimentos que o levaram a estar nessa situação.  Só que a forma que ele demonstra essa insatisfação, essa tristeza é tão apática que conforme a narrativa ia avançando, mais frustrada eu ficava em perceber que ele estava meio que no “automático” perdendo a cada capítulo as qualidades que tinham me cativado nele.

Gostei bastante da inserção de novos personagens em O Dueto Sombrio, pois eles contribuem para deixar o ritmo da narrativa mais gostoso de acompanhar. Para começar mesmo que sua participação possa ser considerada “pequena”, eu adorei o novo sunai que surgiu na história, o Soro. Ele possui uma personalidade muito concisa e determinada, ao mesmo tempo que é um enigma. Além disso, Soro não tenta ir contra a sua monstruosidade, pelo contrário esse lado é totalmente abraçado e isso em várias situações faz dele incrivelmente humano.

Só que apesar de ter acertado com a inclusão de Soro na história, Victoria Schwab falhou na construção da malchai Alice e na tentativa de transformar Sloan em um dos grandes vilões da história.  Claro que a união dos dois é potencialmente perigosa, mas as ações deles são previsíveis e óbvias que desde do começo já fica claro qual é objetivo final deles o que por consequência tira um pouco do “efeito” surpresa da narrativa. Mas, o que realmente me incomodou foi o desenvolvimento, ou melhor dizendo a falta do desenvolvimento que o nova ameaça que surgiu aqui.

Tipo esse monstro é super poderoso, afinal ele tem o poder de colocar as pessoas umas contra as outras fazendo com que elas tenham atitudes de extrema violência que do que ele se alimenta. Só que o modo como tudo se resolve é tão rápido e fácil que sinceramente em minha visão a única utilidade que esse monstro teve na história em si, foi fazer Kate voltar para casa. Ou seja, esse monstro além de não cumprir a promessa de ser o grande destaque de O Dueto Sombrio, não tem nenhuma participação “efetiva” no desenrolar do enredo que justifique a presença dele assim como o grau de importância atribuído a ele. 

O que mais tinha me chamado a atenção em A Melodia Feroz foi o mundo que a Victoria Schwab criou, e por ser o último livro, eu espera respostas. E não teve absolutamente nenhuma resposta aqui. Com exceção de um personagem que teve o seu final bem definido e condizente com a sua trajetória na história o resto ficou vago demais. De verdade a sensação que eu tive é que voltamos à estaca zero. Ficou faltando aquele epílogo onde temos um vislumbre do que aconteceu com os personagens algum tempo depois. Sei que alguns de vocês estão pensando: ”Ane acho que você estava com expectativas demais.”, e sim eu esperava que o livro entregasse uma história melhor ou pelo mesmo nível do livro anterior, e fato da história ter terminado do jeito que terminou me deixou extremamente frustrada.

“– Você está errado. – disse Kate, virando as costas para ele. – Existe um tipo de mentira que até você pode dizer. Sabe qual é? – Ela encarou o olhar dele na porta de aço. – O tipo que se conta para si mesmo.”

Apesar de não ter atingido todas as minhas expectativas, gostei de algumas coisas que encontrei durante a leitura de O Dueto Sombrio. A escrita da Victoria Schwab é fantástica e realmente nos transporta para dentro das páginas do livro fazendo o que a gente fique completamente envolvido com a história. A minha sugestão para quem leu A Melodia Feroz e ainda está em dúvida, se lê ou não o último livro da duologia é ir como menos sede ao pote. Assim quem sabe, você evita frustrações e acaba curtindo melhor a leitura.
 

14/02/2019

As criativas e divertidas ilustrações do Studio Susto.

| Arquivado em: ARTE 

Quem é fã de super-heróis, animes, mangás e da cultura pop em geral, sempre quer declarar ao mundo o seu amor por aquele personagem ou série especial. E de uns tempos para cá para a nossa felicidade, está cada vez mais fácil encontrar camisetas, canecas, almofadas, entre outros itens feitos especialmente para nós. ()

Groot Night
Logo no começo da coluna Arte aqui no blog apresentei para vocês o trabalho de uma das minhas melhores amigas, a Sukanne. E hoje estou muito feliz, não somente em ver a evolução dela como artista, mas de ver que ela conseguiu transformar o que ela tanto ama em um trabalho divertido.

A Sukanne uniu os lápis de cor com outro ilustrador talentosíssimo, o Augusto e juntos eles criaram o Studio Susto.

Sobre o Studio:
Studio Susto é uma colaboração dos ilustradores Sukanne e Ilustragus, apaixonados por filmes, séries e desenhos, há um ano decidiram transformar suas artes em produtos.

A ideia, que surgiu despretensiosamente, já se tornou internacional e é cada vez mais prazerosa. Sempre focados em seus gostos pessoais, formam um catálogo bem misto e divertido.

Sei que sou suspeita para falar, mas eu simplesmente adoro os trabalho dos dois! As ilustrações possuem um traço e uma paleta de cores fortes que em minha opinião, diferencia os trabalhos deles de outros ilustradores que eu acompanho. Além disso, todas as obras do estúdio são divertidas, fofas e o mais importante, você percebe que é de fã para fã. ()

Algumas Obras:
Salem
Doctor Who
Cyndaquil
Spiderpool
Pixel Avengers
As obras são uma graça, não é mesmo? Agora imagine você com uma camiseta, caneca ou uma almofada com alguma ilustração dessas? Eu confesso que já pedi de aniversário para a Sukanne o quadro Draco com Gato, disponível na lojinha deles no site da Soupop. Ou a camiseta do Groot Night, talvez.()

No final do post e aqui na lateral do blog, vocês vão encontrar o link direto para loja deles, assim como os links das redes sociais do Studio. E fica a dica  de onde comprar aquele presente especial para aquele seu amigo nerd/geek ou para você se auto presentar.

Até o próximo post!

+ Studio Susto.
Loja | Instagram | Facebook

ps: Esse post não é publieditorial. Fiz de coração, porque amo meus amigos e vou panfletá-los sempre.  ()

11/02/2019

#naplaylist – Xô Ansiedade!

| Arquivado em: MÚSICAS.

Uma nova semana começando e mesmo que todos nós sejamos seres de luz, alguns dias infelizmente podem ser um pouco mais complicados que outros.  Graças a Deus e ao Universo, venho conseguindo manter a dona ansiedade sobre controle sem ajuda de florais.

Useis florais por orientação médica por mais de dois anos, até que decide dar um tempo porque comecei a perceber que estava ficando dependente dos florais para manter a ansiedade sobre controle. Foi uma decisão bem difícil, porque como tenho vitiligo qualquer episódio de ansiedade é prejudicial ao tratamento. Então quando eu decidi parar com os florais, precisei encontrar outras formas de manter a ansiedade o mais distante possível.

imagem: Shutterstock
Uma das coisas que me ajudou bastante foi a prática do Ho’oponopono aliado com a meditação. Além disso, voltei a fazer atividade física cinco vezes por semana e o mais importante, foquei minha energia em coisas que me fazem felizes: escrever, ler e claro na música.

Mas como comentei no começo do post, alguns dias são mais pesados que outros e acabo ficando chateada com coisas pequenas que acontecem e com isso aquele sentimento de angustia, que eu não me esforcei o suficiente, começa a me rondar. E sei que isso não acontece só comigo. Por isso, se isso acontece com você que nesse momento está lendo esse post, sinta-se abraçado (a), porque sei como é lidar com um caos que só nós vemos e sentimos. ()

E para me ajudar a lidar com esse caos interno nos momentos em que não posso pegar um papel e uma caneta e transferir para eles os meus sentimentos, recorro a música. E conforme me concentrando no ritmo e na melodia, vou me acalmando.

A minha playlist original lá no Spotify, têm alguns mantras, mas como sei que mantras possuem um sonoridade muito “peculiar“,  selecionei algumas músicas que me ajudam a manter a minha ansiedade longe para compartilhar com vocês hoje.

Respire fundo e dá o play aí!

#naplaylist


Espero de coração que essa playlist possa ajudar você que sofre de ansiedade como eu. Ou que de alguma forma consiga melhorar o seu dia, caso ele não esteja assim tão legal. E lembre-se, que por mais complicado e sem solução que as coisas possam parecer, a felicidade está e sempre estará dentro de você.

Uma ótima semana para todos vocês! ()

06/02/2019

Your Name por Makoto Shinkai.

| Arquivado em: RESENHAS.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.




ISBN: 9788576867227
Editora: Verus
Ano de Lançamento: 2018
Número de páginas:
Classificação: favorito
Onde Comprar: Livro | Mangás
Sinopse:  Sinopse:  Mitsuha é uma estudante que vive em uma pequena cidade nas montanhas. Apesar de sua vida tranquila, ela sempre se sentiu atraída pelo cotidiano das grandes cidades. Um dia, Mitsuha tem um sonho estranho em que se torna um garoto. No sonho, ela acorda em um quarto que não é dela, tem amigos que nunca viu e passeia por Tóquio. E assim aproveita ao máximo seu dia na cidade grande, onde ela adoraria viver. Curiosamente, um estudante chamado Taki, que mora em Tóquio, também tem um sonho estranho: ele é uma garota que mora em uma cidadezinha nas montanhas. Qual é o segredo por trás desses sonhos tão vívidos?  Assim começa a fascinante história de dois jovens cujos caminhos nunca deveriam ter se cruzado. Compartilhando corpos, relacionamentos e vidas, eles se tornam inextricavelmente ligados ― mas há conexões verdadeiramente indestrutíveis na grande tapeçaria do destino? A um só tempo divertido e emocionante, Your name. É uma leitura inspiradora, capaz de dançar sobre o tênue fio entre a realidade, o sonho e o sobrenatural, conforme acompanha as inquietações de uma garota e um garoto determinados a se agarrar um ao outro.

Não é segredo para ninguém que é leitor mais antigo do blog, que essa blogueira que vos escreve é completamente apaixonada por animes e mangás. Eu já tinha assistido a animação de Your Name disponível na Netflix, como também algum tempo atrás li os mangás lançados pela editora JBC aqui no Brasil. Porém, quando soube que a editora Verus ia lançar uma das minhas animações japonesas favoritas no formato romance pensei: “Eu preciso ter esse livro!”.

Dirigido e escrito pelo meu quebrador de corações favoritos, Makoto Shinkai, Your Name conta a história de dois jovens que vivem uma realidade totalmente distinta um do outro. Mitsuha é uma garota do interior que deseja um dia deixar a vida pacata e se mudar para uma grande cidade como Tóquio. Um dia ela tem um sonho estranho. Mitsuha sonha que é um garoto morando em Tóquio. Durante o sonho ela passa o dia como amigos que na verdade para ela são completos desconhecidos e passei pela cidade que um dia pretende chamar de seu lar.

Só que por uma coincidência estranha do destino Taki, que mora em Tóquio tem o mesmo sonho que Mitsuha, só que no caso dele, ele é uma garota que mora em uma pequena cidade construída em volta de um lago no interior. Para Mitsuha e Taki aquilo não passa de uma sonho bastante vivido, só que o problema é que esses sonhos tornam-se frequentes. É como se de alguma forma inexplicável eles trocassem de corpos durante o sono e passassem a fazer parte da vida um do outro, mesmo sem nunca ter se conhecido pessoalmente.

E conforme o tempo passada uma conexão muito forte surge entre eles, até que do mesmo modo repentino como tudo começou, tudo acaba. Será que tudo foi realmente não passou de um sonho muito lúcido? Entre os fios entrelaçados de destino Mitsuha e Taki vão descobrir que algumas ligações são inquebráveis e que há sempre um modo de reescrever o futuro.

Uma coisa que você precisa ter bem em mente antes de assistir ou ler qualquer obra do Makoto Shinkai é que muito provavelmente essa não será uma história com um final feliz. E por incrível que pareça essa é justamente a característica que eu mais gosto nas obras do Shinkai. Porque elas não são "óbvias" e clichês, e sim tão puramente humanas que faz você refletir ao mesmo tempo que se emociona com a história que está sendo contada.

De todas as obras do Makoto Shinkai com quais eu tive contato, Your Name é a minha favorita. Aqui temos uma história de amor tão delicada, bonita e verdadeira que não tem como você ler ou assistir a animação sem se emocionar, nem que seja um pouco. Shinkai construiu com maestria uma narrativa com toques de mistério, comédia, drama e romance. Sem falar que tanto Mitsuha como o Taki são personagens cativantes, que faz com que você torça e sofra por eles durante toda a leitura ou enquanto assisti a animação.

Os personagens secundários também são muito bem trabalhados e aqui é interessante ver como o autor consegue criar dois núcleos tão distintos que ao mesmo tempo conseguem conversar um com o outro harmoniosamente.

Acho que não preciso dizer que eu chorei muito nos meu três contatos com a obra. E sei que para muitas pessoas o modo como Makoto Shinkai trabalha os elementos em suas histórias pode parecer confuso a princípio. Mas eu garanto para vocês, que muito uma questão de interpretação e principalmente entender que Your Name é uma história que acima de tudo precisa ser sentida.

“Assim que nos virmos, vamos perceber logo. Pois você está em mim. E eu estou em você...”.

Vou deixar aqui no final da resenha o trailer da animação (me perdoem, mas não encontrei legendado) e a playlist da trilha sonora que é fantástica!

E se você está buscando uma leitura rápida e emocionante, ou está de bobeira e não sabe o que assistir no final de semana? Leia e/ou assista Your Name! Makoto Shinkai vai quebrar o seu coração em mil pedacinhos, mas estranhamente você vai ficar feliz por isso.

Trailer:

Trilha Sonora:

03/02/2019

Pare de se cobrar tanto.

| Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock

O que você quer ser quando crescer? Todo mundo já ouvi essa frase pelo menos uma vez na vida quando era criança. Mas, embora essa pergunta possa parecer bem inocente à primeira vista, porém se refletirmos um pouco sobre ela, vamos perceber que somos desde muito cedo condicionados a pensar no futuro. A fazer escolhas definitivas. Escolhas essas que muitas vezes acabamos fazendo para não frustrar as expectativas que os outros têm em nós.

É cada vez mais comum ver pessoas bem sucedidas em suas carreiras, do nada largando tudo para adotar um estilo de vida mais simples. Afinal, quantas vezes eu ou você não nos perguntamos se é tarde demais para tentar algo novo. Começar do zero.

A sociedade nos diz que precisamos ser bem sucedidos. Nos cobra o sucesso tanto profissional como pessoal. Precisamos ter a família do comercial de margarina e uma carreira que nos renda milhões na conta bancária. E nós acabamos permitindo que essas cobranças façam parte de nossas vidas. Permitimos, que o sucesso alheio se torne nossa frustração, afinal porque o outro consegue e eu não?

E esse excesso de cobrança, essa frustração acaba nos impedindo de ver que na verdade nós temos tudo o que precisamos para ser feliz. Nos impede de aproveitar os pequenos momentos, aquelas preciosidades que a vida nos reserva todos os dias.

Corremos tanto atrás dessa vida bem sucedida que desde criança nos é vendida, que quando algo sai fora do rumo do caminho que planejamos começamos a nos culpar pelas escolhas que fizemos. O que não percebemos é que essas mudanças de rumo ou paradas não planejadas são a forma que a vida encontra para nos mostrar que estamos olhando muito para fora e pouco para dentro. Que estamos tentando atender as expectativas dos outros, colocando a nossa felicidade nas mãos e na aprovação dos outros. Quando o tempo todo ela está dentro de nós.

De crianças inocentes que simplesmente sonhavam, nos tornamos adultos ansiosos e estressados que esqueceram de sonhar e querem apenas ter. Por que para o mundo quanto mais se tem, mais feliz e bem sucedido você é. Que mero engano. A felicidade nunca se constituiu em ter e sim em ser.

Então se você sentir que precisa começar do zero, comece. Se você sentir que esse é o momento de mudanças em sua vida, se abrace e aceite esse momento. Nem sempre as coisas são como queremos, mas se a gente ao invés de se lamentar e se culpar quando uma coisa dá errado enxergar nisso uma possibilidade de fazer melhor as coisas se tornam melhor. Porque tudo começa dentro e a partir de nós mesmo.

Pare de cobrar uma perfeição que não existe. Pare de comparar a sua vida com a do outro, pois você é uma pessoa preciosa e única. A sua vida é preciosa e única. Você é mais do que as escolhas que fez, e muito mais do que as expectativas que os outros colocam em você.

Não tenha medo de novos começos. E sempre que a sombra do desânimo ou da culpa aparecerem, lembre-se que ser feliz e bem sucedido só depende de você.

Instagram

© 2010 - 2019 My Dear Library • Livros, divagações e outras histórias. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in