A Casa da Praia por Nora Roberts.

28/07/16

| Arquivado em: RESENHAS.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788528620511
Editora: Bertrand Brasil
Ano de Lançamento: 2016
Número de páginas: 476
Classificação: Muito Bom
Sinopse: Advogado em Boston, Eli Landon acabou de passar por um ano intenso. Após ser inocentado pelo assassinato de Lindsey, sua ex-mulher, ele se muda para a casa desocupada de sua avó em Whiskey Beach: Bluff House, um casarão que há mais de trezentos anos atua como guardião inabalável do litoral... e de seus segredos. Tudo o que Eli deseja é um pouco de paz e tranquilidade para trabalhar em seu romance. Mas, quando chega em Bluff House, ele descobre que sua avó incumbira a casa e Eli aos cuidados da jovem vizinha, Abra Walsh. Eli acredita ser capaz de cuidar de si mesmo, mas, conforme se vê gradualmente cedendo às palavras amáveis e refeições apetitosas de Abra, os dois passam a se ver presos em um emaranhado que se estende por séculos e que tem seduzido aquele cujo maior desejo é destruir a vida de Eli de uma vez por todas.

Essa que vos escreve não nega que os últimos livros que leu da autora Nora Roberts, a deixaram um pouquinho decepcionada. Mas seja pelo fato de eu ser  insistente ou como meu amigo falou, “não aceitar que um autor de quem eu sou fã, possa escrever livros não tão bons”, vi em A Casa da Praia a oportunidade perfeita de fazer as “pazes” com a autora. E mesmo que nem tudo tenha sido “perfeito”, posso dizer a vocês leitores, que essa blogueira aqui e dona Nora Roberts voltaram a se entender bem novamente.

Transtornado com o rumo que a sua vida tomou no último ano, o advogado Eli Landon decide que está na hora de uma grande mudança. A oportunidade surge quando sua avó Hester precisa passar uma temporada em Boston deixando a Bluff House, o lendário casarão que está com sua família há de trezentos anos, desocupado. Necessitando de um tempo para si mesmo e reconstruir a sua vida, Eli parte para Whiskey Beach. A intenção dele é simples, cuidar da casa para a avó enquanto ela se recupera de um acidente doméstico e termina de escrever seu livro.

Porém logo que ele chega a Bluff House, Eli descobre que sua avó confiou tanto a casa como ele aos cuidados da prestativa e gentil vizinha Abra Walsh. E por mais que ele sinta-se incomodado com a atenção que recebe da moça, conforme os dias se passam Eli vai aos poucos  se acostumando com a presença de Abra na casa, e como os "pitacos" que ela dá em sua vida. Só que o assassinato da sua ex-mulher Lindsey não foi solucionado e mesmo que ele tenha sido inocentado por falta de provas, alguns ainda veem Eli como culpado. E aparentemente essa é uma sombra de seu passado que irá persegui-lo por mais algum tempo.

Quando outro misterioso assassinato ocorre, Eli entra mais uma vez no radar da policia. Só que agora  provar a sua inocência, não será a única preocupação como a qual o ex-advogado terá que lidar. Em meio a investigação sobre a morte de Lindsey e pesquisas relacionadas a lenda de um tesouro perdido. Eli vai descobrindo o passado de sua família, ao mesmo tempo em que abre um espaço na sua vida e no seu coração para Abra.

Assim que li a sinopse de A Casa da Praia fiquei curiosa para ler sua história. Gosto de romances com esse toque de mistério, algo que a Nora Roberts sempre trabalha muito bem. A narrativa é fluida, mas extremamente descritiva e sem emoção, como longos capítulos em que vemos o relacionamento da Abra e do Eli se desenvolvendo. E mesmo que isso tenha acontecido da forma mais “natural” possível, não nego que fiquei com a impressão que tudo entre eles foi meio “forçado”.

Em momento algum senti química entre eles, e juro que tentei enxergar os dois como casal, só que infelizmente não consegui.  E principalmente, - tentei gostar da Abra. E não é nem que eu tenha desgostado dela por completo.  O problema foi à construção da personagem em si.  Tudo nela é muito "exagerado", sem mencionar o fato que a personagem em diversas situações surgir com “frases motivacionais”, saídas direitas de algum biscoito da sorte. E sim, também procuro ver sempre o lado positivo da vida, mas gente tudo tem limite.

Eli por outro lado é um personagem mais centrado e sabe que o mundo encantado de “My Little Poney” não existe. Ele perdeu tudo o que tinha e está aos poucos juntando os fragmentos do que restou da sua antiga vida para seguir em frente. Acredito que foi justamente por isso que eu não conseguia ver ele e a Abra como um casal. Eles são muito diferentes e possuem formas de ver a vida completamente opostas. E tipo pode até ser que “os opostos se atraem”, mas em meu ponto de vista cedo ou tarde, por mais amor que esteja envolvido na história, as diferenças sempre vão falar mais alto.  Ou seja, o romance entre eles não me convenceu.

Mas se o romance deixou um pouco a desejar, Nora Roberts compensou isso, dando ao enredo uma aura de mistério e suspense que a cada capítulo me deixava ainda mais curiosa. Sabe aquela narrativa que a todo o momento você se questiona qual é a motivação do “vilão”? Aqui acontece exatamente isso. A autora soube “esconder” bem o jogo, e apesar da grande revelação não ter sido tão "chocante" como o esperado, ainda sim  ela consegue surpreender.

E mesmo que alguns pontos no enredo tenham me incomodado, em especial o desenvolvimento do casal, gostei da forma como o enredo foi construído e do desfecho que a Nora deu a ele. Os personagens secundários também desempenham um papel importante na trama, o que deixou tudo mais real e interessante.

“– E a vida não é uma série de contos de fadas, nem mesmo para uma princesa.“

Mesmo com personagens centrais que não conseguem se destacar muito, A Casa da Praia possui uma narrativa envolvente e uma história gostosa de acompanhar.  Ainda continuo sentindo falta daquele “algo mais” presente nos livros antigos da Nora Roberts. Mas, sem sombra de dúvidas A Casa da Praia é uma história bem construída e que me proporcionou um reencontro agradável com a escrita de uma autora da qual sou fã assumida. Recomendo.

Wishliterária – Julho.

25/07/16

| Arquivado em: LANÇAMENTOS.

Olá leitores, tudo bem?

O que vocês andam lendo de bom? Eu acabei A Caminho do Altar da Julia Quinn. Pois é, tentei “enrolar” o máximo para ler o último livro da série Os Bridgetorns, mas o momento de me despedir da série chegou e logo terá resenha desse livro aqui no blog ().

Porém para me consolar, ou não, Julho está cheio de lançamentos que prometem deixar essa que vos escreve levemente "desidratada", como o O Ar que Ele Respira, que está sendo a minha leitura atual. 

Mas agora sem mais delongas, vamos conferir a wishlist ai!






Sinopse: Como superar a dor de uma perda irreparável? Elizabeth está tentando seguir em frente. Depois da morte do marido e de ter passado um ano na casa da mãe, ela decide voltar a seu antigo lar e enfrentar as lembranças de seu casamento feliz com Steven. Porém, ao retornar à pequena Meadows Creek, ela se depara com um novo vizinho, Tristan Cole. Grosseiro, solitário, o olhar sempre agressivo e triste, ele parece fugir do passado. Mas Elizabeth logo descobre que, por trás do ser intratável, há um homem devastado pela morte das pessoas que mais amava. Elizabeth tenta se aproximar dele, mas Tristan tenta de todas as formas impedir que ela entre em sua vida. Em seu coração despedaçado parece não haver espaço para um novo começo. Ou talvez sim.






Sinopse: Quando Pierrot fica órfão, precisa ir embora de sua casa em Paris para começar uma nova vida com sua tia Beatrix, governanta de um casarão no topo das montanhas alemãs. Mas essa não é uma época qualquer: estamos em 1935, e a Segunda Guerra Mundial se aproxima. E esse não é um casarão qualquer, mas a casa de Adolf Hitler. Logo Pierrot se torna um dos protegidos do Führer e se junta à Juventude Hitlerista. O novo mundo que se abre ao garoto é cada vez mais perigoso, repleto de medo, segredos e traição. E pode ser que Pierrot nunca consiga escapar.







Sinopse: Bem-vindos ao mundo imperfeito de Jasmine e Matt. Vizinhos, eles não têm o menor interesse em tornarem-se amigos e nunca haviam se falado antes. Estavam sempre ocupados demais com suas carreiras para manter qualquer tipo de contato. Jasmine, mesmo sem nunca tê-lo encontrado, tem motivos para não suportar Matt. Ambos estão em uma licença forçada do trabalho e sofrendo com seus dramas familiares. Eles precisam de ajuda. Na véspera de Ano-Novo, os olhares de Jasmine e Matt se encontram de forma inusitada pela primeira vez. Eles têm muito tempo livre e precisam rever seus conceitos para poder seguir em frente. Conforme as estações do ano passam, uma amizade improvável lentamente começa a florescer.







Sinopse: Rafe saiu do armário aos 13 anos e nunca sofreu bullying. Mas está cansado de ser rotulado como o garoto gay, o porta-voz de uma causa. Por isso ele decide entrar numa escola só para meninos em outro estado e manter sua orientação sexual em segredo: não com o objetivo de voltar para o armário e sim para nascer de novo, como uma folha em branco. O plano funciona no início, e ele chega até a fazer parte do grupo dos atletas e do time de futebol. Mas as coisas se complicam quando ele percebe que está se apaixonando por um de seus novos amigos héteros.

+ Lançamentos

Eu fico aqui olhando para O Menino no Alto da Montanha e já sinto um leve aperto no peito. Sabe quando você já fica com aquele pressentimento que vai terminar a leitura de coração partido, e mesmo assim quer ler? É desse jeito que me sinto ao olhar para esse livro.

Também estou bem curiosa para ler Guia Astrológico para Corações Partidos, por que como vocês sabem, eu amo Astrologia (). E óbvio que Uma Canção de Ninar é um dos mais desejados por mim esse mês. Livros e música, quer melhor combinação?

E vocês leitores, estão ansiosos por algum lançamento em especial dessa wishlist? Me conta qual é nos comentários =D

Beijos;***

A Rebelde do Deserto por Alwyn Hamilton.

21/07/16

| Arquivado em: RESENHAS.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788565765992
Editora: Seguinte
Ano de Lançamento: 2016
Número de páginas: 288
Classificação: Ótimo
Sinopse: A Rebelde do Deserto – Livro 01.
O deserto de Miraji é governado por mortais, mas criaturas míticas rondam as áreas mais selvagens e remotas, e há boatos de que, em algum lugar, os djinnis ainda praticam magia. De toda maneira, para os humanos o deserto é um lugar impiedoso, principalmente se você é pobre, órfão ou mulher.  Amani Al’Hiza é as três coisas. Apesar de ser uma atiradora talentosa, dona de uma mira perfeita, ela não consegue escapar da Vila da Poeira, uma cidadezinha isolada que lhe oferece como futuro um casamento forçado e a vida submissa que virá depois dele. Para Amani, ir embora dali é mais do que um desejo — é uma necessidade. Mas ela nunca imaginou que fugiria galopando num cavalo mágico com o exército do sultão na sua cola, nem que um forasteiro misterioso seria responsável por lhe revelar o deserto que ela achava que conhecia e uma força que ela nem imaginava possuir.

Por mais curiosa que estivesse para ler A Rebelde do Deserto da autora Alwyn Hamilton, evitei começar a leitura com muitas expectativas. Afinal, sempre vale aquela de que melhor se surpreender do que se decepcionar, não é mesmo? E para minha imensa felicidade, A Rebelde do Deserto se mostrou uma história extremamente envolvente, do tipo que me deixou com um irresistível gostinho de quero mais.

De todos os lugares miseráveis do deserto de Miraji, a Vila da Poeira é o pior deles, em especial se você é pobre, órfã e mulher. Por isso se Amani Al’Hiza não quiser passar os resto dos seus dias presa em um casamento infeliz e a uma vida de submissão, ela precisa fugir, - e rápido. Dona de uma mira perfeita, ela resolve arriscar tudo o que tem em um campeonato de tiro no vilarejo vizinho. A ideia é passar despercebida em um universo dominado por homens, ganhar o dinheiro da competição e ir embora. Só que a essa altura da vida Amani já devia ter entendido que as coisas nunca são tão simples com ela gostaria.

Durante o campeonato, Amani esbarra em um misterioso forasteiro e tal encontro desencadeia uma série de acontecimentos que vira sua vida de ponta cabeça. Ao embarcar com Jin em uma perigosa jornada pelo deserto que ela sempre acreditou conhecer, Amani conquista sua sonhada liberdade, ao mesmo tempo em que descobre um mundo novo e completamente mágico. Entre uma parada e outra a jovem vai conhecendo melhor a si mesma e uma força que ela jamais imaginou possuir. E principalmente, ela aprende que não há como fugir do destino, quando os caminhos dele e do coração estão entrelaçados.

A autora Alwyn Hamilton foi buscar no universo das lendas árabes a inspiração para escrever uma história ágil e cheia de reviravoltas. A Rebelde do Deserto possui aquela narrativa em que você consegue “sentir” os elementos descritos na trama e nos faz mergulhar de cabeça em sua história, sem se preocupar com a nuvem de areia que vamos levantar ao fazer isso. Sem falar que, Amani Al’Hiza é uma personagem incrível.

Sério! Sei que vocês estão acostumados ao fato de essa que vos escreve sempre "reclamar" do temperamento das mocinhas. E foi justamente nesse ponto que a narrativa da Alwyn Hamilton me conquistou. A autora soube criar uma protagonista feminina forte, sem que ela perdesse a sua delicadeza. Em muitos momentos a Amani demonstra suas fraquezas, seus medos e dúvidas sem que para isso ela precise de um príncipe encantado vindo em um cavalo branco para salvá-la.

Sim é claro que o Jin a salva em algumas situações, da mesma forma em que ela salva a vida dele em outras. E a maneira como o relacionamento deles é construído, torna o romance presente na trama leve e gostoso de acompanhar. Os dois lutam juntos como iguais por aquilo em que acreditam. É lindo ver como o Jin respeita e deixa a Amani travar suas próprias batalhas. Ele pode até não concordar com algumas atitudes dela, mas ele a respeita. E se tratando de um livro que aborda uma cultura mundialmente conhecia por oprimir as mulheres, isso realmente é fantástico.

Alwyn Hamilton também consegue dar uma boa abertura aos personagens secundários, de modo que a história mesmo sendo narrada em primeira pessoa não fique centralizada demais na Amani. Inclusive nesse quesito a autora nos reversa uma boa surpresa, pois um personagem que no começo da trama praticamente não chama a atenção, acaba por se revelar uma peça importante no desfecho desse primeiro livro. O que me deixa ainda mais curiosa para saber qual será o papel dele na sequencia da série.

Só que como nem tudo são flores em minha vida literária, em minha opinião Alwyn Hamilton deu uma pequena “tropeçada”, ao recorrer a certos clichês. Não que isso tenha prejudicado a história como todo, só que dá aquela sensação que você já viu isso antes em algum lugar. Tudo bem que a maneira como autora usou esse clichê consegue dar aquele impacto na história. Mas não nego que teria gostado mais se ao invés deste “artifício”, A Rebelde do Deserto tivesse seguido uma linha mais “humana” por assim dizer.

Porém sem sombra de dúvidas, me vi encantada com o mundo que a autora criou e completamente envolvida em sua narrativa fluida. E bem, não vou negar que fiquei bem apaixonadinha pelo Jin também (). E posso garantir a vocês, que é praticamente impossível viajar pelo deserto na companhia desse moço, sem ficar caidinha por ele.

“– Estive em muitos lugares – Jin disse. – E as pessoas creem em verdades diferentes. Quando todo mundo parece ter tanta certeza, é difícil acreditar que alguém esteja certo.”

Com maestria Alwyn Hamilton mescla  temas atuais, fantasia e aventura em uma história relativamente simples e que ao mesmo tempo consegue fisgar o leitor logo em sua primeiras páginas. E claro, tudo isso com personagens cativantes e um toque de romance para deixar tudo ainda melhor. O único problema agora é ter que esperar até o ano que vem pela continuação.

#naplaylist – High School.

19/07/16

| Arquivado em: MÚSICAS.

Que essa que vos escreve não vive sem livros e músicas, não é segredo para ninguém por aqui. E a música é algo tão importante na minha vida, que eu tenho playlists “especiais” para determinados momentos da minha vida.  E como comentei no post de Orange, passei um tempo meio que de bad com a vida, fazendo mil questionamentos no melhor estilo “crise existencial”.
imagem: Shutterstock
E durante essa minha crise, depois de 16 anos percebi como o Ensino Médio foi realmente um divisor de águas na minha vida. Foram durante os meus três tortuosos anos de Ensino Médio que “endureci“ a casca tornando a gótica suave que sou hoje =D

Foi nessa época que Nickelback, Coldplay, Linkin Park e tia Avril despontaram no meio musical. Lembro-me das saudosas tarde que passa várias e várias horas ouvindo Matchbox Twenty, em minhas fitas K-7 e colocando no papel meus sentimentos. E acreditem tenho dois fichários cheios de pensamentos e reflexões dessa fase.

Então o #naplaylist desse mês, vem com um toque de nostalgia agridoce. Com músicas que marcam uma época não tão legal da minha vida, mas que me ajudaram a passar por ela. E o melhor de tudo, me ensinou que o tempo é realmente o melhor autor. Tudo bem que ele não escreve finais perfeitos, mas de um jeito único ele coloca tudo em seu devido lugar.

#naplaylist
Gente vou confessar que até hoje tenho uma relação de "amor e ódio" com Linkin Park. In The End me traz péssimas, mas péssimas recordações tanto que é uma música que sempre pulo quando ouço o CD Hybrid Theory. Já em compensação fico me perguntando se algum dia eu vou deixar de amar Nickelback e The Calling. Acho que assim como Backstreet Boys o meu amor por eles será para vida toda ().

Beijos e até o próximo post ;***

Silêncio por Richelle Mead.

17/07/16

| Arquivado em: RESENHAS.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788501107381
Editora: Galera Record
Ano de Lançamento: 2016
Número de páginas: 280
Classificação: Bom
Sinopse: Pelo que Fei se lembra, nunca houve um ruído em seu vilarejo todos são surdos. Na montanha, ou se trabalha nas minas ou na escola, e as castas devem ser respeitadas. Quando algumas pessoas começam também a perder a visão, inclusive a irmã de Fei, ela se vê obrigada a agir e a desrespeitar algumas leis.  O que ninguém sabe é que, de repente, ela ganha um aliado: o som, e ele se torna sua principal arma. Ao seu lado, segue também um belo e revolucionário minerador, um amigo de infância há muito afastado em função do sistema de castas. Os dois embarcam em uma jornada grandiosa, deixando a montanha para chegar ao vale de Beiguo, onde uma surpreendente verdade mudará suas vidas para sempre. Fei não demora a entender quem é o verdadeiro inimigo, e descobre que não se pode controlar o coração.

Não é segredo para ninguém que acompanha o blog há mais tempo, que essa que vos escreve adora cultura oriental. Por esse motivo, confesso que assim que vi a capa de Silêncio da Richelle Mead pensei comigo mesma, “preciso ler esse livro”. Sim julguei o livro pela capa, então podem me julgar também. E embora a narrativa tenha apresentado elementos interessantes, não nego que no final da leitura acabei com aquela sensação “chatinha” de que ficou faltando alguma coisa.

No alto na montanha existe um vilarejo pobre, onde o silêncio reina absoluto e as castas são respeitadas. A jovem Fei nasceu aqui e graças ao seu talento, tanto ela com a irmã escaparam do trabalho braçal nas minas,  tornando-se aprendizes na escola. Fei e Zhang Jing são artistas, pessoas responsáveis por retratar através da arte o dia a dia do povoado onde todos são surdos. Esse é o trabalho de maior prestigio na pequena comunidade, e por essa razão quando Fei perceber que assim como outras pessoas do vilarejo sua irmã também está perdendo a visão, ela começa a ficar aflita. Fei sabe que se os tutores descobrirem que Zhang Jing está perdendo a visão, o destino de sua irmã será as ruas.

Desesperada para proteger a irmã, Fei está disposta a quebrar todas as regras, ainda mais agora que ela ganhou uma vantagem, - o som.  Ninguém no pequeno vilarejo sabe o porquê as pessoas estão perdendo a visão e aparentemente Fei é a única em que o sentido da audição voltou. Após uma tragédia o seu amigo de infância Li Wei, um jovem e destemido mineiro decide descer a montanha em busca de respostas, Fei resolve ir com ele. Juntos eles partem para uma jornada perigosa em que não somente suas vidas, mas o futuro do seu pequeno povoado estão em risco.

O Silêncio foi o segundo livro que li da autora Richelle Mead e mesmo ele tendo sido uma leitura “rápida”, alguns pequenos detalhes em seu desenvolvimento me incomodaram um pouco. Para começar senti que até a metade do livro a autora estava com dúvida se escrevia uma fantasia ou uma distopia, pois a narrativa passeia bem pelos dois estilos.  Outro ponto é que em determinados momentos você fica com aquela impressão de que a história “não sai do lugar”. São capítulos em que não acontece nada, absolutamente nada que cause um grande impacto na trama, ou surpreenda o leitor de alguma forma.

Richelle Mead se “perde” em detalhes que no meu ponto de vista foram desnecessários, o que torna na narrativa em algumas situações repetitivas. Tipo, a premissa promete uma história cheia de mistério e aventura, e em partes a autora entrega isso. Só que aqui acontece aquele velho problema do autor “levar uma vida” para desenvolver todo o mistério da história e revelar tudo de "supetão" nas últimas páginas.  Além disso, estamos tão acostumamos com enredos que trazem a mitologia grega ou romana como pano de fundo, que eu realmente estava empolgada em ler algo que abordasse a mitologia e o folclore chinês. E bem, não vou negar que fiquei um pouco desapontada nesse quesito também.

Mas, apesar de nem tudo ter sido flores durante a leitura de Silêncio o livro conta com alguns pontos que me agradaram bastante. O primeiro e o principal deles são os protagonistas. Fei a principio pode passar aquela imagem de menina insegura e “bobinha”, mas nos momentos importantes ela encontra dentro de si mesma uma coragem tão grande, que fazem dela uma personagem forte e cativante. Já o Li Wei é o típico protagonista clichê dos livros do gênero, que por mais que você tente não se encantar, ele consegue conquistar aquele lugarzinho especial no seu coração. O romance entre os dois é muito sutil e delicado, o que faz com que o relacionamento deles seja ainda mais bonito.

Silêncio pode ter-me “decepcionado” em algumas partes, mas no final de mostrou uma leitura agradável que conseguiu manter a minha curiosidade e torcida pelo final feliz de seus personagens até o último capítulo. Tudo bem que fiquei com a sensação de que ficou faltando alguma coisa, mas nem tudo é perfeito, não é mesmo?

“Somente viver um dia depois do outro já não basta. Tem que haver algo mais nesta vida, algo mais que de possa esperar.”

Em suma Silêncio tem uma boa premissa e que consegue mesmo com algumas falhas em seu desenvolvimento, prender a o leitor em suas páginas. Não vou negar que esperava um pouco mais, porém ainda sim a sua história se mostrou uma leitura envolvente com os toques de certos de fantasia, aventura e romance.

My Dear Library • Todos os Direitos Reservados • Copyright © 2010 - 2016 • Powered by Blogger • Design por Ariane Reis • Desenvolvimento por