17/01/2018

Tudo Junto e Misturado por Ann Brashares.

| Arquivado em: RESENHAS.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788555340505
Editora: Seguinte
Ano de Lançamento: 2017
Número de páginas: 336
Classificação: Muito Bom
Sinopse: Sasha e Ray sempre passam o verão na velha casa de férias da família. Desde pequenos, os dois dividiram muitas coisas — leram os mesmos livros, correram pela mesma praia, comeram pêssegos colhidos na mesma fazenda, tomaram café da manhã sentados à mesma mesa. Até dormiram na mesma cama, mas nunca ao mesmo tempo. Afinal, eles jamais se encontraram. O pai de Sasha um dia foi casado com a mãe de Ray, e juntos tiveram três filhas: Emma, Quinn e Mattie. Mas o casamento acabou, deixando para trás apenas rancor e ressentimentos. Os dois casaram de novo e formaram novas famílias, mas nenhuma delas pretende desistir da casa de praia, muito menos compartilhá-la. Até este verão. As vidas de Sasha e Ray estão prestes a se cruzar — e, com tudo junto e misturado, as famílias vão mudar para sempre.

Ao iniciar a leitura de Tudo Junto e Misturado da autora Ann Brashares, essa que vos escreve não tinha a menor ideia do que ia encontrar. Porém, logo nas primeiras páginas já percebi que em minhas mãos uma história de uma beleza complexa e ao mesmo tempo singela, assim como são nossos relações com as pessoas que amamos.

Ray e Sasha desde pequenos dividem muitas coisas. O quarto de na velha casa de verão da família, os livros, o trabalho e as três irmãs mais velhas, frutos do primeiro casamento da mãe de Ray, Lila com o pai de Sasha, Robert. Porém apesar de dividirem tantas coisas, o dois nunca se encontrado pessoalmente. Afinal o fim do relacionamento antigo deixou uma sombra de ressentimentos e magoas que tornou qualquer proximidade entre as duas famílias impossível. Só que de algum modo Sasha sente que ninguém a conhece tão bem como Ray. E Ray por sua vez também sente essa estranha conexão com Sasha. 

Por anos Emma, Quinn e Mattie conseguiram se dividir entre as duas famílias, em uma espécie de vida dupla em que ao invés de dividir buscavam somar para os dois lados. Mas nesse verão as coisas estão diferentes obrigando a todos a ceder e conviver juntos mesmo que seja uma trégua temporária. Quando segredos do passado até então enterrados surgem na superfície e uma tragédia abala a todos, os caminhos de Sasha e Ray finalmente se cruzam. Mas será que Lila e Robert estão dispostos a deixar o rancor de lado pela felicidade dos filhos?

Tudo Junto e Misturado, possui uma narrativa simples e fluida que assim como o próprio título diz nos apresenta uma miscelânea de pontos de vistas, pensamentos e emoções diferentes. A princípio achei que Ann Brashares ia intercalar a narrativa entre a Sasha e o Ray, mas embora o começo possa parecer "confuso", gostei do fato da autora ter dado voz a todos os personagens na construção da narrativa. Isso não somente os deixaram mais reais durante a leitura, como também ajudou a torná-los mais próximos de mim.

E que fique claro que essa não é a história de amor entre a Sasha e o Ray, pois apesar do romance entre eles estar presente de uma forma sutil, o foco aqui é as relações familiares. Ann Brashares foi de uma sensibilidade enorme ao apresentar duas famílias tão desajustadas que precisavam desesperadamente de amor e perdão.

Em vários momentos senti raiva da Lila e do Robert por serem pessoas tão egoístas e mesquinhas, ambos tão apegados as suas dores que não conseguiam enxergar a dor alheia.  Era triste e doloroso perceber como tudo podia ser diferente se alguém cedesse nem que fosse um pouco.

A complexidade, assim como todo o ressentimento existente no relacionamento dos dois permeia toda a narrativa de modo que é visível que a divisão entre as famílias ajudou a formar o caráter e as inseguranças dos filhos do casal. Tudo Junto e Misturado é um lembrete a todos que relacionamentos nem sempre são eternos, mas o modo como lidamos com o fim deles afeta não somente a nós, me sim todos em nossa volta.

Posso até não ter me emocionado ao ponto de derramar lágrimas pela obra. Até por que, apesar de toda a sua beleza a narrativa de Tudo Junto e Misturado ainda sim peca por sua superficialidade e previsibilidade em alguns momentos. Só que ainda sim, essa foi uma leitura que me levou a refletir sobre o verdadeiro papel da família em minha vida. Além de claro ser um lembrete de como os relacionamentos e a vida são frágeis.

“É uma coisa muito triste da natureza humana. Passamos muito mais tempo pensando no que não temos ou no que perdemos do que pensando no que temos.”

Com uma narrativa despretensiosa, Tudo Junto e Misturado nos mostra a beleza e a fragilidade das relações humanas. Ann Brashares apresenta muito mais do que um romance leve, mas a cada capitulo nos lembra da importância de esquecer as magoas do passado, perdoar e seguir em frente.

14/01/2018

Um Tom Mais Escuro de Magia por V.E. Schwab.

| Arquivado em: RESENHAS.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788501106667
Editora: Record
Ano de Lançamento: 2016
Número de páginas: 420
Classificação: Muito Bom
Sinopse: Tons de Magia – Livro 01.
Kell é um dos últimos Viajantes — magos com uma habilidade rara e cobiçada de viajar entre universos paralelos conectados por uma cidade mágica. Existe a Londres Cinza, suja e enfadonha, sem magia alguma e com um rei louco — George III. A Londres Vermelha, onde vida e magia são reverenciadas, e onde Kell foi criado ao lado de Rhy Maresh, o boêmio herdeiro de um império próspero. A Londres Branca: um lugar onde se luta para controlar a magia, e onde a magia reage, drenando a cidade até os ossos. E era uma vez... a Londres Negra. Mas ninguém mais fala sobre ela. Oficialmente, Kell é o Viajante Vermelho, embaixador do império Maresh, encarregado das correspondências mensais entre a realeza de cada Londres. Extra-oficialmente, Kell é um contrabandista, atendendo pessoas dispostas a pagar por mínimos vislumbres de um mundo que nunca verão. É um hobby desafiador com consequências perigosas que Kell agora conhecerá de perto. Fugindo para a Londres Cinza, Kell esbarra com Delilah Bard, uma ladra com grandes aspirações. Primeiro ela o assalta, depois o salva de um inimigo mortal e finalmente obriga Kell a levá-la para outro mundo a fim de experimentar uma aventura de verdade. Magia perigosa está à solta e a traição espreita em cada esquina. Para salvar todos os mundos, Kell e Lila primeiro precisam permanecer vivos.

Desde que Um Tom mais Escuros de Magia, o primeiro livro da trilogia Tons de Magia foi lançando, essa que vos escreve sentiu aquele “chamado” para conhecer a história. Quem acompanha o blog há mais tempo, sabe o quanto eu gosto de fantasias e quanto elas são bem estruturadas e possuem bons personagens, a probabilidade de me tornar fã da trama é ainda maior. E embora a história aqui tenha falhado em alguns detalhes, ainda sim admito que essa já é uma trilogia com um lugarzinho especial em meu coração.

Kell é um dos últimos Antari, magos com a habilidade especial de viajar por universos paralelos interligados por magia. No mundo de Kell, existe três Londres; a Cinzenta, suja e deprimente em que a magia há muito tempo deixou de existir. A Vermelha onde o jovem mago foi criado, onde a magia está presente em cada detalhe. E a Londres Branca onde a luta para controlar o poder da magia corrompeu a todos. Existia também há muito tempo a Londres Negra, mas ninguém gosta de falar sobre ela.

Kell é o embaixador império Maresh, responsável pela troca de correspondências entre as cidades. Porém o jovem Kell tem um hobby perigoso, afinal entre uma correspondência e outra ele também é um dos responsáveis pelo contrabando de artefatos mágicos ou não através dos reinos. E é justamente um pequeno artefato o responsável por desencadear uma série de acontecimentos catastróficos para todas as Londres.

Fugindo de um inimigo mortal e correndo contra o tempo para devolver o artefato maligno ao lugar ao qual pertence, Kell esbarra em Delilah Bard uma ladra que tem grandes aspirações para o seu futuro. E isso inclui não ficar para trás nessa aventura, mesmo que o risco de não sair viva dela seja bem grande.

Já tinha me encantado com a narrativa fluida de Victoria Schwab quando li A Melodia Feroz. O grande diferencial da Victoria em minha opinião é que suas histórias não são do tipo que nos conquistam logo nas primeiras páginas, e sim que conforme a narrativa evolui vai apresentando elementos que tornam a história envolvente.

Particularmente gosto bastante de enredos que tem como plano de fundo, mundos paralelos e realidades alternativas e esses foram os pontos que sem sombra de dúvida mais me chamaram a atenção em Um Tom mais Escuro de Magia.  Porém não nego que apesar de ter gostado bastante do que encontrei por aqui, achei que a autora pecou em pequenos detalhes em especial no desenvolvimento dos personagens.

O Kell apesar de ser um personagem bastante carismático, sofre a síndrome do personagem “bonzinho” demais. Tudo bem que a autora tentou dar um pouco de malícia ao protagonista ao fazer dele um contrabandista, mas toda a postura do Kell durante a narrativa faz dele um personagem um tanto “ingênuo” quando comparado a Delilah. Essa que por sua vez rouba a cena e salva o dia em diversas ocasiões, diga-se de passagem. A única coisa aqui que não engoli direito foi a breve tentativa de romance que surgiu entre os personagens.  Talvez esse seja um dos pontos que a autora trabalhe melhor nos próximos livros, mas confesso que  aqui achei um tanto quanto "forçado".

Já os irmãos Astrid e Athos, governantes da Londres Branca e os grandes vilões desse primeiro livro da trilogia, me soaram caricatos demais.  Porém, o que mais doeu em meu coração que sempre tende a amar os vilões foi ver todo o potencial do Holland, o outro Antari ser “desperdiçando”. É visível o quanto ele é forte e poderoso, e vê-lo transformado em um mero “fantoche” machucou meu coração gelado.

Um Tom mais Escuro de Magia não decepciona quem espera uma boa fantasia. Mesmos com algumas situações bem previsíveis, Victoria Schwab entrega o que promete, além de deixar um bom gancho para a continuação da história. Só que para leitores mais exigentes/ chatos como essa que vos escreve, a sensação ao finalizar o livro é que a história podia ter sido ainda melhor. 

“... mas homens que entram na água afirmando saber nadar não deveriam precisar de salva-vidas.”

Com um começo promissor, Um Tom mais Escuro de Magia mesmo com algumas pequenas falhas possui uma narrativa fluida e envolvente. Estou bem curiosa para descobrir por quais caminhos a magia irá guiar Kell no próximo livro da trilogia, Um Encontro de Sombras

10/01/2018

Estou me acostumando a esquecer ...

Arquivado em: DIVAGANDO.

imagem: Shutterstock
Estou me acostumando a esquecer...

Essa é a frase que venho repetindo todas as manhãs quando acordo e todas as noites antes de dormir; Estou me acostumando a esquecer.

A cada dia vou guardando dentro das caixas das coisas para serem esquecidas, o nós que nem sequer chegou a existir realmente. A situação é um clichê tão bobo, que seria trágico se não fosse cômico, ou cômico se não fosse trágico. De um lado alguém que cansou de esperar por uma chance. Do outro alguém que só percebeu a chance que tinha quando perdeu. Mas que diferença faz? É somente mais um capítulo dramático nesse drama todo em que às vezes transformamos a vida.

Estou me acostumando a esquecer...

E todos os dias vou tentado esquecer as longas conversas  que não vamos ter. Os passeios de mãos dadas, os abraços, os beijos e a cumplicidade que teríamos. Todos os momentos, planos e sonhos. Aos poucos eu estou me acostumando a esquecer tudo isso. Esquecer dos momentos que não vamos mais viver juntos.

Talvez no futuro quando por um acaso eu revirar essas caixas, as lembranças do que não vivemos não me doa mais. Talvez eu até consiga sorrir e entender do porque nossa história parou tão abruptamente, quando a melhor parte estava para começar.

Talvez eu nos perdoe pela imensa sucessão de encontros e desencontros, dos nossos pequenos erros e medos, mas principalmente de desistir tão facilmente de nós. Talvez de tanto repetir que não me importo e que já esqueci, isso se torne uma verdade de fato. Uma amarga verdade, mas ainda sim uma verdade. E apelando para o pior dos clichês, posso dizer que o nosso fim prematuro é um novo começo. Porém, cada um vai escrever um capítulo diferente da história a partir de agora. Uma história separada de muitas maneiras e a mesma história de muitas formas.

Estou nos guardando na caixa de coisas para serem esquecidas. E por mais que em alguns dias ao fazer isso uma lágrima caia, continuo repetindo, - Estou me acostumando a esquecer...

07/01/2018

Quando a música se transformar em inspiração.

| Arquivado em: ARTE 

Quem acompanha o blog há mais tempo, sabe que a música assim como os livros é uma das minhas maiores paixões. Pois isso, eu acredito que não será assim tão difícil adivinhar o porquê selecionei as obras presentes no post de hoje. Sim, - elas além da sua beleza única possuem também uma melodia incrível.

In This Moment
Essa não é a primeira vez que a maravilhosa Wenqing Yanque, mas conhecia como Yuumei parece aqui no blog. Eu simplesmente amo o traço e a forma como ela retratada situações “cotidianas” com um toque de leveza e tristeza que dão as obras dela uma carga dramática perfeita. Além disso, Yuumei consegue balancear bem a paleta de cores mais sombria com tons mais claros, o que deixa cada trabalho dela ainda mais impressionante.

Dessa vez ao visitar a galeria dela no deviantArt, fiquei encantada com uma série de trabalhos mais musicais, por assim dizer. Eles são bem mais suaves em relação às outras obras da ilustradora, ao mesmo tempo em que possuem o seu traço único.

Algumas Obras:
Infinite Melody
Between Time and Space
Petals Fall
Storm Inside
Lead me to Night
In This Moment e Petals Fall conquistaram aquele lugarzinho especial em meu coração (), por toda a serenidade que a obra transmite. Do mesmo modo que a Infinite Melody e Storm Inside já possuem uma atmosfera mais carregada e ainda sim belíssima. A Yuumei simplesmente arrasa, não é mesmo?

Compartilhem nos comentários qual foi ou foram as ilustrações que vocês mais gostaram, e até por próximo post.

02/01/2018

#naplaylist – Inspiração.

| Arquivado em: MÚSICAS.

Oie pessoas,

Eu estou tão, mais tão feliz em estar escrevendo esse post! Sinto que depois de um período de introspecção, finalmente estou pronta para voltar a esse meu cantinho tão amado. Revi muitas coisas nos meses anteriores e graças à participação de todos vocês na Pesquisa de Opinião, acredito que consegui enxergar um ponto de equilíbrio entre a minha vida pessoal e minha vida virtual.

imagem: Shutterstock
Fiquei imensamente feliz em ler as respostas de vocês e sentir todo o carinho e o amor que todos têm pelo blog e por mim (). De verdade não sei, nem como agradecer vocês por todo apoio, paciência e principalmente compreensão com o momento complicado pelo qual eu estava passando. Vocês são realmente os melhores leitores do mundo!

Então para começar 2018 com pé direito e cheio de boas energias, criei lá no Spotify uma playlist especial. Ela está pouquinho diferente das playlist que costumo publicar aqui no blog. Dessa vez eu tentei dar a cada música selecionada um significado, uma razão para ela estar nessa playlist.

Por isso coloquem seus fones de ouvido e se preparem para receber o meu singelo presente de Ano Novo para vocês ()!

#naplaylist

Muito obrigada por tudo mais uma vez! Desejo que todos tenham um ano cheio de bons momentos e realização desde pequenas a grandes ().

Beijos e até o próximo post!

Publicidade

Instagram

© 2010 - 2018 My Dear Library • Livros, divagações e outras histórias. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in