Nossas Horas Mais Felizes por Gong Ji-Young.

10/07/2017

| Arquivado em: RESENHAS.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788501096678
Editora: Record
Ano de Lançamento: 2017
Número de páginas: 280
Classificação:
Sinopse: Yujeong é uma jovem da alta sociedade coreana que, indiferente a tudo e a todos é incapaz de se entender com a própria família, não consegue encontrar um sentido para sua vida. Depois de três tentativas frustradas de suicídio, ela acaba definhando entre o álcool e o desespero. Seus familiares, por outro lado, não se esforçam para entendê-la, a não ser sua tia, a irmã Mônica, com quem sempre teve uma ligação especial. Disposta a fazer o que for preciso para que Yujeong volte a sentir vontade de viver, a freira sugere à sobrinha que as duas façam semanalmente uma visita a um preso no corredor da morte. E então elas conhecem Yunsu, um homem que anseia deixar este mundo por acreditar que só assim conseguirá se redimir de seus pecados. Apesar de sua origem humilde, ele e Yujeong têm algo em comum: um triste passado de abusos físicos e psicológicos. Aos poucos, durante os encontros na prisão, os dois jovens atormentados revelam um ao outro seus segredos mais obscuros e seus traumas do passado, criando uma conexão inesperada, que gradualmente desperta nessas duas pobres almas o desejo de viver. Mas as mãos de Yunsu estão sempre algemadas, os guardas estão constantemente por perto, e Yujeong sabe que aquelas horas felizes juntos podem ser tragicamente curtas.

Confesso que a primeira vista Nossas Horas Mais Felizes da autora sul-coreana Gong Ji-Young foi um livro que não me chamou a atenção. Mas, algo me dizia que eu tinha dar uma chance a ele, que a história contida em suas páginas é aquele tipo de história que precisa ser lida.  Quando comecei a leitura não estava preparada para o que encontrei aqui, pois enquanto Gong Ji-Young ia me surpreendendo com uma belíssima narrativa a cada capítulo, a autora também ia aos poucos quebrando o meu coração junto.

Yujeong cresceu em meio a todo o luxo e conforto que uma pessoal nascida na alta sociedade sul-coreana poderia ter. Porém, após um acontecimento traumático a jovem passou a desejar somente uma coisa todos os dias, - morrer. Depois de sua terceira tentativa de suicídio, sua tia Mônica resolve interferir. A freira faz uma proposta à sobrinha, que ela troque a terapia por um mês de visita a um preso que está no corredor da morte. Yujeong não consegue imaginar como isso pode ajuda-la a deixar de querer morrer, mas como não tem muita escolha acaba aceitando o convite da tia.

O jovem Yunsu acredita que só com sua morte vai conseguir se redimir de todos os pecados. O rapaz é arredio no começo, porém conforme o tempo passada uma estranha amizade entre ele e Yujeong surge. Yujeong e Yunsu percebem que apesar dos caminhos diferentes que suas vidas tomaram, eles têm muito em comum. Ambos carregam feridas em suas almas causadas por anos de abandono, abusos e principalmente falta de amor. 

Mesmo com as poucas horas que tem para conversar durante a  semana, todas as quintas-feiras, essa amizade improvável acaba despertando neles a vontade de viver. Mas não é só isso, uma mudança interna e ainda mais profunda, começa naquela pequena sala no presídio. Mudança essa que transformaria suas vidas  para sempre.

Admito que não está sendo nada fácil escrever essa resenha, pois enquanto estou aqui digitando cada palavra, meus olhos estão sem enchendo de lágrimas novamente.  E fazia muito, mais muito tempo mesmo que uma história não causava esse efeito em mim. Gong Ji-Young construiu uma narrativa tão bela como dolorosa, do tipo que por mais que não concordamos com as atitudes de seus protagonistas torcemos por um “impossível”, o tão sonhado final feliz.

Não nego que em muitos momentos fiquei com raiva da Yujeong. Ficava me perguntando como uma pessoa que tinha tudo e que passou por tanto sofrimento, podia ser tão arrogante e julgar tanto as outras pessoas. Eu entendia a dor dela, e "compreendia" o motivo de sua revolta com a mãe, mas pensava; “Por que ela não transforma todos esses sentimentos negativos e destrutivos em algo bom?”.  Só que ai percebi que estava fazendo o mesmo que a Yujeong fazia com o outros, julgando suas atitudes baseadas só naquilo que eu estava vendo. E quantas vezes no dia a dia eu, você, todo mundo não fazemos isso?

Porém, essa não é apenas a história de Yujeong, essa é a história de Yunsu. Yunsu que passou a vida toda sem conhecer o amor. Yunsu que cresceu acreditando que a violência era a resposta para tudo. Meu coração se partiu inúmeras vezes pela criança que ele foi e pelo adulto que a violência criou. Partiu-se por que existem milhões de Yunsu no mundo, que cruzam nossos caminhos todos os dias e que ignoramos. Por que ao contrário do que muita gente pode pensar a violência não é um “luxo” das classes mais baixas, e às vezes tudo o que uma pessoa precisa é que alguém estenda a mão e lhe diga; “Ok! Vai ficar tudo bem”.

Nossas Horas Mais Felizes possui uma narrativa que nos faz refletir sobre vários pontos de nossas próprias vidas, só que a sua história é muito mais que isso.  Com uma leveza e sensibilidade enorme, Gong Ji-Young nos mostra o quanto o poder do amor é transformador. E não digo o amor romanceado entre um homem e uma mulher. E sim aquele amor que faz você se importar com o outro, que faz você se preocupar com a felicidade e a segurança de alguém, mas do que se preocupa consigo mesmo.  É você querer de alguma forma curar as feridas do outro, apesar das suas feridas ainda estarem sangrando. Foi lindo ver Yujeong e Yunsu descobrindo esse tipo de amor juntos.

Todo ato gera uma consequência e Nossas Horas Mais Felizes nos mostra exatamente isso. Gong Ji-Young nos presenteia com uma narrativa que nos “machuca”, pois nos faz pensar que nossos atos também geram consequências. Que só quem é amado sabe o que é amor. Que só aquele que foi perdoado sabe perdoar. E que perdoar os outros e a si mesmo é algo extremamente difícil.  E acima de tudo, que quando alguém diz que quer ou que merece morrer, essa pessoa está pedindo ajuda, pois ela está sofrendo tanto que não suporta mais viver daquele jeito.

Terminei a leitura de Nossas Horas Mais Felizes em prantos e enquanto escrevo essa resenha meu coração está se partindo em mil pedacinhos novamente. Gong Ji-Young escreveu uma história que vai ficar comigo por muito, mais muito tempo. E que sim, precisa ser lida e conhecida por todos.

“Existia alguma infelicidade que não tivesse uma história por trás? Uma tristeza que não fosse injusta? Dizer que as pessoas eram dignas de pena significava que a justiça tinha virado as costas para elas.”

Queria muito conseguir através dessa resenha, passar para vocês o quanto esse livro lindo e merece de lido. Porém por mais que me esforce nada que eu diga fará jus à profundidade e beleza de sua história (). Por isso peço a cada um de vocês que abra o seu coração e leia, Nossas Horas Mais Felizes.

Comentários via Facebook

21 comentários:

  1. a trama é bem diferente, tem um grande potencial pelo que li, afinal resenha boa é aquela que mexe com a gente pq foi escrita colocando em cada ponto sentimentos

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Gostei da resenha! Não conhecia o livro... mas me interessei por ele, e já vai para minha lista.. Bela indicação.

    Daniele

    Dezesseis

    ResponderExcluir
  3. Nossa que história diferente e realmente linda, você conseguiu sim nos deixar encantado com o livro, se ele for tão bom quanto sua resenha vai ser perfeita a leitura.

    Beijos
    La Rosa Blanca| Instagram

    ResponderExcluir
  4. Oi Ane, tudo bom?
    Não conhecia esse livro, mas que trama interessante! Não é dos meus gêneros favoritos, mas é sempre legal conhecer mais de estilos literários com os quais não estou acostumada. Ai, quando eu quiser ler, tenho as opções!
    Adoro quando a história emociona. É tão difícil uma obra pegar fundo nos sentimentos a ponto de fazer chorar que, quando consegue, merece os parabéns.
    Vou anotar a dica, com certeza. Excelente resenha!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  5. Amei a resenha, uma abordagem bem diferente né?! Pelo seu sentimento final ao livro fiquei com vontade de ler
    Beijos
    lolamantovani.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Pela capa do livro já imaginei algo forte. A trama parece ser incrível. Eu não leio a resenha de algum livro que me interessa. Então como a sinopse já me pegou, não li sua resenha. Mas vou ver se leio no final de semana e volto aqui pra ler a sua resenha. Adorei a dica!

    Blog Paloma Marcarini

    ResponderExcluir
  7. Eu também gostei da dica, parece ser bom e a capa é super legal!!

    Beijinhosss ;*
    Blog Resenhas da Pâm

    ResponderExcluir
  8. Oi, Ane!
    Esse título bem aí ludibria a gente. Vamos pensando que é uma história fofinha e acaba sendo uma história forte e tocante.
    Sua resenha foi uma das poucas que vi sobre esse livro. Mas ainda estou super convencida a dar uma chance.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  9. Oi Ane,
    Ainda não conhecia o livro, mas pela sua resenha ele parece ter uma trama tocante e ao mesmo tempo marcante. Dica anotada!!

    *bye*
    Marla
    https://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Esse foi o livro que você resenhou que mais me deixou com vontade em ler! Me lembrou de um que li pela metade na livraria cultura chamando "culpa - nem todo culpado deve ser condenado" por conta da parte com o cara no corredor da morte. Amo essas histórias que puxam pro lado mais psicológico!

    www.vestindoideias.com

    ResponderExcluir
  11. Oi Ane, tudo bem?
    Não conhecia o livro e já fiquei emocionada só de ler sua resenha, a premissa é muito interessante e a muito tempo não leio um livro tocante e cheio de ensinamentos, espero ter oportunidade de ler em breve!

    Obrigada pelo carinho. Um super beijo :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir
  12. Olá, Ane.
    Não conhecia esse livro ainda, e num primeiro momento achei que fosse ser mais um daqueles livros que duas pessoas acabam se apaixonando e curando suas feridas com o amor que sentem um pelo outro. Mas gostei de saber que o amor mostrado aqui é diferente. É raro encontrar esse amor pelo próximo nos livros. Vou querer ler.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  13. OOi adorei a dica, ainda não conhecia o livro mas essa drama que envolve o enredo parece ser muito bom.
    Adorei a dica, beijos boa semana
    http://bellapagina.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Oi, Ane! Que história... original?! Achei realmente a trama muito bem pensada. Parece ser mesmo um bom livro, e eu gosto de livros que deixam a gente refletindo assim no final... Quero ler!

    Beijo!
    CONTROVÉRSIAS.

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem? Caramba, olhando pela primeira vez para esse livro, eu também não daria nada para ele, mas depois de ler sua resenha fiquei com vontade de lê-lo... Valeu pela dica!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  16. Nossa, esse livro deve ser mesmo arrebatador. Geralmente não curto histórias desse tipo, ainda mais com uma carga emocional tão grande assim (meu ♥ não aguenta não, rsrs...), mas confesso que estou aqui curiosa pra saber tudo o que rola nessa trama. E, principalmente, o final. Não li, mas até eu já tô aqui torcendo pelo impossível final feliz, hehe.

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    Romantic Girl

    ResponderExcluir
  17. Oi Ane, tudo bem?
    Sua resenha já mexeu comigo de tal forma que já quero procurar o livro. De fato o nome do livro não chama tanto a atenção, mas pelo que você escreveu a história deve realmente ser maravilhosa, daquele tipo de enredo que conseguimos tirar muitas lições.
    Dica mais do que anotada.
    Um forte abraço,
    Amanda Almeida
    http://blog.amanda-almeida.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Oi, Ane

    Só a sua resenha me fez ficar com o coração apertadinho! É mesmo muito difícil fazer uma resenha de um livro que mexe muito com a gente, mas pode ficar tranquila porque você conseguiu passar toda a emoção que o livro lhe proporcionou!
    Eu juro que, assim como você, não dava nada pelo livro, mas agora, depois das suas palavras, sinto que é uma história que precisa sim ser lida! <3

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  19. Oi
    segunda resenha que leio desse livro e super me interessei, ainda mais por ser de uma autora sul coreana, a história parece ser daquelas bem intensa qu faz o leitor sofrer ao ler.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  20. Eu me surpreendi muito com esse livro, a história é realmente tocante e intensa. Um livro que todos deveriam ler <3
    Beijos! <3
    Colorindo Nuvens

    ResponderExcluir

My Dear Library • Todos os Direitos Reservados • Copyright © 2010 - 2017 • Powered by Blogger • Design por Ariane Reis • Desenvolvimento por