Sponsor

Mostrando postagens com marcador Robin Robb. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Robin Robb. Mostrar todas as postagens
agosto 24, 2013

O Aprendiz de Assassino por Robin Robb



• ISBN: 9788580448160
• Editora: LeYa
• Ano de Lançamento: 2013
• Número de páginas: 416
• Classificação: Muito Bom
Este livro foi enviado como
cortesia para resenha.



Sinopse:  Saga do Assassino  - Livro 01

O jovem Fitz é o filho bastardo do nobre Príncipe Cavalaria e foi criado pelo cocheiro de seu pai, à sombra da corte real. Ele é tratado como um penetra por todos na realeza, com exceção do Rei Sagaz, que faz com que ele seja secretamente treinado na arte do assassinato. Porque nas veias de Fitz corre a mágica do Talento – e o conhecimento obscuro de um garoto criado em um estábulo, entre cães, e rejeitado por sua família. Quando assaltantes bárbaros invadem a costa, Fitz está se tornando um homem. Logo ele enfrentará sua primeira missão, perigosa e que despedaçará sua alma. E embora alguns o vejam como uma ameaça ao trono, ele pode ser a chave para a sobrevivência do reino.


Uma das coisas que mais me atrai em livros de fantasia, é a capacidade do autor “brincar” com a realidade a transformando em algo mágico, envolvente e completamente surpreendente. Para minha felicidade, embora em alguns momentos o meu ritmo de leitura tenha sido um pouco “devagar”, O Aprendiz de Assassino se revelou um daquelas leituras em que temos uma relação de “amor e ódio” com a história, mas que ao final você se vê completamente conquistado.

Aos cinco anos Fitz foi deixando pelo avô materno aos cuidados dos cavaleiros do rei. Segundo ele estava na hora do Príncipe Herdeiro, Cavalaria assumir o que tinha feito. Sendo filho ilegítimo do príncipe, ele jamais teria acesso às regalias dos demais membros da família real e ainda teria que aprender a conviver com o desprezo que muitos nutriam por ele, em especial o príncipe Majestoso. Abandonado e sem ter para onde ir, Fitz é criado por Bronco, grande amigo de seu pai nos estábulos da Torre do Cervo entre os cães e os cavalos. Porém, em um daqueles misteriosos acasos do destino o Rei Sagaz, percebe que talvez o erro cometido por seu filho, pode se tornar algo útil para o reino e ordena que ele comece a ser educado de forma correta.

Enquanto Fitz começa as suas aulas para aprender tudo o que um cavaleiro precisa saber, ele começa também a ter aulas noturnas e secretas com o atual assassino do rei, o enigmático Breu. Mas, misteriosos navios vermelhos começam a atacar a população das regiões costeiras dos Seis Ducados, e aparentemente não é de riquezas que esses temidos “piratas” estão atrás. Em todas as cidades em que eles atracam seus navios um fato assustador acontece. A população capturada tem suas mentes destruídas e perdem completamente a consciência de sua humanidade.

Com essa preocupação a mais em mente, o rei ordena a Galeno o mestre do Talento a ensinar a técnica a quem quer que possua aptidão na Torre do Cervo. Dessa forma, um círculo seria criado para ajudar ao rei e ao príncipe Veracidade a proteger o reino da ameaça dos navios vermelhos. Porém aprender a dominar o Talento se mostrará uma tarefa muito mais difícil para Fitz do que aprender a matar sem deixar vestígios. Galeano guarda segredos obscuros, segredos esses que fazem com que ele nutra um ódio mortal por Fitz. Do dia para noite Fitz tem sua simples rotina mudada, mas o que ele não sabia é que a sua lealdade para com o rei e sua vontade de se mostrar digno iram arruiná-lo para sempre.

A narrativa da autora Margaret Astrid Lindholm Ogden, que assina com o pseudônimo Robin Hobb, não possui aquele ritmo continuo. Alguns capítulos são muito bons, porém outros embora fundamentais para o enredo são um pouco mais lentos com descrições desnecessárias, o que pode tornar a narrativa em determinados momentos um pouco monótona, principalmente para quem não é muito fã do gênero fantasia.  Em algumas partes eu tive a sensação que a autora meio que não sabia para onde ir, ao mesmo tempo em que eu também não sentia aquela “emoção e apego” pelos personagens, só que mesmo assim não conseguia largar o livro.

Fitz conseguiu me deixar muitas vezes à beira de um ataque de nervos. Ok! Eu admito que sempre acabo tendo algum problema com os protagonistas, isso é um fato já. Porém, em minha opinião era inaceitável  a estupidez com que Fitz agia em determinadas ocasiões, principalmente para quem estava sendo treinado para ser o assassino do rei.  De verdade, me dava desespero ver as bobagens que ele fazia às vezes. Só não conseguia sentir mais raiva do Fitz por que ele sofre tanto no decorrer da história que chega a partir o coração de quem esta lendo. A cada coisa boa que acontece na vida dele, parecia que umas dez coisas ruins aconteciam também. Em muitos momentos senti um nó se formando na minha garganta e meu coração ficava apertado por conta do sofrimento dele. Eu pensava: “Chega! Já deu! Deixem-no me paz, por favor!”, é sério gente (...) muito triste mesmo.

Outro detalhe que me incomodou um pouco na história, foi que senti falta de um personagem fora Fitz que se destacasse no enredo de alguma forma. Por mais que a principio tenha sido um pouco estranho os personagens não possuírem “nomes comuns”, pois no reino dos Seis Ducados os membros da família real e os demais nobres recebiam nomes de acordo com o seu talento, o maior problema aqui é que temos apenas a visão que o Fitz tem da pessoa. Assim, você não chega a conhecer nenhum dos demais personagens “profundamente”.  Você sabe o que o Fitz sabe sobre a pessoa, e gosta ou desgosta dela de acordo com o sentimento que o personagem nutri por ela, o que de certa forma me incomodou um pouco, pois é perceptível que muitos personagens tinham potencial para se destacarem mais. Como por exemplo, o próprio Breu, o príncipe Veracidade e até mesmo o Bobo.

Tudo bem que a história é narrada pelo Fitz e a cada capítulo ele nos conta um pouco da sua vida e a história aqui é dele, mas talvez se a autora tivesse deixando um pouco aqueles detalhes desnecessários de lado e focado um pouco em mostrar às qualidades e o defeitos dos demais personagens a narrativa poderia ser mais envolvente. Assim o livro é muito bom, só que poderia ser infinitamente melhor.

“(...) não fuja. Ninguém nunca ganhou o que quer que fosse fugindo.”

Uma história surpreendente e com ingredientes que agrada tanto a jovens como adultos, O Aprendiz de Assassino é um livro que conquista e deixa o leitor curioso a cada capítulo. Leitura indispensável para os fãs de literatura fantástica e que não decepciona quem está em busca de uma grande aventura. 


Instagram

© 2010 - 2021 Blog My Dear Library | Ariane Gisele Reis • Livros, Música, Arte, Poesias e Sonhos. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in