Resenha - Jogador 1º por Ernest Cline.

19/12/2012


Jogador 1º por Ernest Cline.

ISBN: 9788580442687
Editora: LeYa Brasil
Ano: 2012
Número de páginas: 464
Classificação: 3/5 estrelas
Onde Comprar: FNAC, Livraria Cultura, Livraria Saraiva, Livraria da Travessa, Submarino - Compare os Preços



Sinopse: Cinco estranhos e uma coisa em comum: a caça ao tesouro. Achar as pistas nesta guerra definirá o destino da humanidade. Em um futuro não muito distante, as pessoas abriram mão da vida real para viver em uma plataforma chamada Oasis. Neste mundo distópico, pistas são deixadas pelo criador do programa e quem achá-las herdará toda a sua fortuna. Como a maior parte da humanidade, o jovem Wade Watts escapa de sua miséria em Oasis. Mas ter achado a primeira pista para o tesouro deixou sua vida bastante complicada. De repente, parece que o mundo inteiro acompanha seus passos, e outros competidores se juntam à caçada. Só ele sabe onde encontrar as outras pistas: filmes, séries e músicas de uma época que o mundo era um bom lugar para viver. Para Wade, o que resta é vencer – pois esta é a única chance de sobrevivência. A vida, os perigos, e o amor agora estão mais reais do que nunca.


Se você é daqueles que acha que nasceu na época errada, por que é um apaixonado (a) pela cultura POP dos anos 80 este é o livro perfeito para você. Com um enredo que mistura cenários distópicos, a ação dos games e mesmo tempo leva o leitor há sentir certa nostalgia o Jogador 1º é um livro para nerd e geek nenhum colocar defeito.  Bem acredito que, pelo pouco que já disse sobre o livro, vocês devem estar imaginando que ele se tornou um dos meus livros favoritos, porém infelizmente não foi bem assim.

O inicio do livro prometia uma história muito promissora e as referências usadas pelo autor mesmo não me levando a reviver o período da década de 80 em si, (afinal não sou tão velha), davam a narrativa um diferencial bem bacana. Porém com o tempo esse excesso de referências foi deixando a leitura em especial no começo do livro, um pouco cansativa e repetitiva, principalmente por que em algumas partes a tradução deixou um pouco a desejar.

A história se passa em 2044, um futuro não tão distante assim se pararmos para pensar bem, e nele encontramos o jovem Wade que vivi com sua tia e o namorado dela nas “pilhas” um tipo de “conjunto habitacional” da época. O mundo passa por uma grave crise enérgica, só que em contra partida disso aparentemente toda a população mundial é altamente dependente de um jogo, o OASIS. Esse jogo era online, ou seja, via internet o que me fez ficar com um ponto de interrogação gigante na cara; “Como que em meio a uma crise energética mundial as pessoas podiam ser tão dependentes de um jogo online?”, claro que na história isso é explicado de uma forma um tanto quanto “poética”, mas a verdade é que os seres humanos precisavam fugir da realidade que eles mesmos criaram.

O OASIS foi criado por Halliday um aficionado pela cultura POP dos anos 80, já que foi o período em que ele viveu o final de sua infância e parte de sua adolescência. Certo dia Halliday morre deixando uma imensa fortuna, porém o detalhe é: o bilionário não tinha família e com isso a sua fortuna acabou ficando sem ter nenhum herdeiro para reclama-lá. Mas Halliday era uma pessoa inteligente e pensou em uma maneira bem “divertida” de contornar a situação, prova disso é que ele deixou três chaves escondidas dentro do OASIS. Cada uma delas abre um portão e quem conseguir encontrar todas as chaves e vencer todos os desafios deixados por Halliday será o mais novo bilionário do mundo. Claro que não foi tão simples assim encontrar a primeira chave, foi necessários cinco anos, até que certo dia alguém conseguiu decifrar a primeira pista em meio a todas as referências da década de 80 deixadas pelo próprio Halliday, para que enfim a grande caçada tivesse início.

Ernest Cline soube criar uma trama futurista original e ao mesmo tempo instigante. Melhor ele consegue fazer com que o leitor se sinta dentro do jogo e vibre com cada desafio vencido. Outro ponto bem bacana é que o autor fez de Wade, o jovem órfão, nerd e excluído pela sociedade, um dos heróis mais cativantes dos últimos tempos. Embora o autor tenha apelado para alguns elementos clichês e forçado um pouco no “efeito nostálgico” o que acabou me incomodando um pouco, no contexto geral acredito que o autor conseguiu estruturar muito bem a trama. O Jogador 1º é aquele tipo de livro que além de personagens muito bem construídos, possui um lado visual bem legal, já que por ser um livro rico em descrições se torna muito fácil para quem lê visualizar os ambientes em que a ação está acontecendo.

Mesmo como o meu ritmo de leitura oscilando um pouco, e do meu ponto vista tenha ocorrido certo exagero nas referências, como alguns “furos” na história em si, eu gostei bastante do livro. Apesar de alguns tropeços Cline consegui criar uma história coerente que foi me conquistando a cada capitulo. Pode não ter si lá tão surpreendente como eu imaginava que fosse, mas com certeza foi um livro que ao final valeu apena.

Para os amantes do gênero distópico, nostálgicos e gamers de plantão, eu meu arrisco a dizer que o Jogador 1º é uma leitura obrigatória. Agora se você é só mais um curioso começe a leitura sem grandes expectativas.
#ficaadica!



Comentários via Facebook

17 comentários:

  1. Como eu sou apenas um curioso acho que vou colocar esse livro na espera , sua resenha ficou ótima adorei :) parece sim ser bom mais não é o meu estilo beijos !

    euvivolendo.blogspot.com ( comenta lá >D )

    ResponderExcluir
  2. Ai ai, Wade me lembra Hart of a Dixie *-* hahaha
    Nostalgia e distopia, esse livro foi feito para mim. Já entrou na listinha :)
    Beijinhos
    http://fulanaleitora.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Eu amo os anos 80!!!! Fiquei super afim de ler o livro, mas quando vc disse que o excesso de informações deixou um pouco cansativo fiquei com o pé atrás, detesto livros que exageram nos detalhes. Mas acho que vou ler, só pra tirar a duvida =D
    Bjoss

    ResponderExcluir
  4. Quando um livro começa a ficar repetitiva, não consigo continuar. Fica meio cansativa e massante. Mas estou louco para ler esse livro como você disse ele é promissor e tem um pouco de especial. Anos 8O tem época melhor? Adoro!

    Beijos&Beijoswww.7hings.com.br! Conto com você.. 

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Sou poser mesmo. Me pergunte o que houve nos anos 80, eu não sei dizer. Afinal, nasci 17 anos depois. Vi a capa desse livro no blog Ninhada Literária, mas antes disso, acho que nunca tinha ouvido falar. Como não sou chegada à video-games fico meio relutante, mas se tiver oportunidade de lê-lo, acho que posso dar uma chance.
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. eu espero ler esse livro um dia, mas nao sei quando viu *-*

    ResponderExcluir
  7. Aaah, que pena que não é "isso tudo" :/ Minha irmã comprou (promoções do Submarino <3) e pretendo ler em breve. Essa coisa do ambiente virtual me fisgou!

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Tipo, eu preciso ler esse livro! Após ler sua resenha, acredito que irei amar esse livro. Parece ser muito bom.
    Que pena que o livro não foi "Tudo de bom" pra você. Espero que para mim, seja no mínimo bom.
    Parabéns pela resenha!
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
  9. Oi Ane, já li tantas resenhas positivas desse livro que as expectativas só vinham aumentando. É bom, às vezes, ler uma opinião mais neutra, para sabermos onde estamos exatamente nos metendo. rsrs
    Ainda assim, tenho que ler esse livro para formar minha própria opinião, pelo menos, agora, sem esperar tanta coisa.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá Ane!
    Nossa, já li tantas resenhas positivas sobre esse livro, e por incrível que pareça até hoje ainda não tenho a minima curiosidade de lê-lo, a história não me interessa muito. Mas enfim, adorei a resenha, ficou realmente ótima ;)

    Beijos&beijos
    Book is life

    ResponderExcluir
  11. Ah, esse aí é meu queridinho. Já era meu xodó meio que antes de eu começar a ler. E depois que eu percebi que seria inútil tentar fazer qualquer outra coisa antes de terminá-lo e ainda encontrei várias referências que fizeram meu coração saltar, só posso dizer que é um dos meus favoritos *-*

    Beijos!

    http://www.ultimoromance.com/

    ResponderExcluir
  12. Oi Ane! A sua é a primeira resenha que não leva o livro as alturas,e achei a mais sincera, quando ler não irei com muita sede ao pote, assim poderei aproveitar melhor. Não sou muito ligada em games, espero não ficar perdida.

    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Eu gosto de distopias, mas não gosto de jogos. Eu acho que até gostaria do livro, mas não muito porque não gosto de livros com muitas descrições... não presto muita atenção nelas, gosto de criar as coisas do meu jeito.
    Parabéns pela resenha
    Beijos

    Andressa
    http://umdiaacadalivro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Tenho muita vontade de ler este livro e estava com as expectativas lá em cima, então foi bom ler a sua resenha para eu não me decepcionar muito, mas ainda assim quero muito ler o livro porque acho que vou gostar dele. Adorei a resenha!
    Beijos.

    http://palavrasdeumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. É a terceira resenha que leio desse livro hoje...está pegando, hein?

    Beijinhos e um ótimo final de semana para vc e sua família.
    http://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Eu não costumo gostar desse tipo de jogo, mas vou dar uma chance a esse livro, quero muito mudar de ideia com relação a ele.

    ResponderExcluir
  17. Oi Ane, o livro parece ser interessante para quem curte esse estilo néh...eu comprei ele, mas não sei quando irei ler, não é um dos meus preferidos para ler....mas quem sabe néh...

    BjOs!!!

    ResponderExcluir

My Dear Library • Todos os Direitos Reservados • Copyright © 2010 - 2017 • Powered by Blogger • Design por Ariane Reis • Desenvolvimento por