Sponsor

Mostrando postagens com marcador Desejo à Meia-Noite. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Desejo à Meia-Noite. Mostrar todas as postagens
agosto 18, 2013

Desejo à Meia-Noite por Lisa Kleypas



ISBN: 9788580411492
Editora: Arqueiro
Ano de Lançamento: 2013
Número de páginas: 272
Classificação: Bom
Este livro foi enviado como
cortesia para resenha.


Sinopse: The Hathaways - Livro 01.


Após sofrer uma decepção amorosa, Amelia Hathaway perdeu as esperanças de se casar. Desde a morte dos pais, ela se dedica exclusivamente a cuidar dos quatro irmãos – uma tarefa nada fácil, sobretudo porque Leo, o mais velho, anda desperdiçando dinheiro com mulheres, jogos e bebida. Certa noite, quando sai em busca de Leo pelos redutos boêmios de Londres, Amelia conhece Cam Rohan. Meio cigano, meio irlandês, Rohan é um homem difícil de se definir e, embora tenha ficado muito rico, nunca se acostumou com a vida na sociedade londrina. Apesar de não conseguirem esconder a imediata atração que sentem, Rohan e Amelia ficam aliviados com a perspectiva de nunca mais se encontrarem. Mas parece que o destino já traçou outros planos.

Sempre gostei de histórias com personagens ciganos. Acho que depois das histórias com bruxas, magos ou feiticeiros, elas são as que mais me chamam atenção. Deve ser por causa de todo esse mistério e tradição que envolve o povo cigano, mas o fato é que quando li na sinopse de Desejo à Meia-Noite que a história teria um toque dessa magia automaticamente já fique bastante empolgada para ler o livro. Na verdade, acho que fiquei empolgada até demais e com isso infelizmente acabei me decepcionando um pouco com a história.

Amélia Hathaway e sua família possuem graves problemas financeiros.  Se não bastasse isso, Amélia ainda tem que lidar com duas preocupações extras, - a saúde frágil de uma de suas irmãs mais novas Win e a depressão de seu irmão mais velho Léo, que não apenas está levando ele para o fundo do poço, mas também as últimas economias que a família ainda tem. Decidida a salvar o pouco de dinheiro e dignidade que ainda resta aos Hathaways, Amélia decide mudar com a família para uma casa no campo, acreditando assim, que lá ela vai conseguir manter Léo, longe das mesas de jogos e da bebida, ao mesmo tempo em que preserva o máximo possível à saúde frágil de sua irmã.

Porém a paz e tranquilidade tão desejadas por ela estão longe de chegar, pois o enigmático Cam Rohan está pelas redondezas não deixando Amélia esquecer a atração existem entre eles. Com o sangue metade rom (cigano) e metade irlandês, Rohan começa a fazer parte da vida de Amélia mesmo sem a permissão dela. Afinal ela é totalmente independente e protetora em relação a sua complicada família e sabe que a presença de Rohan é perigosa. Enquanto cada um a sua maneira tenta encontrar formas de ignorar e fugir do que sente um do outro o destino trabalha ferozmente, para deixá-los ainda mais próximos tornando tudo ainda mais irresistível.

Vou confessar que achei a Amélia uma chata. Tudo bem que a vida dela é uma verdadeira “tragédia grega”, mas no decorrer da história as suas atitudes além de muitas vezes não coincidirem com a postura que ela tentava passar, eram muito mais muito irritantes mesmo. Assim, eu entendo que deve ser difícil você ter que cuidar de tudo sozinha, enquanto seu irmão faz “cara de paisagem” para vida, e que cuidar de três irmãs mais novas sendo que uma tem a saúde debilitada é uma carga um tanto pesada para uma jovem como vinte e seis anos. Também entendo que ela tenha medo de relacionamentos, afinal qualquer tipo de decepção leva certo tempo para passar, isso quando passa. Só que de verdade, ela não precisava ser tão chata. A chatice dela beirava a amargura às vezes. Juro me dava nos nervos!

O Rohan pode até ser diferente dos outros mocinhos de romances históricos, e na verdade ele é o grande destaque do livro, e a única razão pela qual gostei da história. Não por ele ser lindo ou maravilhoso, mas sim por que ele tem uma aura misteriosa, selvagem bem diferente dos personagens masculinos que estou acostumada a encontrar nos livros que leio. Rohan é aquele personagem que mantém o leitor intrigado, por que não dá para você saber se ele é mocinho ou vilão e com isso a autora vai levando a história com o ritmo moderado que não chega a encantar, porém prende a sua atenção. Sem falar que é bastante engraçado ver Rohan tentando perder dinheiro e ganhando ainda mais. Você fica pensando: “Que tipo de louco ele é?”.

Os demais personagens não chegam a ser muito cativantes, porém eles possuem características que faz com que você acabe gostando deles também. O Merripan, por exemplo, possui os mesmos traços da personalidade de Rohan, porém ele tem um toque mais sombrio, algo que faz você ficar curioso em relação ao passado dele. Léo é (...) sei lá, simplesmente não consigo definir ele. Teve horas que eu fiquei com pena, já em outras que eu queria dar uns tapas e assim se segui até o final do livro. Ou seja, ainda não sei se gosto ou desgosto dele. Ô homem complicado viu (...). Já as irmãs mais novas da Amélia: Win, Poppy e Beatrix, são uns amores. Elas são a prova daquele ditado que diz “Cada um escolhe a forma como lida com a dor”, Amélia tem muito a aprender com elas.

Mesmo achando que em alguns momentos a história ficava um pouco parada e no requisito romance a narrativa “deixa um pouco” a desejar eu gostei do livro. Não que romance não seja bonito e não tenha me feito ver coraçõezinhos e tudo mais. Porém achei algumas partes forçadas e isso acabou fazendo com que o romance perdesse um pouco do seu encanto. A escrita da autora Lisa Kleypas é leve e possui todos os ingredientes que tornam os romances históricos inesquecíveis. A presença de alguns elementos da cultura cigana em determinados trechos da narrativa, fez com isso a história ficasse mais rica e de certa forma mais mágica também.

Simplesmente o meu maior problema com Desejo à Meia-Noite, foi a protagonista que em momento algum conseguiu fazer com que eu me identificasse ou simpatizasse nem que fosse um pouquinho com ela. Não que eu tenha terminado o livro odiando a Amélia, nada disso. Como eu disse logo no começo da resenha, eu entendo as atitudes dela, só que não aceito. Fazer o que não é (...).

“Os rons acreditam que se deve seguir o chamado da estrada e nunca voltar atrás. Pois nunca se sabe das aventuras que estão por vir.”

Para quem busca um romance leve e super bonitinho, Desejo à Meia-Noite é uma ótima opção. Não surpreende, mas se você não criar muitas expectativas (como essa que vos escreve fez), também não se decepciona.


Instagram

© 2010 - 2021 Blog My Dear Library | Ariane Gisele Reis • Livros, Música, Arte, Poesias e Sonhos. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in