Sponsor

Mostrando postagens com marcador Espada de Vidro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Espada de Vidro. Mostrar todas as postagens
abril 11, 2016

Espada de Vidro por Victoria Aveyard

| Arquivado em: RESENHAS.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788565765947
Editora: Seguinte
Ano de Lançamento: 2016
Número de páginas: 496
Classificação: Ótimo
Sinopse: A Rainha Vermelha – Livro 02.
O sangue de Mare Barrow é vermelho, da mesma cor da população comum, mas sua habilidade de controlar a eletricidade a torna tão poderosa quanto os membros da elite de sangue prateado. Depois que essa revelação foi feita em rede nacional, Mare se transformou numa arma perigosa que a corte real quer esconder e controlar. Quando finalmente consegue escapar do palácio e do príncipe Maven, Mare descobre algo surpreendente: ela não era a única vermelha com poderes. Agora, enquanto foge do vingativo Maven, a garota elétrica tenta encontrar e recrutar outros sanguenovos como ela, para formar um exército contra a nobreza opressora. Essa é uma jornada perigosa, e Mare precisará tomar cuidado para não se tornar exatamente o tipo de monstro que ela está tentando deter.

Apesar de não ter “morrido de amores” por A Rainha Vermelha, tenho que confessar que algo na narrativa da autora Victoria Aveyard me conquistou.  Sim concordo, que em partes a sensação que temos quando lemos A Rainha Vermelha é que a autora fez uma miscelânea de várias outras séries para criar sua história. Mas, se Victoria Aveyard “pecou” em criar uma trama não tão original, a autora tem seus méritos por saber como ninguém construir uma narrativa envolvente, daquela que nos deixa ansiosos e ao mesmo tempo com medo de virar a próxima página.

Pode conter spoilers do livro anterior, por isso quem não quiser colocar a sua conta em risco pode pular dois parágrafos.

Mare Barrow acreditou durante toda a sua vida que era apenas uma vermelha comum, destinada a defender o reino de Norta na linha de frente de uma guerra que dura a gerações. Mas sua vida sofreu uma grande reviravolta quando ela descobriu possuir uma habilidade misteriosa, que até então se acreditava que apenas os nascidos com sangue prateado tinham o privilégio de ter. Porém ela não é a única vermelha com habilidades especiais e logo Mare descobre que o seu dom pode ser sua ruína também.

Caçada pelo vingativo Maven, ela se lança em uma perigosa jornada para encontrar os sanguesnovos e salvá-los da tirania do jovem rei.  Para cumprir a missão que assumiu, Mare conta com a ajuda de Farley a corajosa capitã da Guarda Escarlate, do seu irmão Shade, de Kilorn e do agora príncipe exilado Cal. O tempo está se esgotando e a cada sanguenovo que eles conseguem salvar, uma vida inocente se perde. Em um reino em que "todo mundo pode trair todo mundo", a guerra está apenas começando e ao final se Mare Barrow, a garota elétrica não for cuidadosa o suficiente acabará caindo em uma armadilha que criou para si mesma.

Espada de Vidro foi aquele livro que me deixou extremamente aflita, só que de um modo bom.  Arrisco-me a dizer que aqui Victoria Aveyard conseguiu desenvolver uma trama “sua”, em que a narrativa está livre de muitas influências. A autora não apenas tornou o mundo que criou mais amplo, como também através da inserção de novos e importantes personagens nos mostrou o quanto a história tem campo para crescer. Eu particularmente gosto quando os autores fogem dos clichês óbvios, por que isso cria inúmeras possibilidades dentro de uma mesma história. Outro ponto positivo foi o fato da autora saber explorar as fraquezas dos personagens, os tornando mais humanos.

Porém preciso fazer um pequeno desabafo (...) infelizmente não consigo gostar da Mare (sim me julguem), só que desde o primeiro livro fiquei com a sensação que a Mare é aquele tipo de pessoa que primeiro pensa nela. Nos problemas dela, de como tudo é difícil para ela, ou como foi o caso aqui de como ela é super poderosa e blá, blá, blá. Ok! Eu entendo que a vida não foi lá muito legal com ela e que deve ser realmente difícil descobrir do dia para noite que, você não é assim tão diferente daqueles que sempre odiou. Mas isso não justifica as atitudes dela e a forma como ela age primeiro e pensa depois.  Aqui novamente as decisões “erradas” da Mare colocaram não apenas ela em risco, mas outras pessoas também.

Na verdade eu adoraria se a Victoria Aveyard intercala-se os capítulos entre o ponto de vista da Mare e do Cal (), por exemplo. Isso não apenas daria a nós leitores uma visão mais ampla do que acontece, como evitaria pequenos “ataques de nervos” de pessoas que assim como eu não “simpatizam” muito da protagonista. A série A Rainha Vermelha possui muitos personagens carismáticos e com um grande potencial de crescer na história, porém o fato dela ser muito centralizada na Mare acaba meio que “atrapalhando” isso.

Adoro a Farley e aqui senti toda a dor dela. Fiquei me perguntando, “Por que Victoria Aveyard (...) por que ser tão má?”.  E mesmo o Maven sendo uma peste igual a mãe, a rainha Elara não vou negar que gosto dele. Afinal, vocês sabem que eu tenho uma “queda” pelos vilões. E o Maven está se superando no requisito “bonitinho, mas ordinário”, como ninguém. Porém o meu personagem favorito é o Cal, pois talvez em meio ao caos ele é aquela pessoa que consegue pensar de forma sensata sem colocar seus problemas em primeiro lugar. E pelo menos no meu ponto de visto, o Cal dentro todos é o que mais tem motivos para “surtar” e trocar os pés pelas mãos.

Espada de Vidro foi um livro que me tirou o sono e em muitos momentos me deixou realmente apreensiva. Victoria Aveyard mostrou um visível amadurecimento em sua escrita, porém alguns pontos ainda necessitam de explicações convincentes. Como sobre a origem do mundo de Norta e principalmente do que causou a divisão do sangue dando poder aos prateados e agora aos sanguesnovos. Confesso que me vi surpresa com o quanto estava envolvida com a leitura, pois embora eu ainda tenha uma relação de amor em ódio com a série, Espada de Vidro é sem sombra de dúvidas um livro eletrizante.

“- Ninguém nasce mau, assim como ninguém nasce sozinho.  As pessoas se tornam más e solitárias, por escolha e circunstância. Esta última você não pode controlar, mas a primeira ... Mare temo muito por você.”

Em uma sequência que consegue ser mais envolvente que o livro anterior, Espada de Vidro possui uma narrativa cheia de ação e momentos desesperadores que tornam simplesmente impossível largar o livro. Se você leu A Rainha Vermelha e não curtiu muito, a minha sugestão é dar mais uma chance para a série. Vai que você assim como essa que vos escreve acabe se surpreendendo. #ficaadica.

Veja Também:
A Rainha Vermelha.

Instagram

© 2010 - 2021 Blog My Dear Library | Ariane Gisele Reis • Livros, Música, Arte, Poesias e Sonhos. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in