Sponsor

Mostrando postagens com marcador Jennifer E. Smith. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Jennifer E. Smith. Mostrar todas as postagens
novembro 19, 2013

Na Livraria - 02




Olá leitores! Tudo bem com vocês?

No post de Na Livraria de hoje vou comentar sobre dois livros que aparentemente não tem lá muito haver um com o outro, mas que de uma maneira diferente abordam o mesmo tema, - problemas familiares.

Um eu gostei bastante já o outro embora eu tenha me emocionado em alguns momentos, a história ficou um pouco abaixo do que eu estava esperando.  Os livros do post de hoje foram ambos lançados pela editora Galera Record, e também tem em comum o fato de terem histórias curtas. 

Curiosos? Confiram o que eu achei de Métrica e A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista (nome curtinho heim).

Bem , vou começar por Métrica da autora Colleen Hoover, que foi justamente o livro que eu não curti tanto assim. Mas, antes que vocês me apedrejem por não ter caído de amores, por um dos livros mais adorados dos últimos tempos deixem explicar os meus motivos. Ok!?

Eu gostei de Métrica. Achei a proposta da autora embora não muito original boa, mas o casal protagonista simplesmente não me convenceu. “Como assim Ane?” Tipo, a parte em que a mocinha da história se muda para outra cidade após um acontecimento trágico e acaba se apaixonando por quem não devia tinha tudo para ser uma “grande história”, o que obviamente não foi.

A sensação que eu tive ao ler Métrica, foi que a autora pegou todos os clichês e tragédias literárias existentes e juntou tudo em um mesmo livro, com a intenção de fazer o leitor ficar desidratado ao final. Não que eu não tenha me emocionado e achado alguns acontecimentos tristes. Na verdade achei algumas coisas muito tristes, mas do tipo que de tão “força a barra”, e previsível que não chegaram ao ponto de me fazer chorar.

A protagonista Lake em determinados momentos tem alguns ataques de rebeldia e age de uma forma tão infantil que não condizia com a imagem que a autora tentava passar dela. O mesmo vale para o Will que apesar de tentar passar certo grau de maturidade, também não me convenceu muito. Assim, a intenção do romance entre eles até que é bonitinha e tem toda aquela coisa de ele gostar de poesias (o que é super fofo e tal), porém o envolvimento deles em si é um tanto superficial. Sabem aquela sensação que faltou alguma coisa?  Bem isso (...).

O que eu gostei do livro mesmo, além das poesias (que mesmo sendo algumas aparentemente sem nexo eram interessantes), foi à maneira com a autora trabalhou as questões familiares. A Lake que já vinha de uma perda recente precisava se forte por ela e pelo seu irmão caçula, o Kel. Já do outro lado nós temos o Will que ainda vinha superando todas as dificuldades que a vida tinha lhe imposto, e era tudo o que seu irmão mais novo, Caulder tinha. Preciso mencionar que foram justamente os irmãos mais novos dos personagens centrais, que se destacaram na história. Muito amor por esses dois viu .

Claro que teve outros personagens legais que chegam a ser mais carismáticos que o casal principal, porém o que mais me incomodou em Métrica foi o excesso do “drama show”. Tudo bem que a história de vida pessoal tanto da Lake, como do Will é bem triste e que é o tipo de coisa que pode acontecer com qualquer um. A narrativa em si tenta passar uma mensagem positiva e alegre apesar de tudo, só de verdade em meu ponto de vista houve pouco exagero.

É um bom livro, que possui os elementos certos para ser uma história emocionante, porém não chegou a me surpreender e emocionar. Uma pena (...).

“Arrependimento é contraproducente. É ficar se lembrando de um passado que não pode mudar. Duvidar das coisas à medida que elas ocorrem pode evitar que o arrependimento surja no futuro.”

Sei que muita gente não curtiu esse livro e achou tudo nele fantasioso e superficial, o que não deixa de ser verdade quando você analisa o livro por um lado mais lógico.  Porém, eu gostei da maneira com que a autora trabalhou de uma forma bem “lúdica” e despretensiosa a questão tanto do amor à primeira vista (que eu mesmo não acredito que exista), como a relação algumas vezes complicada entre pais e filhos.

Em A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista da autora Jennifer E. Smith, temos Hadley e Oliver como protagonistas. Eles se conheceram em um voo entre os Estados Unidos para a Inglaterra, mas precisamente Londres, e vamos supor que ambos não estavam muito felizes em ter que fazer essa viagem.


Hadley estava indo para o casamento do seu pai e Oliver, bem ele não estava indo para uma reunião familiar muito animada por assim dizer. O ponto legal da história em minha opinião nem foi o fato dos dois terem se apaixonado perdidamente um pelo outro em apenas vinte e quatro horas. E (isso não é spoiler), é algo que você já sabe que vai acontecer antes mesmo de começar a ler o livro mas, voltando o ponto que me chamou a atenção foi que direta ou indiretamente um ajudou ao outro a superar as dificuldades que sugiram no caminho.

Ok! Que tudo o que aconteceu no decorrer da narrativa é bem impossível acontecer na vida real de alguém em apenas vinte quatro horas, - ou não, sei lá vai que aconteça. Ok!Estou apenas divagando (novidade). Só que justamente essa impossibilidade e a maneira “atropelada” como tudo acontece na história é o que me fez gostar tanto do livro.

Fiquei pensando em como tantas coisas podem acontecer em um único dia, e que às vezes esse único dia pode mudar a vida de alguém para sempre. Além disso, os motivos que levaram os dois a Londres, são muito opostos que mesmo seus conflitos familiares não sendo tão “pesados” como os vividos pelos protagonistas de Métrica.  O encontro de Hadley e Oliver parece realmente ser um daqueles maravilhosos acasos do destino (que todo mundo adoraria que acontecesse ao menos uma vez na própria vida).

Foi um livro que me cativou mesmo sendo um pouco “conto de fadas”, perfeitinho demais.

“Talvez os atrasos no decorrer do dia sejam apenas detalhes, mas, se não fosse por eles, teria sido por causa de alguma outra coisa.”

Espero que vocês tenham gostado do Na Livraria desse mês, reforçando que os dois livros são bons dentro do que cada autora se propôs a escreve. Recomendo!

Até o próximo post!

Beijos;***


Instagram

© 2010 - 2021 Blog My Dear Library | Ariane Gisele Reis • Livros, Música, Arte, Poesias e Sonhos. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in