Sponsor

Mostrando postagens com marcador O Cisne e o Chacal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador O Cisne e o Chacal. Mostrar todas as postagens
agosto 07, 2016

O Cisne e o Chacal por J.A. Redmerski

| Arquivado em: RESENHAS.

ISBN: 9788556510044
Editora: Suma de Letras
Ano de Lançamento: 2016
Número de páginas: 248
Classificação: Muito Bom
Sinopse: Na Companhia de Assassinos – Livro 03.
Fredrik Gustavsson nunca considerou a possibilidade de se apaixonar certamente nenhuma mulher entenderia seu estilo de vida sombrio e sangrento. Até que encontra Seraphina, uma mulher tão perversa e sedenta de sangue quanto ele. Eles passam dois anos juntos, em uma relação obscura e cheia de luxúria. Então Seraphina desaparece. Seis anos depois, Fredrik ainda tenta descobrir onde está a mulher que virou seu mundo de cabeça para baixo. Quando está próximo de descobrir seu paradeiro, ele conhece Cassia, a única pessoa capaz de lhe dar a informação que tanto deseja. Mas Cassia está ferida após escapar de um incêndio, e não se lembra de nada. Fredrik não tem escolha a não ser manter a mulher por perto, porém, depois de um ano convivendo com seu jeito delicado e piedoso, ele se descobre em uma batalha interna entre o que sente por Seraphina e o que sente por Cassia. Porque ele sabe que, para manter o amor de uma, a outra deve morrer.

Uma das qualidades que mais me cativa na escrita de um autor, é quando ele consegue despertar a minha curiosidade em relação a um personagem especifico. Algo que a J.A. Redmerski conseguiu no livro anterior da série Na Companhia de Assassinos, quando me apresentou ao perigoso Fredrik Gustavsson. Agora em O Cisne e o Chacal a autora finalmente nos revela todos os segredos desse enigmático personagem, através de uma narrativa envolvente que ao final nos deixa com o coração partido.

Pode, ou não conter spoilers dos livros anteriores. Quem não quiser colocar a sua conta em risco, pulando dois parágrafos agora.

Fredrik Gustavsson é o especialista em “arrancar” informações das pessoas. Quando alguém se recusa a contar o que sabe de bom grado, Fredrik é chamado para fazer com que a pessoa sente-se em sua cadeira e fale. Ele é o torturador, o chacal que sente prazer em ver a dor e o sangue de outra pessoa. Porém, por traz desse seu lado sádico e até mesmo doentio se esconde um homem que sofreu todo o tipo de violência e abusos durante a infância e que cresceu acreditando que nunca poderia amar, ou ser amado por alguém. Até que ele conhecer Seraphina.

Seraphina, assim como Fredrik tem um passado sombrio e uma sede de sangue implacável. Juntos eles são imbatíveis, eles são completam, se entendem pelo menos era nisso que Fredrik acreditava. Certo dia Seraphina desaparece de sua vida, deixando para traz um rastro de morte e destruição, um rastro que o leva direto a Cassia. Fredrik sabe que o único modo de descobrir onde Seraphina está é usando Cassia para chegar até ela.  Só que conforme o tempo passa, e a moça é mantida como sua prisioneira, vai ficando cada vez mais difícil não se envolver com ela. E Fredrik sabe que para seu próprio bem e principalmente pelo bem de Cassia, ele não pode joga-la em seu mundo obscuro cheio de violência e dor. Mas nem sempre saber o certo, nos impede de fazer o “errado”.

Algo que precisa se ter em mente antes de começar a leitura de O Cisne e o Chacal é que você não encontrará em suas páginas uma bela história de amor. A própria J.A. Redmerski deixa isso bem claro, ao falar que essa sua série possui um enredo mais “pesado” e seus personagens não são nada convencionais.  E mesmo esse estilo de leitura não sendo um gênero que eu "consuma" muito, algo na série Companhia de Assassinos me conquistou. E acredito que foi justamente o fato de seus personagens fugirem de todos os estereótipos aos quais estou habituada a encontrar nos livros que leio.

O Fredrik é um personagem extremamente complexo e com graves transtornos psicológicos, e não nego que durante a leitura em vários momentos senti um certo “repúdio” pelo modo como ele conduz a situação. Só que por outro lado, conforme a autora vai revelando o passado do personagem você percebe que não tinha como ele ser diferente. A vida foi tão cruel com o Fredrik, que ele “precisou” aprender a ser cruel também para sobreviver a ela. E, diga-se de passagem, que a Seraphina não é muito diferente dele, eu diria até que ela é um pouquinho pior. E verdade seja dita aqui, não consegui me simpatizar nem com a Seraphina e muito menos com a Cassia.

É interessante acompanhar a trajetória das duas conforme a trama vai se desenvolvendo, principalmente por que uma é o completo oposto da outra. O que Seraphina tem de sanguinária, Cassia tem de submissa e o modo como a presença de cada uma impacta na vida do Fredrik é o que torna tudo ainda mais doloroso. Por que por mais perturbado e assustador que o Fredrik seja, é difícil em meio a todo caos que a vida dele foi e é, você não sentir um pouco de empatia pelo personagem e não torcer para ele ter um final “feliz”.  E nesse caso eu nem digo um feliz de “conto de fadas”, por que sei que para pessoas como o Fredrik isso não é possível. Mas algum tipo de redenção, para que ele encontre a paz e fique em paz com a vida e consigo mesmo.

J.A. Redmerski partiu meu coração em diversos momentos aqui, por que desde o começo é perceptível que o caminhada que Fredrik será cheia de dor e sofrimento, e isso dá a narrativa um toque de realidade enorme, por que infelizmente para algumas pessoas os dias sempre serão sombrios, mesmo que a gente torça pelo contrário, como eu fiz. Espero muito que a autora ainda traga essa redenção para o Fredrik. Que ele encontre de alguma forma a paz que tanto precisa na vida, por que mesmo com todos os seus problemas e sua sede de sangue quase incontrolável ele merece isso.

Gostei muito de rever a Sarai e o Victor (), mesmo eu ainda sentindo um pouco de raiva dele pelo o que ele fez no livro anterior. Admito que a minha “birra” com o Niklas diminuiu mais ainda não passou, porém foi bem legal ver a interação dele com a Sarai aqui. Acho que eles construíram aquele tipo de relação de “amor e ódio” em que um não hesitaria em dar a própria vida para proteger o outro, apesar das diferenças e magoas passadas. 

E esse é mais um ponto a favor da J.A. Redmerski, pois mesmo que O Cisne e o Chacal tenha uma trama em que o foco é o Fredrik a autora consegue dar uma boa abertura para os outros personagens na história. O que claro, me deixou ainda mais curiosa e ansiosa para ler os outros livros da série que no total conta com sete. Please, Suma de Letras não nos faça esperar tanto por eles aqui no Brasil.

“ Pessoas como eu e você...nós achamos que estamos escondendo nossa dor e a escuridão do resto do mundo, mas esquecemos que conseguimos ver tudo isso com clareza uns nos outros.”

O Cisne e o Chacal é uma leitura impactante que conta a história de uma pessoa que só conheceu a dor e a crueldade da vida. J.A. Redmerski nos leva por uma jornada tortuosa que ao final, nos deixa completamente devastados.  Um livro sombrio, digno de seu protagonista cheio de cicatrizes e coração atormentado. E eu ainda não desisti de você Fredrik. Recomendo!


Veja Também:
A Morte de Sarai.

Instagram

© 2010 - 2021 Blog My Dear Library | Ariane Gisele Reis • Livros, Música, Arte, Poesias e Sonhos. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in