Resenha - O Segredo da Bastarda por Cristina Norton.

31/03/2014



ISBN: 9789897410079
Editora: Casa da Palavra
Ano de Lançamento: 2014
Número de páginas: 304
Classificação: Bom
Este livro foi enviado como
cortesia para resenha.
Sinopse: Na ilha da Madeira, na segunda metade do século XIX, Eugênia Maria se desespera com o estado de saúde da sua filha Isabel. Aos quinze anos e vítima de tuberculose, a menina parece cada dia mais fraca e desacreditada pelos médicos. Para animá-la, a mãe resolve contar-lhe o segredo da própria paternidade, sobre o qual Isabel nunca deixara de fazer perguntas. Mas a história começa, naturalmente, muito antes, em 1775, quando nasceu à avó da garota, que foi aia da princesa Carlota Joaquina. Livro de estreia de Cristina Norton no Brasil, em O SEGREDO DA BASTARDA o leitor irá acompanhar a vida fascinante de Eugênia de Menesses, uma das netas do marquês de Marialva, educada no Brasil por uma mestra com ideias de independência e, mais tarde, dama da corte e aia da princesa prometida de Dom João VI.




Estou tão habituada com romances históricos que se passam na Inglaterra do século dezoito, que me deparar com uma narrativa que explora acontecimentos que remetem a história de meu próprio país, foi realmente uma grata surpresa.  O Segredo da Bastarda, nos leva por uma viagem ao tempo, pela antiga corte real de Portugal, em que os mais poderosos usavam suas influências e seu dinheiro, para fazer valer a sua vontade.

A chegada de Eugênia de Meneses, a primeira menina depois de três meninos, à casa de Maria José, primogênita de Cavaleiros, a senhora da Casa do Arco e Rodrigo de Meneses, filho mais novo do marquês de Marialva foi uma grande evento. Seu nascimento foi celebrado com muita alegria por dias, sendo a pequena Eugênia a filha favorita do pai nos anos seguintes.

Quando seu pai é nomeado governador e capitão general de Minas Gerais, toda a sua família vem para o Brasil e os anos que passam aqui, se tornam os mais importantes na vida e na formação de Eugênia. Graças às instruções de Felícia, sua tutora e grande amiga, Eugênia foi preparada para enfrentar todos os obstáculos que surgiriam em sua vida futura, mesmo que naquela época de brincadeiras e travessuras com seus irmãos ela não tivesse ideia disso.

Talvez um pouco “traumatizada” com a história da própria mãe, que em todos os verãos dava a luz, Eugênia jurou a si mesma que jamais casaria. Porém, tudo mudou quando ela conheceu um jovem escritor inglês e se apaixonou.  Mas, ficar ao lado de William Beckford, se mostrou ser bem mais difícil do que ela imaginava. Para seu pai o escritor não passava de um espião, fato esse que levou ele a não aceitar que sua filha querida se casasse com Beckford. Impedida de viver sua história de amor, Eugênia acaba se envolvendo com a pessoa errada e por conta de seu erro, ela é banida da corte de Portugal e levada para longe dos seus familiares, - para sempre.

Conforme Eugênia Maria contava à história de sua mãe, Eugênia de Meneses para sua filha Isabel acamada devido à tuberculose, eu fiquei me perguntando várias vezes se as coisas não teriam sido diferentes se Rodrigo de Meneses tivesse permitido o casamento da filha com William Beckford. Talvez a vida dela tivesse sido marcada mais por momentos felizes do que pelos anos de sofrimento que ela enfrentou. Ok! São épocas diferentes, mas não posso deixar de pensar que infelizmente situações em que não podemos levar em conta a nossa vontade, acontecem ainda nos dias de hoje também.

A narrativa de Cristina Norton é completamente diferente dos romances gracinhas que estamos acostumados a ler. Ela é mais intrínseca, e por revelar “fatos reais”, não possui todo o romantismo e clichês presentes nos livros do gênero. O fato de a autora ter usado uma linguagem mais rebuscada, com palavras desconhecidas, também dificulta um pouco a leitura. Além disso, em alguns momentos na narrativa fica difícil diferenciar qual “Eugênia” (se é a mãe ou a filha) o capitulo está de referindo.

Apesar de ter achado algumas passagens confusas e de ter sentido falta de alguns elementos comuns em romances históricos, eu gostei do livro. Talvez por que me apaguei mais a parte histórica da narrativa e não ao romance em si, o que de certa forma tornou ao seu modo a leitura agradável.

"Onde estavam as promessa seladas com um beijo e os amores contrariados que ultrapassavam todos os obstáculos? Impressos nos romances, em livros fechados à chave nas estantes das bibliotecas."

Com um enredo denso e melancólico, O Segredo da Bastarda é uma verdadeira aula de história que ira emocionar  e cativar os fãs do gênero. Não é uma leitura fácil, mas não deixa de ser surpreendente.

Comentários via Facebook

19 comentários:

  1. Oiii Ane, estava curiosa para ler sua resenha, e ver qual seria sua opinião. E fico feliz em ver que o livro te agradou, realmente de romance gracinha não tem nada, é uma história triste e nos deixa mais triste quando vemos que foi uma história real, a Eugênia realmente sofreu horrores em sua vida. É bom ler livros que nos remetem a um passado da história de nosso país ou de outros. Nos enriquece o conhecimento e isso é ótimo, não fica só na parte do entretenimento, mas sim do conhecimento.
    Adorei sua resenha.

    Beijos!!!

    @jannagranado
    http://livrospuradiversao.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ane!
    Confesso que poucos romances de época me chamam a atenção. Honestamente nunca li nada desse gênero, mas pretendo pegar pelo menos um pra ver como é.

    Beijão
    Sun Rises Here

    ResponderExcluir
  3. Ane, o livro tem por essência essa facilidade de emocionar, de por ser de época cativar. Todo esse enredo de dor, desesperança permeado por um segredo torna tudo mais envolvente
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Ainda não conhecia esse livro, mas amo capas assim e leria ele pela capa. Me interessei pela história mesmo você falando que a leitura é difícil. Gosto de livros em que aprendo mais sobre a história em feral.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Gostei da resenha Ane. Assim como você, sou apaixonada por romances históricos. Percebi pelas suas palavras que o livro é mais focado no contexto histórico do que no romance em si, e apesar de muita gente não gostar, aprecio esse tipo de história. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  6. Oie Anne
    adoro romances históricos, mas estou acostumada a ler os mais gracinhas. Pelo visto esse foca mais na parte histórica do que o romance, mas acho que seria uma boa leitura do mesmo jeito. Não conhecia o livro, mas agora fiquei curiosa, apesar de não ter curtido a capa.
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem?
    Confesso que não gostei da capa e nem do enredo, apesar de sua resenha ter ficado excelente, parabéns.
    Mas eu acho que não leria ele, pois realmente não faz meu tipo literário.

    Marcelo

    Blog Enquanto Estava Lendo

    ResponderExcluir
  8. Adoro esses romances historicos.
    Quanto livros você lê por semana?
    Blog: http://teoremademari.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Não conhecia esse livro. Se eu comprasse o livro somente pela capa ou pelo título, não compraria. Mas ao ler tua resenha, me agradou. Adorei!
    Estou seguindo seu blog, espero que possa conhecer o meu, beijos.

    Em Casa

    ResponderExcluir
  10. Oi Ane, tudo bom?
    Eu terminei de ler esse livro no fim de semana. Gostei do fato de ser um romance histórico, mas o livro não conseguia me prender. Eu lia dois capítulos e parava. Demorei bastante para conseguir terminar.
    Achei bacana o fato da autora misturar ficção com os fatos históricos. Também gostei das narrações feitas pela Madrinha.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi, Ane.

    Não li muitos romances de época, mas gosto muito deles.
    Não conhecia este, mas pode ter certeza que eu o lerei.

    Beijos!
    http://fernandabizerra.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Gosto bastante de romances de época
    E esse eu particularmente não conhecia
    Mas gostei da dica

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Estou dando uma chance aos 'romances históricos/de época' e não conhecia esse, mas acho que é o tipo de história q me atrai, sem mto mimimi, mas mostrando fatos e romances.

    Andy_Mon Petit Poison
    POISON ABOUT - Indicações #34 bit.ly/Oc4IbM

    ResponderExcluir
  14. Esse tipo do livro não faz muito meu estilo, eu realmente não curto muito.
    Mas achei a capa tão linda <3.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Oi Anne,
    Gosto dos Romances Históricos, mas água com açúcar e pelo que li esse é mais focado na parte histórica. Mas fica a dica, quem sabe no futuro eu não me aventure a lê-lo.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Olha... Parando para pensar, acho que só li romances históricos ambientados na Inglaterra também o-o
    Nunca li nada que fugisse disso e da temática fofinha...
    Mas não sei se estou em um momento ideal para livros dramáticos.
    Fiquei muito interessada na parte histórica da coisa, se pegar o livro para ler será por esse motivo :D

    Beijinhos
    http://www.interacaoliteraria.com/

    ResponderExcluir
  17. Hey
    Cada vez mais gosto dos históricos, tempo atrás li um nesse estilo mesmo..até lembrei dele enquanto lia a sua resenha.

    Não o conhecia e já foi para lista! Gostei bastante da capa.

    bjs
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  18. Olá.
    Ain, tenho problemas com romances históricos UAHSUAHSU Eles não podem ser gracinhas pra mim, tem que ser fortes e incríveis, como os da Philippa (espero que o nome dela seja assim, porque estou com preguiça de procurar no Google). Esse parece ser interessante, eu até leria, mas não sei se iria gostar, tenho minhas dúvidas UAHSUA Boa resenha, que bom que gostou do livro.

    Beijos, Vanessa.
    This Adorable Thing

    ResponderExcluir
  19. Oi Ane, adoro romances históricos e gosto mais ainda quando eles tem um fundo de veracidade. Não sei, mas talvez seja até por isso que sou apaixonada pelos tão odiados clássicos. A escrita rebuscada, para mim, dá um charme especial aos livros, tanto é que sempre que posso leio os romances históricos na versão de Portugal, pois a escrita nos dá a impressão de que o livro foi realmente escrito há muitos anos atrás.
    Adorei a dica e com certeza vai para a lista de desejados.

    Beijos <3/
    www.booksandmovies.com.br/

    ResponderExcluir

My Dear Library • Todos os Direitos Reservados • Copyright © 2010 - 2017 • Powered by Blogger • Design por Ariane Reis • Desenvolvimento por