Sete Minutos depois da Meia-noite por Patrick Ness.

23/01/2017

| Arquivado em: RESENHAS.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788581638249
Editora: Novo Conceito
Ano de Lançamento: 2016
Número de páginas: 160
Classificação: Bom
Sinopse: Conor é um garoto de 13 anos e está com muitos problemas na vida. A mãe dele está muito doente, passando por tratamentos rigorosos. Os colegas da escola agem como se ele fosse invisível, exceto por Harry e seus amigos que o provocam diariamente. A avó de Conor, que não é como as outras avós, está chegando para uma longa estadia. E, além do pesadelo terrível que o faz acordar em desespero todas as noites, às 00h07 ele recebe a visita de um monstro que conta histórias sem sentido. O monstro vive na Terra há muito tempo, é grandioso e selvagem, mas Conor não teme a aparência dele. Na verdade, ele teme o que o monstro quer, uma coisa muito frágil e perigosa. O monstro quer a verdade. Baseado na ideia de Siobhan Dowd, Sete minutos depois da meia-noite é um livro em que fantasia e realidade se misturam. Ele nos fala dos sentimentos de perda, medo e solidão e também da coragem e da compaixão necessárias para ultrapassá-los.

Esse foi o último livro que li em 2016 e confesso que em um primeiro momento Sete Minutos depois da Meia-noite do autor Patrick Ness, não tinha chamado muito a minha atenção. Porém depois de ler algumas resenhas bem positivas resolvi dar uma chance para a história.  Essa é uma daquelas típicas leituras rápidas que você começa e termina em um dia, só que talvez infelizmente por esse motivo ela acaba deixando mais perguntas do que entregando respostas.

Aos 13 anos o pequeno Conor O’Malley está passando pela pior fase de sua vida. Sua mãe está muito doente e aparentemente nenhum tratamento vem surtindo o efeito desejado. Seu pai mora com outra família nos Estados Unidos e a sua avó materna não é o que se chamaria de avó amorosa. Se tudo isso já não fosse uma carga pesada demais para um garoto tão jovem carregar, Conor ainda tem que lidar com o bullying na escola e com um terrível pesadelo que o desperta todas as noites às 00h07.

Em uma dessas noites Conor recebe a visita de um monstro, que vive na Terra há séculos e que gosta de contar histórias sem finais felizes. O monstro que para muitos tem uma aparência assustadora, por algum motivo não assusta Conor. O que deixa Conor apavorado é o que o monstro deseja dele, - a verdade. É que às vezes a verdade pode mais assustadora do que qualquer monstro no quintal.

Sete Minutos depois da Meia-noite é um livro denso apesar das poucas páginas que possui. Nele o autor aborda temas como a morte, o abandono e o bullying. Mas sabe quando você fica com a sensação que uma história não foi explorada em todo o seu potencial?  É exatamente assim que me senti aqui.

A trama é muito mais complexa do que a sinopse nos leva a crer, mas por ser relativamente curta acaba passando a impressão que o autor “atropelou” fatos importantes e não conseguiu desenvolver o que tinha em mente completo. Porém o que mais me incomodou fora o final, que embora previsível  é repentino demais, foi o fato de não conseguir conhecer os personagens mais profundamente.

Patrick Ness nos apresenta eles superficialmente o que fez com que eu não sentisse tanta empatia pelo Conor. Outro ponto é que o autor deixou várias pontas soltas, muitas perguntas sem respostas. Faltou um epílogo, ou talvez até mesmo algumas páginas "extras" para que a história tivesse um fechamento “mais conclusivo”, por assim dizer.

O monstro desempenha um papel importante na trama, pois através da sua sabedoria ele mostra a Conor que por mais dolorosa que a verdade seja ela também nos liberta. Ele é um personagem intrigante e misterioso, mas assim como os demais é apresentado só na superfície.

Não que eu tenha desgostado por completo da história. Achei muito bonita a forma como Patrick Ness trabalhou o medo do personagem e os sentimentos dele em relação à doença da mãe. O autor em momento nenhum quis “florear” o desamparo, a solidão e a angustia que Conor sente, o que de certo modo contribuiu para que essa que vos escreve tivesse a sensação que a narrativa pendia mais para o drama do que para a fantasia em si.

“– Mas o que é um sonho, Conor O’Malley? – perguntou o monstro, abaixando-se para que o seu rosto ficasse próximo ao do menino. – Quem pode dizer que a vida real, é que não é um sonho?

Sete Minutos depois da Meia-noite possui uma história triste e bonita ao mesmo tempo. E que apesar de ter algumas falhas em seu desenvolvimento ainda sim, consegue comover e emocionar.

Comentários via Facebook

18 comentários:

  1. Oi Ane! Eu me apaixonei por esta história e preciso conferir o filme. Eu fiquei bem emocionada com o final.
    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  2. Oi Ane, tudo bem?

    Eu ainda não li e nem vi o filme, mas a história parece ser linda e a questão do monstro é uma ideia bem interessante. Espero poder conferir em breve!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Gostei da resenha Ane. Me pareceu ser um livro bem interessante, além de ter uma densidade intrigante, mesmo se tratando de mera fantasia. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Ane, tudo bem?

    Ainda não tive a oportunidade de conhecer o livro e nem o filme, más adorei sua resenha e fiquei bastante curiosa pela história.
    Dica anotada,espero poder conferir em breve!

    Beijinhos, Ana

    💞Mundo dos Sonhos

    ResponderExcluir
  5. Oi Ane!
    Tinha lido outras resenhas sobre o livro e tinha ficado bastante empolgada com a leitura. Não sabia que era um livro curto, gostei da sua resenha por sua sinceridade, espero ter oportunidade de ler esse livro um dia, e quando for ler, não criarei grandes expectativas.

    Obrigada pelo carinho. Beijos :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir
  6. Olá, Ane.
    Eu quero muito conferir esse livro, mesmo com as falhas que você apontou. Talvez essas falhas seja pela ideia da história não ter sido dele, vai saber hehe. Depois que ler quero conferir o filme também.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Tenho o livro e sua resenha me fez ter mais vontade de ler. Também confesso que estou curiosa para ver a adaptação do livro para cinema.
    Bjs
    https://eternamente-princesa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. apesar da sua critica sincera, expondo todos os aspectos do livro, confesso que não é uma trama que me atraia em potencial, isso porque a construção da ideia central para a trama não me agrada, não é muito aquilo que procuro em livros, eu sigo uma outra linha de leitura (mais leve, açucarada, romântica)
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. oi oi querida,
    Eu conhecia a obra, e olha que adoro fantasia e drama. Fico muito feliz que você tenha gostado do livro, é sempre ótimo embarcar em uma leitura que te envolve. O livro tem uma ótima premissa, e uma escrita inovadora. Vou ver se leio em breve ele em e-book.

    Beijoss, Enjoy Books

    ResponderExcluir
  10. Oi, Ane!
    Esse livro anda arrancando algumas lágrimas de leitores por aí... Ele em si não me chama atenção, mas estou com vontade de assistir o filme.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Promoção Quatro Anos de Minhas Escrituras

    ResponderExcluir
  11. Oii Ane

    Eu no geral gostei desse livro, é uma história tocante, comovente. Mas senti falta de um epílogo, conhecer mais o desfecho de Connor, da avó, de todos eles. Agora quero conferir a adaptação.

    Beijos

    Resenha Atual

    ResponderExcluir
  12. Já li resenhas pelo instagram dizendo que esse livros fez pessoas chorarem horrores, do jeito que sou sentimental acho que eu ia ficar pansativa e chorona por dois dias kkk Apesar dessa questao de ter tristeza, eu realmente sinto curiosidade e vontade de ler esse livro
    http://b-uscandosonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Eu tinha visto esse lançamento mas não sabia do que se tratava. Apesar de não ser o meu estilo de leitura, eu gostei de saber como é o personagem e que o autor soube escrever a história de uma forma natural.
    Amei a sua resenha.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  14. Olá, tudo bem? Esse livro parece ser muito bom, a estória deve ser muito bonita mesmo. Adorei sua resenha, só é uma pena que o livro tenha algumas falhas, não é?!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  15. Oi Ane, tudo bom?
    Eu li Sete Minutos depois da Meia Noite, aliás, desde que vi haveria uma adaptação para o cinema que estava louca correndo atrás desse. E por mais expectativas que tinha, não consegui me decepcionar com a história, na verdade ela foi tudo o que eu esperava que fosse. Acredito que a ideia do autor não foi desenvolver os personagens, mas sim passar a mensagem, que foi passada de uma forma dolorasamente linda <3
    Beijos
    Not Found

    ResponderExcluir
  16. Quanto tempo faz que não entro aqui!? O layout está diferente e simplesmente maravilhoso ♥
    Eu li várias críticas positivas para esse livro e comprei por causa da adaptação. É a primeira vez que leio que os fatos foram atropelados e acabou não sendo tão bem desenvolvido, mas com apenas 160 páginas eu meio que esperava isso.
    Livros muito longos são ruins, muito curtos também. Tomara que eu não me incomode com os pontos que você apontou rs

    Beijos,
    Kemmy - Duas Leitoras

    ResponderExcluir
  17. Oi Ane,
    Ao contrario de você esse foi o primeiro livro que li esse ano.
    Gostei muito da história e confesso que me emocionei bastante. Acho que no geral diria que foi um bom livro.
    Preciso ver o filme.
    Bjs e uma ótima noite!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
  18. Olá, Ane. Tudo bem?
    Sete Minutos Depois da Meia-Noite também foi o meu último livro lido do ano também. Que pena que não foi uma leitura tão incrível para você :(
    Eu gostei bastante, a mensagem me tocou de uma forma inexplicável.

    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

My Dear Library • Todos os Direitos Reservados • Copyright © 2010 - 2017 • Powered by Blogger • Design por Ariane Reis • Desenvolvimento por