22/08/2018

Ele por Elle Kennedy e Sarina Bowen.

| Arquivado em: RESENHAS.



ISBN: 9788584391202
Editora: Paralela
Ano de Lançamento: 2018
Número de páginas: 256
Classificação: Muito Bom
Sinopse: James Canning nunca descobriu como perdeu seu melhor e mais próximo amigo.Quatro anos atrás, seu tatuado, destemido e impulsivo companheiro desde a infância simplesmente cortou contato. O maior arrependimento de Ryan Wesley é ter convencido seu amigo extremamente hétero a participar de uma aposta que testou os limites da amizade deles. Agora, prestes a se enfrentarem nos times de hóquei da faculdade, ele finalmente terá a oportunidade de se desculpar. Mas, só de olhar para o seu antigo crush, Wes percebe que ainda não conseguiu superar sua paixão adolescente. Jamie esperou bastante tempo pelas respostas sobre o que aconteceu com seu relacionamento com Wes, mas, ao se reencontrarem, surgem ainda mais dúvidas. Uma noite de sexo pode estragar uma amizade? Essa e outras questões sobre si mesmos vão ter que ser respondidas quando Wesley e Jamie se veem como treinadores no mesmo acampamento de hóquei.

Embora Elle Kennedy seja uma das minhas autoras queridinhas quando o assunto são livros do gênero new adult, Ele foi a minha primeira experiência com livros LGBT com essa conotação mais adulta. Co-escrito com a autora Sarina Bowen, Ele possui uma narrativa fluida e personagens apaixonantes, o que torna a história ainda mais envolvente e gostosa de se acompanhar. Mas, (Ane e seus mas) não posso deixar de confessar que tenho sentimentos conflitantes a respeito da obra.

Ryan Wesley e James Canning costumavam ser amigos inseparáveis, até que um dia sem nenhum motivo aparente Wes cortar completamente o contato entre eles. O que James não pode imaginar é que Wes agiu movido pela culpa de ter “forçado” o seu amigo a participar de uma aposta que colocou a amizade deles em jogo. Agora depois de quatro longos anos de silêncio, os dois estão prestes a se reencontrar o que para Wes é a oportunidade perfeita para se desculpar pelo que fez no passado.

O problema é que Wes, continua apaixonado por Jamie e esse reencontro promete fortes emoções. Afinal, Jamie esperou anos para descobrir o que tinha motivado o melhor amigo a cortar as relações com ele. Porém, a conversa que era para esclarecer as dúvidas que Jamie tinha acaba deixando ele ainda mais confuso.

Quando Jamie se deixa levar pelo calor do momento e Wes não consegue mais esconder seus sentimentos pelo amigo. Poderá uma noite de sexo acabar com o que restou na amizade de Jamie e Wes. Conforme o verão passa os dois embarcam juntos em uma jornada de autodescobrimento que ao final pode os levar a descobrir verdades sobre si mesmos que eles jamais imaginaram.

Essa que vos escreve, estava sofrendo de uma terrível ressaca literária. Por isso ao escolher Ele como leitura eu realmente esperava encontrar um romance clichê, daqueles que você lê em uma tarde preguiçosa de domingo. E foi exatamente isso que encontrei, porém não posso deixar de comentar que em muitos momentos senti falta de “história” propriamente dita.

A narrativa de Elle Kennedy conseguiu em muitos momentos me emocionar durante a leitura da série Amores Improváveis, mas nessa parceria com a Sarina Bowen parece que as preliminares, por assim dizer foram “esquecidas “, reduzindo a narrativa em uma cena de sexo após outra. E isso me incomodou por que passou a sensação que as autora objetivaram demais o relacionamento homoafetivo, partindo da premissa que a base desse tipo de relacionamento é só “pegação”. E tipo não é, afinal nenhum relacionamento é feito apenas de sexo, mas de companheirismo e obviamente, - amor.

Que fique claro que eu gostei do livro, afinal eu amo um bom clichê. Além disso, Wes e Jamie são personagens maravilhosos, do tipo que você quer guardar em um potinho e cuidar pelo resto da vida. Só que sem sombra de dúvidas eu teria me apaixonado ainda mais por eles e automaticamente pela história, se durante a construção do enredo as autoras tivessem tido esse cuidado de realmente desenvolver um relacionamento em que fosse possível identificar aquele momento único em que o amor entre Wes e Jamie surgiu.

O fato de tudo acontecer rápido demais, (algo que me incomoda em qualquer livro) e as autoras deixarem a parte interessante do relacionamento protagonistas, aquela que nos deixa com o coração quentinho para os capítulos finais faz com que a narrativa soe pouco rasa também. Outro ponto é que se tratando de um romance homoafetivo, a abordagem dada ao preconceito sofrido pelos personagens aqui foi superficial e nem pode ser considerado um debate saudável, já que tudo se resume a um “piti” de um personagem pequeno e secundário.

Volto a dizer que sim, gostei muito do livro e me apeguei bastante ao Wes e ao Jamie e talvez justamente por isso os meus sentimentos em relação a Ele sejam tão conflitantes. Afinal, por mais que eu tenha encontrado um bom clichê aqui e me envolvido de um modo gostoso com a história, infelizmente não posso fechar os olhos para as falhas que a narrativa teve em sua construção. Elle Kennedy e Sarina Bowen acertaram em cheio ao criar uma história de sensual e erótica entre dois homens, mas esqueceram de colocar aquela pitadinha de açúcar para transformá-la no romance que pretendiam.

“Você é o rei das más ideias”, ele lembra. “Pelo menos essa termina com nós dois felizes.”

Para quem busca uma história clichê, mas como ingredientes diferentes das narrativas “tradicionais”, Ele se apresenta com uma opção de leitura fluida e cativante que nos conquista logo nas primeiras páginas. Pode estar longe de ser o “romance perfeito”, mas ainda assim é o tipo que nos deixa com um sorriso bobo no final.

Comentários via Facebook

14 comentários:

  1. Oi Ane, tudo bem?
    Achei muito legal que esse livro seja hot e homoafetivo. Isso é bem pouco comum, né? Ainda são raros livros LGBT disponíveis, infelizmente.
    Por outro lado, concordo que seja vacilo resumir tudo a sexo, como se gays só estivessem pela pegação. :(
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ane! Tudo bem?
    Eu tinha ficado bem curiosa com a premissa (e romance LGBT sempre tem espaço na minha estante, a-women!) mas acho que me incomodaria bastante com os pontos que tu citou :/
    Que pena a narrativa ter sido tão superficial em algumas coisas. Detestooo quando a história é apressada. Me dá um livro extenso, mas desenvolve direito as coisas!
    Ótima resenha.

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Ari!
    Confesso que essa não seria uma história que me aventuraria ( não sei porque mas não me sinto muit confortável com livros LGBT, não sei porque, desculpe a sinceridade) mas interessante saber que bem, na medida a história até que vai bem, pena que algumas coisas são muito rápidas ( autores, a gente tem pressa de ganhar dinheiro, o restante a gente consegue segurar a barra rsrsrs)
    Mas gostei de conhecer seu blog e conhecer o livro
    Parece que Wes e Jamie tem realmente uma história a ser contada.... E livros para os dias preguiçosos são ótimos! ( Como eu sigo seu blog? So curti a pagina no face rs )

    Beijocas da Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

    ResponderExcluir
  4. Oi Ane,
    Eu ganhei a prova desse livro e logo lerei. Já li romances LGBT na adolescência e boa parte também era resumida a sexo. Uma pena, pois daria pra explorar muita coisa em torno deles. Esse lance de aposta em romance, sempre rende treta né hahaha

    até mais,
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  5. Oi Ane,

    Confesso que não fiquei tão curiosa para ler esse livro. Mesmo com a temática, as vezes acho que a autora exagera nas cenas sexo em seus livros e esquece do amor e pelo visto esse não foi diferente.
    Bjs e uma boa semana!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
  6. Oi, Ane!

    Entendo total o que você quis dizer. Também não curto quando o autor se apressa e pula pra sexo uma cena atrás da outra. Isso dá a impressão de que a relação é rasa, e imagino que não seja o que a autora no caso queria passar. As vezes gosto mais das histórias que enrolam e ficam no "vai-não-vai" do que de histórias com situações assim. Mas se num geral dá pro leitor apreciar e se envolver com o romance, então tá valendo!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi, Ane!
    Eu sou super suspeita para falar porque eu amo esse livro, mas eu até entendo essa narrativa que foi feita aqui. Se formos analisar, aconteceu a mesma coisa em O Jogo, que o relacionamento da Allie e do Dean foi desenvolvendo a partir do sexo. Pelo menos a leitura não foi de toda ruim para você e isso que importa.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  8. Oi Ari! Eu comecei a ler e ainda não terminei rsrsrs mas entendo os sentimentos conflitantes porque de fatp a gente se apega fácil aos personagens! E a leitura é realmente é bem fluida, concordo com vc!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  9. Gostei da resenha Ane. A proposta das autoras é ótima, mas é uma pena que, em alguns momentos, o romance tenha parecido um pouco raso. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  10. Oi Ane!
    Estou chocada que não reparei que eram dois homens na capa. Essa é uma temática que não tenho o costume de ler e confesso que nunca vi um hot assim. Acho importante para a representatividade!
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Olá, Ane.
    Eu também gosto muito da Elle, e olha que nem gosto do gênero, mas esse livro já não tinha me chamado a atenção antes de ler sua resenha, agora então... Acho que quando a pessoa se propõe a escrever um romance homoafetivo deve ter em mente que tem uma ferramenta que pode ser muito útil em mãos ou então nem escreva nada. Porque de livros ruins do tipo já tem muitos.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  12. Oi, Ane

    Eu sigo com vontade de encarar a história, mas um amigo gay leu o livro e até discorreu sobre os problemas que ele encontroena narrativa. Além do que você mencionou, na superficialidade da abordagem da relação homoafetivo, ainda tem o fato do livro ser extremamente heteronormativo: são gays mais "aceitáveis", aqueles gays que não parecem gays. Aqueles que as pessoas olham e falam "nossa, você nem parece gay". Depois de ler o que ele escreveu minha concepção mudou bastante.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  13. fiquei bem intrigada com a proposta e pelas leituras de romances anteriores da autora esse livro entrou na minha lista de desejados desde o lançamento
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Parece-me super interessante! Por acaso já leste a saga The Marked Men? Foge um bocadinho ao normal romance o que é óptimo! Ah! E a saga Tangled claro, que com aquele sentido de humor é simplesmente fantástico ahahahah se por acaso quiseres ver as minhas reviews basta visitares as minhas Crónicas de uma Leitora Compulsiva :)

    Beijinhos,
    O meu reino da noite
    facebook | instagram | bloglovin

    ResponderExcluir

Instagram

© 2010 - 2018 My Dear Library • Livros, divagações e outras histórias. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in