Sponsor

Mostrando postagens com marcador Saga Crepúsculo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Saga Crepúsculo. Mostrar todas as postagens
abril 08, 2018

SoSeLit #4 – Como me tornei uma chata literária

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Uma coisa é fato, quanto mais você lê mais crítica (o) e exigente você fica em relação as suas leituras. E pensando nisso o tema proposto para o SoSeLit desse mês é: O que mudou no meu gosto literário depois do blog.

imagem: Shutterstock
Confesso que em questão de gosto propriamente dito, pouca coisa mudou. Continuo dando preferência por fantasias e romances gracinhas, porém hoje alguns autores que antigamente eram os meus favoritos acabaram passando o bastão outros autores que fui conhecendo ao longo dos últimos anos. Um exemplo, é a Nora Roberts que lá no começo dos anos 2000 era a minha autora de romances favoritas, mas que recentemente as obras recentes que li dela, não me encantaram tanto assim.

Outra autora que hoje em dia os livros não chamam mais tanto a minha atenção é a Meg Cabot. Li e reli muito os livros da autora na minha adolescência, porém hoje por mais que a narrativa seja fluida, sinto que estou “velha demais” para as histórias que a autora escreve, e isso atrapalhou bastante o meu envolvimento com as últimas obras que li dela.

Além disso, admito que antigamente eu amava livros como, Entrevista com o Vampiro e qualquer história em que os vampiros fossem protagonistas. Porém, não sei se a série Crepúsculo realmente me traumatizou, ou se foi o estilo que ao menos para essa leitora aqui “perdeu a graça”, ao ponto de fazer anos que não leio nada com essa temática. Tudo bem que nos livros da Cassandra Clare, os vampiros são criaturas presentes, mas eles não são o foco das histórias, até por que se não fosse por isso com certeza eu já teria desistido de ler os livros.

Admito que me tornei meio chata em relação as minhas leituras de uns tempos para cá, e que sim, - tenho um "pré-conceito" com livros da modinha. Alguns se mostram justificáveis outros acabo mordendo a língua, mas o que fica muito claro quando comparo as minhas leituras de três ou mais anos atrás com as de agora, é que está ficando cada vez mais “difícil” encontrar aquele livro “perfeito”.

Acho que um pouco dessa mudança é normal, afinal vou fazer trinta e três anos e por mais que algumas histórias infantojuvenis ou young adult sejam interessantes, não sou o público-alvo dos autores que escrevem esses tipos de obras.  Outro ponto é que a minha percepção em relação ao mundo também acabou evoluindo no decorrer dos anos, e com isso muitos livros que li no passado e foram maravilhosos, hoje não são tão maravilhosos assim.

Como leitora sei que preciso sair um pouco da minha zona de conforto literária e me arriscar em gêneros que não leio com tanta frequência. A verdade é que por mais que na adolescência, livros da Agatha Christie fossem presença constante na minha lista de leitura, com o tempo livros do gênero também deixaram de chamar a minha atenção. É algo que preciso mudar? Com certeza, mas enquanto romances fofos e fantasias continuarem a fazer esse coração de leitora bater mais rápido, sei que vou sempre dar preferência aos livros do gênero.

Através do blog tive e tenho a oportunidade de conhecer novos autores e histórias que às vezes lembram algo que já li, ou que realmente apresentam uma proposta original. Tem livros e séries que chegam de mansinho e conquistam meu coração e outros que só leio para “falar mal”, com propriedade (sim sou dessas). Porém, sei que hoje busco narrativas que além de me entreter, passem alguma mensagem importante que me façam refletir e principalmente, que me emocionem e que suas histórias permaneçam comigo por um bom tempo.

Vai ser difícil encontrar os tais livros perfeitos? Talvez. Provavelmente dos cinquenta/sessenta livros que eu vá ler esse ano dois ou três se destaquem. Só que se tem uma coisa que esses anos todos de blog e livros me ensinou, é que mais vale a qualidade do que a quantidade, e tudo bem se em alguns momentos a minha chatice literária acabar falando mais alto.

Por que isso, é apenas a evolução natural pela qual todo mundo passa na vida, seja no mundo real ou no literário. Nós crescemos, mudamos e com isso nossos gostos e por que não dizer amores acompanham essas mudanças também. Então não se assuste, quando você perceber que as histórias daquele seu autor ou autora favoritos, não conseguem mais deixar o seu coração quentinho. Isso é super normal e com certeza, você vai encontrar novas histórias e autores fantásticos.

Até o próximo post!

A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Bela Psicose, Eu Insisto, La Oliphant, Literasutra, Um metro e meio de Livros e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera. 

julho 08, 2010

Saga Crepúsculo por Stephenie Meyer

Antes de começar escrever, a resenha da saga Crepúsculo, eu vou deixar duas coisas bem claras: Primeira, eu não sou fã – fanática pelos livros e muito menos pela autora Stephenie Meyer. Mas no meu ponto de vista, qualquer critica seja ela construtiva ou destrutiva tem que ter base e fundamento. E isso você só consegue conhecendo o tema profundamente.
Segundo, acho que o requisito "virilidade", deveria ser deixado de lado ao falarmos de Edward Cullen. Acredito que a grande maioria das pessoas que gostam de histórias de vampiros, já tenha lido um ou mais livros da Anne Rice, e sabem que alguns de seus personagens embora seguissem a cartilha dos vampiros tradicionais que, bebem sangue humano, não brilham no sol e são teoricamente maus, tinha um comportamento um tanto duvidoso.
Quem leu Sangue e Ouro deve ser lembrar muito bem, da cena em que o Marius e o Thorne, tomam banho juntos na mesma banheira. E em o Vampiro Armad, o próprio tinha uma relação muito estranha com o Marius (embora os dois sejam meus personagens favoritos dentre todos os livros das Crônicas Vampirescas), sem falar que o Armad teve um leve "romance", com um jovem inglês. E por ultimo o queridinho de 8 entre 10 góticas, ou aspirantes a góticas: O Vampiro Lestat, sim ele mesmo em seu livro que leva o mesmo nome relata em um trecho: "A minha vida agora é, apenas Nick e eu". E quem leu sabe que é o Nick e não a Nick. Ou seja, se o Edward Cullen é a fada encantada das florestas de Forks, ele não nunca esteve totalmente sozinho nessa, então vamos deixar de lado o requisito "virilidade", ao julgar um vampiro ok?!
Agora vamos ao que interessa a minha resenha sobre a saga o Crepúsculo.

 Saga  Crepúsculo por Stephenie Meyer. 


Ficha Técnica:


•Editora: Intrínseca
•Autor: STEPHENIE MEYER
•Origem: Nacional
•Ano: 2009
•Edição:1
•Acabamento: Brochura
•Formato: Médio
•Volumes: 4



Crepúsculo não é ruim, isso não quer dizer que eu achei bom também. Eu diria que ele é regular. A narrativa é simples, a leitura é fácil, mas a Stephenie tem uma mania que eu simplesmente abomino em qualquer autor, me permitam abrir um parêntese para esse pequeno comentário (eu odeio quando os autores ficam enrolando para desenvolver a história, ai chega ao ultimo capitulo, saem atropelando tudo. Você termina de ler e fica: ué acabou! Isso me irrita profundamente). Mas voltando o livro, a história é bonitinha até. A Bella é típica adolescente que se acha o patinho feio, cheia de inseguranças recém chegada a uma nova cidade, escola nova e do nada vira o centro das atenções. Ai ela conhece primeiro o Jacob e a principio ela o trata meio com indiferença afinal para ela, ele é piralho filho do amigo de pai dela. Mas na escola ela finalmente encontra aquele que passaria a ser sua vida, e assim do nada Bella e Edward se apaixonam. Sim do nada, o típico amor a primeira vista. E eis que surge a frase mais romântica de todos os tempos: "E o lobo se apaixonou, pelo cordeiro." Melações a parte surge o bando do mal, e olha quem o James resolve caçar, suspense (...) a Bella. E ai dos 24 capítulos, a Stephenie resolve atropelar o que seria o melhor momento do livro, nos dois últimos capítulos. Lamentável...
E fim, no Crepúsculo é apresentado ao que se tornaria o amor doentio, chegando a limite da idolatria de Bella Swan e Edward Cullen.


Indo para ao Lua Nova, ou como carinhosamente alguns chamam o livro: "A fase suicida da Bella."Confesso que muitas vezes tive vontade de jogar o livro pela janela. Foi difícil agüentar a Bella em corte meus pulsos, por que o Edward foi embora. Sinceramente falando o que salvou o livro de um fracasso total, foram os Lobos e, o clã Volturi.
Os Lobos deram ação à história, sem falar que no filme eles são fofos! Gostei também dessa parte do Lua Nova, por que surgiram personagens emocionalmente mais saudáveis, do que a Bella. Fazendo com que ela sai-se, um pouquinho do centro da trama. Foi pouca coisa, mas ajudou bastante a ler o livro até o final.
Mas para mim o que realmente salva, a saga mesmo é o clã Volturi. Vampiros a moda antiga, pelo menos a Stephenie, não arruinou por completo a reputação dos vampiros.
Nem vou tecer muitos comentários sobre esse livro, por que em minha opinião apenas uma palavra o resume: "Irritante."


Chegamos ao melhor livro da saga, Eclipse: sim ele é o melhor!Surgem novos personagens, a história ganha mais ação, e muitos com a Rose e o Jasper ganham mais destaque na trama.
Claro que o triangulo amoroso, continua a ser o ponto central da história, mas o ponto chave é que tanto os outros Cullen com os lobos ganham mais espaço, tornando o livro interessante, e menos enfadonho do que o, Lua Nova.
A implicância do pai da Bella, com o Edward é engraçada, já que no fundo ele sabe que a relação da filha com o namorado é algo meio doentio e como um bom pai ele só quer o melhor para ela.
Foi realmente muito bom conhecer a história da Rose, ajudou a entender o porquê ela era tão chatinha nos dois primeiros livros, embora eu continue não gostando muito dela. Já o Jasper foi uma surpresa e tanto, saber da sua história. O que hoje é um vampiro do bem, e que usa seu poder para acalmar as situações a sua volta, já foi um ser ensandecido e sedento de sangue. Se a Stephenie, fosse mais esperta ela em cada livro teria dado um destaque maior a cada um dos vampiros, mas pelo menos no Eclipse ela, se lembrou disso.
Falando nela, como já é de costume dos 27 capítulos do livro, ela mais uma vez atropelou tudo para os três últimos.
Outra coisa que me deixou irritada, e acho que todo mundo vai concordar comigo é. Se o homem da sua vida te pede em casamento, obvio que você vai aceitar sem pensar duas vezes. Mas a Bella (...), sim a Bella ficou levando o Edward no banho Maria, até que por fim aceitou. Eu realmente não entendo essa garota.
Mas como eu já disse, no começo esse é o melhor livro da saga toda, ou o menos irritante e meloso como vocês preferirem.


Vamos para o ultimo livro e o mais aguardado: Amanhecer.
Dica número um, só leia esse livro se você tiver com muita, mas muita paciência. Mas se mesmo sem muita paciência você ainda quiser ler, sugiro que você comece pelo Livro III – Bella, na pagina 286 que é onde o livro fica de fato menos monótono.
Mas resumindo o começo, Bella e Edward se casam vão para uma ilha que fica aqui no Brasil passar a lua de mel. Incrivelmente ela fica grávida de um morto, (vampiros não tem fluidos corporais, ou seja, não tem com eles terem filhos), voltam para Forks. Mesmo, com o Carlisle e o Edward tentando convencer, ela a fazer um aborto já que ninguém sabe o monstrinho ela está prestes a trazer para o mundo e esse monstrinho está a matando aos poucos, ela insiste em ter seu amado bebê.
Aos fracos de estômago eu sugiro pular o livro II – Jacob, por que tem umas cenas muito nojentas, sem falar que essa parte além de muito parada, chega até a dar sono.
No livro III finalmente a Bella se torna vampira, e o olha que lindo, em sua primeira caçada ela vai de vestido de seda e salto. Sim ela vai me caçar cervos na floresta, vestida para um baile, melhor nem comentar né.
A criança é um doce, todo mundo se encanta por ela. Nem de longe apesar de uma gravidez sofrida e da batalha de vida e de morte que foi seu nascimento, ela representa perigo real de extinção para os humanos. Depois de tudo, só faltou a Stephenie, descreve- lá com um ser de lindas asas brancas e auréola.
Mas o pior está por vim, quando você pensa que finalmente vai ter uma luta de verdade entre os Cullen os Volturi, a "batalha" termina. Sim isso mesmo acaba, fim!Para mim isso foi um verdadeiro suicídio literário. Uma das coisas mais sem nexo que li na minha vida.
Confesso que foi difícil ler até o fim, por que embora os três primeiros livros não sejam as melhores obras da literatura dos últimos tempos, eu esperava um final melhor, ou mais digno para Saga.
Como eu disse a principio os livros não são ruins, embora também não sejam maravilhosos. É um a leitura valida já que conhecimento nunca é demais. Além de que é errado falar mal de algo que não se conhece de fato. Principalmente por que a saga toda em si foi escrita para um publico em especial, que foi atingido em cheio.
Fica ai minha dica de leitura, para quem ainda se interessar em ler a saga o Crepúsculo. Apesar de ser quase um suicídio literário, tem parte engraçadas e personagens que vale apena conhecer.

Instagram

© 2010 - 2021 Blog My Dear Library | Ariane Gisele Reis • Livros, Música, Arte, Poesias e Sonhos. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in