Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta Os Bridgertons. Classificar por data Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta Os Bridgertons. Classificar por data Mostrar todas as postagens
16/01/2017

E Viveram Felizes para Sempre por Julia Quinn

| Arquivado em: RESENHAS.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788580416374
Editora: Arqueiro
Ano de Lançamento: 2016
Número de páginas: 256
Classificação:
Sinopse: Os Bridgertons – Livro 09.
Alguns finais são apenas o começo...
Era uma vez uma família criada por uma autora de romances históricos...


Mas não era uma família comum. Oito irmãos e irmãs, seus maridos e esposas, filhos e filhas, sobrinhas e sobrinhos, além de uma irresistível matriarca. Esses são os Bridgertons: mais que uma família, uma força da natureza. Ao longo de oito romances que foram sucesso de vendas, os leitores riram, choraram e se apaixonaram. Só que eles queriam mais. Então começaram a questionar a autora: O que aconteceu depois? Simon leu as cartas deixadas pelo pai? Francesca e Michael tiveram filhos? O que foi feito dos terríveis enteados de Eloise? Hyacinth finalmente encontrou os diamantes? A última página de um livro realmente tem que ser o fim da história? Julia Quinn acha que não e, em E viveram felizes para sempre, oferece oito epílogos extras, todos sensuais, engraçados e reconfortantes, e responde aos anseios dos leitores trazendo, ainda, um drama inesperado, um final feliz para um personagem muito merecedor e um delicioso conto no qual ficamos conhecendo melhor ninguém menos que a sábia e espirituosa matriarca Violet Bridgerton. Veja como tudo começou e descubra o que veio depois do fim desta série que encantou leitores no mundo inteiro.

Quem leu a minha resenha de A Caminho do Altar deve se lembrar de como terminei a leitura decepcionada. Ao longo dos últimos anos acompanhado, a saga dessa família maravilhosa que aprendi a amar, eu realmente esperava aquele “algo a mais”. Por esse motivo, adorei me reencontrar com cada um dos Bridgertons nessa coletânea de epílogos e descobrir o que aconteceu com os meus casais favoritos depois da última página. Foi delicioso reencontrar com os personagens e com a escrita da Julia Quinn, nesse livro que se tornou um dos meus favoritos da série.

Não vou entrar em muitos detalhes sobre cada epílogo individualmente por que senão corro  risco de dar algum spoiler e também deixar a resenha muito extensa. 

Confesso que ao pegar E Viveram Felizes para Sempre para me fazer companhia no dia de Natal, senti um misto de expectativa e receio. Expectativa para saber o que a autora Julia Quinn tinha preparado e medo de acabar me decepcionando com o que encontraria. Porém para minha surpresa fiquei tão envolvida com a leitura que passei o dia todo como os Bridgertons (). Claro que assim como aconteceu com os livros anteriores gostei mais de algumas histórias do que de outras. Mas não há como negar que senti uma vontade imensa de reler a série inteira conforme fui lendo esse livro.

Foi encantador reencontrar com a Daphne e com o Simon, na verdade nem tinha me dado conta de como senti falta deles até reencontra-los aqui. O Colin () como sempre rouba a cena sempre que aparece, apesar de continuar achando tanto o livro solo dele assim como o seu segundo epílogo ficou um pouco “abaixo” do potencial do personagem. Sophie e Benedict continuam sendo meu casal favorito, mas adorei a forma como a autora acabou deixando eles em “segundo plano” dando aos leitores a oportunidade de conhecer melhor outro personagem que foi tão importante para o final feliz dos dois.

O mesmo acontece no epílogo da Eloise que junto com a Francesca foram as personagens mais “esquecidas” na série em minha humilde opinião. Achei interessante a mudança de foco e estilo que a Julia Quinn deu ao narrar os novos acontecimentos de Para Sir Phillip, Com Amor. E fiquei ainda mais emocionada com o final feliz da Francesca e do Michael. Já Hyacinth e Gareth protagonizam cenas cheias de paixão e cumplicidade. Muito amor esses dois viu ().

Os segundos epílogos que menos gostei por assim dizer foi o do Anthony com a Kate, por que não achei que ele de fato trouxe algo novo. E como peguei birra com A Caminho do Altar, (por que sou dessas) mesmo a narrativa tendo uma carga dramática forte, ela não chegou a me emocionar completamente.  Só que sem sombra de dúvidas a história mais linda é a da querida Violet Bridgerton. Foi incrível conhecer um pouco mais dessa personagem que ao longo da série conquistou um espaço especial não somente na história como no meu coração. Como não amar Violet Bridgerton? Digo que é impossível, - apenas.

E Viveram Felizes para Sempre é um presente maravilhoso que a autora Julia Quinn deu para seus leitores e fãs da série Os Bridgertons. Embora ele não vá acrescentar muita coisa às histórias que já conhecemos, ele é uma opção perfeita e nostálgica de nos reencontrarmos com personagens queridos. Esse é aquele típico livro que escorre açúcar de todas as páginas de tão doces, leves e emocionantes que são suas histórias, ou quase todas elas.

 “Como disse, não foi amor à primeira vista, já que não acredito nessas coisas. Não foi à primeira vista, na verdade, mas havia algo... uma identificação... um senso de humor. Não sei ao certo como descrever.”

Me despeço por hora dos Bridgertons com um enorme sorriso no rosto e com o coração quentinho. Para quem assim como essa que vos escreve já se sente parte da família, vai se encantar com esse tempinho a mais que passará com eles ().

O Conde Enfeitiçado.
Um Beijo Inesquecível.
A Caminho do Altar.

01/08/2016

A Caminho do Altar por Julia Quinn

| Arquivado em: RESENHAS.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788580415735
Editora: Arqueiro
Ano de Lançamento: Arqueiro
Número de páginas: 320
Classificação: Bom
Sinopse: Os Bridgertons - Livro 08.
Ao contrário da maioria de seus amigos, Gregory Bridgerton sempre acreditou no amor. Não podia ser diferente: seus pais se adoravam e seus sete irmãos se casaram apaixonados. Por isso, o jovem tem certeza de que também encontrará a mulher que foi feita para ele e que a reconhecerá assim que a vir. E é exatamente isso que acontece. O problema é que Hermione Watson está encantada por outro homem e não lhe dá a menor atenção. Para sorte de Gregory, porém, Lucinda Abernathy considera o pretendente da melhor amiga um péssimo partido e se oferece para ajudar o romântico Bridgerton a conquistá-la. Mas tudo começa a mudar quando quem se apaixona por ele é Lucy, que já foi prometida pelo tio a um homem que mal conhece. Agora, será que Gregory perceberá a tempo que ela, com seu humor inteligente e seu sorriso luminoso, é a mulher ideal para ele? A caminho do altar, oitavo livro da série Os Bridgertons, é uma história sobre encontros, desencontros e esperança no amor. De forma leve e revigorante, Julia Quinn nos mostra que tudo o que imaginamos sobre paixão à primeira vista é verdade – só precisamos saber onde buscá-la.

Às vezes acontece que ao finalizar um livro essa que vos escreve não sabe bem como se sente relação ao que acabou de ler. A Caminho do Altar, ultimo livro da série Os Bridgertons da Julia Quinn é um desses casos.  Não é segredo para ninguém que acompanha o blog há mais tempo, que essa é uma das minhas séries favoritas. Porém, infelizmente não vou negar que nesse momento sinto um misto de saudades e decepção.

Gregory Bridgerton é um jovem romântico que acredita na força do amor. Nascido em uma família que tantos os pais como os sete irmãos se casaram perdidamente apaixonados, não tinha como ser diferente. Por esse motivo no instante em que ele coloca os olhos na estonteante Hermione Watson, Gregory acredita que encontrou o amor de sua vida. O problema é que a Srta. Watson está perdidamente apaixonada por outro cavaleiro.  Mas nem tudo está perdido para o nosso jovem enamorado, Lucinda Abernathy melhor amiga de Hermione parece estar disposta a ajuda-lo a conquistar o coração da jovem.

Tudo ia bem até que Lucy percebe que quem está se apaixonando por Gregory é ela. Mas mesmo que Gregory pudesse retribuir seus sentimentos, os dois jamais poderão ficar juntos. Afinal o tio de Lucy a prometeu em casamento ao filho do Conde de Davenport, um rapaz com qual ela durante a vida toda trocou apenas algumas palavras.  Entre encontro e desencontros nossos jovens apaixonados vão descobrindo que os caminhos para o verdadeiro amor, podem conter alguns espinhos. E principalmente que a pessoa certa às vezes esta a uma pequena distancia de nós.

A Caminho do Altar possui uma narrativa fluida e um enredo que nos deixa curiosos para saber do seu desfecho. Ou seja, não é que eu não tenha gostado da história em si, o problema foram os pequenos detalhes que me incomodaram um pouco durante a leitura. Primeiro é que senti falta do toque de humor presente nos livros anteriores, com exceção do O Visconde que me Amava e Para Sir Phillip, Com Amor que foram livros mais “sérios”, por assim dizer.

De verdade eu achei a história aqui muito "melodramática" e com uma sucessão de acontecimentos no final que, tipo foram um pouquinho “exagerados” na minha humilde opinião. Tanto que me vejo obrigada a fazer uma pequena confissão. Eu torci para o Gregory ficar com outra pessoa. Rezei por uma passagem de tempo, qualquer coisa, menos que ele terminasse com a Lucy. E nada contra a mocinha em questão, só que por todo o contexto da trama e pelo que aconteceu no final (que me deixou realmente muito, mais muito brava mesmo) eu cheguei a conclusão que ela não merecia o Gregory. Sério, uma lágrima escorreu desses olhinhos e ela foi de raiva. 

Porém, de todos os detalhes que me incomodaram o que mais me deixou com essa pontinha de decepção ao final da leitura foi a ausência de alguns personagens. Foi à falta dos Bridgertons como família. Ok! O Anthony e a Kate fazem uma participação especial, a Hyacinth e o Colin também, e claro a Violet.  Mas cadê o resto dos Bridgertons, Julia Quinn? Cadê a Eloise e a Francesca? E me desculpe se a meu ver citar a Daphne e o Benedict não conta como “participação” na história. Sério eu estou tão frustrada com isso, que não tem como colocar em palavras. Especialmente pela Eloise e a Francesca que simplesmente puff, desapareceram por completo da série depois de seus livros.

Eu sei que o conto Felizes para Sempre será lançado no final do ano e que provavelmente ele nos presenteará com uma linda reunião da família Bridgerton. Só que infelizmente essa sensação, que a autora simplesmente “abandonou” alguns personagens no meio do caminho não passa gente. A Francesca mesmo é a personagem mais excluída da série assim como o Benedict. E por mais que eu tenha amado acompanhar a saga dessa família maravilhosa e que ela sempre vá ter aquele lugarzinho especial no meu coração, esse detalhe por menor que seja vai continuar me incomodando.

A Caminho do Altar é uma leitura agradável, porém não me cativou tanto como eu esperava. Talvez as minhas expectativas estivessem altas demais, ou eu apenas esteja sendo chata e detalhista demais. Só que ficou faltando alguma coisa. Ficou faltando um algo a mais para que eu sentisse que a Julia fechou a série com chave de ouro. Gostei do que encontrei, porém queria ter gostado mais. Acontece (...).

“ – Ele olhava para ela como se pudesse ver até a sua alma, e não era nem um pouco esquisito. Na verdade era estranhamente ... bom.”

Com uma narrativa que deixará os românticos de plantão suspirando, A Caminho do Altar encerra da série Os Bridgertons de forma simples nos deixando com aquele gostinho de quero mais. Pode não ter sido o meu livro favorito, já que esse posto continua sendo dividido entre Um Perfeito Cavalheiro. e Um Beijo Inesquecível.  Mas que apesar dos detalhes ou da falta deles que não me deixaram tão encantada, ainda sim possui uma história envolvente e gostosa de acompanhar. Já estou com saudades ().

O Conde Enfeitiçado.
Um Beijo Inesquecível.

15/09/2014

Os Segredos de Colin Bridgerton por Julia Quinn


ISBN: 9788580413076
Editora: Arqueiro
Ano de Lançamento: 2014
Número de páginas: 336
Classificação: Ótimo
Onde Comprar: Livraria Cultura, Livraria Saraiva, - Compare os Preços.

Este livro foi enviado como
cortesia para resenha.







Sinopse: Os Bridgertons - Livro 04.
Há muitos anos Penelope Featherington frequenta a casa dos Bridgertons. E há muitos anos alimenta uma paixão secreta por Colin, irmão de sua melhor amiga e um dos solteiros mais encantadores e arredios de Londres. Quando ele retorna de uma de suas longas viagens ao exterior, Penelope descobre seu maior segredo por acaso e chega à conclusão de que tudo o que pensava sobre seu objeto de desejo talvez não seja verdade. Ele, por sua vez, também tem uma surpresa: Penelope se transformou de uma jovem sem graça ignorada por toda a alta sociedade, numa mulher dona de um senso de humor afiado e de uma beleza incomum. Ao deparar com tamanha mudança, Colin, que sempre a enxergara apenas como uma divertida companhia ocasional começa a querer passar cada vez mais tempo a seu lado. Quando os dois trocam o primeiro beijo, ele não entende como nunca pôde ver o que sempre esteve bem à sua frente. No entanto, quando fica sabendo que ela guarda um segredo ainda maior que o seu, precisa decidir se Penelope é sua maior ameaça ou a promessa de um final feliz.

Acredito que não seja segredo para ninguém que um dos livros mais esperados por mim da série Os Bridgertons da autora Julia Quinn, era justamente o que contaria a história de Colin Bridgerton (), o meu personagem favorito até aqui.  Confesso que comecei a leitura com certo “excesso” de expectativas e mesmo a narrativa mantendo o alto nível dos livros anteriores, eu fiquei com aquela sensação “chatinha”, de que faltou alguma coisa.

Ao contrário de seus irmãos para Colin Bridgerton, a ideia de forma uma família e ter que fixar raiz em algum lugar sempre pareceu um pouco entediante e assustadora. Mesmo sendo conhecido pelo seu charme e carisma, Colin prefere manter- se longe das temporadas de festas em Londres, e especialmente das mães com filhas em idade de se casar. Para ele, a jovem Penelope Featherington sempre foi apenas a melhor amiga da sua irmã Eloise. Mas o que Colin não imagina, é que a mocinha atrapalhada que muitas vezes foi excluída e deixada de lado inclusive pela própria mãe, era e continua sendo completamente apaixonada por ele.

Várias temporadas se passaram e durante esses anos, Colin se dedicou as suas viagens e aventuras pelo mundo. Enquanto isso, Penelope ficou em Londres vendo o tempo passar e conformando-se a cada dia, com o fato de que estava destinada a jamais se casar. Quando Colin em fim volta para casa e os dois se reencontram, ele percebe que no período em que esteve ausente a jovem e desastrada, Srta. Featherington não é mais a mesma garota sem graça que por “pena” ele tirava para dançar nos bailes. 

Por uma coincidência estranha do destino, aparentemente desde que voltou Colin e Penelope estão sempre nos mesmos lugares.  Isso faz com que eles se tornem amigos mais próximos, ao mesmo tempo em que transformam os sentimentos, do até então arredio Colin Bridgerton. Porém, ambos possuem fatos de sua vida que preferem esconder. Segredos que eles se esforçaram ao longo dos anos para guardar e que caso sejam descobertos, podem causar um dano irreparável em suas reputações. Divididos entre a paixão que sente um pelo outro e o medo de serem expostos, Colin e Penelope vão descobrir que às vezes não resta outra opção para ser feliz, - a não ser revelar a verdade.

Os Segredos de Colin Bridgerton, possui todos os elementos que tanto aprecio na escrita da autora Julia Quinn. Ele é aquele típico romance clichê, que de tão bonitinho você não consegue parar de ler. Porém, ao contrário dos livros anteriores que tiveram o enredo quase todo focado no casal e em seus sentimentos, aqui a autora abriu mais o espaço para os outros personagens. Ao mesmo para mim, fico muito evidente enquanto eu lia o livro que a autora estava “fechando” uma fase na história e que talvez a partir de agora a série vá tomar um rumo “diferente”.

Eu gostei bastante dessa maior participação das irmãs Bridgertons, Eloise e Hyacinth, mas não vou negar que senti falta do Benedict e do toque de comédia que a misteriosa Lady Whistledon dava à narrativa. Tudo bem que aqui ela acabou meio que “substituída” pela “terrível” Lady Danbury, porém foi como eu citei logo no começo da resenha. Por mais que eu tenha adorado o livro, eu sinto que faltou alguma coisa. Acredito que o que mais me “incomodou” aqui foi justamente à questão dos segredos que os protagonistas escondiam. Tipo de um eu já meio que suspeitava desde o livro anterior, só que o outro (...). Sei lá, eu esperava algo realmente “polêmico” e vergonhoso, mas ao final esse segredo se revelou algo tão “bobo”, que como vocês podem imaginar acabou me decepcionando um pouco. Em fim, bem tudo é perfeito.

“- Eu só escrevo finais felizes – sussurrou. – Não saberia escrever qualquer outra coisa.”

Os Segredos de Colin Bridgerton é um romance super “gracinha”, leve e divertido que através de suas páginas vai fazer você viver uma linda e apaixonante história de amor. Pode não ser o meu livro favorito da série (mesmo eu tendo imaginado que seria), mas com certeza ele conquistou um lugar especial em meu coração ().

Veja também:

O Duque e Eu.
O Visconde que me Amava.
Um Perfeito Cavalheiro.

15/02/2016

Um Beijo Inesquecível por Julia Quinn

| Arquivado em: RESENHAS.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788576864721
Editora: Arqueiro
Ano de Lançamento: 2016
Número de páginas: 272
Classificação:
Compare os Preços:
Sinopse: Os Bridgertons – Livro 07.
Toda a alta sociedade concorda que não existe ninguém parecido com Hyacinth Bridgerton. Cruelmente inteligente e inesperadamente franca, ela já está em sua quarta temporada na vida social da elite, mas não consegue se impressionar com nenhum pretendente. Num recital, Hyacinth conhece o belo e atraente Gareth St. Clair, neto de sua amiga Lady Danbury. Para sua surpresa, apesar da fama de libertino, ele é capaz de manter uma conversa adequada com ela e, às vezes, até deixá-la sem fala e com um frio na barriga. Porém Hyacinth resiste à sedução do famoso conquistador. Para ela, cada palavra pronunciada por Gareth é um desafio que deve ser respondido à altura. Por isso, quando ele aparece na casa de Lady Danbury com um misterioso diário da avó italiana, ela resolve traduzir o texto, que pode conter segredos decisivos para o futuro dele. Nessa tarefa, primeiro os dois se veem debatendo traduções, depois trocando confidências, até, por fim, quebrarem as regras sociais. E, ao passar o tempo juntos, eles vão descobrir que as respostas que buscam se encontram um no outro... e que não há nada de tão simples – e de tão complicado – quanto um beijo.

Sempre espero com a maior ansiedade pelo lançamento dos livros da série Os Bridgertons, afinal depois de praticamente quatro anos acompanhando as aventuras dessa família já me sinto parte dela também. Em Um Beijo Inesquecível, Julia Quinn não apenas me presenteou com um romance encantador, como nos apresenta personagens fortes e decididos que conquistam nosso coração logo nas primeiras páginas.

Hyacinth Bridgerton a caçula da família se encontra em sua quarta temporada na alta sociedade, e até agora não recebeu nenhuma proposta que se possa considerar digna de casamento. Conhecia por sua franqueza ela não se deixa impressionar por qualquer pretendente. Mas, tudo muda quando durante um recital ela conhece Gareth St. Clair, neto da terrível, porém sua amiga Lady Danbury. Gareth é capaz não de somente manter uma conversa inteligente por mais de cinco minutos, como por incrível que pareça faz com que a jovem Bridgerton fique sem palavras. Algo que qualquer pessoa que a conheça bem sabe que é praticamente impossível.

Hyacinth como quase toda Londres, conhece a terrível fama de libertino de Gareth, por esse motivo a atitude mais sensata é não demonstrar nenhum interesse nele. Porém quando Gareth aparece na casa de Lady Danbury com um misterioso diário da falecida avó paterna do moço, todo escrito em italiano, Hyacinth simplesmente não consegue resistir ao desafio.

Desse momento em diante os dois são sempre visto em meio a cochichos, gerando todo o tipo de mexerico em especulações a respeito do promissor casal. Conforme mais se aproximam Gareth e Hyacinth vão aos poucos desvendando os mistérios da família St. Clair e se tornando mais próximos do que seria aconselhado para a reputação da dama. E depois um beijo que pode ser considerado tudo menos inocente, vai ficar ainda mais difícil para esse jovem casal negar a irresistível atração que sente um pelo outro. 

Pode até parecer exagero, mas Um Beijo Inesquecível foi aquele tipo de leitura que imediatamente roubou o meu coração. Hyacinth é uma daquelas personagens fortes e decididas, que não se deixa intimidar pela opinião dos outros e que junto com o Gareth formou uma dupla divertida e encantadora. Sabe aquele tipo de casal que você se apaixonada por eles, antes mesmo deles perceberem que são perfeitos juntos?   Hyacinth e Gareth são assim. Julia Quinn, mas uma vez me surpreendeu com uma história fofa e super bem humorada com os toques certos de mistério e sensualidade.

E se não bastasse o casal principal ser cativante, a autora dá a narrativa um destaque mais que merecido a maravilhosa Lady Danbury. Desde o inicio da série ela foi uma personagem de quem gostei muito.  Tipo, eu adoro essas personagens que fazem o tipo “megera”, mas que no fundo tem um bom coração. E ninguém se enquadra mais nessa descrição do que Lady Danbury.  O livro conta com participações rápidas da Daphne e do Anthony, ao mesmo tempo em que o caçula dos Bridgertons, Gregory também desempenha um papel maior na trama.

E apesar de uma narrativa totalmente previsível, Julia Quinn construiu novamente uma história doce, leve  e envolvente que ao final conseguiu fugir um pouco dos clichês da própria autora. Na verdade, não imaginaria final melhor e mais inusitado para Hyacinth e Gareth . Apenas muito amor (). Confesso que uma parte de mim já está se sentindo órfã dessa família incrível, visto que agora só falta um livro para finalizar a série.  Saudades (...).

“-Você é uma boa mentirosa, Hyacinth Bridgerton – murmurou ele, tomando-a nos braços -, mas não tão boa quanto pensa ser.”

Com uma narrativa inteligente e personagens cativantes, Um Beijo Inesquecível é uma daquelas histórias que nos deixa com um gostinho de quero mais e um sorriso bobo no rosto. Sem sombra de dúvidas o meu favorito da série Os Bridgertons ().

O Conde Enfeitiçado.

17/09/2015

O Conde Enfeitiçado por Julia Quinn

| Arquivado em: Resenhas.

Este livro foi recebido como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788580414400
Editora: Arqueiro
Ano de Lançamento: 2015
Número de páginas: 304
Classificação: Ótimo
Onde Comprar: Amazon | Saraiva
Sinopse: Os Bridgertons - Livro 06.
Toda vida tem um divisor de águas, um momento súbito, empolgante e extraordinário que muda a pessoa para sempre. Para Michael Stirling, esse instante ocorreu na primeira vez em que pôs os olhos em Francesca Bridgerton. Depois de anos colecionando conquistas amorosas sem nunca entregar seu coração, o libertino mais famoso de Londres enfim se apaixonou. Infelizmente, conheceu a mulher de seus sonhos no jantar de ensaio do casamento dela. Em 36 horas, Francesca se tornaria esposa do primo dele. Mas isso foi no passado. Quatro anos depois, Francesca está livre, embora só pense em Michael como amigo e confidente. E ele não ousa falar com ela sobre seus sentimentos – a culpa por amar a viúva de John, praticamente um irmão para ele, não permite. Em um encontro inesperado, porém, Francesca começa a ver Michael de outro modo. Quando ela cai nos braços dele, a paixão e o desejo provam ser mais fortes do que a culpa. Agora o ex-devasso precisa convencê-la de que nenhum homem além dele a fará mais feliz.

Acredito que não preciso comentar que de todas as séries que acompanho no momento Os Bridgertons tem um lugar mais que especial em meu coração. Por esse motivo sempre que um novo volume é lançado fico na expectativa de ter ele logo em minhas mãos, e assim passar um tempo maravilhoso e divertido ao lado dessa família tão querida. E confesso leitores que eu mal terminei a leitura de O Conde Enfeitiçado e já estou com saudades de seus personagens.

Francesca Bridgerton conheceu a alegria de ter encontrado o verdadeiro amor e a tristeza de perdê-lo ainda muito jovem. A Condessa de Kilmartin ficou viúva de John no segundo ano de seu casamento e a dor de perder o amado marido tão cedo a desestabilizou por completo. Se a situação já não fosse dolorosa o bastante Michael Stirling primo John e melhor amigo do casal escolhe justamente esse momento para se afastar dela, deixando Francesca ainda mais arrasada. Mas o que Francesca não podia imaginar é que Michael estava perdidamente apaixonado por ela.

Sentindo-se culpado pelas reviravoltas do destino que do dia para a noite o fizeram não somente herdar o titulo e a riqueza de John, Michael não consegue lidar com uma realidade ainda mais cruel. Finalmente a mulher que ele tanto ama está livre, graças à morte prematura do primo. Ele nunca desejou isso e ficar tão próximo a Francesca faz com que ele se senta o pior dos homens. Ele então foge para a Índia na tentativa de esquecê-la.

Quatro anos se passam e quando os dois se reencontram Michael percebe que seus sentimentos continuam os mesmos. Ele faz de tudo para disfarçar o amor que ainda sente e tenta reatar os laços de amizade que ele e a condessa viúva tinham antes de tudo mudar.  Porém, o retorno de novo Conde de Kilmartin vai mexer com os sentimentos de Francesca também. Ela começa a olhar para Michael de uma maneira nova e a sentir coisas que ela jamais imaginou que sentiria por outro homem depois da morte de John.  Conseguirá Michael agora esconder seus reais sentimentos por Francesca? E ela será forte o suficiente para resistir ao charme desse conde devasso?

Estava bem curiosa para ler O Conde Enfeitiçado, pelo fato da Francesca ter sido a Bridgerton que menos tinha aparecido nos livros da série até aqui. E apesar de ter demorado um pouco para me “simpatizar” com a “misteriosa” Francesca, admito que depois de O Perfeito Cavalheiro esse é o meu livro favorito da série por vários pequenos detalhes presentes em sua narrativa. Gostei especialmente do Michael, pois além de ser um personagem carismático ele possui uma personalidade forte e marcante. Não que a Francesca seja uma personagem apatia, na verdade ela evolui bastante conforme a história avança. E se levarmos em conta tudo pelo qual ela passou na vida, algumas atitudes dela são compreensíveis.

Michael e Francesca formam aquele casal que faz a gente sofrer e a torcer por eles o tempo todo, por que é visível desde o começo que eles são perfeitos juntos. A escrita da Julia Quinn é maravilhosa com uma riqueza de detalhes que nos transportam para as paginas do livro.  Talvez a grande diferença entre esse livro e os anteriores é que a relação do casal é mais “madura”, o que deixou a narrativa um pouquinho mais sensual. Mas sem deixar de lado é claro, a leveza e o romantismo na história.

Outro detalhe que me agradou muito foi à maneira como a autora conseguiu interligar os as histórias do quarto e quinto livro aqui. Julia Quinn apresenta os acontecimentos de ambos os livros com naturalidade, não apenas confirmando que as três histórias se passavam no mesmo período, como também deixando claro o quão forte são os laços que unem essa família. Simplesmente adorei ver o meu amado Colin Bridgerton () por aqui.  Até por que me desculpem os outros membros masculinos da família, mas não tem como não amar Colin Bridgerton.

Minha única queixa é o fato da editora não ter inserido o segundo epílogo ao final do livro. Mesmo dando alguns spoliers dos livros que ainda não foram lançados, esse epílogo simplesmente faz toda diferença no contexto geral da história, além de que fecha-la com chave de ouro. Sim, fiquei muito, mais muito chateada com isso.

“- Se é para isso terminar, você terá que fazê-lo. Terá de ir Francesca. Por que agora...depois de tudo...Eu não sou forte o suficiente para dizer adeus.”

Com uma narrativa envolvente e um romance encantador, O Conde Enfeitiçado é um daqueles livros que aquece nosso coração e nos faz ficar com um sorriso bobo no rosto. Recomendo!

Veja Mais.

08/05/2015

Para Sir Phillip, Com Amor por Julia Quinn.

| Arquivado em: Resenhas.

Este livro foi enviado como
cortesia para resenha.
ISBN: 9788580413625
Editora: Arqueiro
Ano de Lançamento: 2015
Número de páginas: 288
Classificação: Ótimo
Sinopse: Os Bridgertons 05. Eloise Bridgerton é uma jovem simpática e extrovertida, cuja forma preferida de comunicação sempre foram as cartas, nas quais sua personalidade se torna ainda mais cativante. Quando uma prima distante morre, ela decide escrever para o viúvo e oferecer as condolências. Ao ser surpreendido por um gesto tão amável vindo de uma desconhecida, Sir Phillip resolve retribuir a atenção e responder. Assim, os dois começam uma instigante troca de correspondências. Ele logo descobre que Eloise, além de uma solteirona que nunca encontrou o par perfeito, é uma confidente de rara inteligência. E ela fica sabendo que Sir Phillip é um cavalheiro honrado que quer encontrar uma esposa para ajudá-lo na criação de seus dois filhos órfãos. Após alguns meses, uma das cartas traz uma proposta peculiar: o que Eloise acharia de passar uma temporada com Sir Phillip para os dois se conhecerem melhor e, caso se deem bem, pensarem em se casar? Ela aceita o convite, mas em pouco tempo eles se dão conta de que, ao vivo, não são bem como imaginaram. Ela é voluntariosa e não para de falar, e ele é temperamental e rude, com um comportamento bem diferente dos homens da alta sociedade londrina. Apesar disso, nos raros momentos em que Eloise fecha a boca, Phillip só pensa em beijá-la. E cada vez que ele sorri, o resto do mundo desaparece e ela só quer se jogar em seus braços. Agora os dois precisam descobrir se, mesmo com todas as suas imperfeições, foram feitos um para o outro

D
esde que li o primeiro livro da série Os Bridgertons, me encantei pela narrativa leve e divertida da Julia Quinn. Por esse motivo, acho que não é segredo para ninguém que os livros da autora sempre estão na minha lista de desejados. E mesmo que a espera entre um livro e outro seja digamos um pouco “longa”, ela acaba sendo recompensada com lindas e apaixonantes histórias. E claro que Para Sir Phillip, Com Amor não foi diferente.

A jovem Eloise não era apenas conhecida pela sociedade londrina por ser uma Bridgerton, e sim pela quantidade de boas propostas de casamento que recusou. Mas, algo que poucas pessoas sabem é que Eloise Bridgerton adora se comunicar através de cartas. E graças a esse seu curioso “passatempo” ela acaba conhecendo Sir Phillip, o jovem viúvo de uma prima distante.  Para Eloise ser uma “solteirona” nunca foi um problema, até a sua melhor amiga Penelope Featherington ficar noiva do seu irmão Colin.

Eloise estava feliz por Penelope e Colin, mas ao mesmo tempo ela não conseguia evitar o sentimento que a partir de agora tudo na sua vida seria diferente. Por esse motivo ela aceita o inesperado convite de Sir Phillip para que os dois se conhecerem melhor. Eloise então parte em direção ao próprio destino deixando apenas um bilhete para a família.

A primeira vista a decisão impulsiva tem tudo para dar errado, pois pessoalmente ambos são muito diferentes do que as cartas deixavam passar. E para completar Sir Phillip tem dois filhos pequenos e indisciplinados, que estão dispostos a fazer com que Eloise vá embora o mais rápido possível.  Porém, mesmo com toda a confusão que a chegada da jovem Bridgerton traz a já tumultuada vida de Sir Phillip, uma forte atração nasce entre os dois. Provando que o amor surge quando menos esperamos.

Julia Quinn construiu uma narrativa harmoniosa, com personagens cativantes em um cenário encantador. Adorei a personalidade forte e determinada da Eloise. Afinal em uma época na qual as mulheres tinham que ficar esperando o “príncipe encantado”, ela fugiu de todas as regras e foi em busca da sua felicidade. Já Philip apesar do jeito mais reservado é aquele típico personagem que vai se revelando aos poucos no decorrer da trama. E são justamente as diferenças de personalidade entre os dois, que fazem com que Eloise de Philip sejam tão perfeitos juntos.  

Mesmo Para Sir Phillip, Com Amor possuindo todos os ingredientes de um típico romance clichê, alguns elementos que a autora colocou deixaram o enredo mais maduro. Sempre gosto de narrativas que tenham uma estrutura em que a história não fique tão “centralizada” no casal. Por esse motivo me agradou muito à presença dos filhos do Philip.  E apesar de Oliver e a Amanda serem um tanto “traquinas”, os irmãos ajudaram a dar um toque muito especial a história. Sério me apaixonei por eles ().

Outro ponto alto foi à participação do clã masculino da família (Anthony, Benedict, Colin e Gregory). Principalmente por que pude matar um pouco as saudades do meu casal favorito, Sophie e Benedict. Muito amor esses dois viu (). Colin também é muito amor e o Anthony, - bem continua o velho, bom e adorável Anthony Bridgerton. E o que falar do Gregory? Acho que esse personagem promete gente *-*.

O grande problema agora vai ser esperar pelo próximo livro da série, até por que depois de cinco livros já me sinto como parte da família Bridgerton. Afinal é impossível não se sentir cativada com essa família após a leitura dos livros da Julia Quinn. De verdade uma das melhores séries que acompanho no momento ().

“Eu não poderia escolher um dia só. Qualquer dia com você é perfeito (...). Qualquer um.”

Para Sir Phillip, Com Amor é um daqueles livros que aquecem nosso coração.  Delicado, doce e leve. Recomendo!

Veja Mais.
O Duque e Eu.
O Visconde que me Amava.
Um Perfeito Cavalheiro.
Os Segredos de Colin Bridgerton.

19/02/2014

O Visconde que me Amava por Julia Quinn

ISBN: 9788580411973
Editora: Arqueiro
Ano de Lançamento: 2013
Número de páginas: 304
Classificação: Muito Bom


Sinopse: Os Bridgertons – Livro 02. A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva. Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela. Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele. Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.

Primeiro de ano e eis a dúvida cruel (...), qual seria a minha primeira leitura de 2014. Depois de passar uns bons minutos olhando os livros de minha estante, meu olhar recaiu sobre O Visconde que me Amava e eu soube que não poderia haver leitura melhor para começar meu ano com o pé direito. Nesse romance encantador, mas uma vez me vi envolvida pela narrativa da autora Julia Quinn e completamente apaixonada pela grande e barulhenta família Bridgerton.

O visconde Anthony Bridgerton é atormentado por fantasmas do passado. Fantasmas esses que surgiram após a morte precoce de seu pai. Agora com a proximidade da casa dos trinta ele sabe que não pode mais fugir de suas responsabilidades por muito tempo e que precisa encontrar uma esposa adequada o mais breve possível.  A eleita, além de pertencer a uma boa família, tem que ser bonita, inteligente, agradável e bem “indiferente” o bastante para ele não se apaixonar. Sim, por mais estranho que essa condição possa parecer, Anthony Bridgerton está à procura de uma mulher pela qual ele não corra o risco de se apaixonar. E aparentemente a jovem Edwina Sheffield é a candidata ideal.

Mas, fazer a corte para senhorita Edwina Sheffield, vai se mostrar muito mais difícil do que o ele espera afinal sua irmã mais velha, Kate já conhece a sua nada boa fama de libertino e ela não acredita que ex-libertinos se tornam bons maridos. Kate fará todo o possível para manter a sua inocente irmã longe das mãos do arrogante visconde. Tal atitude pode acabar não só com as chances de sua irmã encontrar um partido melhor, como também pode colocá-la em maus lençóis. Pois se tem algo que Kate não sabe é que, quando o visconde Anthony Bridgerton quer alguma coisa, ele sempre consegue.

Em uma sedutora e divertida briga de “cão e gato”, Anthony e Kate vão não apenas conhecendo melhor um ao outro, como percebendo que de certa forma ambos são bastante parecidos. Os dois são devotados à família, e farão sempre todo o possível e até o impossível para proteger quem amam. Com essa proximidade, fica cada vez mais difícil para Kate encontrar motivos para opor- se a corte do visconde a sua irmã. Da mesma forma que Anthony percebe que não se apaixonar pode ser mais complicado do que ele imaginava.

Assim como em O Duque e Eu, me vi em muitos momentos dando boas gargalhadas durante a leitura. A autora Julia Quinn possui uma escrita espirituosa, que mescla com maestria o romance e a comédia tornando a leitura leve e deliciosa. Tanto a Kate como o Anthony possuem marcas profundas em suas almas, marcas essas que muitas vezes os impede de ser felizes. Claro que os dois são bem teimosos e o que Kate tem de insegura é compensado pela a arrogância de Anthony, porém o desenvolvimento da história é tão agradável, que mesmo os dois me deixando irritada com suas atitudes, ao final me vi torcendo por eles.

Acredito que é justamente isso que tornam os livros da Julia Quinn tão especiais. Tanto em O Duque e Eu como agora eu não apenas me envolvi com a história, mas me senti parte dela. Mesmo o foco aqui sendo o Anthony e a Kate, a autora consegue dar abertura na trama para que os demais personagens tenham tanto destaque como os protagonistas. Todos são peças importantes na história e cada momento, emoções ou conflitos passados pelos personagens são descritos com riqueza e delicadeza.   O que em minha opinião deixa a história ainda melhor. Só me dei conta do quando está entretida com narrativa quando cheguei ao final da leitura, e confesso que dessa vez eu me emocionei. E sim continuo ainda mais apaixonada por Lorde Colin Bridgerton ().

“Significa que o amor não tem nada a ver como medo que tudo acabe, mas como encontrar alguém que o complete, que faça de você um ser humano melhor do que jamais sonhou ser.”

Um romance divertido e cativante, O Visconde que me Amava é uma leitura encantadora que vai conquistar você logo nas primeiras páginas. Adorei!

20/07/2017

A Soma de Todos os Beijos por Julia Quinn

| Arquivado em: RESENHAS.

ISBN: 9788580416664
Editora: Arqueiro
Ano de Lançamento: 2017
Número de páginas: 272
Classificação: Muito Bom
Sinopse: Quarteto Smythe-Smith – Livro 03.
Lorde Hugh Prentice é um gênio da matemática e teve sua perna (e sua vida) arruinada por causa de um duelo com seu amigo, Daniel Smythe-Smith. Nesse livro, conheceremos um pouco da história de Hugh, antes e depois do acontecido. Sua família, o desespero de seu pai para conseguir que um de seus filhos lhe desse um herdeiro, visto que um não é chegado à mulheres e o outro, provavelmente terá dificuldades em encontrar uma esposa, e principalmente em ter filhos. E, claro, sua relação de amor e ódio com Sarah Pleinsworth, prima mais velha de Daniel, que mesmo antes de conhecê-lo, já odiava Hugh por ter arruinado sua família através desse duelo. Mas, as coisas começam a mudar quando Honoria, sua prima, pede para Hugh substituir seu padrinho no casamento e para Sarah ser sua acompanhante durante sua estadia, para que ele ficasse mais confortável diante dos familiares de Daniel. E esse tempo se prolonga, já que Daniel se casará duas semanas depois da irmã e resolve torná-los uma única festa... É claro que eles não se dão no início, mas com o tempo, ainda mais depois do primeiro casamento, quando ela fica impossibilitada de andar, eles deixam as diferenças de lado e começam a se conhecer realmente, e, o que era ódio, acaba se tornando uma paixão avassaladora. Mas as limitações de Hugh vão ser apenas um dos problemas que o casal enfrentará pelo caminho...

Após minha pequena "decepção" com a leitura de Uma Noite como Essa, achei prudente de minha parte dar um “tempo” nos romances de época. Tipo, não sei quanto a vocês, mas se fico lendo um mesmo estilo com muito frequência acabo com a sensação que estou lendo a mesma história só que com personagens diferentes.  Porém A Soma de Todos os Beijos ficava “flertando” comigo na minha estante e bem, como eu ainda estava precisando de uma boa dose de açúcar pensei: “Por que não?”.

Lady Sarah Pleinsworth é conhecida por ser a mais eloquente e dramática das damas de sua família. Tanto que ela fez questão de deixar bem claro a Lorde Hugh Prentice quando se conheceram, que ele era a causa da ruína dela e de toda sua família.  Hugh Prentice pode até ser um gênio da matemática, porém nem mesmo ele conseguiu entender como a mente de uma jovem tão expressiva como Sarah funcionava. Só que de uma coisa Hugh sabia muito bem, que se teve alguém que pagou caro pela ridícula ideia de desafiar Daniel Smythe-Smith para um duelo, esse alguém é ele próprio.

Sarah não faz a menor questão de esconder a sua antipatia por Hugh, a verdade é que ela não entende como o primo e o restante de seus familiares conseguiu perdoa-lo depois de tudo. Mas quando é forçada por seu amor a família a tolera-lo e ser seu par durante as festividades do casamento de Honoria, Sarah acaba percebendo que o Lorde Prentice pode ser uma companhia bastante agradável. Logo os dois passam a compartilhar uma amizade que até então era improvável para ambos. E não demora muito para que essa amizade se transforme em algo mais. Algo que deixa Sarah sem palavras e que nem mesmo o raciocino rápido de Hugh é capaz entender.

A Soma de Todos os Beijos, terceiro livro da série Quarteto Smythe-Smith, possui todos os elementos que adoro nas narrativas da Julia Quinn. A mistura perfeita de romance, com momentos leves, divertidos e aquela pequena dose de drama para deixar tudo ainda melhor.  Gostei da forma como a autora construiu a história apesar de, achar que em determinado momento ela “forçou” um pouco a barra, mas nem tudo é perfeito (...).

Sarah mesmo sendo a "rainha do drama" é uma personagem espirituosa.  Ela pode até passar a imagem de mocinha fútil e egoísta no começo, mas logo vamos percebendo que por baixo de toda a sua pose se esconde uma pessoa que está sempre disposta a ajudar sua família e se redimir dos seus erros. Já Hugh () usa do bom e velho sarcasmo para esconder o quanto é amoroso e protetor. Sofri muito com ele ao descobrir o quando sua infância foi complicada e especialmente ao ver o quando Hugh não achava que merecia ser feliz ao lado de Sarah por conta de sua deficiência e pelo que fez a família dela no passado.

Fiquei extremamente feliz em ver que ao contrário do livro anterior em que a paixão entre os personagens foi algo fast, aqui é perceptível como Sarah e Hugh vão se apaixonando pouco a pouco. Além disso, a narrativa repleta de situações engraçadas e diálogos inteligentes em que os personagens secundários, em especial as irmãs de Sarah conseguem desempenhar um papel de destaque na história. Simplesmente adorei reencontrar o trio Pleinsworth. Harriet, Elizabeth e Frances novamente roubaram a cena deixando tudo ainda mais especial. Como também adorei me reencontrar com a diva da Lady Dandury.

A minha única ressalva é em relação ao final que em minha opinião tem uma situação extremamente "exagerada" e "desnecessária". Ok! Que em algum momento da trama o pai do Hugh ia ter que aparecer. Mas tipo, apesar dele ser complemente desprezível fiquei com a sensação que a participação dele foi mal “aproveitada”, como se a Julia não soubesse como resolver uma questão e escreveu a primeira coisa que veio a mente.  Foi aquela “forçada de barra” que comentei alguns parágrafos acima. Não que isso atrapalhe ou tire o brilho da história como todo, só me deixou um pouco incomodada durante a leitura.

Acredito que tomei a decisão certa ao esperar um pouco para ler A Soma de Todos os Beijos.  O problema nem é a história em si, mas sim o fato que inconscientemente me pego esperando encontrar na série Quarteto Smythe-Smith o mesmo encantamento que tive ao ler a série Os Bridgertons. E acho que até é “normal” esperar que uma autora que adoro como é o caso da Julia Quinn, mantenha sempre o mesmo nível em suas histórias. Só que a verdade é que quando comparo às duas séries, fico com aquela terrível sensação que falta alguma coisa aqui.

“– Uma pessoa muito sábia certa vez me disse que não são os erros que cometemos que revelam nosso caráter, mas o que fazemos para corrigi-los.“

Com personagens fortes e carismáticos, A Soma de Todos os Beijos possui uma narrativa leve que nos cativa logo nas primeiras páginas com um romance clichê e  encantador. O primeiro livro da série, Simplesmente o Paraíso continua sendo o meu favorito até o momento, mas não nego que a história de Sarah e Hugh conquistou um lugar especial em meu coração.

Veja Também:

26/07/2015

Wishliterária – Julho

| Arquivado em: Lançamentos.

Bom dia leitores =)

Como estão indo de final de semana? Colocando as leituras em dia? Então que tal aproveitar para colocar a wishlist de livros em dia também =D. Sim, afinal são tantos livros lindos () chegando por aqui, que não tenho como não acrescentar mais um a nossa lista que parece crescer a cada dia mais.

Abram a aba do Skoob em seus navegadores e preparem-se para esses super lançamentos!




Sinopse: Claire Randall finalmente conseguiu voltar no tempo e reencontrar Jamie Fraser na Escócia do século XVIII, mas sua história está longe do final feliz. O casal terá que superar muitos obstáculos, de fantasmas a perseguições marítimas, mas o principal deles são os vinte anos que se passaram em suas respectivas épocas desde a última vez que se viram. Se a intensa paixão e o desejo entre eles não parecem ter diminuído nem um pouco, o mesmo não se pode dizer sobre a confiança. Jamie agora é um homem endurecido pelo que aconteceu após a Batalha de Culloden. Claire, por sua vez, precisa lidar com o segundo casamento de seu amado e suportar a saudade de Brianna, que ficou sozinha no ano de 1968. A união dos dois será posta à prova quando o sobrinho de Jamie for sequestrado. Juntos, eles precisarão singrar pelos mares e cruzar as Índias Ocidentais para resgatá-lo, provando mais uma vez que nada é capaz de deter uma história de amor que vence as fronteiras do tempo e do espaço.




Sinopse: Lisbeth Salander e Mikael Blomkvist estão de volta na aguardada e eletrizante continuação da série Millennium. Neste thriller explosivo, a genial hacker Lisbeth Salander e o jornalista Mikael Blomkvist precisam juntar forças para enfrentar uma nova e terrível ameaça. É tarde da noite e Blomkvist recebe o telefonema de uma fonte confiável, dizendo que tem informações vitais aos Estados Unidos. A fonte está em contato com uma jovem e brilhante hacker - uma hacker parecida com alguém que Blomkvist conhece. As implicações são assombrosas. Blomkvist, que precisa desesperadamente de um furo para a revista Millennium, pede ajuda a Lisbeth. Ela, como sempre, tem objetivos próprios. Em A garota na teia de aranha, a dupla que já arrebatou mais de 80 milhões de leitores em Os homens que não amavam as mulheres, A menina que brincava com fogo e A rainha do castelo de ar se encontra de novo neste thriller extraordinário e imensamente atual. David Lagercrantz nasceu na Suécia, em 1962. Jornalista, romancista e biógrafo premiado, Lagercrantz foi escolhido para continuar as aventuras de Lisbeth Salander e Mikael Blomkvist.





Sinopse: Toda vida tem um divisor de águas, um momento súbito, empolgante e extraordinário que muda a pessoa para sempre. Para Michael Stirling, esse instante ocorreu na primeira vez em que pôs os olhos em Francesca Bridgerton. Depois de anos colecionando conquistas amorosas sem nunca entregar seu coração, o libertino mais famoso de Londres enfim se apaixonou. Infelizmente, conheceu a mulher de seus sonhos no jantar de ensaio do casamento dela. Em 36 horas, Francesca se tornaria esposa do primo dele. Mas isso foi no passado. Quatro anos depois, Francesca está livre, embora só pense em Michael como amigo e confidente. E ele não ousa falar com ela sobre seus sentimentos – a culpa por amar a viúva de John, praticamente um irmão para ele, não permite. Em um encontro inesperado, porém, Francesca começa a ver Michael de outro modo. Quando ela cai nos braços dele, a paixão e o desejo provam ser mais fortes do que a culpa. Agora o ex-devasso precisa convencê-la de que nenhum homem além dele a fará mais feliz. No sexto livro da série Os Bridgertons, Julia Quinn mostra, em sua já consagrada escrita cheia de delicadezas, que a vida sempre nos reserva um final feliz. Basta que estejamos atentos para enxergá-lo.





Sinopse: Do castelo de Hogwarts a Azkaban, conheça as inesquecíveis locações dos filmes de Harry Potter! Na série Harry Potter, os lugares são, de muitas maneiras, tão amados quanto os próprios personagens da série. Os lugares mágicos dos filmes de Harry Potter traz um olhar cativante sobre os sets desenhados, construídos, decorados e digitalmente ampliados especificamente para os filmes. Perfis detalhados de cada ambiente incluem artes conceituais jamais vistas, fotografias dos bastidores, capturas de tela e outros segredos do arquivo da Warner Bros. Um mapa destacável do Beco Diagonal - uma réplica do original criado para o set do Caldeirão Furado - e um panfleto com uma seleção das pinturas de Hogwarts completam este singular acréscimo ao aclamado O livro das criaturas de Harry Potter.


+ Lançamentos

Gente eu confesso que estou babando pelas capas de O Resgate no Mar: Parte II e A Serva do Império *-*. Acho que não preciso falar que estou morrendo de ansiedade pelos livros da Julia Quinn e da Colleen Houck ().

E o que falar dessa capa super fofa do novo livro da Graciela Mayrink! Além disso, quero muito esse livro sobre lugares de Harry Potter. Será que o Papai Noel já está aceitando listas de presente =D

Beijos e até o próximo post;****

17/04/2019

Os Mistérios de Sir Richard por Julia Quinn

| Arquivado em: RESENHAS.

Dando sequência a minha meta de 12 livros para ler em 2019, Os Mistérios de Sir Richard último livro da série Quarteto Smythe-Smith da autora Julia Quinn, se mostrou uma leitura um tanto “complicada”. Confesso que demorei bastante para me sentir conectada com a narrativa e seus personagens e infelizmente ao final fiquei com a sensação que a história foi rasa e nem de longe tão cativante como os livros anteriores que li da autora.



ISBN: 9788580416688
Editora: Arqueiro
Ano de Lançamento: 2017
Número de páginas: 280
Classificação: Bom
Sinopse: Quarteto Smythe-Smith - Livro 04.
Sir Richard Kenworthy tem menos de um mês para encontrar uma esposa. Ele sabe que não pode ser muito exigente, mas quando vê Iris Smythe-Smith se escondendo atrás de seu violoncelo no musical anual das Smythe-Smith, Richard acha que conheceu alguém muito valiosa.  Ela é o tipo de mulher que passa despercebida até a realização de um segundo ou terceiro olhar de outra forma. Mas há algo nela abaixo da superfície, algo quente e ele sabe que ela é única. Iris Smythe-Smith...Ela está acostumada a ser subestimada, com seu cabelo claro e tranquila, mas há uma personalidade astuta que ela tende a esconder, e ela gosta dessa forma. Então, quando Richard Kenworthy se aproxima com galanteios e flertes, parece suspeito.  Dando a impressão de um homem que se rende ao amor, mas ela não pode acreditar que tudo é verdade. Quando sua proposta de casamento se torna uma situação comprometedora obrigatória, você não pode deixar de pensar que há algo escondido por trás disso. . . mesmo que o seu coração diz sim.

O Quarteto Smythe-Smith foi uma série que ao mesmo em minha opinião teve um começo promissor, mas que no decorrer dos quatro livros acabou meio que “perdendo” um pouco do seu encanto. Gosto muito da narrativa da Julia Quinn, porém sinto em dizer que ao menos aqui o estilo jovial e divertido da autora não funcionou muito bem comigo. A prova disso, é o fato de eu ter levado praticamente dois meses para ler Os Mistérios de Sir Richard. Não que o livro seja de todo “ruim”. Há bons momentos, mas a construção em si peca pela falta de química do casal e na forma como tudo parece “forçado” e um tanto sem sal e sem açúcar.

Iris Smythe-Smith é uma personagem que nos livros anteriores teve uma participação relativamente pequena, mas sempre que surgia suas aparições eram regadas de diálogos irônico e temperados com uma boa dose sarcasmo. Por esse motivo, não nego que eu esperava mais da personagem. E ver o modo como ela se colocava em diversas ocasiões em uma posição inferioridade ao ponto de se desmerecer por conta de sua aparência "pálida", foi um pouco desanimador. 

Em especial por que uma das qualidades que sempre admirei nas protagonistas da Julia Quinn é justamente o fato de todas elas serem fortes e determinadas. E eu senti falta disso aqui. É claro que a Iris evolui muito no decorrer da narrativa, e é muito gratificante acompanhar essa evolução dela. Mas, me incomodou muito a sensação de que ela precisou ser “manipulada” pelo Richard praticamente a história toda para que essa evolução fosse possível.

Acho que nunca torci tanto para que um casal não terminasse com o seu: “Então foram felizes para sempre”, como eu torci aqui. Richard Kenworthy foi sem sombra de dúvidas um decepção completa.  Tanto que as palavras que me vêm à mente quando penso no personagem são: covarde, egoísta e raso. O modo como ele cria toda uma situação constrangedora para obrigar a Iris a aceitar seu pedido de casamento foi uma atitude muito baixa por parte do personagem.

Tudo bem que desde o começo da história sabemos que ele precisa se casar o mais rápido possível, mas o fato do Richard ter visto a Íris como uma “presa fácil” não deixa de ser horrível. Além disso, o segredo do personagem não chegou a ser nem de longe tão “bombástico” como eu imaginei que fosse. Eu sei que para a época em que a história se passa é algo bastante grave, porém de verdade não achei que o segredo em si, “justificasse” todo drama causado por ele no contexto geral da narrativa.

E esse foi um dos pontos que mais me deixou descontente com Os Mistérios de Sir Richard. Como comentei logo no começo da resenha o que mais gosto nos livros da Julia Quinn é o modo com suas histórias são divertidas e leves, só que aqui a autora criou um melodrama tão grande que parecia que eu lia, lia, lia e não saía do lugar.

Apesar de pequena, gostei da participação dos personagens secundários no desenvolvimento da narrativa, principalmente de reencontrar personagens tão queridos como a Lady Sarah Prentice e o o clã Pleinsworth formado por Harriet, Elizabeth e Frances.  Não nego que em muitos momentos as atitudes da Fleur, irmã do Richard me irritaram bastante ao ponto de achar a personagem tão egoísta como o próprio Sir Kenworthy.

As histórias da Julia Quinn sempre conseguem deixar meu coração mais quentinho, mesmo que às vezes eu discordasse de uma atitude ou outra dos protagonistas. Porém, em Os Mistérios de Sir Richard tudo o que senti foi irritação. Irritação porque parecia que a história não saía do lugar. Irritação pelo modo como o Richard tratava a Iris. Irritação por ele não ter tido ao mesmo um “castigo” de leve por toda patifaria que aprontou.  Enfim, muito drama para nada ...

“Muitas vezes era melhor não questionar um presente. Era melhor apenas ficar feliz ao recebê-lo, sem saber por quê.”

Os Mistérios de Sir Richard ao menos em minha opinião está longe de ser o melhor livro da Julia Quinn. A verdade é que com exceção do primeiro livro, Simplesmente o Paraíso a série Quarteto Smythe-Smith não chegou a me arrebatar tanto como Os Bridgertons. Talvez o meu excesso de expectativas tenha atrapalhado um pouco o meu envolvimento com as histórias aqui. Mas, acredito que não sou a primeira e nem serei a última leitora no mundo a se decepcionar um pouco com uma obra do seu autor ou autora favorito. 

Veja Também:

25/09/2014

Café Literário – Queremos livros únicos também!

Bom dia leitores!

Como vocês já puderam perceber, o Café Literário de hoje está em clima de desabafo (...). Que as séries literárias sempre existiram e sempre vão existir todos nós sabemos. A trilogia O Senhor dos Anéis de J.R.R. Tolkien está ai para provar isso.  Não tenho nada contra séries, vocês mesmos sabem que acompanho várias. A questão é que de uns tempos para cá, parece que os livros “únicos” estão “deixando” de existir.

A sensação que eu tenho é que um livro se torna mais “importante” quando ele faz parte de uma duologia, trilogia, série ou saga do que quando ela é apenas um livro. As sagas conquistam? Claro que sim. Elas deixam você com aquela necessidade de saber o que vai acontecer no próximo livro. Ganham fãs apaixonados e quando elas são adaptadas para o cinema ou para a TV, sentimos que todos os nossos esforços em gritar aos sete ventos como ela é maravilhosa, valeu a pena.

Porém, do outro lado quantos livros caem no ostracismo? Quantas vezes vocês já se perguntaram após ler um livro maravilhoso, o porquê “ninguém” nunca falou dele. O pior quando você termina o livro da sua vida com a sensação que autor ou a autora foi brilhante e passa um tempo e vem uma continuação que acaba com todo esse brilhantismo. Acredito que todo mundo aqui já passou por alguma situação assim.

Sempre cito como exemplo a saga Hush-Hush da Beca Fitzpatrick, lançada no Brasil pela editora Intrínseca. Embora tenha lido todos os livros e ela ser uma das melhores séries do gênero sobrenatural que li nos últimos anos admito que, preferia mil vezes que a autora tivesse parado em Sussurro. Não que os outros livros sejam ruins. Mas assim, em meu ponto de vista muitos elementos inseridos no enredo foram desnecessários e com isso todo aquele clima “mágico” que me conquistou tanto no primeiro livro, acabou se perdendo.

Outros livros em que as autoras fecharam bem a história e que em meu ponto vista não precisavam de continuação são, O Lado mais Sombrio da A.G Howard lançado pela Novo Conceito e Alma? da autora Gail Garriger, lançado pela editora Valentina. E é óbvio que mesmo achando que não há necessidade de as histórias se estenderem, vou ler as duas séries até o final, pois a minha curiosidade sempre fala mais alto.
imagem: Tumblr

Temos também o caso daquelas séries que parecem intermináveis como os casos de, House of Night da PC. Cast, Como Treinar o seu Dragão da Cressida Cowell, ou Pretty Little Liars da autora Sara Shepard. E o que falar das séries que ou autores não terminam ou as editoras aparentemente se “esquecem” de lançar a continuação. É tenso leitores, muito tenso (...).

Também temos a séries como a dos Irmãos Sullivans da Bella Andre e Os Bridgertons da Julia Quinn em que cada uma conta com oito livros. Mas, essas séries em questão ao menos em meu ponto vista por mais que você pegue alguns spoilers dos livros anteriores, não há a necessidade de você seguir um “padrão” de leitura. Cada livro fala de um personagem e ponto final. Se você quiser começar do ultimo ou ler só um não tem problema.

O fato é que séries literárias nos últimos anos têm ficado cada vez mais em evidência do que livros únicos, já que probabilidade de elas se tornarem filmes ou seriados de sucesso é imensa. Há casos que nem sempre isso dá lá muito certo, como foi o caso de A Academia de Vampiros, Cidade dos Ossos e Dezesseis Luas, que não foram muito bem nas telonas enquanto, A Culpa é das Estrelas provou que livros únicos também podem levar milhões aos cinemas. 

Outro “problema” com as séries é que após algumas autoras terem estourado no mercado editorial, como foi o caso da J.K Rowling com Harry Potter e a Stephenie Meyer, com a saga Twilight os autores iniciantes acabam pensando muitas vezes que para atingir o sucesso eles precisam escrever uma série. Parem e pensem, quantos novos autores nacionais e internacionais nos últimos tempos lançaram séries que não passaram do primeiro.

Sagas são super legais, mas livros únicos também. E muitas vezes mais vale o autor escrever um livro com mais de quinhentas páginas e finalizar o que tem em mente ali, do que dividir a história e correr o risco de cair na terrível maldição do segundo livro. Afinal quem já não acabou abandonando uma série, por que o segundo livro foi decepcionante que atire a primeira pedra.

Somos leitores, e amamos ler boas histórias. Gostamos de séries, mas gostamos também de livros em que a história comece e termine nele. Adoramos olhar para nossas estantes e ver as sagas que acompanhamos completa, porém amamos quando no meio delas encontramos aquele livro que sozinho foi capaz de nos deixar encantados.

Queremos ler mais séries fantásticas sim, mas queremos livros únicos também. Por que livros únicos podem ser mágicos, viciantes, inesquecíveis e maravilhosos. Autores e editoras pensem com carinho nisso (). 

Beijos e até o próximo post!

Instagram

© 2010 - 2020 Ariane Gisele Reis | My Dear Library • Livros, divagações e outras histórias. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in