20/10/2020

A Coroa da Vingança por Colleen Houck

| Arquivado em: RESENHAS

Quem acompanha o blog há mais tempo, sabe que não gosto de publicar resenhas "negativas". Em minha opinião, a leitura é algo muito individual e às vezes um livro com o qual não tive uma boa experiência, pode ser o livro da vida de outra pessoa e vice-versa. Porém no caso específico de A Coroa da Vingança da autora Colleen Houck, preciso desabafar.

De verdade, até agora eu estou me perguntando o que a Colleen tomou para escrever o último livro da série Deuses do Egito. Sério, em alguns momentos os fatos narrados são tão inacreditáveis, que chegam a beirar o absurdo. Então já peço desculpas antecipadas porque sim, vou abrir meu coração para vocês e sem dar spoilers.

Resenha

  ISBN: 9788580417876
  Editora: Arqueiro
  Ano de Lançamento: 2018
  Número de páginas: 416
  Classificação: Tentando entender o que aconteceu até agora
Sinopse: Deuses do Egito - Livro 03
Em A Coroa da Vingança, terceira e última aventura da série Deuses do Egito, Colleen Houck nos presenteia com um desfecho tão surpreendente e inspirador quanto o elaborado universo mitológico que criou. Meses após sua pacata vida como herdeira milionária sofrer uma reviravolta e ela embarcar numa vertiginosa jornada pelo Egito, Liliana Young está praticamente de volta à estaca zero. Suas lembranças das aventuras egípcias e, especialmente, de Amon, o príncipe do sol, foram apagadas, e só resta a Lily atribuir os vestígios de estranhos acontecimentos a um sonho exótico. A não ser por um detalhe: duas estranhas vozes em sua mente, que pertencem a uma leoa e uma fada, a convencem de que ela não é mais a mesma e que seu corpo está se preparando para se transformar em outro ser. Enquanto tenta dar sentido a tudo isso, Lily descobre que as forças do mal almejam destruir muito mais que sua sanidade mental – o que está em jogo é o futuro da humanidade. Seth, o obscuro deus do caos, está prestes a se libertar da prisão onde se encontra confinado há milhares de anos, decidido a destruir o mundo e todos os deuses. Para enfrentá-lo de uma vez por todas, Lily se une a Amon e seus dois irmãos nesta terceira e última aventura da série Deuses do Egito.

Logo que iniciei a leitura de O Despertar do Príncipe, já pressenti que teria algum tipo de problema com o desenvolvimento dessa série. Mas como amo tudo que tem o plano de fundo mitologias antigas, resolvi dar uma chance para a história da jovem  Lily e a múmia renascida, quero dizer o príncipe egípcio Amon.

Mesmo com semelhanças com a Saga do Tigre, outra obra da autora, O Despertar do Príncipe foi um começo promissor em especial porque apresentou bons personagens  como, os príncipes Asten e Ahmose, além do carismático Dr. Hassan. Porém no segundo livro, O Coração da Esfinge a narrativa já trilhou um caminho perigoso em que a cada capítulo, a sensação que eu tinha era que estava “relendo uma versão não tão boa" da história de Ren, Kelsey e Kishan, mas como personagens diferentes.

Gosto muito da escrita da Colleen Houck e a Saga do Tigre é uma das minhas favoritas, mas isso não me impede de ver os vários problemas na construção da sua história. Problemas esses, que infelizmente se repetem aqui e de certa forma, conseguem ser maiores.

O primeiro ponto pode até passar despercebido por quem não tem tanto interesse em mitologia, mas o fato de a autora inserir elementos de outras mitologias como a chinesa, grega e a celta em uma história que tem como base os mitos egípcios, deixou a narrativa em diversos momentos destoante. Em várias passagens parei a leitura e me perguntei: “Mas o que isso tem a ver com o Egito antigo?”. A situação chegou a um extremo tão grande, que sempre que algo novo surgia, eu pesquisava para saber qual era a origem.

Só que isso é algo que mesmo eu sendo chata consigo relevar, afinal temos a famosa “licença poética” e talvez pouquíssimos leitores tenham se atentado a esse detalhe. Porém não tem como, (agora começa o desabafo) não ter uma síncope nervosa com o rumo que a Colleen deu para a história.

Lily sofre a síndrome da donzela indefesa e em perigo pela qual, todos os homens se apaixonam. Em A Coroa da Vingança, ela se comporta como uma criança mimada que age por impulso e com isso, acaba colocando a vida dos outros em perigo. Além disso, o recurso utilizado pela autora da personagem possuir duas outras pessoas em sua mente, a Tia a leoa e Ashleigh a fada e por isso, suas ações e sentimentos não são claros torna tudo ainda mais confuso e desnecessário.  Não sei quantas vezes tive que parar e respirar fundo, para não gritar de frustração enquanto lia esse livro.
 
Amon que não segundo livro foi quase figura decorativa aqui repetiu o papel, o que só me fez pensar em qual parte da construção da série a Colleen resolveu que ele não seria mais o protagonista. O Asten coitado, entra mudo e sai quase calado, fora que há um drama gigantesco  relacionado a ele que além de óbvio, termina de uma forma tosca como se nada tivesse acontecido. Até agora me pego pensando qual foi a necessidade de tantas lágrimas (dos personagens e não minhas porque quando chegou nessa parte, eu já estava soltando fogo pelas ventas) para depois ficar todo mundo com cara de paisagem.

Já o Ahmose, aí gente que dó desse moço. Tudo bem que dentre os três príncipes, o Ahmose é o mais sério e reservado, mas ele não merecia o que a autora faz aqui. A Colleen o transformou em um personagem carente, disposto a qualquer sacrifício por uma migalha de atenção que a Lily possa oferecer.  A Tia e Ashleigh conseguem ser tão insuportáveis, quanto a sua "hospedeira" e só deixam a narrativa mais caótica e dramática sem necessidade alguma. Aliás, o que não falta é coisa desnecessária nesse livro.

Todos os desafios apresentados aos protagonistas parecem ser impossíveis. Você lê páginas e mais páginas com os personagens lutando e sofrendo para no último momento, a solução milagrosamente aparecer.

Mas nada, nada mesmo consegue ser tão decepcionante quanto a participação do grande vilão da história, o deus Seth. Peço perdão ao Valentim Morgenstern, pelo dia que chamei ele de vilão decorativo. Não vou entrar em detalhes aqui para não dar spoilers, mas eu fique tipo: “Gente! Como assim? Não acredito que li quatro livros para isso.”

Quanto mais próximo do capítulo final, mais reviravoltas sem pé e sem cabeça a autora foi criando. E se já não bastasse a Colleen inserir na história mitos que não tem ligação nenhuma com o Egito, na tentativa de dar um final feliz para todo mundo, a solução encontrada pela autora, foi a gota d'água. A partir desse ponto eu comecei a chorar, mas de raiva mesmo.

Terminei a leitura exausta, sem saber o que pensar e o que sentir. Colleen Houck me encantou com sua escrita em A Saga do Tigre, mas depois da experiência desastrosa que tive com O Despertar dos Deuses, vou dar um tempo nas obras da autora.

Resenha
© Ariane Gisele Reis.

“Não podemos mudar a direção do vento, meu amor, mas podemos nos alinhar de modo que ele não nos derrube.”

Antes que vocês pensem que as minhas expectativas que estavam altas, posso garantir que a única coisa que esperava encontrar, era um final satisfatório com toques de romance a aventura. Porém só me deparei com uma narrativa arrastada do começo ao fim em que nada fez sentido algum.

Conforme mencionei no começo da resenha, não gosto de trazer opiniões negativas. Mas como vocês puderam perceber, essa blogueira aqui realmente precisava desabafar.  Por isso, se alguém que está lendo essa resenha tiver interesse de ler a série,- leia. Às vezes a sua visão da história,  vai ser completamente diferente da minha. 

Comentários via Facebook

14 comentários:

  1. Eu entendo muito essa questão de não fazer resenha sobre livros que não gostamos, mas tem vez que a gente precisa desabafar mesmo. Acho muito chato quando o autor quer dar um final feliz para todos e acabam fugindo do enredo principal. Quero meus personagens com final feliz? Quero muito, mas também quero minha história fazendo sentido. As vezes não dá para ter os dois.

    Beijinhos
    Renata

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ane

    Eu acho importante a gente dividir nossas experiências negativas, pois às vezes as pessoas encontram acalento ao encontrar alguém que teve as mesmas impressões, sabe? Quando eu não gostei de um determinado livro que todo mundo tá amando eu fico super aliviada quando encontro alguém que também não curtiu. Desde que seja uma crítica com respeito, tipo a sua, não vejo como algo negativo, e sempre reitero que é a minha opinião e a pessoa deve ler para tirar as próprias conclusões.

    Agora, sobre o livro... acho que vou colocar o primeiro volume pra troca ano skoob será que consigo? Tem caixinha e tudo! hahahaha Eu não gosto do gênero e por isso nunca tive uma vontade real de ler algo da autora porque ela tem uma pegada fantasiosa demais e o gênero só funciona comigo quando tem um lado mais pé no chão. Por isso que eu enrolei uma vida pra ler, a editora me enviou de presente e tá aqui até hoje... melhor botar pra rolo porque eu tenho certeza que eu ia passar raiva igual a você.
    Eu amo o Egito antigo e misturar esse monte de mitologia aí pra mim é um sacrilégio! E eu AMO vilões, então esse seria outro ponto que ia me irritar... nem sei o que ela aprontou, mas vi que boa coisa não foi! hahahahah

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  3. Oie!

    Que pena que não te agradou. Mas vou te dizer que mesmo assim fiquei curiosa demais pra ler esses livros, pois adoro tb essas historias com mitologia. Com certeza já irei com outros olhos pela sua crítica. Também sou dessas que para no meio da leitura pergunta "que p**a é essa?!" ...a raiva que dá!!

    Outra coisa, ri demais com o seu "elogio" a Valentim Morgensten hahaha achei que só eu achava ele decorativo!

    Beijos!!

    http://estanteflordelis.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Ane,
    Ah, eu odeio quando autores deixam pra resolver as coisas nos últimos minutos, principalmente coisas que precisam de um foco maior pra interpretação. Ainda bem que não tinha lá umas 600 pgs igual a umas fantasias aí. Lado positivo. haha
    eu gosto de ler resenhas negativas pq as vezes um livro tem só comentário positivo, e acabo estranhando e ignorando.

    tenha uma ótima semana :D
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  5. Oi, Ariane como vai? Infelizmente para nós blogueiros existem leituras que não nos cativam, e nos decepcionam. Que chato que este livro pra você tenha sido tão frustrante, decepcionante e às vezes chocante. Eu não li este livro, aliás eu só li um livro desta autora, e não gostei muito. É chato isso ocorrer, contudo é muito frequente. Adorei sua resenha. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Ane!

    Eu também gosto muito, muito mesmo da escrita da Colleen Houck. Acho o embasamento das histórias dela maravilhosos, suas descrições, a forma como ela explica o passado e a mitologia. Mas a forma como constrói os personagens e tem esse vício insuportável em triângulos amorosos, aí já não suporto. Terminei a série do tigre aos trancos e barrancos, passando nervoso, e não sei como resolvi ler O despertar do príncipe, acho que por já fazer tempo que eu havia terminado a outra série e estar com saudades da escrita dela. E esse livro é mesmo incrível e muito empolgante, eu amei!!! Mas quando cheguei no segundo volume e vi que ela ia seguir a mesma trajetória da outra série, aí larguei. E pela sua resenha parece que fiz bem, porque no fim a autora se perdeu bastante em vários aspectos. Uma pena, porque a ideia era bem original e envolvente :(

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Olá, Ane.
    Eu não gosto de fazer resenhas negativas também não, mas acredito que são necessárias porque as vezes tem alguém achando o mesmo que eu e tá pensando que leu a história errada porque todo mundo só viu maravilhas no livro hehe. Eu tenho o primeiro que comprei logo que lançou porque amo histórias do Egito, mas nem li e nem lerei porque a sua não é a primeira, foram várias resenhas negativas que encontrei da série.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  8. Oi Ane,
    Essa série não funciona comigo desde o primeiro livro. Li dois deles e não sei, algo não encaixou, sabe? Tanto que já até os troquei e não me animei a comprar as continuações, mesmo as capas sendo lindas demais!
    E sobre a questão da sua resenha negativa, acho que o blog é exatamente para isso, você desabafar, ser você mesma sem julgamentos ou condenações. Resenha negativa, ninguém gosta, mas é seu espaço e ser honesta é muito importante.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Oie Ane!

    Eu li dois da autora, que são da saga do Tigre mesmo, mas no segundo eu já fiquei morrendo de raiva kkkkkkk Eu não terminei, mas queria muito terminar um dia. Mas não crio coragem :(
    Pena que esse te deixou na raiva, poxa!!Agora é melhor dar um tempinho pra não ficar no ódio da autora >_<

    Bjs!
    Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

    ResponderExcluir
  10. OI Ane! Ela viajou na Saga do tigre em vários momentos, mas eu curti. Já esta série, o primeiro livro não me conquistou tanto assim e acabei não lendo os demais. Na verdade, não pretendo ler. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  11. Oi
    uma pena que a autora não soube dar um desfecho descente para a serie, tão ruim quando isso acontece, nunca li nada da autora e confesso que não tenho muito interesse, já tive vontade de ler o primeiro dessa série, mas acabei até esquecendo da existência da história.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Oi Ane, tudo bem?
    Alguns autores acabam repetindo sua própria fórmula pra tentar atingir novamente o sucesso daquilo que deu certo antes. Parece ser o caso aqui, infelizmente. :(
    Mas gostei de saber suas impressões. Se tiver que escolher uma série da autora pra conhecer, optarei pela do tigre.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  13. Eu também tenho certo apego com a saga do Tigre, só por causa da mitologia que ela trouxe. Mas a trama em si tem muitos furos e que incomodam mesmo. Quando li a prévia dessa, desanimei, porque pensei logo que estava "lendo a mesma história, com personagens diferentes". E pela sua resenha, é bem isso mesmo... =s O que é um apena, pois a autora tinha tudo para ser uma das favoritas em fantasia... =/
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

    ResponderExcluir
  14. Oi.
    Não é todo livro que lemos que publicamos né rs, tem livros que no momento não funcionou bem com a gente e é só uma questão mesmo de opinião. Super te entendo, e pena que terminou essa leitura exausta.
    A capa desse livro é linda, não li nenhum da série ainda.
    Beijos.



    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir

Instagram

© 2010 - 2020 Ariane Gisele Reis | My Dear Library • Livros, divagações e outras histórias. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in