Sponsor

Mostrando postagens com marcador filmes. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador filmes. Mostrar todas as postagens
05/06/2017

Mulher-Maravilha

| Arquivado em: FILMES.

Oie leitores, tudo bem por aqui?

Quem me acompanha no Instagram já sabe que ontem eu fui ao cinema conferir o filme da Mulher-Maravilha. E por esse motivo, no post de hoje vou compartilhar com vocês o que achei do filme. Mas já adianto que para uma pessoa declaradamente #teamMarvel, Mulher-Maravilha é sem sombra de dúvidas o melhor filme lançando em 2017, até o momento.

imagem: Divulgação.
Que fique claro que não tenho nada contra os personagens da DC Comics, muito pelo contrário adoro o Superman e a Mulher-Maravilha. Porém sendo bem sincera com exceção de Batman: O Cavaleiro das Trevas (2002), todo os filmes produzidos entre a editora e a Warner Bros., ou não me chamaram a atenção ou quando chamaram acabaram se revelando uma decepção. Batman Vs Superman é um bom exemplo disso. Tanto que na minha humilde opinião o que salvou o filme foi justamente a participação da Mulher-Maravilha.

imagem: Divulgação.
Logo de cara o filme já me deixou de queixo caído com a forma belíssima que Temiscira foi projetada. Mesmo que a direção do filme tenha optado por basear o cenário na arquitetura romana e não na grega do qual a história das Amazonas se deriva, tanto a ambientação como as construções ficaram fantásticas.  E por mais que a participação das Amazonas possa ser considerada “pequena” quando olhamos o filme como um todo, é indiscutível que tanto a rainha Hipólita (Connie Nielsen) como a Antiope (Robin Wright) tiveram um papel importante no desenvolvimento do enredo.

imagem: Divulgação.
Porém o que se destaca em Mulher-Maravilha é o fato de que Diana Prince (Gal Gadot) é retratada não somente como mais uma heroína capaz de salvar o mundo. A personagem possui um toque de inocência que em momento algum é tratada de forma leviana.  Diana é forte, mas nem ela mesma sabe o tamanho de sua força e poder, além disso, o desejo dela de querer acabar com a guerra e salvar o inocentes é tão genuíno que enquanto assistia ao filme várias vezes pensei comigo mesma, que o mundo precisa de mais "Dianas Princes".

imagem: Divulgação.
Chris Pine está muito bem no papel do carismático soldado Steve Trevor. Ele e a Gal Gadot possuem uma boa química na tela e juntos protagonizaram não somente ótimas sequências de ação, mas cenas leves e até mesmo emocionantes. E apesar da sua evidente fragilidade quando comparado com a protagonista, Steve também se revela uma peça chave na trama. Além disso, um dos pontos que a meu ver a Marvel vem falhando nos seus últimos filmes é no desenvolvimento do vilão. Por esse motivo fiquei bem feliz pela forma como aqui ele foi bem trabalhado tendo não apenas uma participação digna, mas de fato arrasadora.

imagem: Divulgação.
O filme possui uma bela fotografia e uma palheta de cores sóbria sem ser sombria, o que deu as cenas com um contraste harmonioso. O figurino também é muito bonito com trajes característicos da década de vinte, porém o que eu mais gostei foi que a produção fugiu do clichê ao retratar as Amazonas. Quem esperava as tradições e ornamentadas roupas gregas, teve uma grande surpresa ao se deparar com um figurino digno de grandes guerreias.

imagem: Divulgação.
Como uma trilha sonora maravilhosa, assinada por Rupert Gregson-Williams, Mulher-Maravilha veio para mostrar que um filme de super-herói pode ser muito mais do que boas cenas de ação e alívios cômicos. Patty Jenkins dirigiu um filme que tem alma e em que vemos o crescimento de uma personagem que começou até certo ponto um tanto “ingênua” e idealista, se transformando em uma heroína de verdade.  Nunca o poder feminino foi tão bem representado nas telas como agora.

Ficha Técnica:
Mulher Maravilha
Título Original: Wonder Woman
Duração: 2h21min
Gênero: Fantasia
Direção: Patty Jenkins
Música: Rupert Gregson-Williams
Produção: Charles Roven, Deborah Snyder, Zack Snyder e Richard Suckle
Elenco: Gal Gadot (Diana Prince / Mulher Maravilha), Chris Pine (Steve Trevor), Connie Nielsen (Hipólita), Robin Wright (Antiope), Danny Huston (Ludendorff), David Thewlis (Sir Patrick), Elena Anaya (Dr. Maru), entre outros.





Sinopse: Treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível, Diana Prince nunca saiu da paradisíaca ilha em que é reconhecida como princesa das Amazonas. Quando o piloto Steve Trevor se acidenta e cai numa praia do local, ela descobre que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e decide deixar seu lar certa de que pode parar o conflito. Lutando para acabar com todas as lutas, Diana percebe o alcance de seus poderes e sua verdadeira missão na Terra.

Trailer:
Trilha Sonora:

Repito aqui o que disse no começo do post. Até o momento Mulher-Maravilha é o melhor filme de 2017. Confesso que não tinha nenhuma expectativa em relação ao filme, visto minha decepção com as últimas adaptações das histórias em quadrinhos da DC Comics para o cinema. Mas para minha felicidade sai do cinema querendo assistir ao filme de novo. Por isso, fica aqui a minha dica, - Assistam Mulher-Maravilha!

Beijos e até o próximo post;***

19/03/2017

A Bela e a Fera

| Arquivado em: FILMES.

Olá leitores, como foram de final de semana?

E como final de semana combina com livros e filmes, hoje eu vou compartilhar com vocês o que achei do tão esperado live action de A Bela e a Fera.

imagem: Divulgação.
Confesso que mesmo estando bastante ansiosa para assistir ao filme, uma parte de mim estava morrendo de medo de se decepcionar. Afinal não escondo de ninguém que de todos os lives actions que a Disney lançou nos últimos anos, o único que gostei foi de Mogli: O Menino Lobo. Porém, apesar do meu receio, lá estava eu com as minhas amigas na fila para assistir a estreia de nosso clássico favorito. E só posso adiantar uma única coisa, - foi mágico.

imagem: Divulgação.
A Bela e a Fera foi o primeiro filme da Disney que assisti na vida. Eu tinha seis anos e fiquei encantada pela história. Por isso rever um filme que marcou tanto a minha infância, e por que não dizer a minha vida, já que esse foi filme que vi inúmeras vezes em uma nessa nova versão tão linda e delicada foi realmente fantástico. E sim, não nego que fiquei desidratada de tanto chorar.  Até por que posso ser uma Ice Queen, mas no fundo bem lá no fundo sou uma menina meiga e fofa, juro.

imagem: Divulgação.
Como acredito que todos assistiram ao filme pelo menos uma vez na vida, ou conhecem a história por cima, não vou entrar em detalhes sobre o enredo.  Mas, imagino que é um pouco óbvio que assim como nos outros live actions, aqui também os roteiristas acabaram inserindo uma coisa ou outra que não tem no clássico original.  Em alguns momentos esses novos elementos funcionaram muito bem, e até deram um toque especial à história. Mas em outros eles infelizmente “ofuscaram” um pouco a magia presente no desenho.

imagem: Divulgação.
Gostei do fato da feiticeira ter tido uma participação maior, só que não nego que em uma cena especifica tive a sensação que ela estava “sobrando”.  Também confesso que do mesmo modo que não curto quando os relacionamentos nos livros acontecem de forma muito rápida, aqui achei que os roteiristas podiam ter trabalhando melhor a relação da Bela e o Príncipe

imagem: Divulgação.
Claro que é lindo ver os dois começando a se apaixonar, mas para a paixão se tornar em um amor capaz de quebrar uma maldição o caminho é um pouco mais longo. Tipo o filme foi o mais fiel possível ao desenho, porém já que estavam inserindo coisas a mais e aumentando a participação de alguns personagens, em minha opinião o relacionamento dos protagonistas podia ter sido um pouquinho mais trabalhado. Só acho (...).

imagem: Divulgação.
E já que mencionei a maior participação de alguns personagens, tenho que dizer que me surpreendi muito com o Le Fou (Josh Gad). Se no desenho ele quase passa despercebido, no filme ele consegue se destacar e conquistar a nossa simpatia. Luke Evans está incrível no papel de Gaston. Ele conseguiu dar vida ao personagem de tal forma que o transformou em um vilão realmente detestável.  Sim passei muita raiva com o Gaston, mas do que já passei assistindo ao desenho.

imagem: Divulgação.
Para quem estava preocupado com a participação dos nossos queridos objetos animados, só posso garantir que tudo está maravilhoso. Amei o modo como eles foram humanizados. Além disso, o filme nos traz um breve vislumbre sobre como era à relação do príncipe com seus pais e nos mostra o que aconteceu com a mãe da Bela. Isso foi um toque todo especial ao filme, já que no desenho não sabemos nada sobre eles.

imagem: Divulgação.
E acho que não preciso dizer o quanto fiquei feliz com a escolha da Emma Watson para o papel, assim como fato da interpretação dela ter sido magnífica aqui. O que sempre gostei na Bela é justamente a independência da personagem, pois ao contrário das outras princesas é ela que "salva" o príncipe e não ao contrário. A Bela representa bem o modo como uma mulher pode sonhar em viver um grande amor e mesmo assim não abrir mão de sonhos e ideais por isso.

A mensagem do filme sempre foi essa, “Siga seu coração e não julgue pelas aparências”, e ver que isso foi mantido me deixou muito emocionada. Dan Stevens se saiu bem no papel de Fera/Príncipe. Ele conseguiu transmitir bem os dilemas e incertezas do personagem.

O cenário e a fotografia estão simplesmente maravilhosos, e foi lindo ver e ouvir na hora da valsa várias pessoas cantando “Sentimentos são...”. O que dizer dessa trilha sonora?! As músicas originais e as novas estão incríveis, tanto que já salvei o álbum no Spotify.  E de todos os filmes que vi em 3D até hoje, me arrisco a dizer que A Bela e a Fera foi o mais perfeito de todos. Sério o filme está lindo demais gente! Ou vocês acham que é todo filme que no final é aplaudido? Por que foi exatamente isso que aconteceu na sessão que fui, ao final muitos de olhos vermelhos e fungando aplaudiram o filme. Foi emocionante !

Ficha Técnica:
Bela e Fera
Título Original: Beauty and Beast
Duração: 2h14min
Gênero: Fantasia| Romance
Direção: Bill Condon
Música: Alan Menken
Produção: David Hoberman, Todd Lieberman e Don Hahn
Elenco: Emma Watson (Bela), Dan Stevens (Fera/Príncipe Adam), Luke Evans (Gastão), Kevin Kline (Maurice), Josh Gad (Le Fou), Ewa McGregor (Lumiere), Ian McKellen (Cogsworth), Emma Thompson (Mrs. Potts), entre outros.









Sinopse: Moradora de uma pequena aldeia francesa, Bela (Emma Watson) tem o pai capturado pela Fera (Dan Stevens) e decide entregar sua vida ao estranho ser em troca da liberdade dele. No castelo, ela conhece objetos mágicos e descobre que a Fera é, na verdade, um príncipe que precisa de amor para voltar à forma humana.

Trailer:

Trilha Sonora:

A Bela e a Fera superou todas as minhas expectativas e me deixou com um gostinho de quero mais. Tudo bem que algumas coisas me “incomodaram” um pouco, mas é por que sou chata mesmo. Por isso, não duvidem que essa que vos escreve vá ao cinema assistir essa lindeza novamente. Até por que esse é aquele tipo de filme que merece ser visto muitas e muitas vezes .

24/11/2016

Animais Fantásticos e Onde Habitam

| Arquivado em: FILMES.

Oie pessoas =)

O grande dia chegou! No último sábado (19) finalmente fui assistir um dos filmes mais esperados por mim em 2016, - Animais Fantásticos e Onde Habitam. Como uma Potterhead assumida, mal podia conter a minha ansiedade para voltar ao mundo encantado que J.K Rowling magistralmente criou.

imagem: Divulgação.
Como sei que muitos de vocês já devem ter lido inúmeras resenhas sobre o filme desde que ele chegou aos cinemas. Eu mesma já li algumas, não vou abordar  nesse post a história e o enredo do filme em si. Pois acredito ser mais válido, compartilhar como vocês todos os meus sentimentos e impressões que tive enquanto assistia Animais Fantásticos e Onde Habitam.

imagem: Divulgação.
Desde que esse spin-off foi anunciado a minha maior preocupação era saber como um livro de apenas sessenta e três páginas seria adaptado em longa metragem. Nesses casos por mais fã que sejamos não deixamos de pensar que a produção pode se tratar de mais uma caça níquel. Principalmente depois de várias declarações da própria J.K Rowling dizendo que a história de Harry Potter tinha acabado. Mas ai veio à peça, um oitavo livro e Animais Fantásticos e Onde Habitam. Ainda bem que a Rowling voltou atrás, não é mesmo?

imagem: Divulgação.
Logo nos primeiro segundos do filme meus olhos se encheram de lágrimas quando ouvi os acordes iniciais de Lumos!. Afinal me diga qual fã de Harry Potter que não sente o coração bater mais forte quando essa música maravilhosa começar a tocar? E bastou apenas alguns segundos para que toda a tensão e o medo que essa que vos escreve estava sentindo acabar. Por que sendo bem honesta, eu estava sim, morrendo de medo de não gostar do filme.

imagem: Divulgação.
Até por que antes mesmo de sua estreia Animais Fantásticos e Onde Habitam gerou uma grande polêmica e espalhou a discórdia entre os fãs com a divulgação que o Johnny Depp seria o Gellert Grindelwald. Quem é ativo no Twitter deve ter visto a hashtag #NotMyGrindelwald como um dos assuntos mais comentado no microblog durante as cerimônias de pré-estreia do filme lá fora.  Eu, Ariane admito que o Depp não seria a minha primeira escolha para o papel, assim como o Colin Farrell que interpretou o auror Percival Graves. Por isso não vou negar que também fiquei chateada, mas decidi não permiti que esse “mero detalhe” manchasse o meu amor por tudo que a J.K Rowling criou.

imagem: Divulgação.
Animais Fantásticos e Onde Habitam possui alguns elementos que vimos nos filmes de Harry Potter. Só que tipo por se tratar de um filme com um elenco adulto imaginei que o filme teria um tom mais "sombrio". Porém embora o enredo tenha umas cenas “obscuras” o mesmo possui várias cenas de alivio cômico.  Em parte é isso se tornou necessário por causa da nos animais fantásticos, mas fiquei com a sensação que foram cenas "engraçadinhas" demais. Não sei, mas pelos trailers e pela trama se passar na época do Grindelwald, eu esperava algo mais “sério”, por assim dizer.

Mas se os roteiristas seguirem a mesma linha da Harry Potter, nós podemos esperar que no decorrer dos cinco filmes (sim serão cinco filmes) essa atmosfera vai aos pouco mudando. Até por que segundo declarações da própria J.K Rowling nessa nova franquia histórias ligadas ao passado do nosso amado Alvo Dumbledore e as Relíquias da Morte serão abordas. E tipo, já estou curiosa, muito curiosa para ver isso *-*.

imagem: Divulgação.
Como um filme introdutório Animais Fantásticos e Onde Habitam nos apresenta uma nova sociedade bruxa, que para se manter secreta segue as rígidas regras instituídas pelo MACUSA. Só que mesmo, o Congresso Mágico dos Estados Unidos da América tendo um papel importante, achei a participação da Presidente Seraphina Picquery (Carmen Ejogo) bem pequena. Já um personagem que me surpreendeu bastante foi o Credence (Ezra Miller). O Ezra sempre de destaca em papeis fortes e dramáticos, e aqui não foi diferente. E apesar de não ter gostado muito da escalação do Colin Farrell, admito que ele se saiu muito bem no papel.

Gostei bastante do Jacob Kowalski (Dan Fogler), até por que essa foi a primeira vez que um no-maji (trouxa) desempenhou um papel importante em uma trama passada no universo de Harry Potter. A interação dele com a Queenie (Alison Sudol) é ótima e rende boa cenas de humor. Adorei  também o Newt Scamander (Eddie Redmayne) e a Tina (Katherine Waterston). Porém confesso que achei que a Tina e o Kowalski se destacaram mais que o próprio Newt em alguns momentos.

imagem: Divulgação.
Os efeitos especiais e a fotografia do filme estão impecáveis. O figurino está lindo também, mas senti falta do toque do John Williams na trilha sonora.  Mas no contexto geral sai bastante satisfeita com o que vi. Foi lindo poder voltar ao mundo criado pela J.K, como vai ser maravilhoso sentir essa ansiedade pela estreia dos próximos filmes no cinema. Alguns pontos precisam ser mais trabalhados nas sequencias, - sim. Mas vamos ser bem sinceros, apesar de ser ótimo, Harry Potter e A Pedra Filosofal está longe de ser o melhor filme da saga. Acredito vem muita coisa boa nos próximos anos.

Ficha Técnica:
Animais Fantásticos e Onde Habitam
Título Original: Fantastic Beasts and Where to Find Them
Duração: 2h 13min
Gênero: Fantasia| Aventura
Direção: David Yates
Música: James Newton Howard
Produção: David Heyman, J.K Rowling e Steve Kloves.
Elenco: Eddie Redmayne (Newt Scamander), Katherine Waterston (Porpentina Goldstein), Dan Fogler (Jacob Kowalski), Alison Sudol (Queenie Goldstein), Colin Farrell (Percival Graves), Ezra Miller (Credence), Carmen Ejogo  (Seraphina Picquery), Gellert Grindelwald (Johnny Depp), entre outros.





Sinopse: O excêntrico magizoologista Newt Scamander (Eddie Redmayne) chega à cidade de Nova York levando com muito zelo sua preciosa maleta, um objeto mágico onde ele carrega fantásticos animais do mundo da magia que coletou durante as suas viagens. Em meio a comunidade bruxa norte-america, que teme muito mais a exposição aos trouxas do que os ingleses, Newt precisará usar todas suas habilidades e conhecimentos para capturar uma variedade de criaturas que acabam fugindo.

Trailer:

Para os fãs de Harry Potter,  Animais Fantásticos e Onde Habitam é um doce retorno ao mundo que aprendemos a amar no decorrer dos anos. É impossível não se senti nostálgico e sair da sala querendo rever o filme. Já para quem nunca foi tão fã assim das histórias do bruxinho, é uma opção interessante se você gosta de aventura e filmes mais leves.

Beijos e até próximo post ;****

ps: Quero um Thunderbird ()!

07/11/2016

Doutor Estranho

| Arquivado em: FILMES.

Esse mês chega aos cinemas os filmes mais esperados por essa que vos escreve, - Doutor Estranho e Animais Fantásticos e Onde Habitam. É realmente um mês lindo para um nerd e potterhead assumida como eu.  Então como a ansiedade está a mil, resolvi aproveitar o feriado na quarta-feira passada para conferir o ultimo lançamento da Marvel para os cinemas, Doutor Estranho.

imagem: Divulgação.
Embora o Capitão América seja o meu super-herói favorito, devo confessar que dentro do vasto e riquíssimo universo da Marvel o Doutor Estranho sempre foi aquele personagem com um lugarzinho especial em meu coração. Afinal, como vocês já sabem sou fã de histórias que tenham um pezinho na fantasia, repletas de magia e magos poderosos. E Doutor Estranho, o Mago Supremo tem muito disso, além de claro uma boa dose de ação que torna suas histórias mais dinâmicas.

imagem: Divulgação.
Quando soube que finalmente a Marvel traria o personagem para o cinema, meu coração nerd quase não se conteve de felicidade. Ainda mais sabendo que o autor que interpretaria o meu mago favorito dos quadrinhos seria ninguém menos do que o mozão, digo Benedict Cumberbatch ().

imagem: Divulgação.
Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) é um neurocirurgião bem sucedido que para alimentar ainda mais o seu ego e prestigio está sempre em buscas dos casos raros e difíceis de serem solucionados.  Arrogante Dr. Strange é daquele tipo de pessoa que não faz a menor questão de se dar bem com seus companheiros de trabalho, a não ser como a Doutora Christine Palmer (Rachel McAdams), sua ex-namorada. Porém, após de um trágico acidente de carro Dr. Strange acaba ficando com as mãos debilitadas e com isso impedido de exercer a sua profissão. 

imagem: Divulgação.
Depois de passar por vários procedimentos cirúrgicos e tentar todos os tipos de tratamento que o dinheiro pode pagar sem nenhum resultado, Dr. Strange parte em busca de Kamar-Taj.  Esse local misterioso fica em Katmandu no Nepal, mas ao contrário do que Stephen imaginava ele está longe de ser um simples centro medicinal. Kamar-Taj é um lugar místico em que a Anciã (Tilda Swinton) e outros mestres protegem nosso mundo das forças malignas.

imagem: Divulgação.
Agora além de tentar recuperar o seu corpo, Dr. Strange aprende junto outras pessoas que vão à Kamar-Taj buscando uma cura, a treinar sua mente e com isso ele adquire poderes mágicos. Só que Kaecilius (Mads Mikkelsen) e seus seguidores fanáticos estão cada vez mais próximos e com eles a destruição da Terra como conhecemos. Stephen Strange terá então que escolher se volta para a sua vida normal, enquanto Kaecilius não concretiza seu plano maléfico, ou se vai se unir aos mestres de Kamar-Taj para impedir que isso aconteça.

imagem: Divulgação.
Doutor Estranho é aquele tipo de filme que prende nossa atenção do começo ao fim. No somente pelos ótimos personagens e diálogos inteligentes regados com uma boa dose de sarcasmo e humor, mas por conta de seus efeitos visuais que são realmente incríveis. O único ponto “negativo” que o filme tem em minha opinião é o vilão. Não que a interpretação de Mads Mikkelsen não seja convincente, mas fiquei com a sensação que o personagem não foi tão bem desenvolvido aqui.  O mesmo vale para o Dormammu, que é um dos grandes vilões da Marvel nos quadrinhos, mas que no filme não de destacou tanto.

imagem: Divulgação.
Gostei muito da participação da Rachel McAdams, pois a personagem dela dá a trama não somente um alívio cômico entre uma cena de ação e outra, mas por que é através das interações da Christine como o Stephen que conseguimos perceber um pouco da “fragilidade” do Dr. Stranger. Já a participação de Tilda Swinton como a Anciã rendeu ao filme não apenas algumas das melhores cenas de ação, mas principalmente os efeitos visuais mais incríveis. Além disso, não se pode negar que a Tilda sempre arrasa e claro que aqui não foi diferente.

imagem: Divulgação.
O mesmo vale para o Benedict Cumberbatch e não digo isso por que sou fã do ator, porém quem já assistiu outros trabalhos dele como em Sherlock, O Quinto Poder e O Jogo da Imitação sabe o quando ele é talentoso. E de verdade, assim como não imagino outro ator que não seja o Chris Evans sendo o Capitão América nos cinemas, em minha opinião a escolha de Benedict Cumberbatch para dar vida a Stephen Strange foi perfeita.

imagem: Divulgação.
Apesar de achar o filme um pouco acelerado em alguns momentos e ter sentido a falta de um vilão mais “convincente” sai do cinema bastante satisfeita. Mal posso esperar ver a participação do Doutor Estranho em outros universos da Marvel.  Afinal, quando se trata de Marvel sabemos que todos os seus mundos e personagens estão conectados de alguma forma.

Ficha Técnica:
Doutor Estranho.
Título Original: Doctor Stranger
Duração: 1h 55min
Gênero: Fantasia| Aventura
Direção: Scott Derrickson
Música: Michael Giacchino.
Produção: Kevin Feige
Elenco: Benedict Cumberbatch (Doutor Estranho), Chiwetel Ejiofor (Barão Mordo), Tilda Swinton (Anciã), Rachel McAdams (Christine Palmer), Mads Mikkelsen
(Kaecilius), Benedict Wong (Wong), entre outros.





Sinopse: Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) leva uma vida bem sucedida como neurocirurgião. Sua vida muda completamente quando sofre um acidente de carro e fica com as mãos debilitadas. Devido a falhas da medicina tradicional, ele parte para um lugar inesperado em busca de cura e esperança, um misterioso enclave chamado Kamar-Taj, localizado em Katmandu. Lá descobre que o local não é apenas um centro medicinal, mas também a linha de frente contra forças malignas místicas que desejam destruir nossa realidade. Ele passa a treinar e adquire poderes mágicos, mas precisa decidir se vai voltar para sua vida comum ou defender o mundo.

Trailer:


Se você está procurando um filme cheio de ação com as doces certas de mistério e humor, garanta logo seu ingresso e vá assistir Doutor Estranho. Sem sombra de duvidas um dos melhores filmes que assisti em 2016.

Beijos e até o próximo post;***

12/09/2016

Pets - A Vida Secreta dos Bichos

| Arquivado em: FILMES.

Olá pessoas =)

Aproveitei o feriado da semana passada para ir ao cinema e conferir um filme que desde que vi o primeiro trailer fiquei curiosa para assistir, o Pets - A Vida Secreta dos Bichos. Quem me conhece pessoalmente sabe que sofro da “síndrome da Felícia”, ou seja, pode ter certeza que cedo ou tarde vou fazer você passar vergonha. Sim, sou daquelas doidas que não pode ver um cachorro ou gato na rua que já sai correndo falando com aquela voz aguda e irritante. Mas cá entre nós, pets são tudo de bom ().

imagem: Divulgação.
No filme conhecemos o Max, um cãozinho que foi adotado ainda filhote por Katie. Conforme os anos passam Max se acostuma com a rotina de ser só ele e Katie, até que um dia sua dona aparece com uma surpresa em casa, - o Duke. Obviamente Max não gosta nada da história de ter que dividir seu território e especialmente a sua dona com outro cachorro, por isso ele começa a tornar as coisas bem difíceis para Duke. Só que o Duke de bobo não tem nada e resolve dar uma bela lição em Max. Porém o plano não sai como o imaginado e os dois acabam se metendo em uma encrenca enorme.

imagem: Divulgação.
Pets - A Vida Secreta dos Bichos apresenta uma boa premissa, afinal acredito que todo dono de um animalzinho de estimação já se perguntou, o que ele fica fazendo quando nós “seus humanos” não estamos em casa. Eu mesma desconfio que o Sr. Hércules Godofredo da Silva Reis (Godofredinho para os íntimos) dorme o dia todo.  Por esse motivo, arrisco-me em dizer que a Illumination Entertainment criou um filme perfeito para os amantes dos animais.

imagem: Divulgação.
O filme é muito colorido daqueles que logo na primeira cena já nos deixa encantados com a riqueza de detalhes. Os personagens possuem personalidades muito próprias o que contribui para quem está assistindo acabe se envolvendo e se apagando a eles. Eu gostei de todos de um modo geral, mas tenho que confessar que os meus favoritos são a fofíssima Gidget e o Bola de Neve. Sério, mesmo ele parecendo um coelho psicótico, o Bola de Neve só é incompreendido pela sociedade. Garanto a vocês que ele é super fofo ().

imagem: Divulgação.
Como a maioria das animações, Pets - A Vida Secreta dos Bichos possui um ritmo bem acelerado e uma trilha sonora POP atual, o que impede a monotonia. Esse é um daqueles filmes que você nem sente passar, de tão bonitinha e envolvente que é a história. Porém o que mais me chamou atenção na trama é o modo muito sutil com que o abandono dos animais é explorado aqui. E não apenas cães e gatos, mas animais exóticos como cobras, lagartos entre outros.

imagem: Divulgação.
Muitas até gostam da “ideia” de ter um animal de estimação, mas depois que empolgação inicial passa e elas percebem que esse bichinho requer mais cuidados do que apenas carinho e comida, a coisa toda perde a “graça”. O mesmo ocorre quando o animal fica mais velho e doente. De verdade me corta o coração quando vejo esses tipos de caso e o filme consegui retratar de forma lúdica e ao mesmo tempo muito clara o estrago que esse abandono causa no psicológico do animal.

imagem: Divulgação.
Gostei bastante do fato dos roteiristas terem inserido esse contexto na animação. Afinal sendo um filme voltado mais para o público infantil (no qual nós entramos de penetra) é importante trazer esse tipo de mensagem, para conscientizar os pequenos que animal de estimação não é brinquedo. A única coisa que senti falta é daquela cena mais emocionante, ou que pudesse ser considerado o grande clímax da história. O final até tem um momento mais “tenso”, mas nada que fizesse com que eu realmente ficasse emocionada. Até por que imagino que levar as pessoas às lágrimas definitivamente, não estava nos planos aqui.

imagem: Divulgação.
Ficha Técnica:
Pets - A Vida Secreta dos Bichos
Título Original: The Secret Life of Pets
Duração: 1h 27min
Gênero: Animação
Direção: Yarrow Cheney e Chris Renaud
Música: Alexandre Desplat.
Produção: Robert Taylor (III)
Elenco: Max (Danton Mello), Duke (Tiago Abravanel), Bola de Neve (Luis Miranda), Gidget (Tatá Werneck), entre outros.






Sinopse: Max é um cachorro que mora em um apartamento de Manhattan. Quando sua querida dona traz para casa um novo cão chamado Duke, Max não gosta nada, já que seus privilégios parecem ter acabado. Mas logo eles vão ter que pôr as divergências de lado quando um incidente coloca os dois na mira da carrocinha. Enquanto tentam fugir, os animais da vizinhança se reúnem para o resgate e uma gangue de bichos que moram nos esgotos se mete no caminho da dupla.

Trailer:
Com uma trama bem simples que apresenta de forma descontraída a relação de donos e seus animais de estimação, Pets - A Vida Secreta dos Bichos é um filme que pode ser assistido por toda família. Como fã de animações e mãe de pet, eu simplesmente adorei o que vi. Pode até ser que para os mais exigentes o filme pareça clichê e não apresente nada de novo, mas para quem busca algo leve e divertido, garanto que ele é a opção perfeita.

09/05/2016

Capitão América: Guerra Civil

| Arquivado em: FILMES.

Olá leitores, tudo bem com vocês?

Quem acompanha o blog há mais tempo, sabe o quanto sou fã da Marvel. Por esse motivo, sempre fico na maior expectativa quando o estúdio lança um novo filme ou série. E esse ano um dos lançamentos mais esperados por mim era o filme, Capitão América: Guerra Civil.
imagem: Divulgação.
Vou confessar que sim, - o Capitão América () é o meu herói favorito dentro do Universo da Marvel.  Comecei a me interessar pelo personagem e a gostar dele por causa das referências que são feitas ao personagem em alguns episódios dos desenhos de X-MEN. Ou seja, como vocês podem perceber é um amor antigo. Em Capitão América: Guerra Civil nós temos uma das produções mais maduras da Marvel, porém apesar do tom mais sombrio e sério o filme conta também com momentos leves e engraçados. Afinal, nada como um "alívio cômico" para amenizar a tensão.

imagem: Divulgação.
Sokovia pode ser considerada como um divisor de águas na história de Os Vingadores. Após a batalha com Ultron as opiniões a respeito do grupo de pessoas aprimoradas com habilidades especiais ficam divididas. Para muitos eles são verdadeiros heróis, para outros eles representam um perigo enorme para humanidade. Tento isso em mente, governos de várias nações propõem o Tratado de Sokovia, que tem como objetivo “controlar” a ação dos heróis já que a partir da sua assinatura nenhum deles poderá assumir uma missão sem uma autorização governamental.

imagem: Divulgação.
Tony Stark (Robert Downey, Jr) que já vinha se sentindo um pouco culpado pelos os acontecimentos em Sokovia, desde que foi confrontado por uma mãe que perdeu o filho durante a batalha é a favor do tratado. Porém Steve Rogers (Chris Evans) é contra a decisão de limitar a ação dos Vingadores. Para Steve, cabe a cada um escolher suas próprias batalhas, e principalmente levando em conta o que aconteceu com a S.H.I.E.L.D, o Capitão acredita que toda a organização quanto detém poder demais nas mãos corre o risco de ser corrompida. E é a partir desse impasse que se desenrola todo o conflito de a Guerra Civil.

imagem: Divulgação.
Uma das minhas maiores preocupações em relação a esse filme era como a produção lidaria com tantos heróis. Mas tudo no filme foi pensado com muito cuidado e até mesmo os personagens secundários desempenham um papel importante na trama.  Adorei as participações do Homem-Formiga (Paul Rudd) e do Homem-Aranha (Tom Holland), da mesma forma que fiquei bastante surpresa com o Pantera Negra (Chadwick Boseman). Tipo ele era aquele personagem que não me chamava muita atenção, só que agora depois do filme fiquei bastante curiosa para conhecer melhor a sua história.

imagem: Divulgação.
Outro ponto positivo é que o filme, já começa a dar uma pequena amostra de como é  relação da diva Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen) e do Visão (Paul Bettany) que juntos formam um dos casais mais emblemáticos do quadrinhos. Sempre gostei da Feiticeira Escarlate, mas a atuação da Elizabeth Olsen está tão maravilhosa que posto de rainha da Jean Gray em meu coração, sofreu uma leve "ameaça".

imagem: Divulgação.
Sharon Carter (Emily VanCamp) e Everett Ross (Martin Freeman), mesmo com papeis menores tiveram a sua importância na evolução de todo o enredo do filme. Especialmente no caso da Sharon que em um momento decisivo é uma peça chave. E o mesmo vale para a Viúva Negra (Scarlett Johansson). Tipo, apesar de parecer que ela escolheu um "time", vi ela mais como uma “conciliadora” do que realmente defendo um lado só da história.

imagem: Divulgação.
Já o Falcão (Anthony Mackie) e o Gavião Arqueiro (Jeremy Renner), apesar de serem vistos por alguns com personagens "pequenos", aqui mostraram o porquê merecem fazer parte do time de Os Vingadores. Além disso, nesse filme foi possível também ver o quanto o Falcão é fiel ao Capitão América, pois ele não somente ajuda Steve ir atrás da verdade e com também coloca a própria vida em risco ao defender os ideais do Capitão.

imagem: Divulgação.
Capitão América: Guerra Civil faz com que você não tire os olhos da tela, de tão absorvido que fica com sua história. História essa que também nos mostra que mesmo com todos os erros que cometeu e vidas que tirou Bucky, o Soldado Invernal (Sebastian Stan) foi uma vitima nas mãos da Hidra. E é nesse momento, quando as cartas são postas na mesa por mais que você seja fiel ao Capitão América (como eu e o Falcão), o seu coração vai sentir uma empatia enorme pelo Homem de Ferro.

imagem: Divulgação.
Capitão América: Guerra Civil possui ótimas cenas de luta, mas ao menos para essa que vos escreve o verdadeiro embate foi de argumentos e pontos de vista divergentes. Do tipo que não há lado certo ou errado, e sim cada um defendendo aquilo que julga como verdade para si. No final não existem vitoriosos ou derrotados, apenas sobreviventes.

imagem: Divulgação.
Ficha Técnica:
Capitão América: Guerra Civil
Título Original: Captain America: Civil War
Duração: 2h 28min
Gênero: Ação | Aventura
Direção: Anthony Russo e Joe Russo
Música: Henry Jackman.
Produção: Kevin Feige
Elenco: Chris Evans (Steve Rogers / Capitão América), Robert Downey, Jr.(Tony Stark / Homem de Ferro), Scarlett Johansson (Natasha Romanoff / Viúva Negra), Sebastian Stan (Bucky Barnes / Soldado Invernal), Anthony Mackie (Sam Wilson / Falcão), Don Cheadle (James Rhodes / Máquina de Combate), Jeremy Renner (Clint Barton / Gavião Arqueiro), Chadwick Boseman (T'Challa / Pantera Negra), Paul Bettany (Visão), Elizabeth Olsen (Wanda Maximoff / Feiticeira Escarlate), Paul Rudd (Scott Lang / Homem-Formiga), Emily VanCamp (Sharon Carter / Agente 13), Tom Holland (Peter Parker / Homem-Aranha), Frank Grillo (Brock Rumlow / Ossos Cruzados), William Hurt (General Thadeus "Thunderbolt" Ross), Daniel Brühl (Helmut Zemo), Martin Freeman (Everett Ross).







Sinopse: Capitão América: Guerra Civil encontra Steve Rogers liderando o recém-formado time de Vingadores em seus esforços continuados para proteger a humanidade. Mas, depois que um novo incidente envolvendo os Vingadores resulta num dano colateral, a pressão política se levanta para instaurar um sistema de contagem liderado por um órgão governamental para supervisionar e dirigir a equipe. O novo status que divide os Vingadores, resultando em dois campos: um liderado por Steve Rogers e seu desejo de que os Vingadores permaneçam livres para defender a humanidade sem a interferência do governo; o outro seguindo a surpreendente decisão de Tony Stark em apoio à supervisão e contagem do governo.

Trailer:

Capitão América: Guerra Civil é um filme com um boa carga dramática que consegue ser ao mesmo tempo divertido. Sem sombra de dúvidas uma das melhores produções da Marvel para os cinemas dos ultimos tempos, que agrada tanto quem é fã de longa data dos heróis, como também aqueles que buscam apenas um ótimo filme para assistir. E lembrando que são duas cenas pós-créditos heim ;)

Beijos e até o próximo post;***

Instagram

© 2010 - 2021 Ariane Gisele Reis | My Dear Library • Divagações, Livros e Música. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in