Sponsor

Mostrando postagens classificadas por data para a consulta soselit. Classificar por relevância Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por data para a consulta soselit. Classificar por relevância Mostrar todas as postagens
dezembro 20, 2018

SoSeLit #12 – Retrospectiva e despedida

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Olá pessoas!

Enquanto pensava na forma de começar esse post senti um misto de alegria, tristeza e acima de tudo de dever cumprido. Esse é o último SoSeLit do ano e que o My Dear Library participa e apesar de ser “o fim”, eu não podia estar mais feliz com o resultado desse projeto lindo.

imagem: Dreamstime
Quando recebi o convite da Angel Sakura do blog Eu Insisto, de verdade não imaginei que ia dar conta de todo mês trazer um post com a temática proposta pelo projeto. Em especial, porque os temas debatidos pela Sociedade Secreta Literária sempre foram um tanto espinhosos, por assim dizer.

Além disso, participar do SoSeLit me ajudou a manter o blog ativo em meio aos períodos caóticos que tive em minha vida pessoal esse ano. Afinal, faz algum tempo que não consigo me dedicar tanto ao blog e as minhas leituras como eu gostaria e fazer parte de um projeto coletivo me ajudou a não desistir de vez desse meu cantinho aqui.

Outro ponto que vejo como bem positivo do projeto foi a possibilidade de trazer não somente um conteúdo diferente, mas poder mostrar um pouco da pessoa por trás do My Dear Library e sentir a receptividade de vocês aos textos publicados para a coluna, foi realmente muito gratificante. ()

Mas porque o SoSeLit não vai continuar em 2019, Ane? O que está acontecendo é que eu estou passando por uma fase de mudanças muito grande, tanto pessoal como profissionalmente. E o blog ao longo desses quase nove anos sempre acompanhou essas minhas mudanças e para 2019 entre alguns dos meus objetivos é voltar a ser uma blogueira mais ativa e trazer um conteúdo mais “intimista”, mais a Ane mesmo. Então, estou aproveitando esse restinho de 2018 dar uma revisão geral no conteúdo atual do blog e planejar os meus próximos passos.

E como esse além de um post de despedida da coluna é um post de retrospectiva, essa blogueira que vos escreve releu todas as publicações do SoSeLit e selecionou suas três favoritas.


Esse foi o primeiro post da coluna e foi muito divertido fazer esse comparativo do lado bom e não tão bom de se ter um blog com foco na literatura. Vocês se identificaram com alguns pontos citados? Qual ou quais foram eles?


No quarto post do SoSeLit eu compartilhei com vocês a minha mudança de gosto literário. E foi legal perceber que não passo sozinha por essa evolução literária. Mesmo que os meus gêneros literários favoritos continuem os de sempre, hoje é mais difícil eu me “deslumbrar” como uma história ao ponto dela entrar para os meus favoritos. Por isso, fiquem atentos porque quando eu favorito um livro é por que a leitura foi realmente surpreendente e emocionante.


O terceiro SoSeLit sem sombra de dúvidas foi o post que eu mais gostei de escrever justamente por ser um tópico que eu acredito que precisa ser muito debatido não somente no universo literário como em tudo o que consumimos como forma de entretenimento.

Acho que é preciso ter uma mudança de postura e não aceitar o relacionamento abusivo como forma de romance seja em livros, músicas, filmes e séries. Isso é muito sério, porque eu, você e muitas outras pessoas conseguimos separar a ficção da realidade e entender que aquilo por mais nojento que seja é apenas um “artifício” do autor ou autora para dar mais “emoção” a trama ou criar uma rima viciante.

O problema é que nem todo mundo consegue ter esse discernimento e acabam levando para suas vidas pessoais a idealização que esse tipo de relacionamento é normal, aceitável e romântico quando na verdade ele não é.

Então eu vou continuar batendo muito nessa tecla, vou continuar criticando autores que ainda insistem na fórmula macho alfa e mocinha ingênua, porque isso precisa mudar.

E vocês, quais foram os post favoritos da coluna. Clica aqui para conferir todos!

Para finalizar quero agradecer as meninas lindas do blog Eu Insisto pelo convite. Angel e Deh adorei fazer parte do projeto e caso vocês tenham mais projetos tão bacanas quanto o SoSeLit, é só chamar!  ()

Adorei conhecer os outros blogs participantes e descobrir que embora muitos blogs literários tenham ficado no meio do caminho ainda somos muitos e fortes, prontos para compartilhar o nosso amor pela leitura a quem estiver com o coração aberto para recebê-lo.

Vejo vocês no próximo post!

A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Barba Literária , Diário de uma Leitora CompulsivaEu Insisto, La Oliphant, LivrosLab, Macchiato, Pétalas de Liberdade, Um metro e meio de Livros e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera.  

novembro 19, 2018

SoSeLit #11 – Porque me desapeguei das metas de leitura

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Quantos livros você estipulou que ia ler em 2018? Trinta, cinquenta ou cem? Fomos criados ouvindo que estipular metas é importante e que ter listas com o que precisamos fazer é fundamental. Porém, até que ponto estamos lendo por prazer ou para atingir uma meta? No SoSeLit desse mês, vou compartilhar com vocês como funciona ou não funciona minha meta de leitura, até porque para ser bem sincera estou em uma fase de desapego.

imagem: Shutterstock
Pode parecer ironia, mas sou uma pessoa que gosta de metas. Gosto de começar uma coisa sabendo quais serão os passos que vou precisar dar e qual ou quais objetivos vão precisar ser atendidos no final do processo. Faço listas para não esquecer o que preciso fazer e procuro seguir fielmente o meu planejamento. Porém comecei a perceber que o que funcionava bem para meu dia a dia no trabalho, não funcionava tão bem assim quando o assunto eram as minhas leituras.

Ler como escrever sempre funcionou como uma terapia, para essa blogueira que vos escreve. Livros são meus melhores amigos, mas para que uma amizade como qualquer relacionamento funcione as duas partes precisam querer estar juntas.

Houve uma época em que se tinha feriado prolongado eu me comprometi a ler um livro por dia. E não nego que adoro ler uma livro em uma sentada quando a gente diz, mas não porque me auto impus isso, e sim porque eu quis passar o dia inteiro vivendo aquela história. Antes a minha meta de leitura era de quatro a cinco livros por mês. Atualmente ando lendo de um a dois. E por mais que isso possa significar uma mudança drástica no meu ritmo de leitura, está sendo tão gostoso ler sem pressa e pressão.

Aos poucos estou redescobrindo o prazer que a companhia de um livro traz, algo que com as metas preestabelecidas e prazos para publicar resenhas tinham me tirado. Não nego que eu marco alguns livros como meta de leitura no Skoob, mas não por que de fato me sinto na “obrigação de ler eles” e sim para quando estou em dúvida sobre o que ler lembrar que aqueles livros estão esperando por mim.

Ler voltou a ser um hobby, algo que faço depois da minha prática diária de piano, já terminei meu trabalho, ou ainda não estou com sono o suficiente para dormir. Voltei amar passar finais de semana preguiçosos no sofá curtindo a companhia de um amigo e vivendo com ele histórias fantásticas, às vezes um pouco dramáticas também. Mas amigo que é amigo ri e chora junto, não é mesmo?

Admiro de verdade quem estipula metas de leitura e cumpre a risca. Quem consegue ler mais de cem livros no ano e quem participa dessas maratonas doidas de tantas horas sem dormir para ler. Eu infelizmente não consigo. Eu quero ler no meu tempo, nem que esse tempo signifique que vou ficar lendo um livro de poucas páginas em um mês.

Há muito tempo decidi que ia medir o sucesso de minha leituras pela qualidade delas e não pela quantidade de livros lidos no mês.  E vou contar uma coisa para vocês, - está sendo uma experiência maravilhosa!


A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Barba Literária , Diário de uma Leitora CompulsivaEu Insisto, La Oliphant, LivrosLab, Macchiato, Pétalas de Liberdade, Um metro e meio de Livros e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera.  

outubro 29, 2018

SoSeLit #10 – As temíveis adaptações literárias

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Quem nunca ficou com medo de um filme ou série “estragar” o seu livro favorito que atire a primeira pedra. Afinal, ao ler uma história criamos em nossa mente uma visão dos personagens e do cenário, ao mesmo tempo em que interpretamos ao nosso modo os acontecimentos na narrativa. E pensando justamente nesse misto de emoções que sentimos como sabemos que um livro que amamos vai ganhar uma versão nas telas, o tema do SoSeLit de outubro é:  Adaptações Literárias.

imagem: Shutterstock
Essa blogueira que vos escreve é bastante a favor de adaptações literárias, desde que claro elas sejam bem feitas. Vou citar o exemplo de O Senhor dos Anéis, que quando estreou no cinemas eu tinha dezesseis anos (sim faz bastante tempo). Só que o fato é que a Ane de dezesseis anos não tinha a menor paciência de ler uma obra com O Senhor dos Anéis. Então o meu primeiro contato com a saga de Frodo e companhia foi através dos filmes, para só depois anos mais tarde eu me aprofundar na história através dos livros.

Acredito que isso aconteceu e acontece com muita gente, primeiro assistir ao filme para depois ler o livro, embora o “correto” seja o caminho inverso. Claro que quando pensamos em O Senhor dos Anéis, Harry Potter, Jogos Vorazes e até mesmo Crepúsculo, estamos falando de adaptações que deram certo. Assim como A Menina que Roubava Livros, Quarto de Jack, Memórias de uma Gueixa, Para todos os Garotos que já Amei, The Games of Throne, Outlander e por ai vai. "E as adaptações que não deram tão certo Ane?".

Aqui podemos citar: Divergente, Dezesseis Luas, Academia de Vampiros, Fallen e claro Instrumentos Mortais. Isso que estou falando só de livros mais voltados para o público adolescente.  Inclusive desses o mais recente que assisti foi Fallen e me perdoe de todo o coração quem gosta dos livros, juro que tentei gostar, mas depois do segundo livro abandonei a série.  Mas independente da qualidade da história do livro, - Senhor que filme ruim! Sério gente, eu fiquei com vergonha pelos fãs da série de como a autora pode permitir que algo tão ruim baseado na história que ela escreveu fosse lançado.

Já a série Divergente eu nem perdi meu tempo assistindo Convergente, porque Insurgente já tinha sido um pequeno desastre. O mesmo acontece com minha amada série Instrumentos Mortais que não satisfeitos em fazer um filme meia boca, transformaram a história em uma série com um primeira temporada vergonhosa. “Mas, você assistiu todas as temporadas Ane.”. Assisti sim, afinal se é para falar mal vamos falar com propriedade.

Enfim entre esse mar de erros e acertos, tem muito filme que pelo menos em minha opinião conseguiu ser melhor que o livro (me julguem). Se eu Ficar, por exemplo, o filme conseguiu me passar toda a emoção que o livro não conseguiu, e mesmo aconteceu com Querido John. Estava em uma fase um tanto insensível da minha vida? Talvez. Mas, o que eu estou tentando dizer é que às vezes o modo como o roteiro foi adaptado conseguiu deixar a história “melhor”.

Claro que eu fico bem chateada quando um fato importante dos livros, como os Marotos em Harry Potter é esquecido no filme. Assim como o funeral do Dumbledore, mas eu consigo entender que certos cortes são necessários. O que eu não entendo é qual a dificuldade de se manter a base, a essência da história que é o que infelizmente aconteceu com Instrumentos Mortais. Fizeram uma bagunça tão grande na cronologia da série que chegou um ponto que eu desisti de tentar entender em qual ponto dos livros o seriado estava.

Outra polêmica quando falamos em adaptações é O Hobbit. *Atenção spoilers*. O Hobbit é um livro único que foi adaptado em três filmes. Ou seja tem muito personagem que não existe no livro (oi Legolas e Tauriel) como também uma série de acontecimentos que só existem nos filmes. Têm pessoas como eu que no geral gostaram de todos os filmes e gente que até hoje fica falando que não havia necessidade de ter tido mais dois filmes.

Para quem não sabe, O Hobbit é considerado um livro infantil escrito pelo divo J.R.R Tolkien para seus filhos John, Michael e Christopher como uma forma de entreter os pequenos. Então acho que fica um pouco óbvio o porquê foi preciso inserir e mudar algumas coisinhas para que a adaptação fosse vendida como uma fantasia épica nos cinemas.

Recentemente tivemos a notícia que Hush Hush, Sussurro da autora Becca Fitzpatrick também vai ganhar uma adaptação. Eu particularmente gosto muito dessa série, mas espero que role um resumão da história toda em um filme, porque quatro livros já foram um tanto quando “desnecessários” (beijos Patch).  Estou com medo dessa adaptação? Sim. Do mesmo modo que estou com medo da adaptação de Por Lugares Incríveis. Porém, vou torcer para que essas adaptações não seja um desastre e principalmente no caso de Por Lugares Incríveis o filme consiga passar a belíssima mensagem que o livro traz.

Outras adaptações que eu queria muito ver são: A Rebelde do Deserto, A Rainha Vermelha, O Lado mais Sombrio e acho que a série Amores Improváveis da Elle Kennedy daria um ótimo seriado. Quem sabe um dia não é mesmo?

Agora quero saber de vocês: qual foi a melhor e a pior adaptação que vocês assistiram. Me conta nos comentários. Até o próximo post!

A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Barba Literária , Diário de uma Leitora CompulsivaEu Insisto, La Oliphant, LivrosLab, Macchiato, Pétalas de Liberdade, Um metro e meio de Livros e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera. 

outubro 14, 2018

SoSeLit #09 – Como me tornei blogueira e o futuro do blog

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Olá pessoas!

Sei que dei uma sumida geral, mas para quem me acompanha no Twitter sabe que recentemente eu me mudei. Então como vocês podem imaginar, as últimas semanas foram bem tumultuadas e somente agora estou conseguindo sentar com calma na frente do notebook e começar a colocar as coisas aqui no blog em ordem.

E o tema de setembro do SoSeLit (sim, estou bem atrasada), tem tudo a ver com esse momento pelo qual estou passando, até porque o My Dear Library nasceu em um período de grandes e significativas mudanças em minha vida.

imagem: Shutterstock

No final de 2008, minha mãe e eu resolvemos fazer uma grande mudança em nossas vidas. Após quase vinte anos morando em Joinville (SC), nós decidimos nos mudar para São Paulo. Fazia um ano que meu pai tinha se tornado uma estrelinha, e como toda a nossa família mora no interior de São Paulo, achamos que não fazia mais sentido nós duas continuarmos lá “sozinhas”.

Porém, a minha adaptação não foi nenhum pouco fácil, afinal eu tinha passado praticamente a vida toda no mesmo lugar, convivendo com as mesmas pessoas tendo uma rotina definida. Eu passei por um longo período de depressão no qual nem de casa saía. Minha única comunicação com o mundo era a minha mãe e com pessoas que eu mantinha contato pela internet.

E como não vivo sem música, eu tinha o hábito de compartilhar no Twitter as músicas que não saiam da minha playlist. Só que ai essa blogueira que vos escreve, percebeu que ninguém conhecia os grupos, cantores ou projetos pessoais que ela ouvia. Foi aí que ela pensou: “Porque eu não criar um blog para falar sobre as minhas músicas favoritas?”, e assim nasceu o My Dear Library. Por isso, que sempre brinco que a coluna #naplaylist é a mãe do blog, pois foi ela que iniciou tudo isso há quase nove anos. 

O blog me trouxe coisas maravilhosas, entre elas amizades que vou levar comigo para sempre. E por um bom tempo, eu diria por uns sete anos o blog foi uma das prioridades na minha vida. Até que graças a um amigo comecei a perceber que ao invés de ser um hobby, algo que eu mantinha por passatempo o meu foco era tanto em estar presente aqui que acabei ficando ausente de onde eu era realmente necessária, - a vida real

Com isso, vocês devem ter percebido que o número de postagens aqui no blog caiu consideravelmente do meio do ano passado para cá. Por que a partir do momento que me dei conta disso, eu parei de ficar tipo: “Meu Deus, eu preciso ler tantos livros por mês para postar resenhas.” ou “Vou ter que passar o final de semana inteiro preparando posts para o blog.”.  Tanto que esse ano acabei optando por não ter parcerias fixas com nenhuma editora, até porque com toda essa auto análise que fiz comecei a ver que até mesmo ler estava se tornando uma “obrigação” e não algo que eu fazia por que queria.

Foi um período bem crítico mesmo, em que pensei seriamente em parar com o blog e ficar só com o Instagram. Porém, na hora que coloquei tudo na balança e pesei os prós e contras de manter o My Dear Library, o fato de amar escrever falou mais alto. Tanto que no dia que Deus e o Universo me ajudarem a viver só da escrita sem sombra de dúvidas eu vou ser uma das pessoas mais felizes do mundo.  

E é por isso que eu estou aqui ainda, apesar dos meus longos períodos distantes, saber que tenho esse cantinho onde posso compartilhar minhas leituras, músicas favoritas, minhas descobertas e principalmente meus sentimentos me traz um sensação de segurança e conforto muito grande. Sei que ainda falta bastante para eu encontrar um ponto de equilíbrio entre minha vida pessoal, meus projetos e o blog. Eu estou tentando organizar tudo, buscando me cobrar menos, e assim encontrar  uma forma em que eu não me sinta sobrecarregada e nem fique tão ausente daqui. 

É difícil? Sim e muito,  mas eu quis compartilhar isso com vocês para que sem perceber ninguém cometa o mesmo erro que eu. O de usar o blog como um ponto de fuga da vida real. Infelizmente a perda do meu pai, a mudança de estado e as decepções e frustrações que sofri entre 2007 e 2009 contribuíram para que eu me fechasse na minha bolha. Só que aí aquilo que era para ser algo saudável acabou se tornando prejudicial também.  Busquem sempre equilibrar a vida pessoal de vocês com a vida na blogosfera.

E lembrem-se que por mais que às vezes eu suma, quero que vocês tenham isso muito em mente: Eu sempre volto. 

Beijos e até o próximo post!



A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Barba Literária , Diário de uma Leitora CompulsivaEu Insisto, La Oliphant, LivrosLab, Macchiato, Pétalas de Liberdade, Um metro e meio de Livros e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera. 

agosto 29, 2018

SoSeLit #08 – Autores Nacionais x Blogueiros Literários

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Olá pessoas!

Alguém mais achou que esse mês passou voando? Sinceramente eu nunca vi um Agosto passar tão rápido. E apesar desse mês as atualizações do blog terem ficado um pouco “bagunçadas”, essa blogueira que vos escreve não poderia deixar de compartilhar com vocês esse tema por assim dizer “polêmico”, levantado pela Sociedade Secreta Literária. A relação de muitas rosas e espinhos entre autores nacionais e blogueiros literários.

imagem: Shutterstock
Eu, Ariane acredito que um dos grandes problemas da humanidade em geral é o ego. Infelizmente nós estamos vivendo em uma época quem que a grande maioria das pessoas estão egocêntricas e não conseguindo lidar direito com a opinião do outro.  E com isso surgem os textões nas redes sociais, as indiretas que são diretas e todo o blá,blá,blá que a gente já conhece. Mas quem está errado nessa história, o autor (a) que não soube aceitar uma crítica ou o blogueiro que não conseguiu fazer ela de forma “construtiva”?

Escrever resenhas é algo complicado, afinal você está tentando transmitir através do seu texto todos os sentimentos que o livro despertou durante a leitura. E às vezes realmente esses sentimentos não são positivos. Às vezes você pode acabar discordando da ideia do autor (a), ou da forma como ele desenvolveu a narrativa e os personagens, algo que é super normal e saudável até. Afinal, pensem como o mundo seria um porre se todo mundo gostasse das mesmas coisas?

O problema está em como esses comentários “negativos” vão soar na resenha. Pois, da mesma forma que você pode não ter gostado de ponto x e y, outra pessoa pode ler o livro e adorar justamente esses pontos. Adoro quando leio resenhas, que mesmo sendo perceptível que a leitura não foi tão envolvente como o esperado, o blogueiro consegue apontar as partes positivas da história. Ou seja, eu não gostei mas você pode gostar.  Além disso, eu como leitora acredito que há “momentos certos” para você ler um livro e que se você ficar forçando a ler algo que não está afim o resultado será um leitura não tão proveitosa.

Não tenho mais parceira com autores nacionais e esse ano decidi que não teria mais parcerias fixas com editoras, justamente por que comecei a perceber que estava lendo por “obrigação” e não pelo prazer de ler. E sinceramente, está sendo ótimo ler quando eu quero e se quero ler.

Por que eu estou falando tudo isso? Porque eu já tive problemas com autores nacionais. Problemas desde de me pedirem para mudar minha resenha, até e-mails nada educados sugerindo que eu não tinha “entendido direito” a história. Tanto que eu confesso que por um bom tempo eu sentia medo de resenhar livros nacionais aqui no blog e o autor (a) ficar chateado alguma crítica que eu pudesse fazer.

Entendo que o autor possa ficar com medo que por causa de uma resenha não tão positiva, alguns leitores vão desistir de conhecer a história. Mas, também acho que ao invés de bater boca com o blogueiro, ou ficar reclamando da crítica, ele (a) pode ver essa resenha não tão positiva como uma forma de melhorar sua escrita para o próximo livro.

E é aqui que volto a falar novamente de um dos grandes problemas de hoje, o ego. Ego por parte do autor que acha que escreveu o livro do século e ego do blogueiro que acha que só por que ele não gostou o mundo inteiro precisa não gostar também. Tipo, eu não gosto de Belo Desastre, mas há quem goste. Eu amo O Clã dos Magos, mas há quem nem terminou o primeiro livro da trilogia.

O blogueiro não é obrigado a gostar de um livro só porque recebeu ele de cortesia para resenha, porém esperasse que ele tenha o mínimo de bom senso e de educação para apontar os pontos negativos da resenha sem desmerecer o trabalho do autor.  Do mesmo modo que o autor tem sim, o direito de ficar chateado com uma avaliação não tão boa, mas isso não dá direito a ele de ofender o blogueiro.

É uma questão simples de diplomacia em que cada lado cede um pouco para manter nossa linda blogosfera harmonizada ().

Beijos e até o próximo post!


A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Barba Literária , Diário de uma Leitora CompulsivaEu Insisto, La Oliphant, LivrosLab, Macchiato, Pétalas de Liberdade, Um metro e meio de Livros e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera. 

julho 26, 2018

SoSeLit #07 – Livros realmente são caros no Brasil?

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Olá pessoas, tudo bem?

E cá estamos nós no sétimo mês do SoSeLit, a Sociedade Secreta Literária. Essa blogueira que vos escreve não poderia estar mais feliz () com esse feito, afinal vemos tantos projetos literários que meio que param pelo caminho não é mesmo? E o tema que escolhido esse mês é um que afeta diretamente o nosso bolso, em especial nesse momento de crise econômica que o nosso país passa, - os preços.

imagem: Shutterstock
Talvez o grande problema não seja o preço dos livros, e sim o fato da renda no Brasil ser mal distribuída e nós sempre precisamos viver na corda bamba de manter as contas em dia e comprar aquilo que desejamos. No geral, acho que o acesso à cultura no Brasil é caro e não somente o preço dos livros. E se analisarmos a renda do brasileiro e a alta taxa de impostos que pagamos não é difícil entender por que tantas pessoas acham livros caros. Um livro custa em média entre R$ 25,00 e R$ 50,00 as “edições simples” e levando em conta a região que a pessoa mora, comprar pela internet acaba saindo ainda mais caro por causa do valor do frete.

Como comentei no SoSeLit do mês passado eu entendo o lado das editoras, pois como trabalhei quase cinco anos em uma revista sei o custo que um material impresso de qualidade tem. Assim como, as livrarias e lojas virtuais também precisam de alguma formar bancar com as despesas com funcionários e toda a estrutura de logística que elas possuem. Isso sem falar de toda a carga tributária absurda que eles e obviamente nós pagamos. Ou seja, é um conjunto de fatores que acabam encarecendo o valor final do livro.

Existem formas gratuitas como bibliotecas comunitárias e municipais. Mas, falta uma maior iniciativa por parte do governo de realmente incentivar a leitura e atualizar os acervos nas bibliotecas escolares e públicas. E claro, de nós leitores que temos um acesso maior às vezes fazer aquela boa ação e doar os livros que não queremos mais a essas instituições.

Há outras alternativas também como os sebos. Em sebos, garimpando é possível encontrar bons livros por um preço “justo”, mas dependendo do título que você procura muitas vezes acaba compensando comprar uma edição nova. É aquela velha conta de custo versus benefícios. Além disso, existem os sistemas de trocas como o do Skoob e as feiras de livros, onde dando sorte você consegue encontrar aquele livro tão desejado por um preço que cabe no seu bolso.

Porém uma coisa que realmente não entra em minha cabeça é o porquê e-books são tão caros no Brasil. Às vezes a diferença entre o valor do livro impresso para o digital é tão mínima que acaba valendo a pena gastar um pouco mais com o frete e comprar o livro físico, ou como atualmente está sendo o meu caso deixar a época do lançamento passar, mesmo querendo muito ler o livro, para fazer a compra. É chato é, mas como esse ano decidi priorizar outras coisas em minhas vida e entre elas ler os livros que estão parados na minha estante, essa foi a melhor opção que encontrei.

E fica uma dica gente, não se iludam com promoções. “Mas por que você está falando isso Ane?”. Por que a verdade você não está pagando mais “barato” por aquele livro, e sim pagando o preço que de fato ele vale. É só você parar e analisar que alguns livros na época do lançamento custam em média R$ 50,00 e depois de uns meses você já consegue encontrar ele por R$ 30,00 ou até menos.

Nessa conta entre os livros que desejamos e o quanto estamos disposto a pagar por eles, precisamos ter na ponta do lápis e principalmente em mente o que de fato no momento é mais importante para nós. Até por que quando falamos de valores o que é caro para uma pessoa, pode ser um trocado para outra. No final, tudo é uma questão de ponto de vista (...).




A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Barba Literária , Diário de uma Leitora CompulsivaEu Insisto, La Oliphant, LivrosLab, Macchiato, Pétalas de Liberdade, Um metro e meio de Livros e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera. 

junho 20, 2018

SoSeLit #06 - Lucro editorial vs. Leitor

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Você encontra o livro da sua vida. Sim, aquele em que tanto a história como seus personagens conquistaram o seu coração. Só quem então, você descobre que esse livro não está sozinho e que na verdade ele é o primeiro uma série. Porém, eis que vem a notícia; “a editora não tem previsão ou a intenção de lançar a continuação da sua série queridinha”. Já passou por isso? Então abraça, que esse SoSeLit é para você!

imagem: Shutterstock
Nessa triste realidade que muitas vezes nos pega de surpresa, a blogueira que vos escreve consegue entender os dois lados da questão. O do leitor que acaba de certa forma de sentindo “desrespeitado”, afinal ele investiu dinheiro e tempo para acompanhar a história. E da editora que investiu dinheiro, planejamento e divulgação de marketing em algo que não trouxe o resultado esperado.

Trabalhei por quatro anos em uma revista, e sei o quanto é caro o material impresso no Brasil. A verdade é que como consumidores finais, muitas vezes não fazemos ideia do custo que aquele nosso livro favorito teve até chegar em nossas mãos. E levando em conta que a maioria das gráficas no Brasil utiliza matéria-prima importada e a alta taxa de impostos que nós pagamos, já dá para imaginar que o custo realmente é muito, mais muito alto.

Só que como leitora, também fico super chateada quando pergunto para uma editora quando a continuação de uma série vai sair e a resposta é, - sem previsão. E mais frustrante ainda é receber a notícia que a série foi cancelada.

Fazendo uma conta rápida aqui, eu mesma tenho quatro séries que comecei a ler, e que as editoras já sinalizaram que não tem a intenção de lançar a continuação tão cedo. São elas Poseidon, Vango, Era X e Na Companhia de Assassinos. Fora aquelas séries como Os Canalhas que além, dos dois volumes lançados não seguirem a ordem cronológica de lançamento, a editora “aparentemente” se esqueceu dos outros livros.

Como comentei lá no início do post, eu entendo o lado da editora. Afinal, como uma empresa ela precisar lucrar com um produto lançado. Principalmente, por que ela tem toda uma estrutura para manter e isso inclui pessoas que assim como nós têm contas no final do mês para pagar. Porém, isso não justifica na era digital em que vivemos, o total descaso com os leitores de uma série.

Um exemplo, é o caso da Editora Abril que passou a lançar algumas de suas principais publicações somente em plataformas digitais. O que me faz pensar se uma solução para resolver esse impasse, não seria lançar esses livros no formato de e-books. Eu mesma confesso, que por conta da praticidade e por falta de espaço físico ando consumindo muito mais livros digitais atualmente.

“Ane os livros digitais custam praticamente o mesmo que os livros físicos.” Sim eu sei, e isso vai ser assunto para outro post.  O que quero dizer, é que nessa briga entre o lucro editorial e leitor precisa-se encontrar o famoso caminho do meio. Aquele ponto de equilíbrio em que cada lado “perde um pouco”, mas que ao final todos saiam ganhando de alguma forma. Especialmente agora, que em que estamos passando por mais uma crise no mercado editorial, é que tanto as editoras como nós leitores precisamos unir forças para que o acesso à leitura no Brasil seja de fato democratizado.

Ficar sem a conclusão de uma série parte não só o meu ou o seu coração. Mas, de certa forma também parte o coração de uma equipe inteira que apostou naquele título e não obteve o retorno esperado. Ao final todos nós saímos perdendo (...).

Até o próximo post!


A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Barba Literária , Eu Insisto, La Oliphant, LivrosLab, Macchiato, Pétalas de Liberdade, Um metro e meio de Livros e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera. 

maio 28, 2018

SoSeLit #05 – Gostar de ler não faz você ser melhor que ninguém

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Desculpe-me chegar já jogando certas “verdades” na cara da sociedade, mas gostar de ler realmente não nos tornar melhores do que pessoas que não gostam de ler, ou que gostam de gêneros diferentes dos nossos. O fato é que infelizmente nem o mundo da literatura consegue fugir do "pré-conceito" e dos padrões preestabelecidos por nós mesmo. E sim, - existe preconceito literário. 

imagem: Shutterstock
“– Nossa você ainda lê revista em quadrinhos? Isso é tão infantil.”
“– Romance de banca? Credo isso nem pode ser chamado de literatura.”
“– Eu só leio livros com mais de 500 páginas, menos que isso nem considero livro.”
“– Ai, eu não leio romances eróticos por que só tem sexo e nada de história."
“– Não leio livros da modinha, só gosto de clássicos.”

Vamos deixar uma coisa clara; cada um lê o que quiser, quando quiser e se quiser. E é muito errado julgar os gostos e preferenciais de outras pessoas por que elas não são as suas.  E tudo bem se fulano está lendo as revistas em quadrinhos dele, sicrano os romances de banca ou beltrano adora livros da "modinha". O importante é que cada um leia o que gosta e que traz algo de positivo para sua vida.

Tem muita gente que se acha mais “cult” por que só lê livros clássicos, mas se esquece que esses livros só se tornaram o que são hoje anos depois da morte de seus autores. E aqui vai mais uma verdade; provavelmente aquele livro que você fala mal agora, daqui uns cem anos pode se tornar um clássico. E sim, isso serve para essa blogueira que vos escreve também, quando falamos da saga Crepúsculo e da série Belo Desastre. E tudo bem! Afinal, o fato de eu não gostar não significa que eu esteja certa, e sim apenas que o autor (a) não conseguiu me cativar com a sua história.

E podem me julguem por achar os livros na Jane Austen um porre e  ter "pesadelos" com as obras de Machado de Assis. Porém, isso não significa que eu não goste de clássicos. Amo toda a tragédia de Romeu e Julieta, assim como já li e reli várias vezes Caninos Brancos, O Morro dos Ventos Uivantes e adoro as obras de Graciliano Ramos e Carlos Drummond de Andrade.

Amo ler revistas em quadrinhos, mangás e graphic novels, e isso não faz de mim uma leitora melhor ou mais descolada. Na verdade só reforça o fato que eu gosto de ler. E vamos ser honestos, até bula de remédio eu leio e detalhe, sabe aqueles efeitos colaterais raríssimos? Sim, eu automaticamente começo a sentir todos.

Como mencionei na SoSeLit do mês passado, tem gêneros que não leio e sempre fico com o pé atrás quando vejo um livro recém-lançado se tornar “unanimidade”.  Porém, antes de sair falando mal ou de ficar olhando torto para pessoa que leu e amou aquele livro, eu procuro conhecer a história antes de expressar minha opinião. Afinal, o que pode ser um livro “ruim” para um, pode ser o livro da vida para outra. E essa regrinha de boa convivência vale para tudo em nossa vida. 

Ser leitor independente do gênero literário, gosto e número de páginas que lemos não nos tornam melhores que os outras pessoas não curtem o mesmo que a gente, ou que simplesmente preferem ter outro hobby do que ler.  Por que aquilo que nos torna melhor são nossas atitudes em relação ao próximo e ter qualquer tipo de preconceito não combina com isso ().

Até o próximo SoSeLit!

A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Barba Literária , Eu Insisto, La Oliphant, LivrosLab, Pétalas de Liberdade, Um metro e meio de Livros e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera. 

abril 08, 2018

SoSeLit #4 – Como me tornei uma chata literária

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Uma coisa é fato, quanto mais você lê mais crítica (o) e exigente você fica em relação as suas leituras. E pensando nisso o tema proposto para o SoSeLit desse mês é: O que mudou no meu gosto literário depois do blog.

imagem: Shutterstock
Confesso que em questão de gosto propriamente dito, pouca coisa mudou. Continuo dando preferência por fantasias e romances gracinhas, porém hoje alguns autores que antigamente eram os meus favoritos acabaram passando o bastão outros autores que fui conhecendo ao longo dos últimos anos. Um exemplo, é a Nora Roberts que lá no começo dos anos 2000 era a minha autora de romances favoritas, mas que recentemente as obras recentes que li dela, não me encantaram tanto assim.

Outra autora que hoje em dia os livros não chamam mais tanto a minha atenção é a Meg Cabot. Li e reli muito os livros da autora na minha adolescência, porém hoje por mais que a narrativa seja fluida, sinto que estou “velha demais” para as histórias que a autora escreve, e isso atrapalhou bastante o meu envolvimento com as últimas obras que li dela.

Além disso, admito que antigamente eu amava livros como, Entrevista com o Vampiro e qualquer história em que os vampiros fossem protagonistas. Porém, não sei se a série Crepúsculo realmente me traumatizou, ou se foi o estilo que ao menos para essa leitora aqui “perdeu a graça”, ao ponto de fazer anos que não leio nada com essa temática. Tudo bem que nos livros da Cassandra Clare, os vampiros são criaturas presentes, mas eles não são o foco das histórias, até por que se não fosse por isso com certeza eu já teria desistido de ler os livros.

Admito que me tornei meio chata em relação as minhas leituras de uns tempos para cá, e que sim, - tenho um "pré-conceito" com livros da modinha. Alguns se mostram justificáveis outros acabo mordendo a língua, mas o que fica muito claro quando comparo as minhas leituras de três ou mais anos atrás com as de agora, é que está ficando cada vez mais “difícil” encontrar aquele livro “perfeito”.

Acho que um pouco dessa mudança é normal, afinal vou fazer trinta e três anos e por mais que algumas histórias infantojuvenis ou young adult sejam interessantes, não sou o público-alvo dos autores que escrevem esses tipos de obras.  Outro ponto é que a minha percepção em relação ao mundo também acabou evoluindo no decorrer dos anos, e com isso muitos livros que li no passado e foram maravilhosos, hoje não são tão maravilhosos assim.

Como leitora sei que preciso sair um pouco da minha zona de conforto literária e me arriscar em gêneros que não leio com tanta frequência. A verdade é que por mais que na adolescência, livros da Agatha Christie fossem presença constante na minha lista de leitura, com o tempo livros do gênero também deixaram de chamar a minha atenção. É algo que preciso mudar? Com certeza, mas enquanto romances fofos e fantasias continuarem a fazer esse coração de leitora bater mais rápido, sei que vou sempre dar preferência aos livros do gênero.

Através do blog tive e tenho a oportunidade de conhecer novos autores e histórias que às vezes lembram algo que já li, ou que realmente apresentam uma proposta original. Tem livros e séries que chegam de mansinho e conquistam meu coração e outros que só leio para “falar mal”, com propriedade (sim sou dessas). Porém, sei que hoje busco narrativas que além de me entreter, passem alguma mensagem importante que me façam refletir e principalmente, que me emocionem e que suas histórias permaneçam comigo por um bom tempo.

Vai ser difícil encontrar os tais livros perfeitos? Talvez. Provavelmente dos cinquenta/sessenta livros que eu vá ler esse ano dois ou três se destaquem. Só que se tem uma coisa que esses anos todos de blog e livros me ensinou, é que mais vale a qualidade do que a quantidade, e tudo bem se em alguns momentos a minha chatice literária acabar falando mais alto.

Por que isso, é apenas a evolução natural pela qual todo mundo passa na vida, seja no mundo real ou no literário. Nós crescemos, mudamos e com isso nossos gostos e por que não dizer amores acompanham essas mudanças também. Então não se assuste, quando você perceber que as histórias daquele seu autor ou autora favoritos, não conseguem mais deixar o seu coração quentinho. Isso é super normal e com certeza, você vai encontrar novas histórias e autores fantásticos.

Até o próximo post!

A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Bela Psicose, Eu Insisto, La Oliphant, Literasutra, Um metro e meio de Livros e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera. 

março 15, 2018

SoSeLit #3 – Consciência Social x Literatura de Ficção

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Pensei em liberar esse texto no dia 08 de março, porém não quis ser clichê e esperei toda a comoção do dia Internacional de Mulher passar, para compartilhar com vocês o SoSeLit desse mês. Afinal como anda a nossa consciência social em relação aos livros que lemos?

imagem: Shutterstock
Levantar a bandeira da igualdade entre homens e mulheres é mais do que compartilhar textos feministas nas redes sociais. É mais do que se indignar com casos de abuso e violência contra a mulher que aparecem nos telejornais. É lutar todos os dias para nossas palavras se tornem ações, e isso se aplica a forma como consumimos a literatura, música e até mesmo filmes e séries, e por que não novelas.

Em vários livros é possível ver o quanto o relacionamento abusivo é romantizado, e   o mais tristes, - por autoras. Livros quem que os personagens masculinos seguem o estereótipo do “macho alfa”, o bad boy e a personagem feminina é retratada como frágil, submissa e que precisa de proteção.

Não acho nada romântico quando o personagem masculino pega a mocinha e a beija força. Não acho nada romântico quando ele a trata como propriedade, tendo crises de ciúmes quando a vê conversando com outros homens. Não acho nada romântico quando na narrativa durante as cenas de sexo os atributos físicos da mulher são levados mais em conta do que como ela se sente naquele momento.

E me perdoem, mas sinceramente comigo não cola mais a velha formula literária de que “o amor muda as pessoas”, até por que para começar essas atitudes não podem ser chamadas de amor.

Belo Desastre foi o primeiro livro New Adult que li, e não escondo de ninguém a minha “aversão” a história de Jamie McGuire, por não aceitar o relacionamento de Travis com a Abby como algo emocionalmente saudável. Não vi romance algum durante a leitura, e sim uma tentativa de justificar o comportamento agressivo do protagonista, romantizando suas atitudes abusivas.

Do mesmo modo que não consigo ver nada de romântico na trilogia Cinquenta Tons de Cinza, por que não tem nada de romântico um cara fazer, a mocinha assinar um contrato em que uma das cláusulas diz: “Dominador aceita a Submissa como propriedade sua, para controlar, dominar e disciplinar durante a Vigência”. As coisas começam errado quando uma pessoa trata a outra com propriedade.

E esses são apenas dois exemplos tristes do que encontramos na literatura New Adult e Erótica (...). O que me faz questionar, até quando vamos achar romântico as autoras retratando outras mulheres como o sexo frágil que caem de amor pelo primeiro homem másculo e poderoso que quer “protege-la”

Que a vida dela só vai ter sentindo se ela estiver em um relacionamento. Que a mocinha deve se sentir muito sortuda pelo “deus grego” estar afim dela, afinal ela é tão sem graça. Por que não trazer para literatura mulheres que estão em busca do amor sim, mas que não se colocam abaixo de nenhum homem. Por que não trazer os dois em pé de igualdade nos relacionamentos.

A resposta é simples, - por que infelizmente são histórias com machos alfas e mocinhas frágeis que vendem mais. Nós fomos criadas para idealizar que o “me joga da parede e me chama de lagartixa”, é de demonstração de paixão e amor. Nós fomos criadas para aceitar como normal que o cara, “calar” a boca de uma mulher durante uma discussão com um beijo é romântico.

Somos nós que consumismo músicas em que a letra nos trata como objetos e filmes/séries/novelas que tratam o estupro de forma banal e aceitável dentro de um relacionamento.

Enquanto continuarmos a aceitar isso tudo como normal e romântico, nossas palavras de protestos vão sempre soar contraditórios. Sabe aquela história de prática x teoria? É assim que funciona. Não adianta nos revoltarmos quando vemos atitudes abusivas no mundo real, se aceitamos as mesas atitudes no mundo literário. Não adianta discutir com o colega de trabalho por causa de um comentário dele, mas aceitar o mesmo tipo de comentário em músicas e outras formas de entretenimento.

Somos responsáveis por aquilo que cativamos e consumimos e se queremos um futuro melhor para a próxima geração, precisamos começar a mudança hoje e principalmente por nós mesmos.

Pensem nisso, e até o próximo post!

A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Bela Psicose, Eu Insisto, La Oliphant, Literasutra e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera. 

fevereiro 19, 2018

SoSeLit #2 – Resenhar ou não resenhar, eis a questão

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

“Por Júpiter que livro chato! Não sei nem por onde começar a escrever a resenha dele.”
“Será que devo escrever uma resenha não muito positiva de um livro que recebi de parceria?”
“E se autor (a) ficar chateado (a) comigo?”
“Todo mundo amou, menos eu (...).”

Ao menos uma vez na vida, todo blogueiro literário passou ou vai passar por uma dessas situações. E por isso o tema proposto pela Sociedade Secreta Literária em fevereiro é justamente essa dúvida que assola muitas vezes a nossa mente após a leitura de um livro, - Resenhar ou não resenhar, eis a questão.

imagem: Shutterstock
Nunca tive problemas em expressar a minha opinião sobre os livros que leio, mesmo quando essa opinião é diferente da grande maioria, afinal ninguém é obrigado a gostar de tudo. Além disso, não sei quanto a vocês, mas sempre fico com um pé atrás quando um livro só têm críticas positivas. Por que cá entre nós, agradar todo mundo nunca foi uma tarefa fácil. Então sempre que vejo que algum livro está sendo meio que uma “unanimidade” no momento, começo a leitura dele sem muitas expectativas.

Outro ponto a ser levando em conta é que nada nesse nosso mundo é perfeito e isso vale para os livros que lemos e amamos também. Precisamos ter o bom senso e aceitar que nem todo mundo vai amar Harry Potter ou odiar Cinquenta Tons de Cinza. E é justamente isso o que torna o muito literário tão incrível, sua diversidade de gêneros e estilos.

Eu, Ariane, pessoalmente não gosto de escrever resenha negativas. Tanto que a “menor” nota/classificação que dou a um livro é Regular. Em minha concepção regular é aquele livro que li na época errada da minha vida, ou que simplesmente não sou público alvo do autor (a) para aquela obra especifica.

Tem vários livros que leio e que não faço posto a resenha no blog. Alguns são de astrologia, música e marketing, já outros por que sinto que estou falando o mais do mesmo como por exemplo, a trilogia Divergente. Li todos os livros e no geral gostei bastante da história, só que na época era tanta, mais tanta gente falando dos livros e dos filmes que não vi a necessidade de eu como blogueira falar trilogia também. Fiquei com medo de criar um conteúdo cansativo e repetitivo, então achei melhor não resenhar os livros.

Já recentemente a história foi um pouco diferente. Li um livro de um autora que sempre gostei bastante, porém dessa vez a leitura acabou sendo decepção gigante. Fique semanas pensando em como escrever a resenha de um livro em que nada, absolutamente nada na história tinha cativado. Não vou falar qual é o livro em questão, mas a minha decisão final foi de não resenha-lo. E para quem está se perguntando, sim ele era de parceria.

Claro que sempre tem aquele livro que em que encontro uma “dificuldade” maior em escrever a resenha, seja por que a sua história é mais complexa ou por que algo na narrativa não me envolveu tanto. Por isso, antes de começar a resenha eu me pergunto; “Mesmo o livro não sendo como o esperado, consegui encontrar pontos positivos na obra durante a leitura?” Se a resposta for sim, escrevo a resenha buscando salientar de forma equilibrada os pontos que gostei e os que não gostei tanto assim. Agora se a resposta é não, valeu a tentativa mas não vai ter resenha.

Quando criei o blog a minha intenção era compartilhar coisas boas fossem elas livros, músicas, filmes, animes ou qualquer outra coisa que fizesse parte do meu dia a dia. E depois de quase oito anos isso não mudou. Por esse motivo resenhar um livro que não gostei só pela “obrigação de prestar contas”, ao meu ver significa que estou compartilhando algo ruim com quem acompanha o blog.  E isso além de  me deixar super desconfortável, vai principalmente contra a minha filosofia de vida que é espalhar coisas boas e amor pelo mundo.

Por esse motivo entre resenhar um livro que não gostei e não postar nada, fico com a segunda opção. Até por que o mundo já tem problemas e coisas chatas demais acontecendo para a gente perder tempo com aquilo que não agregou em nada nas nossas vidas.

E vocês, já deixaram de resenhar algum livro? Compartilhe o por que (sem dar nomes é claro) nos comentários.

Vejo vocês nos próximos posts!

A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Bela Psicose, Eu Insisto, La Oliphant e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera. 

janeiro 31, 2018

SoSeLit #1 – O Céu e o Inferno dos Blogs Literários

| Arquivado em: CAFÉ LITERÁRIO.

Oie leitores, tudo bem com vocês?

Hoje eu trago o primeiro post de um projeto super maravilindo que fui convidada para fazer parte pela fofa da Angel Sakura, do blog Eu Insisto. A Sociedade Secreta Literária é formada pelos blogs: Bela Psicose, Eu Insisto, La Oliphant e o My Dear Library. A nossa intenção ao criar o grupo é falar de assuntos bons e “ruins”, e que normalmente as pessoas não falam abertamente na blogosfera.

imagem: Shutterstock
Além disso, acreditamos que a união faz a força, e por isso através do projeto queremos promover uma união maior entre os blogs literários (). E para esse primeiro post, nós listamos três pontos negativos ( o inferno) e três pontos positivos  (o céu)da blogosfera literária. E para começar essa blogueira que vos escreve, vai listar três pontos que em minha opinião são a verdadeira treva nosso pequeno universo literário.

The Hell
imagem: Giphy
 03 Adorei seu blog! Segue que eu te sigo.

Isso é uma das coisas que mais me chateada como blogueira e produtora de conteúdo. Afinal, “perco” horas escrevendo os post para o blog, para muitas vezes perceber que a pessoa comentou sem ao menos ler uma palavra do que escrevi.  E acredito que assim como eu, tem muitos passam por isso direto. Seja aqui no blog, no Instagram ou no YouTube.

Teve um caso que escrevi uma resenha não tão positiva e a pessoa comentar: “ – Que bom que você adorou o livro”. Fiquei tipo, “What!?”. Isso é uma baita falta de respeito pelo trabalho do outro.

02 Excesso de Ego.

Já vi autor (a) escrever textão ( fazer barraco) no Facebook falando mal de blogueiro que criticou seu livro.  Eu mesma já passei duas vezes por essa situação, do autor (a) vir tirar satisfação comigo, por que fiz uma resenha “negativa” do livro dele (a).

E isso acontece também com editora. Tem editora que coloca o nome do blogueiro em uma “lista negra”, caso a resenha dele não seja só flores. E isso muitas vezes acaba fazendo com que o blogueiro se sinta “forçado” a sempre dizer que a história é maravilhosa por medo de perder a parceria, quando na verdade se bobear ele nem leu o livro inteiro.

E claro, os blogueirinhos que se acham o último farelo do pacote de bolacha, só por que tem não sei quantos mil seguidores e dão aquela esnobada básica nos blogueiros pequenos ou em quem está começando. Complicado (...).

01 A competição tóxica no ambiente.

Sempre que sai o resultado de uma nova seleção de parceiros de editora x ou y as redes sociais são inundadas de comentários tóxicos, de blogueiros que se sentem “injustiçados” por não terem passado na seleção. Ficar chateado é triste e normal, eu mesma recebi vários "nãos" ao longo desses quase oito anos de My Dear Library.

Porém, o que não é nada legal é atacar algum blog que foi escolhido. Tem blogs que realmente não merecem passar na seleção? Talvez, mas ao invés de ficar destilando ódio nas redes sociais e apontando o dedo para o coleguinha, não é mais fácil continuar a compartilhar o amor pelos livros e tentar de novo da próxima vez?

Particularmente acredito que quando você trabalha duro em algo que acredita e ama fazer, cedo ou tarde acaba colhendo os frutos disso. 

The Sky
imagem: Giphy
03 Conseguir ter uma rotina de leitura mais organizada.

Sempre amei ler e por um bom tempo os livros foram meus melhores amigos. Porém, confesso que depois que criei o blog, eu não apenas passei a ler mais, como também comecei a ser mais organizada com as minhas leituras.

Antes do blog eu lia uma média de vinte a trinta livros por ano, e hoje leio bem mais que isso. Claro que ainda falta um pouco para minha meta de leitura chegar aos cem livros lidos por ano, mas um dia chego lá.

02 Compartilhar livros e autores maravilhosos que conhecemos.

Lembro que antes do blog, eu não tinha com quem conversar sobre os livros que lia e seus autores. E hoje poder fazer isso é realmente muito gratificante! Não só por que eu conheço livros e autores novos através das minhas leituras e dos blogs que visito, mas por que tem pessoas que conhecem livros e autores novos através do meu blog.

Um exemplo, é a série Outlander, que a Ale do Estante da Ale leu a resenha aqui e hoje é mais fã da série que eu. E tipo, eu nunca teria dado outra chance aos livros do Colleen Hoover se não fosse à resenha maravilhosa de O Lado Feio do Amor da Cida no Moonlight Books.

Além disso, eu fico tão, mais tão feliz quando um texto que publico da coluna Divagando, toca o coração de quem lê. De verdade isso em minha opinião é uma das coisas mais fantásticas de se ter um blog. Compartilhar amor e receber amor.

01 Amizades.

Conheci uma das minhas melhores amigas  da vida, a minha gêmula, Fran do Diário de uma Leitora Compulsiva através do blog.  E ao longo desses anos o blog me apresentou muitas pessoas lindas. Pessoas que já tive o prazer de conhecer pessoalmente e outras que tenho certeza que um dia vou conhecer.

E no meu caso, que lá em 2010 resolveu criar um blog por que se sentia sozinha ter feito tantos amigos e criado tantos laços através desse meu cantinho é o que faz ter um blog realmente valer a pena ().

imagem: Giphy
Então, se identificou com algum ponto citado? Me conta qual foi ou foram eles nos comentários! Espero que vocês tenham gostado desse primeiro post da Sociedade Secreta Literária ().

Vejo vocês nos próximos posts!

Instagram

© 2010 - 2021 Blog My Dear Library | Ariane Gisele Reis • Livros, Música, Arte, Poesias e Sonhos. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in