Sponsor

Mostrando postagens com marcador Editora Verus. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Editora Verus. Mostrar todas as postagens
25/02/2016

Sweet por Tammara Webber

| Arquivado em: RESENHAS.

ISBN: 9788580414851
Editora: Verus
Ano de Lançamento: 2015
Número de páginas: 322
Classificação: Ótimo
Sinopse: Contornos do Coração - Livro 03.
Boyce Wynn é um cara ferido e selvagem, mas resiliente. Pearl Frank sempre foi uma garota obediente, mas agora está inquieta. Quando volta para sua cidadezinha, em crise com sua escolha profissional, Pearl tem duas certezas: Boyce é exatamente aquilo que ela deveria evitar — e tudo o que ela mais quer. Ele é rebelde e barulhento. Indiferente ao que as pessoas pensam dele. Intenso. Forte. Perigoso. Mas Boyce tem mais uma característica — algo que ele esconde de todos, exceto de Pearl: ele é doce.

Adoro livros com premissas “previsíveis”. Acho que isso torna o desafio de escrever uma boa história ainda maior para um autor. Até por que nada melhor do que surpreender o leitor mesmo quando esse já imagina como será o final. E os livros da Tammara Webber tem essa característica. São histórias totalmente clichês, mas que de algum modo ainda trazem consigo aquele elemento surpresa, um toque diferente que faz com elas sejam especiais.

Boyce Wynn foi o típico adolescente problema. Abandonado pela mãe ainda criança, vivendo com o pai e o irmão em um lar abusivo, e arrumando encrenca por onde passava, Boyce vinha com um aviso bem grande de “perigo”. Em especial para as boas meninas como Pearl Frank que sabem que devem manter distancia de rapazes assim. Afinal ela é aquele tipo de garota que nunca quebra as regras, a filha obediente a melhor aluna. Mas como a velha máxima de que os “opostos se atraem” é quase sempre verdadeira, no fundo ambos sempre souberam que existia uma faísca entre eles.

Quando o colégio acaba, cada um segue por caminhos distintos. Boyce amadurece e assume a oficina mecânica do pai se tornando um jovem e promissor empresário. Pearl vai para a faculdade, conhece o cara perfeito e passa a se questionar de todas as escolhas que fez até ali foram certas.  Ela então decide jogar tudo para o alto e voltar para a sua cidade natal, onde finalmente está disposta a lutar por seus sonhos. Esse é sem sombra de dúvidas um péssimo momento para se deixar envolver por Boyce, pois tanto a sua vida pessoal como profissional estão viradas de ponta cabeça.

Mas como continuar negando o que a vida toda sentiu por ele? Principalmente quando Boyce sempre mostrou para ela o seu melhor lado. Um lado doce e protetor que somente Pearl conhece. Conforme os dias se passam e eles se tornam cada vez mais próximos, a atração que sempre sentiram um pelo outro fica mais forte e irresistível.  E tudo ia bem, até que a vida resolve complicar um pouquinho as coisas.

Boyce e Pearl já são velhos conhecidos dos fãs da série Contornos do Coração. Em Breakable conhecemos os dois através das lembranças de Lucas (). E a forma com desde o livro anterior a sua história vinha sendo estruturada, já tinha me deixado com aquela pontinha de curiosidade em saber com o vinculo entre eles tinha se formado. E para minha felicidade, Tammara Webber não me decepcionou.

Sweet possui uma narrativa que nos envolve aos poucos, no mesmo ritmo em que vamos desvendando seus personagens e conhecendo seu passado. Confesso que a primeira vista, eu não tinha simpatizado muito com o Boyce.  Sabe aquela pessoa que parece ter raiva do mundo, ao menos tempo em que parece não se importar com nada? Era essa visão que eu tinha do Boyce, porém depois de conhecê-lo melhor, cada nuance de sua personalidade, me vi encantada por ele. Boyce é aquele tipo de pessoa que está tão cansada de “apanhar” da vida que prefere esconder o “seu melhor”, para não se machucar ainda mais. E quantas vezes nós mesmos não agíamos assim (...).

Já Pearl aparentemente possui uma personalidade “apagada”, do tipo que aceita tudo e não questiona nada. Na verdade em muitos momentos eu sentia que ela tinha um enorme medo de enfrentar o mundo “real”, e de assumir as rédeas da própria vida aceitando que o peso de suas escolhas, significava ter que sair da redoma na qual ela foi criada. Durante o desenvolvimento de Sweet é visível à evolução que a Pearl tem na história, e admito que no final fiquei bastante orgulhosa dela.

A cada capitulo Tammara Webber nos revelava o passado que Boyce e Pearl tinham juntos, e o quanto ao longo dos anos foi difícil para os dois negarem o que sentiam um pelo outro. Sweet é muito mais do que uma história de paixão intensa, mesclada com dramas pessoais e pitadas de sensualidade.  Ela é uma história de amizade sincera que se transformou ao longo dos anos em amor. Mais uma vez através de sua narrativa fluida, a autora nos traz uma trama marcante de duas pessoas tentando encontrar o próprio caminho, lutando por seus sonhos ao mesmo tempo em que tentam enxergar um futuro juntos.

E é justamente essa a qualidade que mais amo nos livros da Tammara Webber. Suas histórias são reais, seus personagens são comuns com medos, sonhos, frustrações e pequenas conquistas. E tudo isso com uma suavidade incrível, que faz com que os livros da autora tenham um lugar especial na minha estante e no meu coração.  E bem, acho que não preciso dizer que quase “morri” quando meu namorado oficial literário deu o ar da graça por aqui, não é? Muito amor por esse Lucas minha gente ().

“A vida era parte sobrevivência, parte satisfação, e encontramos essas duas coisas um no outro. Fosse milagre, destino ou coincidência, eu simplesmente aceitava. E agarrava isso com as duas mãos.”

Sweet possui uma história doce sem ser enjoativa, daquelas que chega de mansinho e nos envolve por completo. Intensa e ao mesmo tempo delicada, que se revela poucos e ao final nos deixa completamente apaixonados.

Veja Também:

12/11/2015

Perdida por Carina Rissi

| Arquivado em: RESENHAS.

ISBN: 9788576862444
Editora: Verus
Ano de Lançamento: 2013
Número de páginas: 364
Classificação: Ótimo
Onde Comprar: Submarino.
Sinopse: Perdida – Livro 01.
Sofia vive em uma metrópole e está acostumada com a modernidade e as facilidades que ela traz. Ela é independente e tem pavor à mera menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são aqueles que os livros proporcionam. Após comprar um celular novo, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século dezenove, sem ter ideia de como voltar para casa – ou se isso sequer é possível. Enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de retornar ao tempo presente, ela é acolhida pela família Clarke. Com a ajuda do prestativo – e lindo – Ian Clarke, Sofia embarca numa busca frenética e acaba encontrando pistas que talvez possam ajudá-la a resolver esse mistério e voltar para sua tão amada vida moderna. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos...

Fazia um bom tempo que vinha querendo ler um livro da autora Carina Rissi. Tanto que Perdida, já estava separado há uns três meses em no meu criado mudo, mas sempre acontecia algo que me “impedia” de finalmente começar a sua leitura. Porém dessa vez ainda me recuperando de uma ressaca literária pensei comigo, - agora vai! E para minha felicidade acabei me surpreendendo bastante com que encontrei.

Sofia tem vinte quatro anos e é totalmente dependente da tecnologia para tudo em sua vida. Ela não acredita em contos de fadas e tem ambições maiores do que o casamento e constituir uma família. Mas, todas as convicções de Sofia estão prestes a ser postas a prova. Após comprar seu novo celular, com uma vendedora para lá de estranha ela vai parar direito no século dezenove. Perdida em uma época muito distante da sua e sem ter ideia de como voltar para o seu próprio tempo, Sofia é resgata e acolhida pela família Clarke.

Ian Clarke parece com um dos mocinhos dos vários romances que Sofia gosta de ler. Educado, prestativo e lindo, não demora muito para que Sofia se encante pelo moço. A atração entre eles se torna cada vez mais irresistível, e parece que existe um campo de força que os mantém sempre próximos demais um do outro. Porém a vida toda de Sofia está no século vinte um. Seus amigos, seu trabalho e tudo aquilo com o qual ela cresceu e está acostumada. Mas quando Sofia está com Ian ela sente que está casa, e que o século dezenove é o seu lugar. 

Conforme os dias passam e seus sentimentos pelo charmoso Senhor Clarke ficam mais fortes, Sofia fica cada vez mais confusa em relação ao seu lugar no tempo e no mundo. Quando o fim de sua jornada se aproxima, Sofia só tem certeza de uma coisa, - que independente do que acontecer em seu futuro ela jamais conseguirá esquecer Ian e os dias que passaram juntos.

Confesso que a principio fiquei com receio de não gostar da história, já que sempre tenho um pé atrás com livros que são por assim dizer “amados por todo mundo”. Porém, logo nas primeiras páginas esse receio deu lugar à ansiedade de saber o que iria acontecer no próximo capitulo. Carina Rissi construiu um enredo leve, envolvente e com um ritmo rápido que nos faz viajar para o século dezenove, com seus modos mais “comportados” e vestidos bufantes. Mas, como nem tudo são flores nessa minha vida literária, devo admitir que em nenhum momento, eu consegui me identificar com a protagonista. E essa foi à razão pela qual não marquei o livro como favorito.

A Sofia é extremamente fútil e imatura e tive muita dificuldade de enxerga-la com uma mulher adulta de vinte quatro anos, por conta de seus irritantes “faniquitos”. Na verdade em muitas situações a irmã caçula do Ian, Elisa que tem apenas dezesseis anos me parecia muito mais madura e sensata que a própria Sofia. Foi bem “sofrível” em muitos momentos aguentar os dramas e as reclamações dela. E mesmo que no final ela tenha meio que aprendido a lição se tornado uma pessoa “melhor”, acredito que já era um pouco tarde demais para que nós duas fôssemos grandes amigas.

Em compensação Ian () é aquele personagem que rouba o nosso coração assim que surge na história. Ele é inteligente, gentil e paciente e não vou negar que por diversas vezes torci para ele encontrar alguém que realmente merecesse o amor dele. Sim, - não gostei da Sofia mesmo (me julguem).  Os personagens secundários também tiveram o seu espaço na narrativa dando a ela dinamismo e uma fluidez maior. Gostei muito do Gomes e da Madalena, assim como também da Elisa.

Com uma narrativa simples, divertida e despretensiosa, Perdida se mostrou uma história deliciosa de acompanhar. E apesar dos meus problemas como a Sofia, me vi com lágrimas nos olhos nas páginas finais. Em minha opinião a história terminou bem fechada, embora eu esteja me coçando de curiosidade para ler a continuação da série. Espero não me decepcionar.

“(...) Tem sido assim desde a primeira vez que a vi. Desde aquele instante percebi que não era mais dono do meu coração, que ele não me pertencia mais.”

Em Perdida, Carina Rissi me levou por uma montanha russa de emoções em que ri e chorei ao mesmo tempo.  Através de suas palavras desejei me perder também em séculos passados, onde a vida era mais simples, tranquila e as pessoas ao que parece tinham mais tempo para viver uma verdadeira história amor. Quero um Ian Clarke () para mim gente, como faz?

09/03/2015

Breakable por Tammara Webber

| Arquivado em: Resenhas.


ISBN: 9788576863694
Editora: Verus
Ano de Lançamento: 2014
Número de páginas: 364
Classificação: Ótimo
Sinopse: Contornos do Coração - Livro 02.
Landon Lucas Maxfield teve uma infância privilegiada, levando uma vida tranquila com os pais e tendo um futuro promissor à sua frente, até que uma tragédia impensável destruiu sua família e o fez duvidar de tudo que um dia pareceu tão certo. Agora um intenso e enigmático homem, Lucas só quer deixar o passado para trás. Quando ele conheceu Jacqueline, foi fácil desejar ser tudo aquilo de que ela precisava. Mas se há uma coisa que a vida lhe ensinou é que a alma é frágil e que todos os seus sonhos podem ser destruídos em um piscar de olhos.

Mesmo New Adult não sendo um dos meus gêneros favoritos, alguns livros conseguem se destacar e ganhar um espaço especial em meu coração. E Easy é um exemplo perfeito disso. Por esse motivo, mesmo com receio de me decepcionar assim que tive oportunidade li Breakable.  Nesse “lado B” da história que conhecemos em Easy, a autora Tammara Weber, nos presenteia com uma narrativa intensa e envolvente.

Não sei se contém spoilers do primeiro livro. Por isso quem não quer se arriscar pode pular dois parágrafos.

Após uma grande tragédia, Landon e seu pai deixam para trás suas vidas em Washington para morar na humilde casa de seu avô na costa do Golfo. Porém, às vezes as atitudes que tomamos para fugir dos problemas, trazem problemas ainda maiores.  Ao tentar recomeçar Landom faz novos amigos, se apaixona e tem seu coração partido pela primeira vez. Envolve-se em confusões e passa a trilhar caminhos errados, até que alguém, um velho amigo lhe oferece a oportunidade que seria a sua salvação.

Quando um novo começo se apresenta a sua porta, Landom está disposto a deixar tudo o que aconteceu para traz de uma vez por todas. Ele passa a usar seu nome do meio, Lucas e assume uma personalidade enigmática que ao mesmo tempo em que atrai, afasta as pessoas.  Mas, em uma noite no campus Jacqueline entra em sua vida e junto com ela os seus fantasmas.

Em Breakable mergulhamos mais fundo no intrigante e sombrio passado do Lucas. E acompanhar o crescimento do personagem, da forma como a Tammara Webber proporcionou aqui fez com que eu me sentisse ainda mais próxima dele. Pois é justamente todo esse passado conturbado que formou o caráter desse homem tão apaixonante.

Breakable é muito mais do que uma mesma história apresentada por um outro ponto de vista.  Intercalando os capítulos entre o passado e presente, ele nos apresenta uma narrativa mais forte e por diversas vezes até cruel. Conhecer melhor o Lucas e as sombras que ele carrega consigo, não apenas me fez entender algumas das atitudes que ele teve no primeiro livro, como também aumentou a admiração que eu já sentia pelo personagem.

Tipo, ele passou a vida toda praticamente carregando em seu coração o peso de uma culpa, que nunca foi dele. Chegou ao fundo do poço e conheceu o pior lado do caráter algumas pessoas.  E mostrou para todo mundo que não são as tragédias que determinam o nosso futuro, e sim as escolhas que fazemos em nosso presente. Sério, mesmo eu já sabendo o final não pude evitar sentir aquela pontinha de orgulho dele ().

Tammara Webber construiu uma trama com personagens marcantes e uma narrativa que faz com que você realmente se envolva com a história. E por mais que em alguns momentos o romance tenha sido deixado de lado aqui, é visível o quando a Jacqueline teve um papel fundamental da redenção do Lucas. Provando que o verdadeiro amor é capaz de “salvar” uma pessoa, mesmo quando ela já perdeu a fé em si mesmo.

Acredito que justamente por esse motivo que gostei tanto de Easy e agora de Breakable, pois a autora não criou nenhuma história “bobinha” em que as pessoas se apaixonam do nada, fazem drama por nada e no final vão morar no mundo encantado de “My Little Poney”. Não, ela escreveu algo real, em que os personagens não são perfeitos e a vida está longe de ser um conto de fadas.

Não que eu goste de drama. Ok, pode ser que eu goste um pouco de drama, mas em minha opinião quando um autor escreve uma história “verdadeira”, que  conquista e emociona o leitor, ele conseguiu criar algo especial. E assim com Easy, a sua maneira Breakable é especial.

“Ela despertara o amor no coração de um homem cuja alma fora congelada há anos atrás, anestesiada por sofrimento e culpa insuportáveis.”

Uma história de recomeços, perdão e de uma paixão capaz curar as mais profundas cicatrizes. Breakable é um misto de fragilidade e beleza, que o nos leva por uma jornada emocionante pelo passado confuso de um homem. Doloroso, delicado e inesquecível.

Veja também:
Easy.

21/11/2013

Easy por Tammara Webber



ISBN:
Editora: Verus
Ano de Lançamento: 2013
Número de páginas: 308
Classificação:



Sinopse: Quando Jacqueline segue o namorado de longa data para a faculdade que ele escolheu, a última coisa que ela espera é levar um fora no segundo ano. Depois de duas semanas em estado de choque, ela acorda para sua nova realidade: ela está solteira, frequentando uma universidade que nunca quis ignorada por seu antigo círculo de amigos e, pela primeira vez na vida, quase repetindo em uma matéria. Ao sair de uma festa sozinha, Jacqueline é atacada por um colega de seu ex. Salva por um cara lindo e misterioso que parece estar no lugar certo na hora certa, ela só quer esquecer aquela noite — mas Lucas, o cara que a ajudou, agora parece estar em todos os lugares. A atração entre eles é intensa. No entanto, os segredos que Lucas esconde ameaçam separá-los. Mas eles vão ter de descobrir que somente juntos podem lutar contra a dor e a culpa, enfrentar a verdade — e encontrar o poder inesperado do amor.

Muito antes do seu lançamento oficial no Brasil, Easy já tinha aquele status de “queridinho”, sendo um dos livros mais esperados e comentados do ano.  Eu como vocês bem sabem, sempre fico com os meus dois pezinhos trinta e quatro atrás, quando um livro parece ser uma espécie de unanimidade entre todo mundo. Porém, para minha felicidade mais uma vez acabei mordendo a língua e me surpreendendo com uma história muito bem construída.

Jacqueline pode ter cometido um dos maiores erros da sua vida, ao confiar que um namoro que começo no ensino médio duraria para sempre.  Antes mesmo que ela pudesse superar o choque de ter todos os seus sonhos destruídos como o fim do seu relacionamento com Kennedy, Jacqueline ainda teria que enfrentar um tipo de problema, pelo qual ela jamais pensou que passaria. Ao sair da festa de Halloween organizada pela fraternidade do seu ex, ela é ataca por Buck, um dos colegas de Kennedy. Apavorada e aparentemente sem saída Jacqueline, não conseguia acreditar que aquilo estava acontecendo com ela, e principalmente que Buck podia ser capaz de algo tão cruel. Quando o pior parecia inevitável, um anjo chamado Lucas (pausa para suspiros) apareceu em sua vida.

Lucas possui aquele charme misterioso, que faz você ficar caidinha por ele logo nas primeiras páginas.  E claro que com Jacqueline não seria assim tão diferente.  Primeiro foi o sentimento de gratidão misturado com a vergonha, por ele ter ajudado ela naquela noite terrível, mas depois outro tipo de sentimento começou a surgir. Lucas estava sempre por perto como um bom amigo, e com o tempo atração entre os dois foi se tornando cada vez mais forte e, - irresistível.  Porém, o que Jacqueline não imagina é que a vida de Lucas possui segredos sombrios, que podem colocar em risco o frágil relacionamento entre os dois.

Easy começa de uma maneira bem simplista, prometendo ser apenas mais uma leitura no estilo “Sessão da Tarde”. Não que ele apresente alguma coisa muito surpreendente em seu enredo também, porém o fato dele abordar temas atuais e sérios de uma forma bem realista foi fazendo com que a cada capitulo eu me visse cada vez mais envolvida e curiosa pela história escrita pela autora Tammara Webber.

Assim como em Química Perfeita, em que temos toda a parte “gracinha” do romance que nos deixa com o coração acelerado, temos também a parte mais séria em que os personagens são obrigados a lidar com seus medos e fraquezas. Outro ponto legal é que o envolvimento do casal principal não é aquela coisa arrebatadora, que do dia para noite eles percebem que não podem mais viver um sem o outro e todo aquele blá,blá,blá de sempre. A relação entre eles é construída aos poucos e no decorrer da narrativa você vai percebendo que os sentimentos deles vão amadurecendo.

Foi praticamente impossível eu conseguir largar o livro. A narrativa de Easy é envolvente com personagens carismáticos que conseguiram me fazer amá-los e detestá-los com a mesma intensidade. Claro que muitas coisas que acontecem durante o desenvolvimento da história podem soar bem clichês, como algumas atitudes um tanto infantis dos protagonistas nos momentos errados (pelo menos em meu ponto de vista), só que apesar disso, me vejo obrigada a confessar que gostei mais do livro do que eu imaginava gostar, ao começar a leitura. Na verdade eu, simplesmente adorei a história!Não é que o estou começando a gostar desse tal New Adult?

“Amor não é a ausência de lógica, mas a lógica examinada e recalculada aquecida e curvada para caber dentro dos contornos do coração.”

Com uma narrativa leve e ao mesmo tempo intensa, Easy vai fazer você perder algumas horas de sono, mas posso garantir que será por um ótimo motivo. Um dos melhores livros que li esse ano. Vale a pena!

06/01/2013

A Batalha do Apocalipse por Eduardo Spohr

A Batalha do Apocalipse por Eduardo Spohr.

ISBN: 978857686071
Editora: Verus
Ano: 2010
Número de páginas: 586
Classificação: 3 estrelas
Onde Comprar: FNAC, Livraria Cultura, Livraria Saraiva, Livraria da Travessa, Submarino - Compare os Preços.

Sinopse: Da Queda dos Anjos ao Crepúsculo do Mundo.Há muitos e muitos anos, há tantos anos quanto o número de estrelas no céu, o Paraíso Celeste foi palco de um terrível levante. Um grupo de anjos guerreiros, amantes da justiça e da liberdade, desafiou a tirania dos poderosos arcanjos, levantando armas contra seus opressores. Expulsos, os renegados foram forçados ao exílio, e condenados a vagar pelo mundo dos homens até o dia do Juízo Final.


Desde que comecei a resenhar os livros que leio no blog nunca fiquei em dúvida sobre postar ou não a minha opinião a respeito de uma obra aqui. Mas, eis que surgiu A Batalha do Apocalipse que mesmo hoje, após um mês do termino da leitura e de um bom tempo de reflexão sobre a história, ainda me causa sentimentos contraditórios. 

Há um mês se alguém me perguntasse o que achei de A Batalha do Apocalipse eu diria com toda certeza que: “Foi uma das leituras mais decepcionantes de 2012 para mim”; fato esse que infelizmente não mudou, mas depois desse tempo refletindo sobre o conjunto da obra em si, sou obrigada a admitir que mesmo sendo decepcionante, ele é um bom livro.

Acho que a primeira coisa que devo resaltar é que, se você já não tem aquela pré-disposição para ler livros longos é melhor evitar esse. A Batalha do Apocalipse não foi um livro escrito para quem gosta de narrativas mais diretas e desfechos rápidos, além disso, ele possuiu um vocabulário muito rebuscado e repetitivo o que, com o tempo torna a leitura excessivamente maçante. Em minha opinião a história teria sido muito melhor desenvolvida se o autor tivesse se atentado mais aos “fatos reias” e economizado no uso de flashbacks, esses que devido ao exagero com que apareciam na história me deixavam com vontade de abandonar o livro.

Tudo bem, que de certa forma eles tiveram um papel importante na narrativa, pois é através deles que se conhece um pouco melhor os personagens centrais e secundários da história. O problema é que quando você se depara com um capítulo de cento e trinta cinco páginas só de flashback aquele pensamento que: “Senta que lá vêm à história” surgi em sua mente meio que automaticamente, se é que vocês me entendem. Ai você lê, lê, lê, lê e parece que a narrativa não sai do lugar, e quando finalmente ela anda uns cinco passos eis que surge novamente: “Senta que lá vêm à história”, mais uma vez.

Ok! Vá lá que o autor quis contar toda a história do Anjo Renegado, Ablon o mocinho da vez e da Feiticeira de En-Dor, Shamira desde os primórdios da Babilônia, passando pelo Império Romano e a Idade Média até os dias atuais. Sim, ele também precisava de alguma forma explicar toda a mitologia que ele criou referente aos anjos e suas castas, como também a diferença de cada plano espiritual citado no livro, mas tipo não dava para fazer um “resumo da opera” não? Nada contra as narrativas extremamente longas, lentas e descritivas, ao contrário eu até gosto delas desde que, os fatos narrados agreguem alguma coisa à história, porém aqui esse “direto do túnel do tempo”, só serviu para dar volume de página ao livro.

Em minha opinião o livro se salva justamente por causa de toda a mitologia e simbolismo que o autor criou, pois infelizmente os personagens em sua grande maioria não se destacam. O casal de protagonistas, Ablon e Shamira juntos não convencem. De verdade eles formam um casal totalmente sem graça, sem química, do tipo que não tem absolutamente nada a ver juntos. Já Miguel, o Arcanjo é do tipo de personagem que promete muito e acaba tendo uma participação um tanto “inglória” para a importância que foi dada a ele em toda a história. O mesmo acontece com Lúcifer que não chega a ser tão perverso como se era esperado e, na verdade em alguns momentos ele chega até há ser meio engraçado. Sim leitores, imaginem o Arcanjo Sombrio, o mais temido de todos sendo o personagem mais “engraçadinho” do livro todo. Foi bem decepcionante. Porém, nem tudo está perdido, afinal personagens como Arcanjo Gabriel, os anjos Aziel e Natanael e os demônios Amael e Orion, que são aqui personagens secundários conseguem ser mais carismáticos e terem papéis mais marcantes na história do que os protagonistas.

Outro detalhe negativo do livro é que todos os inimigos “super poderosos” do Anjo Renegado eram mortos por ele com tanta facilidade que até as batalhas que deveriam ser o clímax da história se tornavam ridiculamente sem graça. Falando no clímax, o final surpreendente que é tão esperado, desejado durante todo o livro é o mais decepcionante de tudo. Tipo eu realmente esperava uma “grande batalha”, algo realmente épico e quando o livro terminou eu pensei: “Fala sério? Tudo isso para a história acabar assim!”, me desculpem a sinceridade, mas foi o final mais medíocre que já li. Claro que teve algumas revelações bombásticas, porém eu esperava mais, muito mais.

Bem, mesmo terminando o livro com um sentimento de decepção muito grande, eu tenho que reconhecer a ousadia e a criatividade do autor. Apesar da leitura em alguns momentos ter sido um verdadeiro exercício de paciência, Eduardo Spohr conseguiu de alguma maneira despertar em mim aquele sentimento de curiosidade o que me fez aguentar firme e forte o livro até o final. Eu gostei muito da mitologia que o autor criou como também os períodos históricos em que o livro foi narrado. Em si o livro é uma grande obra e não digo isso pela quantidade de páginas, mas pela história que Spohr criou, só acho que o autor acabou pecando pelo exagero em alguns momentos, porém não posso negar que ele é um autor talentoso.

A Batalha do Apocalipse não é um livro que eu recomendo para quem tem uma filosofia religiosa muito forte e não curte muito literatura fantástica. Para os que gostam de gênero é uma leitura que, embora seja um pouco cansativa é válida principalmente para quem quer conhecer o trabalho do autor. A minha dica é não esperar muito de livro e ter a consciência que, você vai precisar de uma boa dose de paciência para levar a leitura até o final.



18/11/2012

Belo Desastre por Jamie Mcguire


Belo Desastre por Jamie Mcguire.

ISBN: 9788576861911
Editora: Verus
Ano: 2012
Número de páginas: 389
Classificação: 2 estrelas
Onde Comprar: FNAC, Livraria Cultura, Livraria Saraiva, Livraria da Travessa, Submarino - Compare os Preços



Sinopse: Abby Abernathy é uma boa garota. Ela não bebe nem fala palavrão, e tem a quantidade apropriada de cardigãs no guarda-roupa. Abby acredita que seu passado sombrio está bem distante, mas, quando se muda para uma nova cidade com America, sua melhor amiga, para cursar a faculdade, seu recomeço é rapidamente ameaçado pelo bad boy da universidade. Travis Maddox, com seu abdômen definido e seus braços tatuados, é exatamente o que Abby precisa – e deseja – evitar. Ele passa as noites ganhando dinheiro em um clube da luta e os dias seduzindo as garotas da faculdade. Intrigado com a resistência de Abby ao seu charme, Travis a atrai com uma aposta. Se ele perder, terá que ficar sem sexo por um mês. Se ela perder, deverá morar no apartamento dele pelo mesmo período. Qualquer que seja o resultado da aposta, Travis nem imagina que finalmente encontrou uma adversária à altura. E é então que eles se envolvem em uma relação intensa e conturbada, que pode acabar levando-os à loucura.


Faz exatamente seis dias que estou tentado começar esta resenha. Foram inúmeras tentativas, mas a verdade é que não sei ao certo por onde começar ou o que escrever. E antes que vocês pensem que esse “bloqueio” se dê pelo fato de eu ter achando o livro fantástico, maravilhoso, incrível e todo o blá, blá, blá que com certeza vocês já leram sobre ele em outras resenhas, acredito que a minha opinião será um pouquinho diferente das outras.

Então antes de vocês começarem a questionar se estou passando por uma fase de chatice crônica ou algo mais sério que nem a ciência explica, já que os livros que todo mundo ama não andam despertando em mim tanto amor assim, vamos aos fatos.

Sinceramente eu achei Belo Desastre um livro muito, mais muito normal mesmo. Não vi nada de incrível, controverso, viciante, romântico, sensual ou qualquer outra classificação que tenham dado a ele. Simplesmente normal.  Eu não vi nada de “super fantástico”, apenas um livro com uma história para lá de clichê que ainda tenta justificar o comportamento abusivo dentro do relacionamento.

Belo Desastre me chamou a atenção por que todo mundo estava dizendo que ele era perfeito, um dos melhores livros do ano, e a sinopse dele realmente me fez acreditar que eu precisava ler ele.  E eu nem vou entrar na questão que a sinopse não tem relação nenhuma com a história em si, por que não vejo isso como uma falha já, que acredito que a grande maioria das pessoas se interessou pelo livro por causa dela. Então ela cumpriu bem o papel de despertar a curiosidade de nós leitores.

O meu maior problema com o livro foi à construção dos personagens, e me perdoem a sinceridade, eu achei eles muito fracos. Tanto a personalidade da Abby como a do Travis não coincidem em nada com a imagem que a autora tenta passar deles durante toda a história.  E isso vale também para America melhor amiga de Abby e seu namorado Shepley, primo de Travis.  Até mesmo o Parker (a pior tentativa de criar um triângulo amoroso de 2012) e o Finch não deixaram muito claro para o que vieram na história. Eu esperava personagens mais maduros com atitudes mais adultas, e me decepcionei com o fato de que além deles terem um comportamento incoerente, algumas situações eram tão infantis que quando cheguei à metade do livro eu já tinha perdido quase todo o animo com que iniciei a leitura.

Em minha opinião o livro acabou se estendendo demais e sem necessidade, pois o desfecho já estava muito claro desde o começou da história, e da metade para o final foi uma sucessão de brigas, voltas, ataques de ciúmes, um verdadeiro drama que não agregou em nada à narrativa. É triste ter que admitir isso, mas eu só continuei a leitura por que no fundo eu tinha esperança que a autora em algum momento fosse me surpreender e infelizmente isso não aconteceu.

É claro que o livro tem pontos positivos e um deles é a escrita da autora Jamie Mcguire. A narrativa é fluida o que faz com que o ritmo de leitura seja rápido e envolvente. Jamie Mcguire quis usar a velha fórmula que o "amor muda as pessoas", só que no meu ponto de vista a relação da Abby com o Travis está longe de ser amor. A forma como ele trata ela é abusiva e me deixou incomodada em vários momentos.

Além disso, fiquei com a sensação que autora se perdeu no meio do caminho e não soube mais conciliar a história que ela tinha em mente com a personalidade dos personagens. Pelo menos foi à impressão que eu tive. Embora não tenha sido a “minha leitura do ano”, Belo Desastre possui os ingredientes certos para um bom livro, ingredientes esses que funcionaram bem até a metade da história. Gostei e desgostei de muitas coisas durante a leitura, claro que desgostei mais, porém nem tudo é perfeito (...).

Talvez se eu tivesse conseguido me identificar com alguém ou até me “apaixonado” pelo Travis, as minhas impressões do livro seriam totalmente diferentes, mas Belo Desastre não conseguiu fazer com que eu caísse de amores por ele. Podem brigar comigo e me chamar de chata, mas essa é a realidade.

20/02/2012

Amor de Redenção por Francine Rivers

Amor de Redenção por Francine Rivers.                                                                                             

Ficha Técnica:

Editora: Verus
Autor: Francine Rivers
ISBN: 9788576860884
Ano: 2010
Edição: 1
Número de páginas: 460
Classificação: 5 estrelas
Onde Comprar: FNAC, Livraria Cultura, Livraria Saraiva, Livraria da Travessa, Submarino Compare os Preços.

Sinopse:                                                                                              

Pode o amor de Deus resgatar uma pessoa que não acredita mais no amor humano?


Califórnia, 1850. Uma época em que os homens vendiam a própria alma por um punhado de ouro e as mulheres vendiam o próprio corpo por um lugar para dormir. Angel aprendeu a não esperar dos homens nada além de traição.Vendida como prostituta ainda criança, a única maneira que ela encontra para sobreviver é mantendo o ódio bem vivo em seu coração. E o que ela mais odeia são os homens que a usaram, deixando-a com um imenso vazio interior. Até o dia em que ela conhece Michael Hosea. Um homem que busca o divino em todas as coisas, Michael obedece ao chamado de Deus para que se case com Angel e a ame incondicionalmente. Aos poucos, ele vai conquistando um lugar cada dia maior no coração de sua esposa, que começa a se abrir para ele. Mas, com a chegada inesperada desse amor, Angel é invadida por sentimentos arrebatadores de medo e de desprezo por si mesma. E então ela foge, de volta para a escuridão, para longe do amor perseverante de seu marido, morrendo de medo da verdade que ela já não pode negar: sua cura definitiva deve vir daquele que a ama mais até do que Michael... aquele que jamais vai abandoná-la.

Resenha:                                                                                                                                                 

Como descrever em apenas uma resenha o turbilhão de emoções que senti ao ler este livro? Nunca li um livro com tanta profundidade emocional, com uma narrativa tão tocante e ao mesmo tempo com um enredo tão simples.

Difícil não sentir todo o sofrimento e o desprezo por si mesmo que sente uma pessoa que sempre acreditou que seu nascimento foi um erro. Difícil não se comover com toda a dor que sente uma pessoa que foi vendida ainda criança para prostituição e foi ensinada a nunca acreditar no amor. Mas difícil ainda é não sentir raiva quando essa pessoa encontra uma mão disposta a curar todas essas feridas e ela só a despreza.

Amor de Redenção leva o leitor a sentir tudo isso pela personagem principal, Angel. Durante a leitura muitas vezes senti muita raiva pelo modo como ela agia com Michael, mas ao mesmo tempo eu sentia muita pena dela também. Angel tinha que lidar com muitos “demônios” internos e não tinha nenhuma fé que fosse conseguir vencer essa disputa. Para ela tudo estava acabado não tinha mais saída ou uma luz lá no fim do túnel pela qual ela pudesse se guiar.

Mesmo como Michael apareceu em sua vida com toda a sua fé e paciência, disposto a dar todo o seu amor foi difícil ela acreditar que fosse merecedora disso e mais impossível ainda ela acreditar que alguém quisesse lhe dar algo sem querer nada em troca.

As coisas só pioram quando Paul, viúvo da irmã de Michael volta e reconhece Angel com a prostituta mais cara de Pair-a-Dice e decidi odiá-la por seu passado sem dar uma chance a ela de provar que merecia um futuro. Para Paul, Angel era uma mulher cruel sem sentimentos que só estava usando e brincando com os sentimentos de Michael.

Mesmo quando Miriam e sua família surgem com a promessa de uma amizade verdadeira, Angel sente que não pertence e não merece aquele lugar, ela foge deixando para traz uma vida que para ela pertencia à outra pessoa.

Amor de Redenção é sem sombra de dúvidas um dos melhores livros que já li na minha vida. Francine Rivers construiu uma história tão cheia de amor, compaixão e perdão que é impossível ler este livro sem ficar tocado emocionalmente por todos os personagens. A narrativa da autora é de uma humanidade incrível que há muito tempo eu não encontrava nos livros.

Cada capítulo se inicial com uma frase ou versículo bíblico, que funcionam como uma pequena introdução na verdade, já que essas pequenas citações meio que antecipam um pouco como será o capitulo.

Apesar da fama de todo romance histórico tem ser livros mais “apimentados”, Amor de Redenção é um romance delicado que acima de tudo nos revela a importância do maior amor que pode existir; O amor de Deus.

O final do livro é de uma beleza tão grande que senti vontade de bater palmas para a Francine Rivers. Fazia tempo que não via uma autora dar um final tão completo e digno para uma história.

Foi o primeiro livro que li da editora Verus e gostei muito, tanto da diagramação do livro que foi muito bem feita, com pela fidelidade que a tradução manteve por não tentar “modernizar” os termos usados na época.

Com uma narrativa delicada e personagens tocantes fazem de Amor de Redenção um livro que durante a leitura nos leva a uma reflexão interior e com isso rever nossos julgamentos e pré-conceitos.

Eis um livro que merece mais que cinco estrelas!



Instagram

© 2010 - 2021 Ariane Gisele Reis | My Dear Library • Divagações, Livros e Música. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in