Sponsor

Mostrando postagens com marcador new adult. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador new adult. Mostrar todas as postagens
25/02/2016

Sweet por Tammara Webber

| Arquivado em: RESENHAS.

ISBN: 9788580414851
Editora: Verus
Ano de Lançamento: 2015
Número de páginas: 322
Classificação: Ótimo
Sinopse: Contornos do Coração - Livro 03.
Boyce Wynn é um cara ferido e selvagem, mas resiliente. Pearl Frank sempre foi uma garota obediente, mas agora está inquieta. Quando volta para sua cidadezinha, em crise com sua escolha profissional, Pearl tem duas certezas: Boyce é exatamente aquilo que ela deveria evitar — e tudo o que ela mais quer. Ele é rebelde e barulhento. Indiferente ao que as pessoas pensam dele. Intenso. Forte. Perigoso. Mas Boyce tem mais uma característica — algo que ele esconde de todos, exceto de Pearl: ele é doce.

Adoro livros com premissas “previsíveis”. Acho que isso torna o desafio de escrever uma boa história ainda maior para um autor. Até por que nada melhor do que surpreender o leitor mesmo quando esse já imagina como será o final. E os livros da Tammara Webber tem essa característica. São histórias totalmente clichês, mas que de algum modo ainda trazem consigo aquele elemento surpresa, um toque diferente que faz com elas sejam especiais.

Boyce Wynn foi o típico adolescente problema. Abandonado pela mãe ainda criança, vivendo com o pai e o irmão em um lar abusivo, e arrumando encrenca por onde passava, Boyce vinha com um aviso bem grande de “perigo”. Em especial para as boas meninas como Pearl Frank que sabem que devem manter distancia de rapazes assim. Afinal ela é aquele tipo de garota que nunca quebra as regras, a filha obediente a melhor aluna. Mas como a velha máxima de que os “opostos se atraem” é quase sempre verdadeira, no fundo ambos sempre souberam que existia uma faísca entre eles.

Quando o colégio acaba, cada um segue por caminhos distintos. Boyce amadurece e assume a oficina mecânica do pai se tornando um jovem e promissor empresário. Pearl vai para a faculdade, conhece o cara perfeito e passa a se questionar de todas as escolhas que fez até ali foram certas.  Ela então decide jogar tudo para o alto e voltar para a sua cidade natal, onde finalmente está disposta a lutar por seus sonhos. Esse é sem sombra de dúvidas um péssimo momento para se deixar envolver por Boyce, pois tanto a sua vida pessoal como profissional estão viradas de ponta cabeça.

Mas como continuar negando o que a vida toda sentiu por ele? Principalmente quando Boyce sempre mostrou para ela o seu melhor lado. Um lado doce e protetor que somente Pearl conhece. Conforme os dias se passam e eles se tornam cada vez mais próximos, a atração que sempre sentiram um pelo outro fica mais forte e irresistível.  E tudo ia bem, até que a vida resolve complicar um pouquinho as coisas.

Boyce e Pearl já são velhos conhecidos dos fãs da série Contornos do Coração. Em Breakable conhecemos os dois através das lembranças de Lucas (). E a forma com desde o livro anterior a sua história vinha sendo estruturada, já tinha me deixado com aquela pontinha de curiosidade em saber com o vinculo entre eles tinha se formado. E para minha felicidade, Tammara Webber não me decepcionou.

Sweet possui uma narrativa que nos envolve aos poucos, no mesmo ritmo em que vamos desvendando seus personagens e conhecendo seu passado. Confesso que a primeira vista, eu não tinha simpatizado muito com o Boyce.  Sabe aquela pessoa que parece ter raiva do mundo, ao menos tempo em que parece não se importar com nada? Era essa visão que eu tinha do Boyce, porém depois de conhecê-lo melhor, cada nuance de sua personalidade, me vi encantada por ele. Boyce é aquele tipo de pessoa que está tão cansada de “apanhar” da vida que prefere esconder o “seu melhor”, para não se machucar ainda mais. E quantas vezes nós mesmos não agíamos assim (...).

Já Pearl aparentemente possui uma personalidade “apagada”, do tipo que aceita tudo e não questiona nada. Na verdade em muitos momentos eu sentia que ela tinha um enorme medo de enfrentar o mundo “real”, e de assumir as rédeas da própria vida aceitando que o peso de suas escolhas, significava ter que sair da redoma na qual ela foi criada. Durante o desenvolvimento de Sweet é visível à evolução que a Pearl tem na história, e admito que no final fiquei bastante orgulhosa dela.

A cada capitulo Tammara Webber nos revelava o passado que Boyce e Pearl tinham juntos, e o quanto ao longo dos anos foi difícil para os dois negarem o que sentiam um pelo outro. Sweet é muito mais do que uma história de paixão intensa, mesclada com dramas pessoais e pitadas de sensualidade.  Ela é uma história de amizade sincera que se transformou ao longo dos anos em amor. Mais uma vez através de sua narrativa fluida, a autora nos traz uma trama marcante de duas pessoas tentando encontrar o próprio caminho, lutando por seus sonhos ao mesmo tempo em que tentam enxergar um futuro juntos.

E é justamente essa a qualidade que mais amo nos livros da Tammara Webber. Suas histórias são reais, seus personagens são comuns com medos, sonhos, frustrações e pequenas conquistas. E tudo isso com uma suavidade incrível, que faz com que os livros da autora tenham um lugar especial na minha estante e no meu coração.  E bem, acho que não preciso dizer que quase “morri” quando meu namorado oficial literário deu o ar da graça por aqui, não é? Muito amor por esse Lucas minha gente ().

“A vida era parte sobrevivência, parte satisfação, e encontramos essas duas coisas um no outro. Fosse milagre, destino ou coincidência, eu simplesmente aceitava. E agarrava isso com as duas mãos.”

Sweet possui uma história doce sem ser enjoativa, daquelas que chega de mansinho e nos envolve por completo. Intensa e ao mesmo tempo delicada, que se revela poucos e ao final nos deixa completamente apaixonados.

Veja Também:

26/11/2015

O Lado Feio do Amor por Colleen Hoover

| Arquivado em: RESENHAS.

ISBN: 9788501105738
Editora: Galera Record
Ano de Lançamento:  2015
Número de páginas:  336
Classificação:
Onde Comprar: Submarino.
Sinopse: Quando Tate Collins se muda para o apartamento de seu irmão, Corbin, a fim de se dedicar ao mestrado em enfermagem, não imaginava conhecer o lado feio do amor. Um relacionamento onde companheirismo e cumplicidade não são prioridades. E o sexo parece ser o único objetivo. Mas Miles Archer, piloto de avião, vizinho e melhor amigo de Corbin, sabe ser persuasivo... apesar da armadura emocional que usa para esconder um passado de dor.O que Miles e Tate sentem não é amor à primeira vista, mas uma atração incontrolável. Em pouco tempo não conseguem mais resistir e se entregam ao desejo. O rapaz impõe duas regras: sem perguntas sobre o passado e sem esperanças para o futuro. Será um relacionamento casual. Eles têm a sintonia perfeita. Tate prometeu não se apaixonar. Mas vai descobrir que nenhuma regra é capaz de controlar o amor e o desejo.

Confesso que tinha um pé atrás com a autora Colleen Hoover, já que fui uma das poucas pessoas que conheço que não caiu de amores por Métrica. Porém depois que li a resenha da Cida do Moonlight Books, do livro O Lado Feio do Amor, fiquei bastante curiosa para conhecer a história. Por isso mais uma vez passei a frente na minha meta de leitura, um livro que não estava nela. E como vocês já puderam perceber valeu a pena cometer essa pequena “travessura”.

Miles Archer é um jovem e belo piloto de avião que passou os últimos seis anos assombrado pelos fantasmas do passado. Miles se fechou para o mundo e principalmente para o amor. Ele acredita que não é mais capaz de amar ninguém e por isso faz de tudo para se afastar desse sentimento. À noite em que ele e Tate Collins se conhecem é apenas um bom exemplo de como ele deixou que a amargura tomasse conta do seu coração e de sua vida.

Tate é a irmã caçula de Corbin, amigo e vizinho de Miles, que por necessidades financeiras precisa passar um tempo no apartamento do irmão enquanto cursa seu mestrado em enfermagem. Tate não é uma jovem inexperiente quando o assunto é relacionamentos, por isso ela logo percebe que a atração que sente por Miles pode ser perigosa para o seu coração. Afinal Miles faz questão de deixar bem claro que não está em busca de um grande amor. Ele quer um relacionamento casual, sem perguntas a respeito do seu passado e muito menos planos para o futuro.

Porém quando duas pessoas se tornam muito próximas, acordos e regras podem ser facilmente quebradas e mudadas. Será Tate capaz de romper a muralha que Miles construiu em volta de si, fazendo o jovem piloto voltar a acreditar no amor? Ou ela sairá dessa relação arruinada e com seu coração partido? Tate descobrirá que amar, nem sempre acaba sendo uma experiência boa para algumas pessoas. Ao contrário, pode ser algo sombrio e triste deixando cicatrizes profundas demais em quem conhece esse lado “feio do amor”.

Sabe aquele livro que você ama e odeia ao mesmo tempo? Pois bem, nesse momento esse livro para essa que vos escreve é O Lado Feio do Amor.  Mas, antes que vocês achem que estou "maluca", vou explicar os motivos para tamanha confusão de sentimentos nesse meu coração de leitora. Vamos começar pelo fato que eu praticamente devorei o livro. Li ele em apenas um dia tamanha era a minha necessidade de decifrar o introspectivo Miles e de ver a Tate colocando ele e suas regras egoístas no seu devido lugar.

Só que em muitos momentos odiei a forma “passiva” com Tate aceita o que Miles quer dar a ela. Odiei quando mesmo sabendo que poderia terminar com o coração partido ela continuou insistindo na relação.  Odiei que Tate tenha se “humilhando” por migalhas de atenção sabendo que era exatamente isso que ela estava fazendo, - se humilhando. Mas, eu amei a sua coragem de jogar as verdades na cara do Miles quando era necessário. Amei quando a ela seguiu em frente quando foi preciso e principalmente por ela não ter desistido dele

Odiei o Miles por ter deixado que o seu passado quase o destruísse. Odiei quando ele se fechava e agia como um cafajeste. Odiei quando ele dava falsas esperanças para Tate e para mim. Odiei pensar nele muitas vezes como um covarde egoísta. Porém, todo esse enigma que é Miles Archer me fez ama-lo e querer cuidar dele também. Colleen Hoover não escreveu uma história “bonitinha” aqui. O Lado Feio do Amor possui uma narrativa fluida e intensa em que autora soube como trabalhar as fraquezas dos personagens para criar uma história triste, melancólica e acima de tudo tocante.

Gostei de ver como Tate e Miles se aproximaram e se envolveram mesmo achando que a principio o relacionamento dos dois não era algo muito saudável para ela. Gostei como a autora foi revelando o passado de Miles, trazendo a tona os acontecimentos que o tornaram o homem triste, amargurado e com tanto medo de amar que Tate conhece. Os personagens secundários também tem um papel importante no desenvolvimento da história em especial o fofo do Corbin e o Cap, pois ambos a sua maneira deixaram a narrativa mais interessante.

Todos esses elementos fazem do O Lado Feio do Amor um livro que nos conquista aos poucos.  A autora soube trabalhar com a sensualidade na relação dos dois sem deixa-la vulgar, enquanto a cada capitulo ia deixando tudo mais tenso e dramático. Esse foi aquele livro que fez meu coração andar por uma corda bamba de sentimentos e sensações. Eu pressentia que tudo podia ruir de uma hora para outra e quando isso aconteceu meu coração se partiu junto. Foi triste, feio, belo e libertador. Tudo ao mesmo tempo e com a mesma intensidade.

“O amor nem sempre é bonito, Tate. Algumas vezes você gasta todo o seu tempo esperando que finalmente algo seja diferente. Algo melhor. Então, antes que você saiba você está de volta ao primeiro quadrado, e você perdeu seu coração em algum lugar do caminho.”

O Lado Feio do Amor é um livro que fala de dor, de perdas, de medos e recomeços.  E por mais clichê que possa parecer, ele consegue emocionar mesmo você odiando e amando tudo nele.  Mesmo que não concorde com nada e ache que tudo está errado, você ainda assim vai torcer por um final feliz. Recomendo!

09/03/2015

Breakable por Tammara Webber

| Arquivado em: Resenhas.


ISBN: 9788576863694
Editora: Verus
Ano de Lançamento: 2014
Número de páginas: 364
Classificação: Ótimo
Sinopse: Contornos do Coração - Livro 02.
Landon Lucas Maxfield teve uma infância privilegiada, levando uma vida tranquila com os pais e tendo um futuro promissor à sua frente, até que uma tragédia impensável destruiu sua família e o fez duvidar de tudo que um dia pareceu tão certo. Agora um intenso e enigmático homem, Lucas só quer deixar o passado para trás. Quando ele conheceu Jacqueline, foi fácil desejar ser tudo aquilo de que ela precisava. Mas se há uma coisa que a vida lhe ensinou é que a alma é frágil e que todos os seus sonhos podem ser destruídos em um piscar de olhos.

Mesmo New Adult não sendo um dos meus gêneros favoritos, alguns livros conseguem se destacar e ganhar um espaço especial em meu coração. E Easy é um exemplo perfeito disso. Por esse motivo, mesmo com receio de me decepcionar assim que tive oportunidade li Breakable.  Nesse “lado B” da história que conhecemos em Easy, a autora Tammara Weber, nos presenteia com uma narrativa intensa e envolvente.

Não sei se contém spoilers do primeiro livro. Por isso quem não quer se arriscar pode pular dois parágrafos.

Após uma grande tragédia, Landon e seu pai deixam para trás suas vidas em Washington para morar na humilde casa de seu avô na costa do Golfo. Porém, às vezes as atitudes que tomamos para fugir dos problemas, trazem problemas ainda maiores.  Ao tentar recomeçar Landom faz novos amigos, se apaixona e tem seu coração partido pela primeira vez. Envolve-se em confusões e passa a trilhar caminhos errados, até que alguém, um velho amigo lhe oferece a oportunidade que seria a sua salvação.

Quando um novo começo se apresenta a sua porta, Landom está disposto a deixar tudo o que aconteceu para traz de uma vez por todas. Ele passa a usar seu nome do meio, Lucas e assume uma personalidade enigmática que ao mesmo tempo em que atrai, afasta as pessoas.  Mas, em uma noite no campus Jacqueline entra em sua vida e junto com ela os seus fantasmas.

Em Breakable mergulhamos mais fundo no intrigante e sombrio passado do Lucas. E acompanhar o crescimento do personagem, da forma como a Tammara Webber proporcionou aqui fez com que eu me sentisse ainda mais próxima dele. Pois é justamente todo esse passado conturbado que formou o caráter desse homem tão apaixonante.

Breakable é muito mais do que uma mesma história apresentada por um outro ponto de vista.  Intercalando os capítulos entre o passado e presente, ele nos apresenta uma narrativa mais forte e por diversas vezes até cruel. Conhecer melhor o Lucas e as sombras que ele carrega consigo, não apenas me fez entender algumas das atitudes que ele teve no primeiro livro, como também aumentou a admiração que eu já sentia pelo personagem.

Tipo, ele passou a vida toda praticamente carregando em seu coração o peso de uma culpa, que nunca foi dele. Chegou ao fundo do poço e conheceu o pior lado do caráter algumas pessoas.  E mostrou para todo mundo que não são as tragédias que determinam o nosso futuro, e sim as escolhas que fazemos em nosso presente. Sério, mesmo eu já sabendo o final não pude evitar sentir aquela pontinha de orgulho dele ().

Tammara Webber construiu uma trama com personagens marcantes e uma narrativa que faz com que você realmente se envolva com a história. E por mais que em alguns momentos o romance tenha sido deixado de lado aqui, é visível o quando a Jacqueline teve um papel fundamental da redenção do Lucas. Provando que o verdadeiro amor é capaz de “salvar” uma pessoa, mesmo quando ela já perdeu a fé em si mesmo.

Acredito que justamente por esse motivo que gostei tanto de Easy e agora de Breakable, pois a autora não criou nenhuma história “bobinha” em que as pessoas se apaixonam do nada, fazem drama por nada e no final vão morar no mundo encantado de “My Little Poney”. Não, ela escreveu algo real, em que os personagens não são perfeitos e a vida está longe de ser um conto de fadas.

Não que eu goste de drama. Ok, pode ser que eu goste um pouco de drama, mas em minha opinião quando um autor escreve uma história “verdadeira”, que  conquista e emociona o leitor, ele conseguiu criar algo especial. E assim com Easy, a sua maneira Breakable é especial.

“Ela despertara o amor no coração de um homem cuja alma fora congelada há anos atrás, anestesiada por sofrimento e culpa insuportáveis.”

Uma história de recomeços, perdão e de uma paixão capaz curar as mais profundas cicatrizes. Breakable é um misto de fragilidade e beleza, que o nos leva por uma jornada emocionante pelo passado confuso de um homem. Doloroso, delicado e inesquecível.

Veja também:
Easy.

22/09/2014

Perdendo-me por Cora Carmack

ISBN: 9788581635279
Editora: Novo Conceito
Ano de Lançamento: 2014
Número de páginas: 288
Classificação: Regular
Este livro foi enviado como
cortesia para resenha.
Onde Comprar: Livraria Cultura, Livraria Saraiva, Submarino.







Sinopse: Perdendo-me  - Livro 1.
VIRGINDADE. Bliss Edwards vai se formar na faculdade e ainda tem a sua. Chateada por ser a única virgem da turma, ela decide que o único jeito de lidar com o problema é perdê-lo da maneira mais rápida e simples possível com uma noite de sexo casual. Tudo se complica quando, usando a mais esfarrapada das desculpas, ela abandona um cara charmosíssimo em sua própria cama. Como se isso não fosse suficientemente embaraçoso, Bliss chega à faculdade para a primeira aula do último semestre e... adivinhe quem ela encontra?

Desde que o gênero New Adult se popularizou, “Losing It“ sempre foi um livro muito bem comentado. Eram tantos os elogios que fui ficando cada vez mais curiosa e quando soube que, a editora Novo Conceito tinha comprado os direitos para lançar o livro no Brasil, fiquei ansiosa esperando pela a oportunidade de finalmente conhecer a história. O problema é que essa que vos escreve, já tinha que ter aprendido que normalmente quando “todo mundo” ama demais um livro, a probabilidade de ela não gostar tanto assim é enorme.

O fato é que ainda estou tentando descobrir se o problema fui eu, ou um conjunto de fatores que somados fizeram com que Perdendo- me da autora Cora Carmack, resulta-se em uma das leituras mais frustrantes de 2014 para mim. Em fim, estou chegando à conclusão que realmente estou ficando “velha” demais para ler determinadas histórias.

Bliss está indo para o seu ultimo ano da faculdade e segundo os padrões preestabelecidos, sabe-se Deus por quem, ela tem um “grande problema”. Bliss ainda é virgem e por esse motivo sua amiga Kelsey decide que tudo o que ela precisa, é de uma noite de diversão sem compromisso. Juntas elas partem para uma balada em que a intenção de ambas é clara, Bliss precisa encontrar o “homem perfeito” para ter a sua primeira vez. Enquanto procura o seu príncipe encantado por uma noite, Bliss esbarra com Garrick Taylor lendo Shakespeare em plena balada.

O primeiro pensamento que vem a mente de Bliss é, “quem lê Shakespeare em uma balada?”. Mas a atração entre ela e o charmoso britânico foi tão instantânea que após uma rápida conversa Bliss tem certeza, que ele era homem certo para apenas uma noite de sexo casual. Porém, quando tudo se encaminhava para ser uma noite incrível, Bliss entra em pânico deixando Garrick sozinho sem saber ao certo o que tinha acontecido com a garota. Só que nenhum dos dois podia imaginar que essa não seria a ultima vez que seus caminhos se encontrariam, pois o destino estava prestes a pregar uma peça divertida em ambos.

Confesso que no contexto geral, a história não é ruim e que ela conseguiu me envolver tanto que li o livro em apenas um dia. O problema foi que, por mais que tentasse ignorar as “futilidades” da protagonista chegou um momento que de verdade eu não consegui mais.  Não é de hoje que venho tendo problemas com as mocinhas dos livros do gênero, o que me faz refletir se é meio padrão elas serem tão chatinhas, ou eu que estou muito “ranzinza” mesmo.

A Bliss tinha a capacidade de transformar tudo em uma verdadeira “tragédia grega”, ao ponto dela se tornar insuportável em determinadas situações.  Além disso, eu esperava personagens mais maduros afinal eles estão no último ano da faculdade e meio que se “acredita” que depois dos vinte e alguns, as pessoas se comportem de uma maneira “mais adulta”.   Tipo é frustrante você ver pessoas que deveriam ter o mínimo de maturidade ao tentar resolver seus problemas, agindo de forma tão ridícula (pronto falei).

Talvez o que tenha colaborado para a minha irritação em alguns momentos durante a leitura, fazendo com que eu tivesse “essa visão” dos personagens foram os diálogos. Eles são tão bobos em sem graça que deixam à história a beira da “infantilidade” crônica. Até mesmo o envolvimento da Bliss com a Garrick, me pareceu um pouco “forçado”, passando aquela sensação que o romance entre eles, era o mais do mesmo de algo que eu já li e não gostei. E a tentativa da autora de inserir um “pseudo” triângulo amoroso na história, não ajudou muito também. Em suma foi, “drama” demais para um final previsível.

“Algumas vezes, as coisas mais assustadoras na vida são as que mais vale a pena.”

Com uma narrativa sem grandes surpresas, Perdendo-me possui uma história rápida e leve, em que se você ignorar as “criancices” dos personagens, consegue ser ao menos divertida. E só (...).

23/06/2014

Entre o Agora e o Sempre por J.A. Redmerski

ISBN: 9788581052151
Editora: Suma de Letras
Ano de Lançamento: 2014
Número de páginas: 304
Classificação: Bom
Onde Comprar: Livraria Cultura, Livraria Saraiva, Submarino - Compare os Preços.




Sinopse: Entre O Agora e O Nunca - Livro 02.
Camryn Bennett e Andrew Parrish nunca foram tão felizes. Cinco meses depois de se conhecerem num ônibus interestadual, os dois estão noivos e prestes a ter um bebê. Nervosa, mas empolgada, Camryn mal pode esperar para viver o resto de sua vida com Andrew, o homem que ela sabe que vai amá-la para sempre. O futuro só lhes reserva felicidade... até que uma tragédia os surpreende. Andrew não consegue entender como algo tão terrivelmente triste pôde acontecer. Ele tenta superar o trauma — e acredita que Camryn esteja fazendo o mesmo. Mas, quando descobre que Camryn busca sufocar uma dor imensa de uma forma perigosa, fará de tudo para salvá-la. Determinado a provar que o amor dos dois é indestrutível, Andrew decide levar Camryn numa nova jornada carregada de esperança e paixão. O mais difícil será convencê-la a ir junto...

Sabe quando você começa a leitura com aquele medo de se decepcionar? Pois bem, eu comecei a leitura de Entre o Agora e o Sempre dessa forma. Desde que soube do lançamento da continuação de Entre o Agora e o Nunca eu fique me perguntando, - do o porquê da autora continuar uma história que já tinha terminado. Ok! O primeiro livro está longe de ser o melhor livro que eu li na minha vida e tudo mais, só que de verdade eu tinha gostado de como tudo acabou. Meu maior medo, ao começar a leitura era que a autora J.A. Redmerski estragasse com tudo. Algo que por muito pouco, não acabou acontecendo de verdade.

Fiquem tranquilos por que essa resenha não vai ter spoilers, até por que assim como no primeiro livro, a sinopse já entrega um pouco a história.  Então vou dar uma resumida em minha opinião.

Eu gostei do livro, - fato. A escrita da J.A. Redmerski é viciante de uma forma que mesmo você não concordando muito do que você está lendo, é praticamente impossível largar o livro. Só que é visível que aqui faltou um pouco da leveza e do espírito de aventura que tornam Entre o Agora e o Sempre um livro “especial”. A sensação que tenho é que a autora quis colocar todos os dramas possíveis nesse segundo livro, em uma tentativa de dar aos personagens um ar mais maduro e responsável.  Tudo bem, nada contra pessoas maduras e responsáveis, o problema é que fora o drama, a relação do casal ficou melosa demais.

Antes o que mais me agradava na relação da Camryn com o Andrew era que embora o amor deles fosse forte, ambos tinha uma personalidade determinada e independente. Mas aqui parecia que eles tinham nascido grudados, e isso no decorrer dos capítulos foi me irritando um pouco.  Sei lá, achei um pouco forçada e até mesmo doentia essa dependência que um criou pelo outro.

Outro detalhe foi que por mais que J.A. Redmerski tentasse resgatar, o ingrediente principal de Entre o Agora e o Nunca, a maneira como o livro começa o desenvolvimento do relacionamento dos personagens fez com que tudo parecesse apenas uma repetição de algo que já tinha acontecido. É como se a Camryn e o Andrew estivem tentado reviver a mesma história, o que obviamente não dá muito certo.

Porém o que mais me incomodou em Entre o Agora e o Sempre, foi o excesso de palavrões nas cenas de sexo. Não querendo ser puritana, ou algo assim, mas realmente eu achei um pouco apelativa essa parte do livro. Entendo que a autora queira dar um toque mais sensual a narrativa, e que desde o livro anterior o enredo possui isso, só que de verdade a linguagem chula era desnecessária. Teve momentos que eu tinha vontade de lavar a boca o Andrew com sabão (sim estou dando uma de tia chata me condenem).

Mas nem tudo está perdido, pois apesar dos pesares e do já esperado clichê, de certa forma os personagens aqui, em especial a Camryn se mostram “mais verdadeiros”. Ela e o Andrew passam por tantas coisas que muitas vezes acabam destruindo com os relacionamentos. E eles terem vencido todos esses obstáculos e terem continuado juntos, acabou fazendo uma lágrima ou outra caírem no final. Ah! Gente, eu sou manteiga derretida, fazer o que?

"Eu sei que você está com medo. Eu estaria mentindo se dissesse que não estou com um pouco de medo também, mas preciso acreditar que dessa vez vai ficar tudo bem. E vai ficar. Nós passamos por tanta coisa juntos. Mais do que a maioria das pessoas em tão pouco tempo. Mas em qualquer situação, a única coisa que nunca mudou é que ainda estamos juntos. (...). Acho que podemos afirmar com toda certeza que somos indestrutíveis”.

Em suma, Entre o Agora e o Sempre é um bom livro, só que não traz nenhum fato marcante que torne o livro único e especial. Para os fãs de Camryn e Andrew é uma leitura válida e prazerosa, desde claro você não vá com muita sede ao pote. Fica a dica!

21/11/2013

Easy por Tammara Webber



ISBN:
Editora: Verus
Ano de Lançamento: 2013
Número de páginas: 308
Classificação:



Sinopse: Quando Jacqueline segue o namorado de longa data para a faculdade que ele escolheu, a última coisa que ela espera é levar um fora no segundo ano. Depois de duas semanas em estado de choque, ela acorda para sua nova realidade: ela está solteira, frequentando uma universidade que nunca quis ignorada por seu antigo círculo de amigos e, pela primeira vez na vida, quase repetindo em uma matéria. Ao sair de uma festa sozinha, Jacqueline é atacada por um colega de seu ex. Salva por um cara lindo e misterioso que parece estar no lugar certo na hora certa, ela só quer esquecer aquela noite — mas Lucas, o cara que a ajudou, agora parece estar em todos os lugares. A atração entre eles é intensa. No entanto, os segredos que Lucas esconde ameaçam separá-los. Mas eles vão ter de descobrir que somente juntos podem lutar contra a dor e a culpa, enfrentar a verdade — e encontrar o poder inesperado do amor.

Muito antes do seu lançamento oficial no Brasil, Easy já tinha aquele status de “queridinho”, sendo um dos livros mais esperados e comentados do ano.  Eu como vocês bem sabem, sempre fico com os meus dois pezinhos trinta e quatro atrás, quando um livro parece ser uma espécie de unanimidade entre todo mundo. Porém, para minha felicidade mais uma vez acabei mordendo a língua e me surpreendendo com uma história muito bem construída.

Jacqueline pode ter cometido um dos maiores erros da sua vida, ao confiar que um namoro que começo no ensino médio duraria para sempre.  Antes mesmo que ela pudesse superar o choque de ter todos os seus sonhos destruídos como o fim do seu relacionamento com Kennedy, Jacqueline ainda teria que enfrentar um tipo de problema, pelo qual ela jamais pensou que passaria. Ao sair da festa de Halloween organizada pela fraternidade do seu ex, ela é ataca por Buck, um dos colegas de Kennedy. Apavorada e aparentemente sem saída Jacqueline, não conseguia acreditar que aquilo estava acontecendo com ela, e principalmente que Buck podia ser capaz de algo tão cruel. Quando o pior parecia inevitável, um anjo chamado Lucas (pausa para suspiros) apareceu em sua vida.

Lucas possui aquele charme misterioso, que faz você ficar caidinha por ele logo nas primeiras páginas.  E claro que com Jacqueline não seria assim tão diferente.  Primeiro foi o sentimento de gratidão misturado com a vergonha, por ele ter ajudado ela naquela noite terrível, mas depois outro tipo de sentimento começou a surgir. Lucas estava sempre por perto como um bom amigo, e com o tempo atração entre os dois foi se tornando cada vez mais forte e, - irresistível.  Porém, o que Jacqueline não imagina é que a vida de Lucas possui segredos sombrios, que podem colocar em risco o frágil relacionamento entre os dois.

Easy começa de uma maneira bem simplista, prometendo ser apenas mais uma leitura no estilo “Sessão da Tarde”. Não que ele apresente alguma coisa muito surpreendente em seu enredo também, porém o fato dele abordar temas atuais e sérios de uma forma bem realista foi fazendo com que a cada capitulo eu me visse cada vez mais envolvida e curiosa pela história escrita pela autora Tammara Webber.

Assim como em Química Perfeita, em que temos toda a parte “gracinha” do romance que nos deixa com o coração acelerado, temos também a parte mais séria em que os personagens são obrigados a lidar com seus medos e fraquezas. Outro ponto legal é que o envolvimento do casal principal não é aquela coisa arrebatadora, que do dia para noite eles percebem que não podem mais viver um sem o outro e todo aquele blá,blá,blá de sempre. A relação entre eles é construída aos poucos e no decorrer da narrativa você vai percebendo que os sentimentos deles vão amadurecendo.

Foi praticamente impossível eu conseguir largar o livro. A narrativa de Easy é envolvente com personagens carismáticos que conseguiram me fazer amá-los e detestá-los com a mesma intensidade. Claro que muitas coisas que acontecem durante o desenvolvimento da história podem soar bem clichês, como algumas atitudes um tanto infantis dos protagonistas nos momentos errados (pelo menos em meu ponto de vista), só que apesar disso, me vejo obrigada a confessar que gostei mais do livro do que eu imaginava gostar, ao começar a leitura. Na verdade eu, simplesmente adorei a história!Não é que o estou começando a gostar desse tal New Adult?

“Amor não é a ausência de lógica, mas a lógica examinada e recalculada aquecida e curvada para caber dentro dos contornos do coração.”

Com uma narrativa leve e ao mesmo tempo intensa, Easy vai fazer você perder algumas horas de sono, mas posso garantir que será por um ótimo motivo. Um dos melhores livros que li esse ano. Vale a pena!

19/11/2013

Na Livraria - 02




Olá leitores! Tudo bem com vocês?

No post de Na Livraria de hoje vou comentar sobre dois livros que aparentemente não tem lá muito haver um com o outro, mas que de uma maneira diferente abordam o mesmo tema, - problemas familiares.

Um eu gostei bastante já o outro embora eu tenha me emocionado em alguns momentos, a história ficou um pouco abaixo do que eu estava esperando.  Os livros do post de hoje foram ambos lançados pela editora Galera Record, e também tem em comum o fato de terem histórias curtas. 

Curiosos? Confiram o que eu achei de Métrica e A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista (nome curtinho heim).

Bem , vou começar por Métrica da autora Colleen Hoover, que foi justamente o livro que eu não curti tanto assim. Mas, antes que vocês me apedrejem por não ter caído de amores, por um dos livros mais adorados dos últimos tempos deixem explicar os meus motivos. Ok!?

Eu gostei de Métrica. Achei a proposta da autora embora não muito original boa, mas o casal protagonista simplesmente não me convenceu. “Como assim Ane?” Tipo, a parte em que a mocinha da história se muda para outra cidade após um acontecimento trágico e acaba se apaixonando por quem não devia tinha tudo para ser uma “grande história”, o que obviamente não foi.

A sensação que eu tive ao ler Métrica, foi que a autora pegou todos os clichês e tragédias literárias existentes e juntou tudo em um mesmo livro, com a intenção de fazer o leitor ficar desidratado ao final. Não que eu não tenha me emocionado e achado alguns acontecimentos tristes. Na verdade achei algumas coisas muito tristes, mas do tipo que de tão “força a barra”, e previsível que não chegaram ao ponto de me fazer chorar.

A protagonista Lake em determinados momentos tem alguns ataques de rebeldia e age de uma forma tão infantil que não condizia com a imagem que a autora tentava passar dela. O mesmo vale para o Will que apesar de tentar passar certo grau de maturidade, também não me convenceu muito. Assim, a intenção do romance entre eles até que é bonitinha e tem toda aquela coisa de ele gostar de poesias (o que é super fofo e tal), porém o envolvimento deles em si é um tanto superficial. Sabem aquela sensação que faltou alguma coisa?  Bem isso (...).

O que eu gostei do livro mesmo, além das poesias (que mesmo sendo algumas aparentemente sem nexo eram interessantes), foi à maneira com a autora trabalhou as questões familiares. A Lake que já vinha de uma perda recente precisava se forte por ela e pelo seu irmão caçula, o Kel. Já do outro lado nós temos o Will que ainda vinha superando todas as dificuldades que a vida tinha lhe imposto, e era tudo o que seu irmão mais novo, Caulder tinha. Preciso mencionar que foram justamente os irmãos mais novos dos personagens centrais, que se destacaram na história. Muito amor por esses dois viu .

Claro que teve outros personagens legais que chegam a ser mais carismáticos que o casal principal, porém o que mais me incomodou em Métrica foi o excesso do “drama show”. Tudo bem que a história de vida pessoal tanto da Lake, como do Will é bem triste e que é o tipo de coisa que pode acontecer com qualquer um. A narrativa em si tenta passar uma mensagem positiva e alegre apesar de tudo, só de verdade em meu ponto de vista houve pouco exagero.

É um bom livro, que possui os elementos certos para ser uma história emocionante, porém não chegou a me surpreender e emocionar. Uma pena (...).

“Arrependimento é contraproducente. É ficar se lembrando de um passado que não pode mudar. Duvidar das coisas à medida que elas ocorrem pode evitar que o arrependimento surja no futuro.”

Sei que muita gente não curtiu esse livro e achou tudo nele fantasioso e superficial, o que não deixa de ser verdade quando você analisa o livro por um lado mais lógico.  Porém, eu gostei da maneira com que a autora trabalhou de uma forma bem “lúdica” e despretensiosa a questão tanto do amor à primeira vista (que eu mesmo não acredito que exista), como a relação algumas vezes complicada entre pais e filhos.

Em A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista da autora Jennifer E. Smith, temos Hadley e Oliver como protagonistas. Eles se conheceram em um voo entre os Estados Unidos para a Inglaterra, mas precisamente Londres, e vamos supor que ambos não estavam muito felizes em ter que fazer essa viagem.


Hadley estava indo para o casamento do seu pai e Oliver, bem ele não estava indo para uma reunião familiar muito animada por assim dizer. O ponto legal da história em minha opinião nem foi o fato dos dois terem se apaixonado perdidamente um pelo outro em apenas vinte e quatro horas. E (isso não é spoiler), é algo que você já sabe que vai acontecer antes mesmo de começar a ler o livro mas, voltando o ponto que me chamou a atenção foi que direta ou indiretamente um ajudou ao outro a superar as dificuldades que sugiram no caminho.

Ok! Que tudo o que aconteceu no decorrer da narrativa é bem impossível acontecer na vida real de alguém em apenas vinte quatro horas, - ou não, sei lá vai que aconteça. Ok!Estou apenas divagando (novidade). Só que justamente essa impossibilidade e a maneira “atropelada” como tudo acontece na história é o que me fez gostar tanto do livro.

Fiquei pensando em como tantas coisas podem acontecer em um único dia, e que às vezes esse único dia pode mudar a vida de alguém para sempre. Além disso, os motivos que levaram os dois a Londres, são muito opostos que mesmo seus conflitos familiares não sendo tão “pesados” como os vividos pelos protagonistas de Métrica.  O encontro de Hadley e Oliver parece realmente ser um daqueles maravilhosos acasos do destino (que todo mundo adoraria que acontecesse ao menos uma vez na própria vida).

Foi um livro que me cativou mesmo sendo um pouco “conto de fadas”, perfeitinho demais.

“Talvez os atrasos no decorrer do dia sejam apenas detalhes, mas, se não fosse por eles, teria sido por causa de alguma outra coisa.”

Espero que vocês tenham gostado do Na Livraria desse mês, reforçando que os dois livros são bons dentro do que cada autora se propôs a escreve. Recomendo!

Até o próximo post!

Beijos;***


19/10/2013

Química Perfeita por Simone Elkeles



ISBN: 8564025167
Editora: Underworld
Ano de Lançamento: 2011
Número de páginas: 307
Classificação:






Sinopse: Os garotos do instituto Fairfiel, do subúrbio de Chicago, sabem que South Side e North Side não se misturam. Assim, quando a líder de torcida Brittany Ellis e o marginal Alex Fuentes são obrigados a trabalhar juntos como parceiros de laboratório na aula de química, os resultados prometem ser explosivos. Mas nenhum deles estava pronto para a reação química mais surpreendente de todas: O amor. Poderão romper os preconceitos e estereótipos que os separam?

Se eu pudesse resumir esse livro em uma única frase essa seria: “Esse livro só pode ser enfeitiçado”, afinal fazia muito tempo que um livro não despertava tantas emoções em mim como Química Perfeita. Comecei a leitura por volta das oito da noite e acreditem quando dei por mim era cinco e meia da manhã. É isso mesmo que vocês estão pensando! Eu li a noite toda, pelo simples fato de que era praticamente impossível largar esse livro.

Acredito que Química Perfeita foi um dos primeiros livros do gênero New Adult lançado no Brasil, e confesso que a principio tive um pouco de receio de ler ele, por achar que a narrativa possuía alguma semelhança com Belo Desastre. Mas, se arrependimento matasse (...), eis mais um livro que deveria vir com o aviso de, “Leia-me agora!” na capa. Com uma narrativa que aborda vários temas complexos e polêmicos, Química Perfeita é um livro intenso, envolvente, imprevisível e apaixonante.

Brittany Ellis é o estereótipo da perfeição no colégio Fairfiel. Linda, rica, líder de torcida e namorada do capitão do time de futebol, ela é adorada e invejada com a mesma intensidade por todos. Porém o que poucos sabem, é que a vida de princesa que todos imaginam que ela vive não existe. Tudo não passa de uma fachada, para esconder o quando ela se sente triste e sozinha. Com exceção de sua melhor amiga Sierra e de seu namorado Collin, ninguém do Fairfiel pode imaginar quão conturbada é a vida de Brittany. Ser perfeita em seu caso não era uma escolha e sim sua maior obrigação.

Alex Fuentes é o extremo oposto de Brittany em tudo. Vindo de uma família pobre que mora longa das mansões, Alex desde cedo conviveu a violência na porta de sua casa. Ele é conhecido por seu temperamento forte, pelas várias tatuagens que tem pelo corpo e por ser membro da violenta gangue Sangue Latino. Porém, mesmo nunca fazendo nada que de fato intimide as pessoas Alex não é uma pessoa bem vista. Aliás, a sua fama e de seus demais amigos da zona noite é a pior possível. Só que quando o inimigo bate constantemente a sua porta, ameaçando a tudo o que você ama, o único jeito é se unir a ele.

Quando o último ano do colégio começa, Brittany tinha em sua mente que esse seria um ano perfeito e que nada iria atrapalhar isso. Até que graças senhora Peterson, ela se vê obrigada a fazer seu projeto de química com a pessoa mais imperfeita que existe em sua opinião, - o bad boy mexicano Alex Fuentes. Obrigados a cooperar um com outro ao mesmo tempo em que as diferenças sociais e as faíscas de um sentimento muito profundo aparecem a todo instante, Brittany e Alex estão prestes a viver um ano que poderá mudar tudo em suas vidas, de uma forma que eles jamais poderiam imaginar.

A principio a narrativa começa lembrando bem aqueles livros mais “teens”, e você meio que acaba não dando muito coisa para história. Só que, conforme os capítulos vão avançando a autora Simone Elkeles introduz de uma maneira muito direta o preconceito, a violência urbana e o problema das drogas. A narrativa deixa de ser “lúdica” e "bonitinha" e começa a realmente a abordar esses problemas de uma forma séria e até um pouco chocante, o que deixou a história muito parecida como é de fato o “mundo real”. A autora também não de preocupou em velar o linguajar mais pesado com diálogos contendo palavrões e referências bem explicita ao sexo. O que em alguns livros fica vulgar, aqui só serve para fazer com que o leitor entenda e se envolva ainda mais com a atmosfera da história.

Outro detalhe em Química Perfeita é que a maneira com a Simone Elkeles construiu e desenvolveu toda a narrativa torna praticamente impossível você não se afeiçoar pelos personagens. E eu não digo isso só dos personagens centrais a Brittany e o Alex, mas sim de todos os personagens. A irmã mais velha da Brittany, a Shelley é um dos personagens mais especiais do livro, por tudo aquilo que ela representa na história. Da mesma forma o Paco, melhor amigo do Alex, que apesar de todos os problemas e traumas familiares por qual ele passa consegue ser uma pessoa sempre animada e disposta a se sacrificar pelos outros.

Eu podia escrever uma resenha enorme (não que essa não esteja ficando), e mesmo assim eu não conseguiria traduzir em palavras o quanto esse livro é especial. E o quanto ele mexeu comigo. Durante suas trezentas e sete páginas, eu ri, senti medo, passei raiva, suspirei e chorei (...), chorei muito!  O que mais posso dizer? Química Perfeita é com certeza um dos melhores livros que li esse ano. É muito amor gente!

“ – Quero, da vida, as mesmas coisas que você- eu admito. – Apenas, vou por outro caminho. Você se adapta ao seu ambiente e eu ao meu”.

Leitura obrigatória para o fã de New Adult e um livro que vai surpreender aos que não são tão fãs assim, Química Perfeita possui ingredientes altamente viciantes que vão fazer você perder o sono e não conseguir parar de ler até chegar no “então ...” Ah! Acharam que eu ia contar o final, não é mesmo?

A minha dica final é: Leiam esse livro!


29/09/2013

Nada é para Sempre por Ali Cronin



• ISBN: 9788565765053
• Editora: Seguinte
• Ano de Lançamento: 2012
• Número de páginas: 272
• Classificação: Bom
Este livro foi enviado como
cortesia para resenha.





Sinopse:  Garota ♥ Garoto - Livro 01

Cass é a namorada fiel. Ashley não leva nada a sério. Donna é festeira. Ollie é mulherengo. Jack é esportista. Rich talvez seja gay. Mas e Sarah? Os amigos sempre tiram sarro dela por ser certinha demais, mas ela só está esperando pelo cara certo e agora tem certeza de que o encontrou. Será que ele sente a mesma coisa? Ou tudo não passa de uma paixão de verão? Acompanhe o emocionante último ano de escola de quatro garotas e três garotos de dezoito anos.




Gosto de livros com histórias simples e com personagens comuns. Acredito até que seja mais difícil para um autor escrever algo tão cotidiano que pode acontecer, ou ter acontecido com quem um dia irá ler seu livro. Escrever “contos de fadas” deve ser sempre mais “fácil”, ou não quem sabe (?). Mas, nesse primeiro livro da série Garota ♥ Garoto a autora Ali Cronin conseguiu de uma forma muito delicada e verdadeira contar uma típica história comum em que, o um belo príncipe encantado em uma noite como qualquer outra, se transformar em sapo.

Quem nunca se “deslumbrou” com o primeiro amor que atire a primeira pedra. Mesmo que em alguns casos esse amor tenha sido platônico, a verdade é que sempre acreditamos que ele será o mais perfeito e que durará para sempre. Sarah é o retrado fiel da boa menina. Ninguém jamais esperaria que ela agisse contra as regras, em especial por causa de um garoto que conheceu nas últimas férias de verão na Espanha.

Joe é o cara perfeito, tão perfeito que Sarah se apaixona perdidamente por ele. Depois dos dias maravilhosos que compartilharam da companhia um do outro na Espanha, ambos retornam para sua rotina na Inglaterra. Joe para faculdade em Londres e Sarah para seu último ano no ensino médio em Brighton. Ela acredita que Joe está tão apaixonado quanto ela e que, os dois eles vão vencer a pequena distância que os separa em nome dessa grande paixão. Mesmo o fato de Joe ter demorado um pouco para entrar em contato novamente, não abala o coração apaixonado de Sarah. Seus inseparáveis amigos Cass, Ashley, Donna, Ollie, Jack e Rich logo percebem que alguma coisa está errada, mas como bons amigos, acham melhor não se meter na história para não atrapalhar os sonhos amorosos de Sarah.

Porém, como bem sabemos a vida nem sempre é do jeito que queremos e muitas vezes o que é sonho pode se tornar uma bela decepção. Com o tempo a Sarah que todos conheciam; feminista, defensora da causa e que “odiava” os homens se torna uma pessoa completamente obsessiva e por que não dizer muito, mais muito chata. Ela não tinha mais assunto e tudo em sua vida se resumia a Joe. Nada mais tinha importância a não ser Joe. E conforme a relação entre os dois vai ficando cada vez mais distante a obsessão de Sarah vai ficando cada vez pior, até que ela se vê completamente sozinha.

 Ali Cronin, captou de uma maneira sensível e ao mesmo tempo bem realista as emoções e ilusões do primeiro amor, o que para muitos pode até soar um pouco clichê. Confesso que não me simpatizei com a Sarah em momento algum. Não só pelo fato dela ter meio que “surtado” e deixado os amigos de lado por conta de um “amor de verão”, mas por que em outras ocasiões (nas raras vezes em que Joe não era o seu centro do Universo), ela me passo à sensação de ser uma pessoa egoísta que só pensava em si própria, - e em Joe é claro.

A narrativa é fluida, o que torna a leitura rápida e agradável do tipo em que os personagens secundários conseguem ser mais marcantes e cativantes do que a protagonista em si. Adorei a Ashley, o Rich e principalmente o fofo do Ollie. A autora também trabalha com uma linguagem mais coloquial sem ser vulgar e com excessos de descrições.  É tudo muito direto, nada de detalhes desnecessários.

Conforme a leitura evoluiu, eu fiquei tão envolvida com a história que só me dei conta que o livro está acabando quando cheguei ao último capitulo. Ok! Pode não ser o livro mais surpreendente que li em minha vida, mas de certa forma foi uma história que conseguiu manter a minha atenção e que, ao final também não me decepcionou.

“Eu pensava no que dizer. Estava apaixonada por Joe, não havia dúvida, mas me parecia algo importante demais para revelar em um jogo”.

Nada é para Sempre é o primeiro livro da série Garota ♥ Garoto, que ao total contará com sete livros. Para quem gosta de histórias leves e simples com certeza não irá se decepcionar.



23/06/2013

Entre o Agora e o Nunca por J.A. Redmerski



• ISBN: 9788581051406
• Editora: Suma de Letras
• Ano de Lançamento: 2013
• Número de páginas: 368
• Classificação: Muito Bom
Onde Comprar: Livraria Cultura, Livraria Saraiva, Submarino - Compare os Preços.

Sinopse: Camryn Bennett é uma jovem de 20 anos que desistiu do amor desde que Ian, seu namorado, morreu num acidente de carro há um ano. Sua melhor amiga, Natalie, é a única capaz de animá-la. Mas a relação entre as duas fica abalada quando o namorado de Nat revela à Camryn que está apaixonado por ela. Perdida, sem saber o que fazer, Camryn vai para rodoviária e pega o primeiro ônibus interestadual, sem se importar com o destino. Com uma carteira, um celular e uma pequena bolsa com alguns itens indispensáveis, Camryn embarca para Idaho. Mas o que ela não esperava era conhecer Andrew Parrish, um jovem sedutor e misterioso, a caminho para visitar o pai, que está morrendo de câncer. Andrew se aproxima da companheira de viagem, primeiro para protegê-la, mas logo uma conexão irresistível se forma entre os dois. Camryn tenta lutar contra o sentimento, já que jurou nunca mais se apaixonar desde a morte de Ian. Andrew também tenta resistir, motivado pelos próprios segredos.

Confesso que ao iniciar a leitura de Entre o Agora e o Nunca, eu estava bem receosa em relação ao que ia encontrar nele. O motivo desse meu “pé atrás”, é minha tendência a não gostar muito desses livros que se tornam uma espécie de “febre literária” e que todo mundo parece amar. Sou uma chata mesmo e admito isso, mas para minha surpresa, Entre o Agora e o Nunca superou e muito todas as minhas baixas expectativas em relação a ele. Não que eu tenha achado ele o melhor que li em 2013, só que às vezes é realmente bom não esperar muito de um livro.

Como vocês podem perceber a sinopse tecnicamente entrega boa parte da história, então vou dar uma resumida. Camryn é aquela menina toda certinha que do dia para noite vê sua vida virar de cabeça para baixo. Primeiro ela perde seu namorado em um trágico acidente, seu irmão vai para cadeia, seus pais se separam e por ultimo a relação com sua melhor amiga, Natalie fica estremecida. Cá entre nós, um belo dramalhão mexicano não é mesmo? Só que com tudo isso acontecendo, Camryn percebe que precisa dar um tempo em tudo para decidir qual caminho seguir. Colocando em uma mala apenas o essencial, ela parte de ônibus para o primeiro destino que lhe vem à mente, esperando que esse tempo em que passará sozinha a ajude cicatrizar todas as suas feridas e a organizar a bagunça que está a sua vida. 

Porém, o destino quis que ela não passasse essa fase de reflexão tão sozinha assim, e por isso logo tratou de colocar Andrew em seu caminho. Mas, Andrew possui seus próprios segredos e cicatrizes para esconder, algo que está correndo um sério risco de acabar descoberto, a cada segundo que ele passa ao lado de Camryn. Há principio a sutil troca de fartas no meio de uma viagem qualquer, se torna um elo forte demais para acabar da próxima parada, e o que então era para ser mais uma simples viagem para dois, se transforma na viagem de suas vidas.

Bem, eu gostei muito da premissa do livro, afinal que nunca quis pegar um ônibus e sair por ai sem destino certo só para dar um tempo na “dona realidade”. O problema é que senti falta daqueles pequenos detalhes que sempre acabam fazendo grande diferença na história. A narrativa em si fica muito focada na Camryn e no Andrew, em seus dilemas e no seu óbvio envolvimento que acabou me dando aquela sensação de superficialidade na história. Mesmo ambos sendo personagens mais maduros, senti falta de narrativa mais sólida e menos fantasiosa, por assim dizer.

A autora J.A. Redmerski, possui uma escrita envolvente que mesmo apesar de algumas “licenças poéticas” prendeu minha atenção do começo ao fim do livro. Gostei da forma como ela guiou a história, embora em certos momentos eu reconheça que algumas situações me pareceram um pouco vagas e um tanto forçadas. Sabe quando o autor enrola um pouco para fazer o que é óbvio acontecer, e quando acontece força um pouquinho a barra? Foi mais ou menos assim que aconteceu. Outro ponto, é que o livro ele possui uma linguagem bem “cotidiana”, o que por um lado foi muito bom já que deu a narrativa um ritmo mais rápido, só que por outro o excesso de palavrões deixou as partes que deveriam ser as mais bonitas do livro um pouco vulgares. Assim, no em meu ponto de vista não tinha a necessidade de escrachar tanto, mas fazer o que não é (...).

Ouvi bastante gente comentar que não curtiu o final por que achou corrido e forçado demais. Bem, - foi corrido? Sim! Foi forçado? Infelizmente sim também! Principalmente por que ele meio que foi totalmente contra a forma com que a autora vinha conduzindo a história. É tão ruim assim? Não, claro que não! Se eu falar que não me emocionei estou mentindo. Claro que a manteiga derretida aqui tinha que acabar chorando no final, mas também não nego que esperava um final mais surpreendente e menos clichê.  Até mesmo em relação ao final, sinceramente eu não vejo qual o gancho que a autora usou para escrever o segundo livro, já que em meu ponto vista ela deixou tudo bem fechado aqui. Vamos ter que esperar para ver o que vem por ai em, The Edge of Always.

“Coincidência é só nome que os conformista dão ao destino.”

Com uma narrativa simples, Entre o Agora e o Nunca é aquele um livro despretensioso que conquista o leitor com personagens cativantes e uma história que faz qualquer um sentir vontade de pegar a mochila e cair na estrada.

Fica a dica!

18/11/2012

Belo Desastre por Jamie Mcguire


Belo Desastre por Jamie Mcguire.

ISBN: 9788576861911
Editora: Verus
Ano: 2012
Número de páginas: 389
Classificação: 2 estrelas
Onde Comprar: FNAC, Livraria Cultura, Livraria Saraiva, Livraria da Travessa, Submarino - Compare os Preços



Sinopse: Abby Abernathy é uma boa garota. Ela não bebe nem fala palavrão, e tem a quantidade apropriada de cardigãs no guarda-roupa. Abby acredita que seu passado sombrio está bem distante, mas, quando se muda para uma nova cidade com America, sua melhor amiga, para cursar a faculdade, seu recomeço é rapidamente ameaçado pelo bad boy da universidade. Travis Maddox, com seu abdômen definido e seus braços tatuados, é exatamente o que Abby precisa – e deseja – evitar. Ele passa as noites ganhando dinheiro em um clube da luta e os dias seduzindo as garotas da faculdade. Intrigado com a resistência de Abby ao seu charme, Travis a atrai com uma aposta. Se ele perder, terá que ficar sem sexo por um mês. Se ela perder, deverá morar no apartamento dele pelo mesmo período. Qualquer que seja o resultado da aposta, Travis nem imagina que finalmente encontrou uma adversária à altura. E é então que eles se envolvem em uma relação intensa e conturbada, que pode acabar levando-os à loucura.


Faz exatamente seis dias que estou tentado começar esta resenha. Foram inúmeras tentativas, mas a verdade é que não sei ao certo por onde começar ou o que escrever. E antes que vocês pensem que esse “bloqueio” se dê pelo fato de eu ter achando o livro fantástico, maravilhoso, incrível e todo o blá, blá, blá que com certeza vocês já leram sobre ele em outras resenhas, acredito que a minha opinião será um pouquinho diferente das outras.

Então antes de vocês começarem a questionar se estou passando por uma fase de chatice crônica ou algo mais sério que nem a ciência explica, já que os livros que todo mundo ama não andam despertando em mim tanto amor assim, vamos aos fatos.

Sinceramente eu achei Belo Desastre um livro muito, mais muito normal mesmo. Não vi nada de incrível, controverso, viciante, romântico, sensual ou qualquer outra classificação que tenham dado a ele. Simplesmente normal.  Eu não vi nada de “super fantástico”, apenas um livro com uma história para lá de clichê que ainda tenta justificar o comportamento abusivo dentro do relacionamento.

Belo Desastre me chamou a atenção por que todo mundo estava dizendo que ele era perfeito, um dos melhores livros do ano, e a sinopse dele realmente me fez acreditar que eu precisava ler ele.  E eu nem vou entrar na questão que a sinopse não tem relação nenhuma com a história em si, por que não vejo isso como uma falha já, que acredito que a grande maioria das pessoas se interessou pelo livro por causa dela. Então ela cumpriu bem o papel de despertar a curiosidade de nós leitores.

O meu maior problema com o livro foi à construção dos personagens, e me perdoem a sinceridade, eu achei eles muito fracos. Tanto a personalidade da Abby como a do Travis não coincidem em nada com a imagem que a autora tenta passar deles durante toda a história.  E isso vale também para America melhor amiga de Abby e seu namorado Shepley, primo de Travis.  Até mesmo o Parker (a pior tentativa de criar um triângulo amoroso de 2012) e o Finch não deixaram muito claro para o que vieram na história. Eu esperava personagens mais maduros com atitudes mais adultas, e me decepcionei com o fato de que além deles terem um comportamento incoerente, algumas situações eram tão infantis que quando cheguei à metade do livro eu já tinha perdido quase todo o animo com que iniciei a leitura.

Em minha opinião o livro acabou se estendendo demais e sem necessidade, pois o desfecho já estava muito claro desde o começou da história, e da metade para o final foi uma sucessão de brigas, voltas, ataques de ciúmes, um verdadeiro drama que não agregou em nada à narrativa. É triste ter que admitir isso, mas eu só continuei a leitura por que no fundo eu tinha esperança que a autora em algum momento fosse me surpreender e infelizmente isso não aconteceu.

É claro que o livro tem pontos positivos e um deles é a escrita da autora Jamie Mcguire. A narrativa é fluida o que faz com que o ritmo de leitura seja rápido e envolvente. Jamie Mcguire quis usar a velha fórmula que o "amor muda as pessoas", só que no meu ponto de vista a relação da Abby com o Travis está longe de ser amor. A forma como ele trata ela é abusiva e me deixou incomodada em vários momentos.

Além disso, fiquei com a sensação que autora se perdeu no meio do caminho e não soube mais conciliar a história que ela tinha em mente com a personalidade dos personagens. Pelo menos foi à impressão que eu tive. Embora não tenha sido a “minha leitura do ano”, Belo Desastre possui os ingredientes certos para um bom livro, ingredientes esses que funcionaram bem até a metade da história. Gostei e desgostei de muitas coisas durante a leitura, claro que desgostei mais, porém nem tudo é perfeito (...).

Talvez se eu tivesse conseguido me identificar com alguém ou até me “apaixonado” pelo Travis, as minhas impressões do livro seriam totalmente diferentes, mas Belo Desastre não conseguiu fazer com que eu caísse de amores por ele. Podem brigar comigo e me chamar de chata, mas essa é a realidade.

Instagram

© 2010 - 2021 Ariane Gisele Reis | My Dear Library • Divagações, Livros e Música. Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in